Na manhã de sexta-feira, 21, o Núcleo de Cidadania dos Adolescentes (NUCA), participou da campanha “Gravidez na Adolescência” que tinha como objetivo a conscientização dos jovens. O NUCA é um projeto que vem para levar mais autonomia para os jovens de Parauapebas, podendo com isto formar cidadãos mais presentes em sua comunidade lutando por seus direitos, fazendo com que sejam cumpridos e respeitados.

 

O NUCA traz o jovem para um maior protagonismo em relação aos seus direitos e de sua comunidade, e já teve a oportunidade de ser contemplado duas vezes com o selo do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), para participar o requisito primordial é ser protagonista e procurar o NUCA que tem como sede atualmente o Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (COMDCAP).

Um espaço de discussão sobre temas relacionados às crianças e adolescentes, com o objetivo de apoiá-los no desenvolvimento de suas competências e de contribuir para fortalecer sua capacidade de incidir nas Políticas Públicas. O NUCA vem para agregar, para possibilitar maior incidência dos jovens nos direitos, já que eles também devem avaliar, cobrar, sugerir, vigiar e cuidar da cidade.

André Rocha mobilizador do NUCA marcou presença na campanha Gravidez na Adolescência

André Rocha mobilizador do NUCA, fala sobre a entidade e como ela começou seu trabalho em Parauapebas. “O núcleo foi criado a partir do momento que ouve uma observação sobre a falta dos jovens participando de Políticas Públicas do município, mostrando que a participação deles em lutar pelos seus direitos é algo de suma importância para que haja uma expansão de conhecimento e protagonismo entre os jovens e sua cidade”, disse.

Eva Costa participante do projeto NUCA em Parauapebas, participou da campanha Gravidez na Adolescência

Eva Costa, uma das jovens que faz parte do NUCA fala sobre a sua visão do projeto. “Nós estávamos cansados de um estereótipo que foi criado sobre nós, de que os jovens não dão nem uma importância para assuntos voltados para Políticas Públicas, o NUCA veio para mostrar que um Jovem ou um adolescente pode sim falar, principalmente quando se trata de assuntos voltados para esse núcleo de pessoas, ter um jovem falando para outro jovem nos dar autonomia, e mais vontade de lutar por nossos direitos”.

Redação

 

 

 

 

 

 

A Faculdade Pitágoras sofreu manifestações na terça-feira, 18, por parte de seus alunos que relatam estarem sofrendo com juros abusivos nas mensalidades e infraestrutura precária, e que não tem atendido as suas necessidades, tendo como exemplo a biblioteca com falta de livros para o estudo adequado de seus alunos.

Os alunos pedem respeito 

As manifestações tem como objetivo garantir a continuação dos cursos presencias oferecidos pela entidade, que vem querendo mudar de 100% presencial passando agora aproximadamente 40% para o IAD (Ensino a Distância).

A exemplo de Marabá, no Campus de Parauapebas a instituição de ensino Pitágoras não vive seu melhor momento, já que alunos, principalmente do curso de Direito, reclamam do que qualificam, como irregularidades.

Pela a internet os alunos da instituição organizam um abaixo assinado por estarem insatisfeitos com as disciplinas EAD, com o intuito de obter seus direitos que segundo informações e reclamações, foram violados, buscando então que tudo possa se resolver o mais rápido possível, para que todos possam voltar as suas atividades que foram paralisadas por falta dos devidos cumprimentos e deveres da instituição. 

 

Confira o link do abaixo assinado:

https://www.change.org/p/faculdade-pit%C3%A1goras-diga-n%C3%A3o-as-mat%C3%A9rias-ead-para-os-cursos-presenciais-da-faculdade-pit%C3%A1goras?recruiter=1044171849&utm_source=share_petition&utm_campaign=psf_combo_share_abi&utm_medium=whatsapp&utm_content=washarecopy_20386449_pt-BR%3Av5&recruited_by_id=2c21e480-5435-11ea-b26e-cdd5d5d266e9

Nota oficial da instituição a respeito das manifestações promovidas por acadêmicos, nesta semana:

 

A instituição informa que a definição sobre a metodologia e a modalidade de oferta de disciplinas é feita de modo a preservar as características dos projetos pedagógicos de seus cursos e seu  modelo acadêmico, sempre observando a regulamentação do MEC. Continuamos atentos às tendências e exigências do mercado em relação às competências para o presente e o futuro das profissões. A instituição permanece à disposição para sanar quaisquer dúvidas adicionais.

 

Na noite do sábado, 08, a Associação de Surdos de Parauapebas (Asurp), promoveu uma reunião com aproximadamente 50 pessoas, para discutir sobre políticas públicas e enfatizar seus direitos perante a sociedade, um assunto que pouco se discute.

 

A comunidade surda de Parauapebas marca presença na reunião

A ideia é apresentar uma discussão antropológica sobre o tema e sobre os surdos de modo que se possa compreender um pouco da particularidade desses grupos, que tem conquistado um espaço que antes era negado, mas que ainda têm que lutar cotidianamente para que se façam valer sua alteridade no exercício de seus deveres e de seus direitos.

Wanderson Antunes colaborador da Asurp

Wanderson Antunes colaborador do projeto, fala da importância da reunião e dos trabalhos que a comunidade surda vem fazendo. “Buscamos com essa reunião, introduzir a comunidade surda dentro dos seus direitos como cidadão de Parauapebas. Existe uma queixa muito grande dentro da comunidade sobre a falta do atendimento aos seus direitos por parte do governo, que é a falta de pessoas capacitadas dentro dos órgãos para se comunicar com a Língua de Sinais, principalmente no setor da educação”.

A comunidade surda espera que os movimentos dos surdos contribuam para o fortalecimento das políticas públicas, e que consigam agregar mais conquistas pelo direito, social, cultural e educacional.

Cilmara Bonfim ativista de direitos da Comunidade de Surdos de Parauapebas

Em entrevista a nossa equipe de reportagem com a ajuda de uma intérprete, a ativista Cilmara Bonfim, frisou sobre sua luta pelo direito dos surdos. “Tenho lutado para que todos os surdos tenham igualdade em direitos, para que crianças e adolescentes com qual quer tipo de deficiência não deixe de ir a escola ou a qualquer outro lugar por falta de acessibilidade, tanto por não ter  a  Língua de Sinais para os surdos nas escolas quando por falta de rampas para os cadeirantes, não sou ativista para ir em busca só dos direitos dos surdos, sou ativista para não deixar que nosso direitos sejam deixados de lado.” Disse.

 

 

 

Sul e Sudeste do Pará

Loading
http://carajasojornal.com.br/modules/mod_image_show_gk4/cache/Publicidade.2018.Sophos_2019gk-is-100.jpglink
http://carajasojornal.com.br/modules/mod_image_show_gk4/cache/Publicidade.galpogk-is-100.jpglink

Vídeos

FAMAP, a escolha inteligente
08 Julho 2019
Em parauaebas, aluno chamou a atenção dos vereadores, no momento em que fazia uso da tribuna. de Carajás O Jornal
18 Abril 2017
Alunos da Rede Estadual de Ensino, assistem aula no meio da rua em Parauapebas
13 Abril 2017
Novo Ministro do STF3
11 Fevereiro 2017
Tiroteio em Redenção deixa população assustada
01 Dezembro 2016
Nesse domingo os paraenses vivenciam o #CIRIO2016, a maior festividade Religiosa do Brasil
09 Outubro 2016
Dr. Hélio Rubens fala sobre o caso de corrupção na Câmara Municipal de Parauapebas
08 Outubro 2016
MARCHA PARA JESUS: Milhares de jovens nas ruas de Parauapebas
08 Outubro 2016
Corrupção é um problema de todos, você também pode combater!
06 Outubro 2016
Joelma agradece pela presença e participação em seu show na FAP 2016
12 Setembro 2016
Jake Trevisan agradecendo toda população de Parauapebas no Carajás O Jornal
06 Setembro 2016
Cantor Açaí no evento da Imprensa na FAP a pedido de Marola Show, canta para a Rainha, primeira e segunda princesa da FAP 2016.
01 Setembro 2016