Todas as áreas com obras do Programa de Saneamento Ambiental, Macrodrenagem e Recuperação de Igarapés e Margens do Rio Parauapebas (Prosap) começaram a receber isolamento para garantir maior segurança a pedestres, trabalhadores e a comunidade. A instalação das barreiras físicas está sendo feita pela empresa Transvias, responsável pela execução da primeira etapa do programa, e deve ser concluída em duas semanas.

Segundo o engenheiro de segurança do trabalho do Prosap, Marcelo Pontes, essa ação isola o canteiro de obras, mantendo o local mais seguro tanto para os trabalhadores como também para as pessoas que circulam nos arredores das obras, de modo que o ambiente da construção não fica totalmente fechado.

As proteções estão sendo instaladas nas seguintes vias: ruas N, O e P esquina com a rua 19, bairro União; ruas Rio de Janeiro (próximo à ponte), Sol Poente na esquina com a Beira Rio, e 15 de Novembro, bairro Rio Verde; rua F, na ponte da avenida Liberdade; e ruas Vinícius de Moraes e 11 (área da ponte), no bairro Liberdade.

“Essas proteções também servem para restringir o acesso de pessoas estranhas nas dependências da obra, o que favorece para que o restante da área continue funcionando normalmente”, explica Marcelo Pontes.

Para o início dessa ação, técnicos da área social do Prosap conversaram com os moradores para informá-los sobre a importância das barreiras para a segurança de todos.

 

Texto e fotos: Jéssica Borges

Assessoria de Comunicação – Ascom/PMP

 

Em meio à programação da 25ª Semana do Meio Ambiente, a Prefeitura de Parauapebas reforça a importância do Programa de Saneamento Ambiental, Macrodrenagem e Recuperação de Igarapés e Margens do Rio Parauapebas (Prosap), uma das maiores obras de saneamento ambiental em execução no Pará.

Desde o início dos serviços de microdrenagem há pouco mais de dois meses, a equipe técnica ambiental tem realizado acompanhamento constante na área do projeto, com o objetivo de assegurar que todos os processos sejam conduzidos em conformidade com as melhores práticas ambientais.

Nesta primeira etapa do programa que envolve supressão vegetal - retirada das árvores - na área das obras do Prosap, biólogos, veterinários e outros profissionais especializados realizam um trabalho cuidadoso para afugentar ou resgatar os animais que vivem nesses locais.

Mais de 400 animais entre aves, lagartos, serpentes, anfíbios e até mamíferos de médio e pequeno portes já foram observados. Destes, mais de 70 foram resgatados, entre grandes lagartos (iguanas) e até uma cobra sucuri com mais de três metros de comprimento.

A empresa Transvias, responsável pela execução das obras, conta com a consultoria e o acompanhamento da Waste Ambiental, especializada em programas ambientais, e que contribuiu nos treinamentos dos trabalhadores diretamente ligados na execução da supressão vegetal, no acompanhamento e monitoramento dos resgastes, bem como na captura e soltura dos animais presentes na área. O serviço segue a legislação ambiental e tem todas as licenças e autorizações pertinentes.

Conforme os biólogos Sidcley Matos, especialista em captura de animais silvestres, e Djalma Macêdo, gestor da Waste, toda a atividade é realizada de forma muito responsável, da fase da supressão vegetal ao resgaste e afugentamento de animais. Sobre algumas espécies que possam buscar abrigo nas casas próximas à obra, que possam estar em locais exóticos ou em vias de trânsito, a recomendação é entrar em contato pelo telefone (94) 99973 - 0476 e solicitar a presença da equipe de resgate.

O aviso, em tom de alerta, é para que os moradores dos imóveis não tentem capturar os animais. “É importante não ter contato direto com os animais, nem tentar capturá-los ou encurralá-los, evitando qualquer acidente e aguardando a equipe, que conta com profissionais especializados e instrumentos adequados para a captura, cuidados e transporte, explica Djalma Macêdo, acrescentando que a soltura dos animais capturados só acontece após avaliação e cuidado da médica veterinária Adna Picanço.

Para acionar a equipe, basta informar o endereço completo “enviando fotografias, quando possível”, orienta Macedo.

Após todas as avaliações, a maioria dos animais é devidamente solta no Parque Natural do Morro dos Ventos ligado à Área de Proteção Ambiental (APA) do Igarapé Ilha do Coco, que fica em frente à prefeitura. Ambas as Unidades de Conservação foram criadas como contrapartida ambiental devido à execução das obras do Prosap.

É nessa região que será construída uma grande lagoa e um parque urbano que oferecerá estruturas de lazer e práticas esportivas no entorno, além de atividades educativas para a sensibilização ambiental.

Ações Ambientais

A subcoordenadora de Ações Ambientais do Prosap, a analista ambiental Alessandra Rosa, esclarece que para chegar até a essa fase os técnicos do programa realizaram estudos de viabilidade para a efetiva implantação do projeto. Os levantamentos e relatórios foram apresentados aos órgãos competentes e obtiveram parecer favorável para execução da obra.

A Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade do Pará (Semas/PA) expediu as devidas licenças ambientais autorizando a supressão vegetal, bem como os demais programas ambientais relacionados ao projeto. “A autorização para a supressão vegetal, que é vinculada à Licença de Instalação (LI) referente ao Prosap, ocorreu em fevereiro deste ano. A licença prevê a supressão de uma área correspondente a 36,84 hectares”, reforça Alessandra.

Dentre as atribuições da Subcoordenadoria de Ações Ambientais do Prosap, estão coordenar a implementação do Sistema de Gestão Ambiental e Social (SGAS) - ferramenta gerencial de fundamental importância para assegurar o alinhamento de todos os projetos às melhores práticas ambientais - e apoiar as demais programações no Plano de Gestão Ambiental e Social (PGAS) do programa.

A recuperação e a conservação do meio ambiente são pilares fundamentais do Prosap. Com o projeto, serão dadas condições melhores ao meio ambiente e à sociedade.

 

Texto: Jéssica Borges

Contribuiu Djalma Macêdo

 

 

 

Nesta segunda-feira, 25, o cronograma de microdrenagem do Programa de Saneamento Ambiental, Macrodrenagem e Recuperação de Igarapés e Margens do Rio Parauapebas (Prosap) avançou em mais um trecho, com intervenção na rua 15 de Novembro, no bairro Rio Verde. A interdição da via ocorre entre a rua Dom Pedro e o Igarapé Ilha do Coco. 

Os moradores que residem na área e no entorno foram comunicados sobre o início da obra na semana passada pela equipe técnica da área social do Prosap. Houve também reforço na comunicação por meio de mídia volante (carro de som) com recomendações quanto aos cuidados com as crianças na área da obra e os transtornos temporários que serão gerados com as atividades.

O cronograma de trabalho da microdrenagem também segue com equipes em outras áreas, tanto no bairro Rio Verde, como no União, conforme abaixo:

  • Rua Sol Poente, entre avenida Beira Rio e rua Guanabara, bairro Rio Verde.
  • Rua Guanabara, entre as ruas Sol Poente e Rio de Janeiro, bairro Rio Verde.
  • Rua O, entre as ruas 18 e 19, bairro União.

De acordo com o engenheiro civil e sanitarista do Prosap, Roginaldo Rebouças, há ainda outros locais com equipes, mas nessas áreas o serviço consiste, exclusivamente, na supressão de vegetação e no resgate da fauna. Os locais atendidos compreendem o trecho que segue da rua Rio de Janeiro, no Rio Verde, até a rua F, no União; e ainda no bairro Liberdade, entre as ruas Santa Catarina e a Perimetral Norte.

A autorização para a supressão de vegetação, que é vinculada à Licença de Instalação (LI) referente ao Prosap, ocorreu em fevereiro deste ano. A licença prevê a supressão de uma área correspondente a 36,84 hectares, com adoção de medidas para minimizar os impactos diretos e indiretos oriundos dessa primeira etapa de implantação da obra.

Geração de emprego

À medida que as obras avançam, crescem também novas oportunidades. Desde o início da microdrenagem do programa, em abril deste ano, 300 empregos entre diretos e indiretos já foram criados. “Realizamos novas contratações para atender as necessidades do projeto”, destaca o engenheiro Sérgio Sábia, da empresa Transvias.

Em campo, atenção imprescindível às medidas de prevenção da covid-19, com o uso reforçado dos equipamentos de proteção individual e os cuidados necessários para evitar a contaminação de trabalhadores. 

Atendimento à comunidade

Como o atendimento presencial nos órgãos municipais segue suspenso, a comunidade pode tirar dúvidas, fazer perguntas ou registrar manifestação sobre o Prosap. O telefone para contato é o (94) 99973-0476 (ligação e mensagem) e e-mailEste endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Texto: Jéssica Borges
Fotos: Irisvelton Silva

Os moradores de Parauapebas começaram a semana recebendo boas notícias. É que a prefeitura iniciou na manhã desta segunda-feira, 6, as obras do Programa de Saneamento Ambiental, Macrodrenagem e Recuperação de Igarapés e Margens do Rio Parauapebas (Prosap), que vai beneficiar diretamente mais de 25 mil famílias residentes em bairros de sua abrangência.

Trechos de vias nos bairros União e Rio Verde foram interditados para o início da execução das obras que vão incluir Parauapebas na lista das melhores cidades do Brasil em qualidade de vida, considerando toda a infraestrutura de saneamento básico a ser implantada. Os transtornos são inevitáveis, mas ao final a população irá contemplar um outro cenário e ganhará qualidade de vida.

Reginaldo Rocha, engenheiro sanitarista civil do Prosap, explicou que nesse primeiro trecho será realizado cerca de 1,5 quilômetro de rede de microdrenagem. "Vai mudar para melhor a qualidade de vida da população, pois é uma obra que vai colaborar com a redução dos impactos causados nos períodos das enchentes, muito comum em nossa região, além de proporcionar outras opções de lazer nessa área com ciclovia, uma via para caminhada, equipamentos públicos de academia", pontuou ele.  

Dona Maria das Graças Neves mora há 33 anos no bairro União. Da janela do sobrado onde vive, ela contemplava, feliz, o serviço dos trabalhadores. "Quando a gente mora em área de risco, tem que se precaver. Minhas coisas são suspensas. Ao chover, em janeiro, ergo tudo. Essa obra vai ser muito importante porque há muito tempo esperamos por ela. Acho que eles estão fazendo o trabalho muito perfeito, na hora exata, porque as chuvas melhoraram e a gente espera que tudo dê certo", disse.  

Geração de emprego

 Para o início da obra, o engenheiro Sérgio Sábia, da empresa Transvias, informou que foram contratados 60 profissionais para vagas de operador de máquinas, armador, pedreiro, ajudante, carpinteiro, dentre outras funções. “Em 1º de abril retomamos as contratações dando preferência para as pessoas que já estavam no processo inicial, expandindo para o restante da população. Vamos evoluir esse número a partir de maio, com a parte de terraplanagem, chegando a 300 funcionários”, antecipou ele, para observar que o Prosap também vai gerar empregos indiretos, como no setor de alimentação.

Sérgio Sábia destacou que a empresa está atenta às ações preventivas relacionadas à pandemia do coronavírus: “Estamos seguindo as recomendações do Ministério da Saúde e em conformidade com o decreto municipal, exatamente para minimizar os riscos entre os trabalhadores. Essa segurança é importante para garantir a continuidade da obra e do funcionário, no seu retorno para casa. Todos usando os Equipamentos de Proteção Individual”, reforçou.

 O dia também foi especial para Antônio Lima e Adão Aguiar, que estavam fora do mercado de trabalho e agora se sentem aliviados. “Eu estava desempregado há um ano, mas Deus abriu essa oportunidade. Só em estar trabalhando aqui, para a melhoria do povo de Parauapebas, já é um orgulho pra mim", disse o encarregado de drenagem Antônio Lima.

"Estar há cinco anos desempregado não é brincadeira. Mas meu orgulho mesmo é de estar trabalhando na cidade que moro, porque eu saía pra trabalhar em outras cidades, mas hoje estou trabalhando aqui", comemorou o armador Adão Aguiar, para afirmar que todos os cuidados de prevenção ao Covid-19 estão sendo tomados. “Eu me cuido e cuido dessa galera também. Eles fazem parte da minha vida. Me preocupo com eles como se fossem meus filhos. Estamos em campo e fazendo uso de máscaras, álcool em gel. Tudo o que a gente faz para a saúde da gente não tem preço”.

Interdições no trânsito

O Prosap conta com a atuação dos agentes do Departamento Municipal de Trânsito e Transporte (DMTT) para a sinalização das alterações nas vias, conforme a execução da obra, e a prefeitura conta com a colaboração e compreensão dos munícipes com os transtornos gerados pela poeira, deslocamento e barulho das máquinas.

É preciso que a população fique atenta aos canais oficiais da prefeitura para se informar sobre as interdições que ocorrerão de forma gradual e programada, de acordo com o avanço das obras que prometem mudar a cara de Parauapebas.

 

Fonte: Texto - Rayssa Pajeú \Colaborou: Jessica Borges

A Prefeitura de Parauapebas tem data certa para começar as obras do Programa de Saneamento Ambiental, Macrodrenagem e Recuperação de Igarapés e Margens do Rio Parauapebas (Prosap). Na próxima segunda-feira, 6, as máquinas e os profissionais da Transvias, empresa contratada para a execução das obras, já vão estar em campo.

Neste primeiro momento, trechos de vias nos bairros União e Rio Verde serão interditados para a execução das obras de micro e macrodrenagem. Como deve ser mantido o distanciamento social neste período de pandemia do Coronavírus, e atendendo ao decreto municipal que estabelece medidas de prevenção à doença, a informação sobre as interdições junto à comunidade será feita por mídia volante (carro de som), dentre outros meios de comunicação.

As vias que terão trechos interditados nesta fase serão:

  • Rua O (entre as ruas 18 e 19), no bairro União
  • Rua Sol Poente (entre as ruas 19 e Guanabara)
  • Rua Guanabara (entre as ruas Sol Poente e Rio de Janeiro)
  • Rua Rio de Janeiro (entre as ruas 18 e Guanabara), no Bairro Rio Verde.

As interdições não serão simultâneas. Vão ocorrer de forma gradual e programada. Agentes de trânsito da prefeitura farão a sinalização das alterações nas vias, conforme o desenvolvimento da obra.

O engenheiro Cleverland Carvalho, coordenador de Projetos Especiais e Captação de Recursos da Prefeitura de Parauapebas, explica que as obras vão acontecer em ritmo menor em virtude da pandemia do coronavírus. “Ninguém vai colocar os trabalhadores em risco, mas as obras vão iniciar com todas as precauções e seguindo as recomendações dos órgãos de saúde: Ministério da Saúde e Secretaria Municipal de Saúde. Vamos ter movimentação de maquinários nos trechos já previamente selecionados e liberados”, diz ele. 

Cleverland destaca a importância do programa para atenuar os problemas de enchentes no município, bem como para a geração de emprego e renda. “Quando essa situação da pandemia estiver controlada, vamos ter um ritmo da obra mais acelerado porque estamos falando de quase 300 empregos que serão gerados já nesta primeira fase. O Prosap é muito importante: vai mudar a cara de Parauapebas e vai servir para conter os problemas de enchentes que acontecem hoje na área de intervenção do Igarapé Ilha do Coco”, pontua o coordenador.

Como toda obra, a do Prosap inevitavelmente vai gerar transtornos aos moradores por conta da movimentação das máquinas, além de barulho e poeira. Contudo, um cronograma foi elaborado para reduzir, ao máximo, o tempo de permanência nesses trechos. “Nosso objetivo é executar 1.000 metros de drenagem por mês. As máquinas devem permanecer em cada trecho por cerca de duas semanas”, informa Sérgio Sábia, engenheiro da Transvias.

Etapas do Prosap

O Prosap vai beneficiar, diretamente, mais de 25 mil famílias residentes em bairros de sua abrangência. Indiretamente, toda a população ganhará com o programa que vai incluir Parauapebas no rol das melhores cidades do Brasil em qualidade de vida, considerando toda a infraestrutura de saneamento básico a ser implantada. O prazo para conclusão das obras é de seis anos, com a divisão do cronograma em três etapas.

Com 80% dos recursos financiados pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e mais a contrapartida da prefeitura, a primeira etapa tem previsão para durar 18 meses e contempla a construção de 250 casas destinadas às famílias que residiam em áreas de risco abrangidas pelo Prosap e realização de obras de micro e macrodrenagem no canal do Igarapé Ilha do Coco, ao longo dos bairros Liberdade I, União e Rio Verde.

Assim como as indenizações e desapropriações de imóveis na área do Prosap, a construção das casas faz parte da contrapartida do município no programa, cujo investimento total é de US$ 87,5 milhões.

 

Fonte: texto - Jéssica Borges

 

 

Para orientar a comunidade sobre o início das obras da primeira etapa do Programa de Saneamento Ambiental, Macrodrenagem e Recuperação de Igarapés e Margens do Rio Parauapebas (Prosap), a equipe técnica da área social do projeto iniciou na quinta-feira, 20, visita domiciliar aos moradores que residem nos bairros Liberdade I e União, nos trechos que serão interditados para execução da obra.

O morador da rua O, no bairro União, Francivaldo Ferreira Severo, de 40 anos, foi um dos primeiros a receber a visita da equipe social. “Eu sei que haverá transtornos com essas obras, mas eu ainda acredito que será para o nosso bem”, pondera ele, que inclusive aguarda por uma oportunidade de trabalho na empresa que executará a obra, a Transvias. “Cadastrei o meu currículo e recebi uma ligação para entrevista. Estou confiante de que vai dar certo”, almeja.

A ação de orientação aos moradores recebe o reforço de servidores do Departamento de Relações com a Comunidade (DRC), devidamente identificados com camisa e crachá, que realizam a entrega de material informativo sobre os impactos que serão gerados no dia a dia da população com o início do projeto.

“Alguns transtornos serão gerados, como poeira e barulho, porém são temporários. No material informativo entregue aos moradores, reforçamos os canais de comunicação para informações e dúvidas da comunidade”, diz a assistente social Eulália Almeida, subcoordenadora de ações sociais do Prosap, para informar que os contatos podem ser feitos pelo (94) 99973-0476 ou pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

Com as obras previstas para iniciarem no próximo dia 3 de março, as interdições ocorrerão nas ruas Perimetral Norte, Santa Catarina e Vinícius de Morais, no bairro Liberdade I, assim como nas ruas 11, 19, I, J, M, N, O e Sol Poente – nas proximidades do Igarapé Ilha do Coco – no bairro União.

A costureira Fausta de Jesus, de 51 anos, moradora da rua Perimetral Norte, no Liberdade I, sabe bem o que é transtorno. Com as chuvas do último ano, a água alcançou 30 centímetros da parede da sala da casa dela. “Para reduzir os prejuízos, colocamos cerâmica nas paredes da casa, mas queremos que esse problema de enchente seja resolvido”, diz a moradora, que vive ali há quase 16 anos.

As ações junto à comunidade seguem nesta sexta-feira, 21, e passam a ser permanentes, conforme o desenvolvimento da obra.

Texto e fotos: Jéssica Borges

Em Audiência Pública realizada nessa quinta-feira (19), no Plenarinho da Câmara de Vereadores, a Prefeitura apresentou o Estudo Ambiental e Social (EIAS) e ouviu a população sobre a criação de Unidades de Conservação Municipais, uma condicionante das obras do Projeto de Saneamento Ambiental, Macrodrenagem e Recuperação de Igarapés e Margens do Rio Parauapebas (Prosap), o maior projeto de infraestrutura da história de Parauapebas, financiado pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

A Audiência contou com a presença da comunidade em geral, de órgãos ambientais, instituições públicas federais, estaduais e municipais; organizações não governamentais, proprietários de terras, representantes dos setores empresariais e associações comunitárias.

“O nosso objetivo aqui é ouvir; queremos garantir o máximo de participação. A Semma já vinha estudando áreas potenciais que poderiam ser criadas Unidades de Conservação e coincidiu também com a condicionante do Prosap, o que acelerou esse processo. É uma obra que vai resolver todos os passivos ambientais e sociais da nossa cidade”, destaca Dion Leno Alves, secretário municipal de Meio Ambiente.

A discussão trata-se da criação de duas unidades de conservação, que são o Parque Municipal do Morro dos Ventos e a Apa do Igarapé Ilha do Coco.

“É um passo muito importante, não só para o Prosap, mas para todo o município. Além de ser uma condicionante do BID, que preza muito a questão ambiental e social, vai beneficiar o município também, ou seja, vai conseguir preservar uma área verde no centro da cidade e garantir o lazer para a população como um todo”, diz Daniel Benguigui, diretor do Prosap.

A criação das Unidades de Conservação Municipais é bem vista pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), órgão gestor federal das unidades de conservação em Carajás. “Com o conhecimento que temos, tentamos contribuir o máximo possível nessas propostas com base nas informações que foram apresentadas sobre as áreas. Trata-se de uma área que ainda tem suas riquezas naturais ali, que está no centro do município e que, muitas vezes, no dia a dia, a gente não dá a devida atenção ao local”, ressalta Marcel Guedes, analista ambiental do ICMBio.

Saiba mais

Atualmente, Parauapebas, com o apoio do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), está desenvolvendo o Projeto de Saneamento Ambiental, Macrodrenagem e Recuperação de Igarapés e Margens do Rio Parauapebas – Prosap. Dentre diversas obras que serão implantadas no território, existe a Lagoa de Detenção, a ser construída no Igarapé Ilha do Coco, para reduzir problemas recorrentes com cheias na área.

Para aproveitar o espaço, após a instalação da Lagoa de Detenção, foi concebido um conjunto de equipamentos sociais para trazer lazer à população local. Contudo, percebeu-se que, junto à área da futura lagoa, existe um morro que ainda apresenta a vegetação original, que dominava a atual área urbana do município.

Desta forma, surgiu a ideia da criação das unidades de conservação, que podem proteger as estruturas da lagoa e, ao mesmo tempo, fornecer lazer, propiciando também conservação da vegetação ainda existente nas adjacências.

Todas as informações e mapas das áreas de criação das Unidades de Conservação Municipais estão disponíveis no portal da Prefeitura, na internet, no link: http://bit.ly/2ObKP7Q .

Texto: Sara Dias

Em quanto a média de tratamento de esgoto no Brasil é de 45%, em Parauapebas esse número não passa de 8%. Os indicadores alarmantes foram apresentados pelo Coordenador de Projetos Especiais e Captação de Recursos, Cleverland Carvalho de Araújo, durante uma coletiva de imprensa realizada no último dia 21/12.

Os números indicam que em 2018, Parauapebas coletou em média 20% de todo o esgoto produzido, mas, apenas 8% destes resíduos foram tratados. Apesar de os  números serem baixos, eles  colocam o município em destaque quando o assunto é tratamento de esgoto, se comparado aos municípios vizinhos, como Marabá que coleta 79,72% e trata 0,00%; Canaã dos Carajás, que coleta 55,05% e trata 13,99%; e até mesmo a capital do Estado, Belém, que coleta 12,26% e trata apenas 3,34%.

Os indicadores também apontam que apenas 41.270 unidades residenciais possuem ligações domiciliares de água. Isso quer dizer que para uma cidade com população estimada em 200 mil habitantes, pouco mais de ¼ dos parauapebenses possuem água encanada chegando até suas casas. Quando o assunto é esgotamento sanitário o número é ainda menor, e, não passa de 11.895 ligações domiciliares.

Enquanto apresentava o conceito do Projeto de Saneamento Ambiental, Macrodrenagem e Recuperação de Igarapés e Margens do Rio Parauapebas (Prosap), o Engenheiro destacou que dentro de 08 anos, no ápice operacional do projeto, o município poderá ficar acima da média nacional em se tratamento de esgoto, chegando até a 65% de captação  e tratamento destes tipos de resíduos.

Para chegar a tamanha eficiência o projeto prevê adequação e reestruturação das estações de tratamento e esgoto atuais, instalação de redes coletoras nos bairros: Rio Verde, Da Paz, Guanabara, Caetanópolis; Beira Rio I, Complexo Altamira, Tropical, Casas Populares e Cidade Jardim, além de melhoria e substituição de redes coletoras existentes e também da implantação de  novas ligações de esgoto.

Além das 07 estações de tratamento de esgoto também se estima que sejam construídas mais 02 ETE’s, uma no Igarapé lajeado e outra no Ilha do Coco, totalizando 09, o que poderá elevar o índice de atendimento com esgotamento sanitário para 65% de coleta e tratamento após a implantação do projeto. Também  está prevista para aumentar para 43.720 ligações de água  e 35.275 de esgoto.

Fonte: Prefeitura Municipal de Parauapebas. 

Os indicadores apontam que após a execução do Prosap o Município possa coletar e tratar 65% de todo esgoto produzido. 

Áreas que serão impactadas pelo Prosap

 

(Reportagem: Fernando Bonfim)

Página 3 de 3

Sul e Sudeste do Pará

Loading
https://carajasojornal.com.br/modules/mod_image_show_gk4/cache/Publicidade.2018.Sophos_2019gk-is-100.jpglink
https://carajasojornal.com.br/modules/mod_image_show_gk4/cache/00.Novo_Projeto_-_2021-09-24T142218530gk-is-100.jpglink

Vídeos

FAMAP, a escolha inteligente
08 Julho 2019
Em parauaebas, aluno chamou a atenção dos vereadores, no momento em que fazia uso da tribuna. de Carajás O Jornal
18 Abril 2017
Alunos da Rede Estadual de Ensino, assistem aula no meio da rua em Parauapebas
13 Abril 2017
Novo Ministro do STF3
11 Fevereiro 2017
Tiroteio em Redenção deixa população assustada
01 Dezembro 2016
Nesse domingo os paraenses vivenciam o #CIRIO2016, a maior festividade Religiosa do Brasil
09 Outubro 2016
Dr. Hélio Rubens fala sobre o caso de corrupção na Câmara Municipal de Parauapebas
08 Outubro 2016
MARCHA PARA JESUS: Milhares de jovens nas ruas de Parauapebas
08 Outubro 2016
Corrupção é um problema de todos, você também pode combater!
06 Outubro 2016
Joelma agradece pela presença e participação em seu show na FAP 2016
12 Setembro 2016
Jake Trevisan agradecendo toda população de Parauapebas no Carajás O Jornal
06 Setembro 2016
Cantor Açaí no evento da Imprensa na FAP a pedido de Marola Show, canta para a Rainha, primeira e segunda princesa da FAP 2016.
01 Setembro 2016