Pará segue na luta para recuperar R$ 32,5 bilhões de perdas acumuladas pela Lei Kandir

Em 21 anos de Lei Kandir, as perdas líquidas dos estados e municípios alcançam cerca de R$ 550 bilhões. Somente em 2016, somaram cerca de R$ 36 bilhões, segundo o Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), que fez os estudos que norteiam a discussão. As perdas do Pará são estimadas em R$ 32,5 bilhões, em valores atualizados, no período de 1996 a 2016. Somente em 2016, as perdas alcançaram R$ 2,5 bi.

Comparando as perdas em relação à dívida do Estado para com a União, o Pará tem R$ 32,5 bilhões em perdas acumuladas, enquanto a dívida consolidada líquida é de pouco mais de R$ 1 bilhão. “Ou seja, se toda a dívida do Pará fosse paga, o estado ainda teria um saldo de R$ 31,5 bilhões a receber”, argumenta o secretário da Fazenda do Pará, Nilo Rendeiro de Noronha.

Para o secretário, o tema deve ser discutido e devem ser garantidos, aos estados e municípios, os valores de compensação. “O esforço de desoneração, promovido pela lei Kandir, incentiva as exportações, mas reduziu os limites da competência tributária estadual e afetou as receitas próprias dos Estados, penalizando especialmente àqueles que têm economia voltada para a exportação de produtos primários, como é o caso do Pará”.

As exportações ocupam um lugar de destaque na economia do país. As vendas para o exterior de produtos primários e semielaborados saltaram de US$ 11,1 bilhões em 1997 para US$ 67,8 bilhões em 2016, ampliando a participação no total das exportações do País de 20,9% para 36,6% no período de 20 anos.

No Pará, a situação é ainda mais grave porque 30% do Produto Interno Bruto (PIB) é desonerado, ou seja, não gera recolhimento de impostos estaduais. Noronha enfatiza que o Pará vai lutar pela devolução dos valores da compensação. “Em 2018 os estados vão unir os esforços para regularizar a sistemática de compensação e assim receber de volta os valores devidos. A Secretaria da Fazenda vai se empenhar, no Confaz, para garantir os recursos que possam ser aplicados em prol da população paraense”.

Compensação

A instituição da Lei Kandir criou uma distorção, argumenta a diretora de Arrecadação e Informações Fazendárias da Sefa, Edna Farage: os estados exportadores, que contribuem para o superávit da balança comercial do país, são penalizados, enquanto que os estados importadores, que não arrecadam ICMS sobre exportação e contribuem para o déficit da balança comercial do país são beneficiados, porque arrecadam ICMS sobre bens importados. O Pará ocupa, hoje, o terceiro lugar entre os estados que geram superávit na balança comercial nacional.

O Supremo Tribunal Federal (STF) reconheceu a omissão do Parlamento brasileiro em definir o mecanismo de compensação dos Estados e fixou prazo de 12 meses para o Congresso editar a Lei Complementar. Transcorrido o prazo, e caso o Congresso não defina a compensação, a responsabilidade caberá ao Tribunal de Contas da União, que deverá fixar o valor do montante total a ser transferido aos Estados-membros e ao DF; calcular o valor das quotas de cada Estado, considerando os entendimentos entre os Estados-membros e o Distrito Federal, realizados no âmbito do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz); e definir qual o montante global a ser transferido aos Estados e Distrito Federal.

A Comissão Mista Especial do Congresso apresentou a seguinte proposta para Regulamentação das perdas: 50% rateado segundo coeficientes fixos definidos na Lei Complementar; 50% rateado segundo coeficientes variáveis, com base no valor médio das exportações de produtos primários e semi elaborados dos últimos cinco anos de cada Estado e correção anual das compensações pelo IPCA. Os recursos viriam da fixação de alíquota de 30% sobre as exportações de recursos minerais.

A medida irá vigorar até que o ICMS tenha 80% de sua arrecadação no Estado em que ocorrer o consumo das mercadorias. “Mas a proposta não faz referências ao ressarcimento das perdas acumuladas pelos Estados”, informa Farage.

Já a Comissão Especial da Câmara dos Deputados aprovou projeto sobre ressarcimento das perdas, no dia 22/11/2017, definindo que o valor anual das compensações aos Estados e Municípios seria de R$ 39 bilhões, sendo R$ 19,5 bilhões no primeiro ano; R$ 29,25 bilhões no segundo ano e R$ 39,0 bilhões a partir do terceiro ano.

Os critérios para distribuição dos recursos seriam 40% rateados segundo coeficientes fixos; 30% proporcional ao valor das exportações de produtos primários e semielaborados de cada Estado; e 30% proporcional à relação entre as exportações e as importações de cada Estado, apurada nos cinco exercícios anteriores, com correção anual das compensações pelo IPCA. A compensação das perdas acumuladas desde 1996 seria feita ao longo de 30 anos, a partir de 2019, com valor calculado pelo Confaz.

Saiba mais

Lei Complementar nº 87/96, conhecida como Lei Kandir, foi constitucionalizada pela Emenda Constitucional nº 42, de 19/12/2003, com o objetivo de regulamentar a desoneração de impostos sobre produtos exportados primários e semielaborados e estimular o investimento produtivo.

O artigo 91 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias (ADCT), fruto da Emenda Constitucional N. 42/2003, exige que a União entregue recursos aos Estados e ao Distrito Federal, segundo montante, critérios, prazos e condições estabelecidos em lei complementar. A legislação criou o Seguro Receita, para compensar perdas de arrecadação dos Estados e Municípios.

 

kandir"A instituição da Lei Kandir criou uma distorção: os estados exportadores são penalizados, enquanto que os importadores são beneficiados, pois arrecadam ICMS sobre bens importados", defende a diretora de Arrecadação e Informações Fazendárias da Sefa, Edna Farage.

 

Fonte: Agência Pará - Por Ana Marcia Pantoja

Avalie este item
(0 votos)

Sul e Sudeste do Pará

Loading
http://carajasojornal.com.br/modules/mod_image_show_gk4/cache/Publicidade.2018.Sophos_UNAMAgk-is-100.jpglink
http://carajasojornal.com.br/modules/mod_image_show_gk4/cache/Publicidade.2018.Sophos_2018gk-is-100.jpglink

Vídeos

Em parauaebas, aluno chamou a atenção dos vereadores, no momento em que fazia uso da tribuna. de Carajás O Jornal
18 Abril 2017
Alunos da Rede Estadual de Ensino, assistem aula no meio da rua em Parauapebas
13 Abril 2017
Novo Ministro do STF3
11 Fevereiro 2017
Tiroteio em Redenção deixa população assustada
01 Dezembro 2016
Nesse domingo os paraenses vivenciam o #CIRIO2016, a maior festividade Religiosa do Brasil
09 Outubro 2016
Dr. Hélio Rubens fala sobre o caso de corrupção na Câmara Municipal de Parauapebas
08 Outubro 2016
MARCHA PARA JESUS: Milhares de jovens nas ruas de Parauapebas
08 Outubro 2016
Corrupção é um problema de todos, você também pode combater!
06 Outubro 2016
Joelma agradece pela presença e participação em seu show na FAP 2016
12 Setembro 2016
Jake Trevisan agradecendo toda população de Parauapebas no Carajás O Jornal
06 Setembro 2016
Cantor Açaí no evento da Imprensa na FAP a pedido de Marola Show, canta para a Rainha, primeira e segunda princesa da FAP 2016.
01 Setembro 2016