A Apeoesp (Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de SP) divulgou na sexta-feira (30) a pesquisa Percepção de professores, pais e estudantes sobre os impactos da pandemia na escola pública do estado de SP e as aulas presenciais. O estudo foi conduzido pelo Instituto Vox Populi e aponta que 15% dos estudantes da rede pública deixaram a escola e 80% dos pais de alunos e professores estão com medo do retorno presencial às escolas.

As aulas virtuais foram reprovadas pela comunidade escolar: professores (66,9%), pais (74,7%) e alunos (73,9%), mas, mesmo assim, 85,6% dos professores, 81,8% dos pais e 76,1% dos alunos têm medo da contaminação pela covid-19 no retorno precipitado às aulas presenciais.

O estudo também mostra que 15% dos estudantes do estado de São Paulo deixaram a escola durante a epidemia de covid-19. Esses alunos não acompanharam o ensino remoto por falta de acesso à internet ou de equipamentos como computadores ou celulares, além da necessidade de trabalhar. Apenas 56% dos alunos ouvidos se dedicam apenas aos estudos.

"O abandono se dá pelo fato do estudante não ter acesso à internet, aqueles que acessaram tiveram com conexão de baixa qualidade", destacou a presidente da Apeoesp, professora Bebel. "Se estivéssemos na era digital, mesmo trabalhando, os estudantes conseguiriam acessar as aulas, a questão central é oferecer aos estudantes acesso de banda larga e colocá-los em sintonia com o momento tecnológico que vivemos."

Para João Palma Cardoso Filho, é ex-secretário adjunto estadual da educação, o momento exige a busca ativa desses estudantes. "O governo do estado deve focar em recuperar o que foi perdido e não investir em um novo ensino médio, não é o momento."

Metade dos entrevistados afirmaram que não receberam nenhum suporte para trabalharem ou
estudarem remotamente, como equipamentos, pacote de dados para acesso à internet ou mesmo help desk do governo ou da escola para as aulas remotas. Entre os pais de alunos, essa reclamação chega a 73,8%. Entre os alunos do ensino médio, 63,2% também não teve este apoio e, entre os professores, 54,3%.

Os estudantes, 94%, acompanharam as aulas online pelo celular e muitos compartihavam o aparelho com outros membros da família. 

A pesquisa mostra que os professores trabalharam mais, 10 horas diárias, mas 87,3% dos pais
e 84,1% dos alunos de ensino médio, as horas dedicadas ao estudo foram inferiores ao normal. Ainda entre os pais, 51,1% afirmaram que os filhos ficaram apenas de 2 a 3 horas na aula por dia, e 24,3% só 1 hora.

O estudo ouviu 3.600 pessoas em todo Estado, entre professores (1.500), pais de alunos (1.500) e estudantes de ensino médio (600), entre junho e julho deste ano. O estudo tem recortes por capital, região metropolitana e interior, e também por níveis de ensino - educação infantil, ensino fundamental e médio.

 

Fonte: Karla Dunder, do R7

Sul e Sudeste do Pará

Loading
https://carajasojornal.com.br/modules/mod_image_show_gk4/cache/Publicidade.2018.Sophos_2019gk-is-100.jpglink

Vídeos

FAMAP, a escolha inteligente
08 Julho 2019
Em parauaebas, aluno chamou a atenção dos vereadores, no momento em que fazia uso da tribuna. de Carajás O Jornal
18 Abril 2017
Alunos da Rede Estadual de Ensino, assistem aula no meio da rua em Parauapebas
13 Abril 2017
Novo Ministro do STF3
11 Fevereiro 2017
Tiroteio em Redenção deixa população assustada
01 Dezembro 2016
Nesse domingo os paraenses vivenciam o #CIRIO2016, a maior festividade Religiosa do Brasil
09 Outubro 2016
Dr. Hélio Rubens fala sobre o caso de corrupção na Câmara Municipal de Parauapebas
08 Outubro 2016
MARCHA PARA JESUS: Milhares de jovens nas ruas de Parauapebas
08 Outubro 2016
Corrupção é um problema de todos, você também pode combater!
06 Outubro 2016
Joelma agradece pela presença e participação em seu show na FAP 2016
12 Setembro 2016
Jake Trevisan agradecendo toda população de Parauapebas no Carajás O Jornal
06 Setembro 2016
Cantor Açaí no evento da Imprensa na FAP a pedido de Marola Show, canta para a Rainha, primeira e segunda princesa da FAP 2016.
01 Setembro 2016