Governo amplia rede de hemodiálise para zerar fila de espera no estado Destaque

Governo amplia rede de hemodiálise para zerar fila de espera no estado Imagem: divulgação

O aposentado Silvio Moraes, de 57 anos, realiza três sessões semanais de hemodiálise no Centro Monteiro Leite, em Belém. Ele costuma chegar mais de uma hora antes para o que considera estar longe de ser um sacrifício. “Faço hemodiálise aqui há cinco anos e o serviço é ótimo, realmente diferenciado. A gente depende dessa máquina para viver, sem ela eu não estaria aqui”, disse o aposentado.

Outro que aprova o tratamento destinado aos pacientes renais do Monteiro Leite é o comerciante Amaury Barbosa, 62 anos. “O serviço é perfeito. Graças a esse atendimento com a hemodiálise, eu me cuido e posso levar uma vida normal depois que retirei um dos rins. Só tenho a agradecer, principalmente pelo atendimento. Costumo dizer a eles, quando acaba a sessão e vou embora, uma metáfora verdadeira: sem vocês eu não vivo!”, relata o paciente.

A hemodiálise é um tratamento que consiste na remoção do líquido e substâncias tóxicas do sangue. A terapia de substituição renal é realizada em pacientes portadores de insuficiência renal crônica ou aguda, já que nesses casos o organismo não consegue eliminar tais substâncias devido à falência dos mecanismos excretores renais.

Vinculado ao Hospital de Clínicas Gaspar Vianna, o Centro Monteiro Leite funciona há sete anos. Oferece 198 vagas para o tratamento ambulatorial, com 35 máquinas de hemodiálise, que funcionam em três turnos durante seis dias por semana, de segunda-feira a sábado. A unidade faz parte da política de ampliação dos serviços de hemodiálise do Governo do Estado, intensificada a partir de 2011.

“Nós chegamos ao final do segundo mandato do governador Simão Jatene zerando a fila da hemodiálise depois da abertura do Monteiro Leite. Com a demanda crescente, estamos fazendo um novo movimento para zerar a fila novamente, com a ampliação dos serviços de hemodiálise. Mas a realidade que temos hoje é totalmente diferente da de 10 anos atrás. Praticamente triplicamos o número de máquinas e pacientes atendidos, o que salvou muitas vidas através do tratamento especializado”, destaca o secretário de estado de saúde, Vitor Mateus.

Expansão

Atualmente são 489 máquinas de hemodiálise habilitadas e em uso no Estado, distribuídas em dezenove estabelecimentos, incluindo os setores público, privado e filantrópico, em dez municípios. No Pará existem 3.441 pessoas em tratamento de hemodiálise e cerca de 230 pacientes em espera para fazer as sessões.

O processo de ampliação está previsto para encerrar até o final do ano. Em Redenção, serão aumentadas mais 14 máquinas, que vão passar a atender um total de 84 pessoas. Em Breves, no Hospital Regional do Marajó, serão 10 máquinas a mais, proporcionando atendimento a 60 pacientes.

No Hospital Regional do Baixo Amazonas, em Santarém, está programada a ampliação dos serviços de hemodiálise com 42 máquinas. Para garantir a oferta do serviço no Hospital Municipal de Santarém, a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) repassa mensalmente ao município, por meio de um cofinanciamento, o valor de R$ 200 mil, conforme Portaria Nº 239 de 18 de março de 2014.

Paralelo a isso, o Hospital Regional do Sudeste do Pará (HRSP), em Marabá, passa por reforma e ampliação para ofertar serviços de hemodiálise, hemodinâmica, e ainda aumentar mais 30 leitos, criar salas multiuso para ensino – incluindo residência médica. Serão mais 20 máquinas de hemodiálise, proporcionando o acesso a 120 pacientes.

Parcerias no setor privado

No setor privado, a hemodiálise também é uma prioridade do estado graças às parcerias que ampliam este serviço. Em Capanema foram ligadas mais 20 máquinas junto a um hospital privado. Em Castanhal, foram inauguradas 67 máquinas concentradas num espaço de grande porte.

Futuramente iniciam as obras para ampliação em Abaetetuba e ainda será viabilizado um projeto em Tucuruí para a instalação do serviço de hemodiálise, numa parceria com a Eletronorte.

O projeto de ampliação da rede de hemodiálise no estado reforça o atendimento cuidadoso destinado aos pacientes renais na capital paraense. Na Santa Casa de Misericórdia, em Belém, o Centro de Terapia Renal Substitutiva Pediátrica tem um atendimento que envolve crianças e adolescentes de até 18 anos e é diversificado: nefrologia pediátrica, hemodiálise pediátrica, ambulatórios e enfermarias. O serviço de hemodiálise foi inaugurado em outubro de 2012 e tem capacidade de atendimento de crianças em programa de hemodiálise crônica.

Ainda na Santa Casa, além da realização de hemodiálise, é oferecido um total de 200 atendimentos ambulatoriais por semana, com médicos especializados e treinados para alertar e evitar que o problema renal se estabeleça.

No Instituto de Nefrologia do Hospital Ophir Loyola (HOL), a clínica nefrológica possui hemodiálise com 22 máquinas reservadas à diálise dos pacientes ambulatoriais e àqueles internados com problemas oncológicos no hospital.

Um braço isolado da nefrologia, o Serviço de Transplante Renal, possui 18 leitos reservados aos pacientes que apresentam complicações infecciosas após o enxerto ou ainda serão submetidos ao procedimento. E também oferta ambulatórios ligados ao Serviço de Hemodiálise para o acompanhamento prévio de usuários com doença renal crônica e ambulatórios que preparam e acompanham os pacientes de transplantes.

Por mês, o Serviço de Transplante Renal atende cerca de 160 pessoas, entre cirurgias e pacientes em tratamento pré e pós-operatório. Cerca de 90% das cirurgias são realizadas com rins provenientes de doadores falecidos.

Em Belém, são realizados os transplantes de rim nos hospitais Ophir Loyola e Saúde da Mulher. Em Santarém, o programa de transplantes do Hospital Regional sediado no município, já realizou seis transplantes de rins desde novembro de 2016.

A Central de Transplantes coordena todos os processos de doação, captação e transplantes de órgãos e tecidos; cadastra equipes, hospitais e clínicas para realização de transplantes; monitora e supervisiona o Sistema de Lista de Espera de acordo com a Legislação Federal. Todo o processo de registros e informações das doações e transplantes ocorre on-line com o Sistema Nacional de Transplantes do Ministério da Saúde.

Em 2016, foram realizados 57 transplantes de rins no estado, em 2017, 69 e em 2018, já foram 32 até o mês de julho. Importante ressaltar que a lista de espera diminuiu para transplantes feitos no Pará: em 2016 era de 521 pessoas para rins. Até junho de 2018, são 457 pessoas esperando rins.


Avalie este item
(0 votos)

Sul e Sudeste do Pará

Loading
http://carajasojornal.com.br/modules/mod_image_show_gk4/cache/Publicidade.2018.Sophos_UNAMAgk-is-100.jpglink
http://carajasojornal.com.br/modules/mod_image_show_gk4/cache/Publicidade.2018.Sophos_2018gk-is-100.jpglink

Vídeos

Em parauaebas, aluno chamou a atenção dos vereadores, no momento em que fazia uso da tribuna. de Carajás O Jornal
18 Abril 2017
Alunos da Rede Estadual de Ensino, assistem aula no meio da rua em Parauapebas
13 Abril 2017
Novo Ministro do STF3
11 Fevereiro 2017
Tiroteio em Redenção deixa população assustada
01 Dezembro 2016
Nesse domingo os paraenses vivenciam o #CIRIO2016, a maior festividade Religiosa do Brasil
09 Outubro 2016
Dr. Hélio Rubens fala sobre o caso de corrupção na Câmara Municipal de Parauapebas
08 Outubro 2016
MARCHA PARA JESUS: Milhares de jovens nas ruas de Parauapebas
08 Outubro 2016
Corrupção é um problema de todos, você também pode combater!
06 Outubro 2016
Joelma agradece pela presença e participação em seu show na FAP 2016
12 Setembro 2016
Jake Trevisan agradecendo toda população de Parauapebas no Carajás O Jornal
06 Setembro 2016
Cantor Açaí no evento da Imprensa na FAP a pedido de Marola Show, canta para a Rainha, primeira e segunda princesa da FAP 2016.
01 Setembro 2016