Uma carreta que transportava combustível explodiu nesta sexta-feira (23) na rodovia PA-150, nas proximidades da Vila Aparecida, entre Goianésia do Pará e Tailândia, nordeste do Pará. O motorista teve ferimentos leves.

Um vídeo, veja acima, mostra a grande nuvem de fumaça que se formou após o motorista ter perdido o controle do veículo, que colidiu contra um poste de energia elétria. Segundo a Polícia Militar, o contato teria provocado a explosão.

O Corpo de Bombeiros foi acionado para controlar o incêndio. A PM informou que agentes do Batalhão de Policiamento Rodoviário prestaram apoio na ocorrência e permaneceram no local até a retirada do veículo.

Veja o vídeo da explosão em: https://globoplay.globo.com/v/7184015/

(Fonte: G1/PA)

Os estados do Pará, Mato Grosso, Rondônia e Amazonas são os que apresentam maiores índices de desmatamento entre agosto de 2017 e julho deste ano, segundo informações divulgadas nesta sexta-feira (23) pelos ministérios do Meio Ambiente (MMA) e da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC). No Pará, foram 2.840 quilômetros quadrados de desmatamento. De acordo com os dados divulgados, o desmatamento na Amazônia cresceu 13,7% no período analisado.

O território desmatado é medido pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), pelo Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélite (Prodes).

Segundo os dados, a área total desmatada alcançou 7,9 mil quilômetros quadrados, 953 quilômetros quadrados a mais que no período anterior.As imagens de satélite mostram que a cobertura florestal primária foi completamente removida em mais de 6,25 hectares.

Os ministérios informaram que, mesmo com o aumento, o desmatamento neste ano foi reduzido em 72% em relação à taxa de 2004, ano em que iniciou o Plano de Ação para Prevenção e Controle do Desmatamento na Amazônia Legal (PPCDAm). O resultando, ainda segundo os ministérios, representa 60% da meta prevista na Política Nacional sobre Mudança do Clima.

(Fonte: G1)

Com uma extensa programação, a Associação Manbol Brasil (AMB), com o apoio da Prefeitura Municipal de Parauapebas, por meio da Secretaria Municipal de Esporte e Lazer (SEMEL) vem desenvolvendo diversas atividades de fomento ao esporte no município.

Um esporte feito para toda a família, o Manbol que se originou de uma brincadeira de arremessos de manga, teve origem aqui mesmo, na cidade de Parauapebas, sendo consolidado como esporte genuinamente paraense, na capital, Belém do Pará.

A atividade busca disseminar o Manbol no município tornando-o mais conhecido entre a população parauapebense e, em contrapartida, levar mais diversão e saúde para diversos pontos da cidade.

Maria Rebeca diz praticar o esporte há cinco anos. 

Durante toda esta semana, a equipe técnica do Manbol esteve localizada na Praça de Eventos, bairro Cidade Nova, ensinando dezenas de pessoas que passavam pelo local a jogar o Manbol. Entre elas a estudante Maria Rebeca, que conheceu o Manbol há cinco anos e desde então, joga sempre.  “Acho o esporte muito bacana, pois ele trabalha nossas condições físicas e motoras e, além disso, pessoas de todas as idades podem praticar.  É muito bom e fácil, as pessoas aprendem muito rápido”, frisou Rebeca.

Em entrevista, Rogério Alves, presidente da AMB falou um pouco sobre a aceitação do Manbol no estado e em outras regiões do país. “As pessoas adoram, o esporte está sendo bem recepcionado por onde passa e quem joga uma vez, sempre quer jogar mais. Fora do Pará o Manbol é bem aceito, principalmente nas regiões sul e sudeste do país. No interior de São Paulo, por exemplo, algumas escolas de ensino fundamental estão incluindo o Manbol em sua grade curricular”, disse.

Rogério Alves,  presidente da AMB. 

Ainda segundo Rogério Alves, para ele e sua equipe, ver o crescimento do Manbol no Brasil e até mesmo outros países da América Latina é recompensador, pois além de ser um esporte desenvolvido no Pará, traz inúmeros benefícios para as pessoas que praticam. “Pra gente é uma recompensa você ter um esporte nascido na Amazônia sendo praticado por pessoas de outras regiões do Brasil, tidas como desenvolvidas”.

Sobre o Projeto Manbol na Comunidade

O Projeto Manbol na Comunidade consiste em levar o esporte aos principais pontos da cidade, entre os meses de novembro a dezembro, no intuito de incentivar a população a praticá-lo. Nesta última semana a equipe técnica do Manbol esteve com sua estrutura montada na Praça de Eventos, onde realizou ao todo cinco oficinas, que iniciaram na segunda-feira (12) e fechou um o ciclo de cinco aulas, na sexta-feira (16).

Quem quiser participar e conhecer mais sobre o esporte é só comparecer na PA-275, em frente ao Quartel da Polícia Militar, a partir de segunda-feira (19). A equipe técnica estará com toda a estrutura montada e pronta para ensinar neste local, durante sete dias; depois migrará para a Praça do Cidadão no bairro Rio Verde e, por fim, perfazendo um total de 24 oficinas, na cidade concluirá as atividades na Praça dos Metais, no Cidade Nova.  

Saiba mais sobre o Manbol

Inspirado em Parauapebas e desenvolvido em Belém do Pará, por Rui Hildebrando, o Manbol se originou de uma brincadeira de arremessos de manga. Devido ao seu dinamismo e adaptabilidade, vem ganhando adeptos de todas e classes sociais.

Em 2004 se iniciou oficialmente a prática de uma brincadeira que virou jogo e posteriormente, um esporte. Para a disputa utilizava-se duas mangas, que substituíam as bolas, sendo daí a origem da nomenclatura, Manbol.

Ainda em 2004, ano em que se oficializou o nome “Manbol”  e também nasceu a AMB- Associação Manbol Brasil, o esporte passou a atrair olhares da população local, que se mostrou muito interessada no esporte, por ser bastante interativo e dinâmico e também ser praticado com duas bolas em formato oval, jogadas simultaneamente.

Jogando manbol

Simples, uma quadra de 10m por 5m, uma rede na altura de 1,65m dividindo a quadra, 2 jogadores por vez disputando um set que se conta ao total de 12 pontos, duas bolas com peso e variação de acordo com o jogador (N-1, N-2) V-120g-160g, 20-22cm de espessura e 20-22cm de comprimento no formato ovulado que estarão sendo lançadas ao mesmo tempo em movimentos constantes.  É permitido o arremesso de várias maneiras uniformes e livres de acordo com a capacidade de visão e coordenação do praticante.
Movimentos de braços; Todos os lances e arremessos devem estar configurado em  movimentos de braços, até a altura do ombro seguindo o horizontal, diagonal vertical lado ou o vertical baixo, os lances que forem visualizados em arremesso frontal alto ou frontal médio (mesmo que arremessos de pedra) será interpretado como movimento avulso ao Manbol que implicará em falta, salve arremessos curvado abaixo da rede.  

Faltas


As faltas acontecem quando há:

  • Toque de bola na rede;
  • Arremesso com as duas mãos;
  • Segurar as duas bolas ao mesmo tempo;
  • Três segundos é o tempo Máximo permitido para o lance da última bola quando uma já for definida, é também usado para o tempo de bola na mão de ambos os jogadores;
  • Na falta paralisam de imediato a jogada e conta ponto ou inversão de posse mais ponto vai depender de quem tem a posse.

    Toda falta corresponde a 1 ponto.

(Reportagem: Fernando Bonfim/ Texto: Ingrid Cardoso)

 

O Governo do Estado do Pará iniciou, nesta terça-feira (6), a transição da administração ao futuro governo. Na sede da Procuradoria Geral do Estado, o Procurador-geral, Ophir Cavalcante Júnior e o Auditor-geral do Estado, Roberto Amoras, receberam o ex-deputado Parsifal Pontes, coordenador da equipe de transição do governador eleito, Hélder Barbalho.

No encontro, que aconteceu na sede da Procuradoria Geral do Estado, as duas partes anunciaram os componentes das equipes de transição e os principais pontos a serem abordados durante as reuniões, que devem acontecer em um espaço anexo ao prédio da Procuradoria Geral, no bairro de Batista Campos, em Belém.

A reunião durou cerca de quarenta minutos. Parsifal Pontes entregou ao procurador Ophir Cavalcante, dois ofícios e uma planilha: um dos documentos contém 21 pontos de atenção sobre a gestão do Estado – dados que o governador eleito elegeu como necessários para conhecer, em curto prazo, as questões mais relevantes da gestão.

Objetivamente, foram solicitadas informações sobre orçamento; desembolso financeiro; despesas de exercícios anteriores; fontes de recursos de 2018 e previsões para 2019. Além da relação de obras; contratos em execução; convênios; inventário de bens móveis e imóveis; termos de ajuste de conduta; quadro de servidores com as respectivas remunerações e precatórios.

Boa parte destes dados e informações já são de domínio público e podem ser acessadas pelo portal da transparência, assim como o balanço geral do Estado e relatórios encaminhados à Assembleia Legislativa do Estado, anualmente. No entanto, as informações serão organizadas, sistematizadas e encaminhadas para facilitar o trabalho das equipes de transição.

O Procurador-geral, Ophir Cavalcante Junior, disse que é “perfeitamente natural o governo que está assumindo ter pleno conhecimento do funcionamento da máquina estadual”; e acrescentou que “os dados requisitados serão fornecidos, sem dúvida nenhuma”. A declaração obedece à recomendação expressa do governador Simão Jatene, para que tudo seja feito com o máximo de transparência.

Parsifal Pontes classificou o encontro como “extremamente positivo”, ressaltando que “foi um primeiro encontro prático, antecedendo futuras reuniões que deverão ocorrer, concluindo-se num prazo máximo de 45 dias”.

“O Estado não nos pertence, pertence ao povo, à população e por isso, as informações concernentes ao Estado são públicas, podem e devem ser disponibilizadas”, acrescentou Ophir Cavalcante Junior, que também classificou a reunião como “proveitosa e produtiva”. Segundo ele, as próximas reuniões já devem contar com a participação dos demais integrantes do governo atual e do governo eleito, “num clima harmônico, como deve ser num regime democrático e de respeito à administração pública e à população”.

Após a reunião, os dois representantes governamentais visitaram as instalações que o gabinete de transição ocupará nas próprias dependências da Procuradoria Geral do Estado. É um ambiente amplo, recém reformado, com vários espaços já mobiliados. Parsifal Pontes anunciou que o espaço será ocupado ainda nesta semana, depois de reuniões da sua equipe, em um hotel da cidade. Ele informou ainda que não está agendado nenhum encontro entre Hélder Barbalho e o governador Simão Jatene, mas confirmou que já houve uma conversa telefônica entre ambos.

(Pascoal Gemaque/Secom)

A Polícia Federal deflagrou, na manhã de hoje (06.11), a Operação Migrador com o objetivo de desarticular grupo criminoso responsável pela extração clandestina de manganês nos estados do Pará, da Bahia e do Espírito Santo.

Estão sendo cumpridos 111 mandados judiciais expedidos pela 2ª Vara da Justiça Federal de Marabá/PA, sendo 24 mandados de prisão preventiva, 29 mandados de busca e apreensão, 52 mandados judiciais de bloqueio de contas bancarias e sequestro de bens e 06 ordens judiciais de suspensão das atividades econômicas das empresas investigadas. Os mandados de prisão e de busca e apreensão estão sendo cumpridos nas cidades de Marabá/PA, Parauapebas/PA, Curionópolis/PA, Eldorado dos Carajás/PA, Canaã dos Carajás/PA, Salvador/BA e Vila Velha/ES.

As investigações tiveram início no ano de 2015, após a deflagração da Operação Buriti-Sereno. Com a análise dos documentos e informações coletadas, além de diversas ações investigativas realizadas, constatou-se que existe na região uma verdadeira ação articulada de pessoas e empresas para extração, beneficiamento, transporte e exportação de minério, através da falsificação de documentos públicos e fiscais, com o intuito de dar aparência de licitude a atividade criminosa. As diligências apontam que um grupo de empresas e pessoas físicas vem de forma reiterada usurpando minério de manganês extraído, sem autorização dos órgãos competentes, nas regiões conhecidas como Vila União, em Marabá/PA e nas serras do Buriti e Sereno, localizadas entre os municípios de Curionópolis/PA e Parauapebas/PA.

De acordo com levantamentos preliminares realizados, a quantidade de manganês extraída, assim como os prejuízos causados pela extração clandestina decorrentes do não pagamento de tributos, e ainda os danos ambientais provocados, causaram prejuízos da ordem de aproximadamente R$ 87 milhões. Os investigados responderão pelos crimes de usurpação de bens da união, associação criminosa, corrupção ativa e passiva, falsidade ideológica e uso de documento falso. Ao todo as penas pelos crimes investigados podem alcançar mais de 30 anos. Os presos serão encaminhados para presídios das cidades de Marabá/PA, Salvador/BA e Vila Velha/ES, onde ficarão à disposição da Justiça Federal.

Uma entrevista coletiva com a imprensa foi marcada pelo Delegado Viana, da PF, para às 10 horas em Marabá para maiores esclarecimentos.

O nome da operação migrador é uma alusão à citação bíblica do livro de Joel, Cap. I, Versículos III a IV que fala do gafanhoto migrador, que após assolar determinada região se muda para outros campos.

(Comunicação Social da Polícia Federal no Pará)

A reunião foi realizada em Brasília, na Câmara dos Deputados, e contou com a presença do governador eleito Helder Barbalho (MDB).

 Até quinta-feira (1º), os parlamentares federais do Pará precisam apresentar sugestões de emendas, individual e de bancada, ao orçamento da União. Na terça-feira (30), a bancada federal se reuniu para definir quais serão as prioridades para destinação das emendas conjuntas. O governador eleito Helder Barbalho também participou da reunião e apresentou o que considera como necessidades prioritárias para investimento.

O encontro foi coordenado pelo senador Paulo Rocha, e pelo deputado Lúcio Vale, eleito vice-governado.

O encontro foi coordenado pelo senador Paulo Rocha, e pelo deputado Lúcio Vale, eleito vice-governador. "A bancada se reuniu e com muita responsabilidade definiu as emendas para o próximo ano que vão ajudar o novo Governo do Estado, as prefeituras do interior e as Universidades. Os reitores das cinco Instituições de ensino superior, mais o IFPA, pedem ações dos parlamentares para garantir os recursos para o funcionamento daquelas unidades de ensino nos próximos anos.", afirmou Paulo Rocha.

Destinação

As emendas individuais são direcionadas para investimentos e outras despesas públicas, beneficiando sobretudo municípios com baixa capacidade fiscal, que não conseguem atender à demanda da população por políticas públicas locais.

Para o Orçamento de 2019 cada parlamentar poderá apresentar até R$ 15,4 milhões em emendas, metade deve obrigatoriamente ser destinada para a área de saúde.

As emendas de bancada são propostas pelo conjunto dos parlamentares de cada estado e se direcionam a obras com projeção estadual. A bancada terá direito, no próximo ano, a seis emendas de execução obrigatória, no valor de R$ 169,6 milhões, sendo três necessariamente para áreas sociais (saúde, educação e segurança pública). Essas emendas devem atender, prioritariamente, obras em andamento.

Paulo Rocha relatou algumas das prioridades aprovadas pelo colegiado que irão ajudar o governador Helder, principalmente, a melhorar a infraestrutura produtiva do estado. "Aprovamos recursos para as Universidades, para as BR-308 e BR-158, para construção do Hospital da Mulher, escola em tempo integral, Plataforma Marajó, hospital veterinário de Xinguara, construção do hospital materno infantil de Marabá e equipamentos, hospital samaritano.  Portanto, com essa reunião os parlamentares paraenses garantem ações importantes de atuação em prol do povo do Pará para o ano de 2019", concluiu.

Bancada Federal do Pará presentes na reunião em Brasilia.

 

 

A Polícia Federal faz nesta terça-feira (23) busca e apreensão na casa e no gabinete do conselheiro do Tribunal de Contas dos Municípios do Pará (TCM-PA) Aloísio Chaves em uma operação que apura se ele recebeu propina em contas bancárias.

A operação Nibelungo foi autorizada pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), que também afastou o conselheiro do cargo e bloqueou os bens dele. O caso tramita em segredo de Justiça.

Em nota enviada ao G1, o Tribunal de Contas afirmou que "já acatou as determinações do STJ". A defesa de Chaves disse que "foi surpreendida com uma desnecessária busca e apreensão em sua residência e em seu gabinete, além de seu desnecessário afastamento do cargo de conselheiro (leia mais no fim da reportagem).

De acordo com a PF, há provas – e-mails, documentos e comunicações – de que Aloísio Chaves "mantinha estreito contato com os membros da quadrilha" e usou o cargo para elaborar um parecer que aprovou um primeiro contrato fraudulento firmado entre o município de Parauapebas (PA) e um escritório de advocacia investigado na ação.
"Em troca, o conselheiro recebeu, entre os anos de 2013 e 2015, pelos menos cerca de R$ 2,8 milhões em 36 transferências bancárias feitas pela quadrilha, utilizando-se de uma rede de familiares, sócios e funcionários, para dissimular a origem desses valores", afirmam os investigadores da Superintendência da PF no Distrito Federal.
Além do conselheiro, "sócios e pessoas próximas a ele" também são alvos dos cinco mandados de busca e apreensão. De acordo com o inquérito, elas teriam usado as próprias contas bancárias para intermediar o recebimento das propinas.
 

Os personagens 
 

Escritório de advocacia: segundo a PF, o escritório "comandado pela quadrilha" recebeu R$ 41 milhões em honorários referentes a um contrato com o município de Parauapebas.
Sócia do escritório: ela era responsável por repasssar parte dos valores aos outros integrantes do grupo, "especialmente servidores públicos corruptos". Foram identificadas 36 transferências bancárias a Aloísio Chaves, totalizando R$ 2,85 milhões.
Conselheiro: de acordo com a investigação, todo este dinheiro, que acabava "espalhado" para dificultar a identificação da propina, terminava voltando para o conselheiro do Tribunal de Contas.
 

 A origem
 
A operação Nibelungo é uma alusão à mitologia nórdica. "Os nibelungos eram os senhores das riquezas subterrâneas. Eram de tal forma obcecados por se tornarem cada vez mais ricos, que esse pensamento, insaciável e desmedido, os conduziu a perda de tudo e a própria destruição", explicou o comunicado da PF.
A ação é um desdobramento de outra operação da PF, a Timóteo, realizada em dezembro de 2016. Ela apura corrupção no Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM). Segundo o inquérito, um diretor do órgão desviava a cobrança judicial de royalties para exploração mineral para aumentar o patrimônio pessoal.
 

Nota da defesa
 
"Na data de hoje, Aloísio Chaves foi surpreendido com uma desnecessária busca e apreensão em sua residência e em seu gabinete, além de seu desnecessário afastamento do cargo de conselheiro do Tribunal de Contas dos Municípios do Estado do Pará. Há dois anos, Aloísio já havia se colocado integralmente à disposição das autoridades, mas jamais foi convidado a prestar qualquer esclarecimento. Sem que tenha havido quaisquer fatos novos, as medidas foram deflagradas de forma desproporcional. A defesa tem absoluta convicção de que, ao final da investigação, os fatos restarão perfeitamente elucidados."
A nota é assinada pelos advogados Pedro Ivo Velloso e Ticiano Figueiredo.
 

Nota do Tribunal de Contas
 
"O Tribunal de Contas dos Municípios do Estado do Pará (TCM-PA), em respeito à opinião pública, esclarece que, acerca das ações executadas, na data de hoje (23), por determinação do E. STJ, vinculados às Operações Timóteo e Nibelungo, que preservadas suas prerrogativas e jurisdição e consagrando a transparência pública, sempre colaborou com o Poder Judiciário e Ministério Público Federal, prestando informações e disponibilizando todos os documentos requeridos, para melhor esclarecimento dos fatos.
O Colegiado do TCM-PA espera ver elucidados todos os fatos sob investigação, ainda em fase de inquérito, tendo plena convicção da aplicação célere e escorreita da justiça pelo Superior Tribunal de Justiça, assegurado o contraditório e a ampla defesa do Membro desta Corte, quando o mesmo terá a oportunidade de apresentar esclarecimentos, no que confia na independência e fortalecimento das instituições e esferas de controle da administração pública brasileira.

Por fim, o TCM-PA informa que já acatou as determinações do STJ, adotando as providências administrativas sob sua responsabilidade."
 
Fonte: G1

 

 

O Pará já registra 39 casos de feminicídio somente em 2018, de acordo com a Secretaria de Estado de Segurança Pública (Segup). São dez mortes a mais que no mesmo período de 2017.

Nesta segunda (22), a jovem Waleska foi vítima de tentativa de feminicídio ao ser esfaqueada pelo ex-companheiro. Ela foi levada para o Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência, em Ananindeua, onde permanece internada.

O último caso de feminicídio ocorreu na última sexta-feira (19), dia do aniversário da vítima Ingrid Carolina Marques Pinto, 20. Ela foi morta esfaqueada pelo ex-marido no bairro do Curuçambá, em Ananindeua, na região metropolitana de Belém.

A vítima deixou três filhos, sendo dois deles com o autor do crime, Daniel dos Santos. Os familiares dela estavam do lado de fora da casa e presenciaram o assassinato.

Com a prisão decretada, Daniel chegou a tentar fugir, mas está internado no Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência, depois de tentar suicídio logo em seguida ao crime.

A mãe de Ingrid, Hérica Marques, disse que a filha havia acabado de pegar um dos filhos, quando foi puxada pelo ex-marido para dentro da casa, onde foi mantida trancada.

"Eu estava aqui na frente de casa e fui lá pedir pra ele soltar ela. Aí ele apareceu com uma faca grande e mandou eu me afastar, perguntando se eu queria levar facada também", contou.

Hérica disse ainda que chegou a implorar pela vida da filha, mas não adiantou. "O que eu senti na hora foi que ela estava tão perto de mim, mas tão distante ao mesmo tempo. Me senti impotente na hora". Segundo a mãe, Ingrid sofria contantes ameaças de morte e já havia sido agredida várias vezes. "Era uma tragédia anunciada, infelizmente".

Daniel já está sob custódia da Superintendência do Sistema Penitenciário (Susipe) e deve ser transferido para o presídio assim que receber alta, segundo a Polícia.

Sensação de impunidade

Para a delegada Janice Aguiar, da Delegacia da Mulher, a sensação de impunidade é um dos motivos pelo aumento do número de casos.

"O agressor continua praticando o crime com a certeza da impunidade. Em flagrantes, a primeira pergunta que eles fazem é de quando é a audiência de custódia, acreditando que vão sair", afirmou.

A violência doméstica pode envolver abuso emocional, social, físico, sexual, financeiro e perseguição. O feminicídio é o homicídio doloso praticado contra a mulher por “razões da condição de sexo feminino” e pode levar à pena de doze a trinta anos de prisão.

As suspeitas de comportamento possessivo, agressivo, violento e criminoso devem ser denunciadas à Polícia pelo número 180.

(Fonte: G1)

Após ação civil pública ajuizada pelo Ministério Público do Pará (MPPA), por meio da promotora de Justiça Aline Cunha, a Justiça de Ourilândia do Norte, determinou a interdição, bem como a transferência dos presos e posterior reforma e ampliação da Delegacia de Polícia no município, localizado ao sul do Pará.

A decisão foi tomada pelo juiz Cesar Leandro Pinto Machado, em decisão interlocutória, como resposta à Ação do MPPA, que requereu à Justiça a concessão de tutela antecipada para que fosse feita a reforma no local.

Uma equipe da Secretaria Municipal de Saúde e outra da Secretaria Municipal de Obras averiguou as condições físicas e sanitárias da instituição, constatando que o local encontra-se insalubre, tanto para os detentos, como para os funcionários. Além de apresentar péssimas condições de conservação, com vazamentos na parte hidráulica, instalações sanitárias comprometidas, fossa com vazamento e forte odor, lixeiras sem tampas, dentre outros problemas.

“Após as inspeções, a Secretária Municipal de Saúde produziu relatório constatando que a delegacia de Polícia de Ourilândia do Norte não possui as mínimas condições de permanência de detentos, uma vez que se encontra em seu limite máximo de presos, tornando extremamente desumanas e degradantes as condições de vida lá dentro”, destaca a promotora Aline Cunha.

Assim sendo, o juiz Cezar Leandro Pinto determinou que, no prazo improrrogável de trinta dias, ocorra a transferência dos presos custodiados do local para outras unidades prisionais, e proibiu o encaminhamento de quaisquer outros presos para a Delegacia. Além disso, o juiz também concedeu prazo de 120 dias para que seja elaborado e executado projeto de reforma e ampliação do estabelecimento.

Em caso de descumprimento da decisão, o magistrado fixou multa diária de dez mil reais aos administradores públicos da instituição. O valor será revertido para órgãos de defesa do consumidor municipais e estaduais.

 

Ainda era madrugada quando a movimentação nas ruas de Belém já estava intensa em direção à Catedral, de onde partiu às 6h48 a edição de número 226 do Círio de Nossa Senhora de Nazaré neste domingo (14). Gestos de devoção e fé à padroeira dos paraenses marcaram a procissão de 3,6 km até a Praça Santuário.

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública do Pará (Segup), mais de um milhão de pessoas acompanharam o Círio, que é considerado uma das maiores manifestações religiosas do mundo. Este ano, a procissão que relembra a história do achado da imagem original da santa encerrou depois de quase 5 horas de duração.
Ao longo do percurso, empresas, instituições e famílias fizeram homenagens à Virgem de Nazaré. Chuva de papel picado e muitos fogos marcaram a passagem da Imagem Peregrina pelas ruas da capital neste domingo. O padre Antônio Maria cantou para os romeiros em frente a um banco na avenida Presidente Vargas e durante a passagem da Berlinda, uma chuva de pétalas de rosas emocionou os devotos.

Devoção
A servidora pública Sheila Oliveira acompanhou a procissão desde o início e conta que participa para agradecer por graças alcançadas."Sempre venho, acompanho desde criança, vinha com meus pais. Tenho gratidão pela saúde, prosperidade, passei no concurso que sempre almejei, fiz muitas promessas e hoje estou aqui para agradecer", disse.
O jovem Mateus Eduardo veio do município de Barcarena para agradecer pela graça alcançada. "Foi uma promessa que eu e minha mãe fizemos. Prometi que se eu passasse em Direito, acompanharia o Círio com um livro na cabeça. Já estou no quarto semestre e vim agradecer", afirma o estudante.
O casal Demetrio e Leia levaram uma pequena casa para a romaria. Eles chegaram a Belém na sexta-feira (12) depois de uma longa caminhada de quatro dias. "Viemos caminhando de Igarapé-Açu para pagar pela promessa da conclusão da casa do nosso filho. Só Nossa Senhora nos dá forças. Ano que vem estaremos aqui", afirmou o devoto.
Grande procissão
A procissão teve início após uma missa campal presidida pelo arcebispo metropolitano de Belém, Dom Alberto Taveira Corrêa, em frente à Catedral de Belém, no bairro da Cidade Velha.
O trajeto iniciou na Praça Frei Caetano Brandão, seguiu pela praça do Relógio, av. Portugal, Boulevard Castilhos França, av. Presidente Vargas e av. Nazaré até a Praça Santuário. As vias do corredor do Círio e suas transversais ficaram fechadas um dia antes para garantir maior organização das procissões.
A Imagem Peregrina é conduzida em uma Berlinda decorada especialmente para o evento. Os devotos puxam a Berlinda por meio de uma corda de 400 metros, que é muito disputada pelos devotos para pagar promessas.

O Círio também tem a participação de 13 carros de promessa, onde os devotos depositam os votos, objetos de cera como partes do corpo e casas que são levados à procissão. Os carros são conduzidos por estudantes de escolas católicas de Belém.
Em 2014, a organização do Círio recebeu, oficialmente, da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), o certificado de Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade do Círio de Nazaré.

(Fonte: G1)

Página 1 de 15
Loading
http://carajasojornal.com.br/modules/mod_image_show_gk4/cache/Publicidade.2018.Sophos_UNAMAgk-is-100.jpglink
http://carajasojornal.com.br/modules/mod_image_show_gk4/cache/Publicidade.2018.Sophos_2018gk-is-100.jpglink