Hoje começa oficialmente o carnaval no Brasil sendo está a festa mais popular do país comemorada do Oiapoque ao Chuí de Campo Grande a Natal Destaque

Hoje começa oficialmente o carnaval no Brasil sendo está a festa mais popular do país comemorada do Oiapoque ao Chuí de Campo Grande a Natal .

O quanto o Carnaval pode nos dizer sobre diversidade e inclusão...

Está começando a festa mais popular no Brasil e também aquela tida como mais diversa.

O Carnaval é reconhecido por unir todas as pessoas, independentemente de origem, religião, idade ou gênero.

É uma festa diversa também por misturar ritmos, temas, fantasias, culturas e classes sociais.

Todas as regiões, de norte a sul do Brasil, festejam esse período, cada indivíduo à sua maneira.

Somos reconhecidos internacionalmente por ser o país do Carnaval e também por celebrar a diversidade por meio dele.

A reflexão que proponho é que, neste Carnaval, também usemos a data como pretexto para pensar sobre o quanto seria positivo termos essa mesma diversidade refletida em outros aspectos da nossa sociedade ,

sobretudo com espaço para ideias diferentes.
Considero que nós estamos em uma jornada de esperança de dias melhores e recuperação de nossa auto estima tão comprometida nos últimos anos .

E, quando digo nós, me refiro tanto ao trabalho que temos feito nas comunidades quanto ao nosso avanço para além das barreiras dos impactos sociais e o desemprego que ainda é alto .

Sabemos, porém, que no mercado de trabalho corporativo essa diversidade ainda não é refletida da forma como gostaríamos.

Quando pensamos nesse contexto, alguns grupos parecem não ter sido convidados para a festa: apesar de comporem 35 % da população da população econômicamente ativa brasileira, os desempregados representam 68% dos desempregados no Brasil, de acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

A pesquisa Kantar Inclusion Index, primeiro índice global de inclusão e diversidade, aponta que, no Brasil, 34% dos colaboradores entrevistados dizem enfrentar obstáculos em suas carreiras e voltar ao metcado de trabalho está muito difícil, relacionadas à qualificação profissional , idade e mudança da forma de contratação e relações de trabalho l etc.
Para mudar essa realidade, é necessário que a sociedade como um todo faça um exercício de observar como ser mais inclusiva, não só nessa época , mas em todo o convívio social, como no trabalho, na escola, no ambiente familiar, entre amigos e nas interações em redes sociais.

Respeito e espaço para incluir o que é diferente de nós mesmos cabem em todos os lugares.

Desde quando começamos a missão de abraçar a causa da luta pela geração de empregos e renda na região e renda com diversidade econômica e Inclusão social fizemos um trabalho de olhar para dentro e observar como estávamos e se estávamos contribuindo para sermos mais inclusivos de fato .

Hoje, promovemos, por exemplo, debates com alternativa de desenvolvimento da região focando a capacidade de trabalho participativo e com presença das entidades empresariais desenvolvendo treinamentos e estágios obrigatórios para contratações inclusivas e sensibilização sobre vieses inconscientes e não intencionais.

Trabalhamos com a comunidade de líderes sobre a percepção de ganhos para as empresas quando todos agem pensando em promover uma maior diversidade de aproveitamento da mão-de-obra local entre nossos talentos.
Investimentos também em programas de estímulo às carreiras de servidores públicos para ajudar a preencher vagas com pessoas diversas e talentosas da sociedade , especialmente moças e mulheres que queiram entrar nessa área. 

O resultado disso é que hoje temos estabelecidos 4 pilares para o trabalho de geração de empregos e renda na região de acordo com a diversidade e Inclusão:

Acessibilidade, além do pilar multigeração, que permeia todos os outros.

Em todos os pilares, são trabalhadas duas frentes: atração (recrutamento) e retenção (desenvolvimento e oportunidades de carreira).
Vários estudos apontam que empresas mais diversas tem melhores resultados.

De acordo com estudo da Harvard Business Review, em companhias nas quais a diversidade é reconhecida e praticada, a existência de conflitos chega a ser 50% menor que nas demais organizações. Isso acontece pois os colaboradores se sentem mais motivados e dispostos a ir além de suas responsabilidades quando percebem que a empresa incentiva a diversidade.

No mercado de trabalho ponta que empresas com diversidade têm 35% mais chances de ter rendimentos acima da média do seu setor.

Está claro que, para além da responsabilidade social, diversidade e inclusão também é claramente sobre impacto em negócios promovendo o desenvolvimento da região e a sustentabilidade dos municípios.

Com esse espírito, realmente gostaria que nesse Carnaval pudéssemos olhar para essa festa da diversidade indo além da folia que ela representa nas ruas.

Que essa mesma diversidade, em um espaço onde todos são convidados não só para o baile, mas também para dançar, possa estar mais presente em nossas realidades.

Se você ainda não faz parte, não deixe de procurar ou até mesmo estimular a criação de um Comitê de ajuda aos desempregados porque criticar é normal quero saber o que voce está fazendo para ajudar a resolver o problema que é de todos.

Diversidade econômica e Inclusão social na sua cidade .

Somos brasileiros, diversos por natureza, e temos o poder de mudar nossa realidade começando a partir de nossas próprias ações.

Bom Carnaval !

Vamos em frente.
Deus no comando.

WJN

Avalie este item
(0 votos)
Loading
http://carajasojornal.com.br/modules/mod_image_show_gk4/cache/Publicidade.2018.Sophos_2019gk-is-100.jpglink
http://carajasojornal.com.br/modules/mod_image_show_gk4/cache/Publicidade.galpogk-is-100.jpglink