On Screen Facebook Popup by Infofru

Receba todas as atualizações via Facebook. Basta clicar no botão "Curtir" abaixo.

Fechar

  

É seguro reutilizar a garrafinha descartável de água mineral?

O que você faz quando termina de tomar a água de uma garrafinha plástica descartável? Certamente, você já decidiu guardar algumas delas para reutilizar em uma próxima ocasião, não é mesmo?

Afinal, todas nós sabemos a importância da reciclagem e não queremos contribuir para que os oceanos tenham mais plástico do que peixes em algumas décadas.

Mas será que essa é uma atitude segura? É claro que a preservação do meio ambiente e a redução do lixo são temas essenciais para a perpetuação da vida humana na Terra, mas isso não pode se dar às custas da nossa saúde.

Em meio ao mar de informações desencontradas que existem na internet, às vezes não sabemos em quem podemos confiar quando se trata dos cuidados com a nossa saúde. Por isso, nós resolvemos esclarecer as dúvidas em torno da reutilização das garrafinhas plásticas de uma vez por todas.

Bisfenol A: ele existe e é cancerígeno, mas não é motivo para pânico

Talvez você já tenha visto uma mensagem alertando sobre os perigos do bisfenol A, uma substância que seria encontrada em recipientes feitos de plástico duro à base de policarbonato.

O bisfenol A, ou simplesmente BPA, realmente existe e pode causar alterações nos sistemas endócrino e reprodutor, podendo até mesmo causar alguns tipos de câncer, motivando o compartilhamento dos alertas sobre essa substância.

O BPA está presente em embalagens de alimentos e bebidas, extratos bancários, recibos e em vários outros produtos. Nesse momento, você pode se perguntar: se o BPA é tão perigoso, por que ele ainda pode ser utilizado? A resposta está na quantidade da substância que é liberada. Mesmo nas garrafas, a quantidade de BPA é tão ínfima que ela não oferece riscos à saúde humana.

De qualquer forma, por precaução, desde 2012 a Anvisa proíbe a fabricação e a importação de mamadeiras que contenham essa substância, pois ela seria mais perigosa para os bebês do que para os adultos.

E um detalhe importantíssimo: as garrafinhas plásticas flexíveis, aquelas que conhecemos como garrafas PET, não têm BPA em sua composição. Dessa forma, você não precisa temer a contaminação por BPA ao usar ou reutilizar uma garrafinha dessas.

E as bactérias? Elas realmente tomam conta das garrafinhas?

Diferente do BPA, as bactérias são um perigo real quando falamos na reutilização das garrafas de água – e esse sim é um motivo para pensar duas vezes antes de reaproveitar uma garrafinha.

O problema começa com a baixa durabilidade dessas embalagens. Por mais que o recipiente pareça estar intacto, a repetição do uso pode fazer com que surjam rachaduras minúsculas nas paredes da garrafa, que são ambientes ideais para a proliferação de bactérias.

Para agravar a situação, se a garrafa não for muito bem lavada, ela vai acumular bactérias provenientes da nossa boca, das nossas mãos, da escrivaninha, da mesa da praça de alimentação etc.

Dessa forma, para fazer uma reutilização segura das garrafas de água, é necessário observar a sua integridade e lavá-las muito bem (com detergente, não só passando uma aguinha!) entre cada uso.

Outra maneira de colaborar com o meio ambiente e com a sua saúde é investir em uma garrafa reutilizável feita de vidro ou de aço inoxidável, que são mais resistentes, não liberam BPA e não geram tanto lixo.

 

Fonte: dicasdemulher.com.br

Avalie este item
(0 votos)