Carajas o Jornal

Carajas o Jornal

Um dos principais conceitos de acessibilidade é a garantia do acesso de ir e vir para todas as pessoas, sejam elas com limitações ou não. Partindo dessa premissa, o projeto da Nova BR, executado pelo Governo do Pará por meio do Núcleo de Gerenciamento de Transporte Metropolitano (NGTM), ao longo dos primeiros 10.8 km da rodovia BR-316, busca promover condições de acesso e a integração entre pedestres, usuários do transporte público e ciclistas de forma mais segura.

“A infraestrutura que estamos implantando prevê calçadas com piso tátil, rampas de acessibilidade nas passarelas e o ingresso do usuário dos ônibus do sistema que se dará em nível, pois o usuário vai entrar nas estações onde os ônibus estarão com a porta nivelada a essas plataformas. Toda essa estrutura melhora muito a micro acessibilidade na região à medida em que todo o corredor da BR está seguindo as normas brasileiras de acessibilidade”, explica Paulo Ribeiro, arquiteto e urbanista, assessor do Governo.

O especialista lembra que hoje o projeto é executado em uma via com o conceito de rodovia, “onde não se identifica calçada adequada, ciclovia apenas em pequeno trecho, as condições de travessias são difíceis e todo o sistema de transporte que circula na BR-316 não está hoje adequado a essas normas, nem às necessidades”.

Em vigor desde 2012, a Lei 12.587/12 institui diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana (PNMU) priorizando o transporte público e coletivo em detrimento do individual e privado, além de estabelecer questões essenciais de acessibilidade como infraestrutura urbana adequada, incluindo as calçadas. As regras também buscam regularizar as calçadas, retirar postes da faixa de domínio da obra, arborização para proteção e conforto dos pedestres, espaço para os ciclistas e etc.

Um exemplo de integração de bicicletas ao transporte público que tem funcionado muito bem é visto em cidades chinesas, como forma de buscar alternativas sustentáveis e de diminuição do número de carros nas ruas. No último levantamento feito em 2019, o país registou redução de congestionamentos em 8% após a integração.

Em relação ao deslocamento cicloviário na BR-316, a população será beneficiada com o espaço destinado a esse tipo de locomoção nos dois sentidos da rodovia. As ciclovias serão segregadas e sombreadas com a arborização que haverá no limite da calçada e ciclovia, proporcionando segurança e conforto para os usuários de bicicleta, criando ainda condições ao usuário fazer a conexão à avenida João Paulo II, por exemplo, sentido Ananindeua-Belém, outro corredor de transporte metropolitano importante na Região Metropolitana de Belém.

“O tráfego cicloviário é gerado fora da via e é atraído para fora dela, ou seja, nenhum ciclista começa uma viagem no centro da via, nem acaba dentro da via. Quando se coloca uma ciclovia no meio da via, você obriga o ciclista a cruzá-la pelo menos duas vezes, entrar e sair. Essa é uma diferença importante em relação à ciclovia existente na avenida Almirante Barroso, pois nela existem diversos cruzamentos semaforizados e com faixas de pedestres que permitem uma realidade distinta ao cenário da BR-316”, explica Paulo a respeito do conceito das ciclovias que serão construídas na rodovia.

Além disso, o arquiteto afirma que existirá a possibilidade da integração do modal cicloviário  com o sistema BRT Metropolitano, uma vez que as passarelas poderão ser acessadas pelos ciclistas rumo as estações de passageiros localizadas no canteiro central da BR e, haverá bicicletário nos terminais de integração (Ananindeua e Marituba), fazendo com que o usuário chegue em um dos terminais de bicicleta, tranque o veículo no espaço adequado, siga no ônibus do BRT e ao retornar, faça o sentido inverso.

A nova estrutura também busca incentivar o uso da bicicleta e quem agradece é o meio ambiente. A exemplo do país asiático, a Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos afirma que “o uso de bicicletas compartilhadas poupa o equivalente a 1,4 milhão de toneladas de combustível, representando 1,1% do consumo do país asiático. Mais de 16 milhões de bicicletas estão nas ruas de todo o país”.

“A mobilidade sustentável trabalha o transporte coletivo nas grandes escalas (ou seja, distâncias a serem percorridas) e na escala menor (tanto microacessibilidade, quanto em escalas distâncias menores) que o deslocamento à pé e de bicicleta, patins, etc. Nesse sentido, o Governo está criando um conjunto de instrumentos para facilitar e potencializar o uso da bicicleta provocando um grande benefício em termos ambientais, pois em comparação ao volume de emissão de gases do efeito estufa entre uma pessoa que se desloca de transporte público outra que se desloca de ônibus, essa será bem menor”, reforça Paulo Ribeiro, arquiteto e urbanista do Governo do Pará.

Ao final das obras, o autônomo Luiz Nogueira, de 44 anos, espera melhorias na via “A BR precisa de uma repaginada em vários aspectos. Para atravessar, por exemplo, é um risco muito grande porque o fluxo é enorme, a gente não tem preferência. Gasto uma hora e meia de São Brás até a minha casa, de ônibus. Se esse tempo diminuir, com certeza vai ficar muito melhor”, diz o morador no bairro de Águas Lindas.

 

Fonte: Por Michelle Daniel (NGTM)

O estado do Pará registrou 1.846 casos confirmados de dengue em 2020, representando uma queda de 17,36% em comparação com 2019, quando foram registrados 2.234 casos confirmados da doença. Houve um óbito registrado em fevereiro, no município de Uruará e ainda há 147 casos em investigação.

A informação está no último Informe Epidemiológico emitido, na sexta-feira (08), pela Coordenação Estadual do Programa de Controle da Dengue da Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), Chicungunya e Zika Vírus. Os cinco municípios com mais casos confirmados de dengue são Altamira (292), Novo Progresso (214), Belém (183), Santana do Araguaia (125) e Itaituba (100).

Dos 1.846 casos de dengue, 1.827 foram classificados como dengue, 16 como dengue com sinais de alarme e três como dengue grave.

A coordenadora estadual de Controle da Dengue, Aline Carneiro, disse que é importante que as Secretarias Municipais de Saúde façam a notificação imediata de casos graves e óbitos suspeitos. Pois, a investigação epidemiológica é necessária para confirmação de mortes por dengue, com aplicação do protocolo específico e realização dos exames de sorologia e isolamento viral no Laboratório Central do Estado (Lacen-PA) e Instituto Evandro Chagas (IEC).

Segundo Aline Carneiro, em 2020, o Lacen-PA e o IEC identificaram três sorotipos de vírus da dengue circulantes no Pará, ou seja, 30 casos de dengue tipo 1, três casos de dengue tipo 2 e 1 caso de dengue tipo 4.

No que tange à febre de chicungunya, em 2020, houve 152 casos confirmados, representando uma queda de 93,45% em relação a 2019, com 2.322 casos confirmados. Os cinco municípios com mais casos confirmados de Chicungunya são Parauapebas (27), Santarém (26), Belém (25), Bragança (15) e Altamira (13).

Ao contrário da dengue e chicungunya, Aline Carneiro disse que o Pará registrou aumento nos casos de febre de zika vírus. Foram 158 casos confirmados em 2020, correspondendo um aumento de 243% em comparação com 2019, com 46 casos confirmados.

“É importante ressaltar que a maioria dos casos, que levou a esse aumento considerável, ocorreu no primeiro semestre e se concentrou nos municípios de Prainha e Santarém, onde o surto foi controlado com ações municipais com assessoria e apoio da Sespa e todos os casos estão sendo monitorados, não tendo havido nenhum caso de óbito”, explicou a coordenadora estadual. “Foram 74 em Santarém e 78 em Prainha”, acrescentou.

Para que a queda nos números de dengue se mantenha em 2021, apesar do aumento das chuvas nesta época do ano, conforme Aline Carneiro, é fundamental que a população faça a sua parte, não relaxando com as medidas preventivas em casa e entorno da residência, principalmente porque em função da pandemia de Covid-19, os agentes de endemias ainda estão com ações limitadas, durante as visitas domiciliares. “Nós, enquanto Sespa, prosseguimos com a assessoria técnica e apoio aos municípios para o controle dessas três endemias, mas é muito importante que cada família elimine os criadouros do mosquito Aedes aegypti pelo menos da sua própria casa”, afirmou.

As principais medidas que devem ser tomadas pela população são as seguintes:

· Manter a caixa d’água, tonéis e barris de água bem fechados;

· Colocar o lixo em sacos plásticos e manter a lixeira fechada;

· Não deixar água acumulada sobre a laje;

· Manter garrafas com boca virada para baixo;

·Acondicionar pneus em locais cobertos;

· Proteger ralos sem tampa com telas finas;

· Encher pratinhos de vasos de plantas com areia até a borda e lavá-los uma vez por semana.

 

Fonte: Por Roberta Vilanova (SESPA)

A verdade é simples: a Covid-19 mata! Nesta sexta-feira, 8 de janeiro, temos 224 novos casos. Se precisar trabalhar no fim de semana fora de casa, tome todos os cuidados necessários.

A taxa de ocupação de leitos em Parauapebas está em 60%.

Procure a UBS mais próxima da sua casa, caso tenha sintomas.

Histórico dos pacientes:

1             .              Mulher                 de          41           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

2             .              Mulher                 de          47           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

3             .              Homem               de          49           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

4             .              Homem               de          32           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

5             .              Mulher                 de          38           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

6             .              Homem               de          37           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

7             .              Homem               de          32           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

8             .              Criança                 de          6             anos.     Isolamento domiciliar.  TR

9             .              Mulher                 de          48           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

10           .              Homem               de          50           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

11           .              Homem               de          39           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

12           .              Homem               de          68           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

13           .              Mulher                 de          75           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

14           .              Mulher                 de          23           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

15           .              Mulher                 de          31           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

16           .              Mulher                 de          30           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

17           .              Mulher                 de          57           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

18           .              Mulher                 de          55           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

19           .              Homem               de          22           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

20           .              Mulher                 de          35           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

21           .              Mulher                 de          37           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

22           .              Mulher                 de          20           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

23           .              Mulher                 de          57           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

24           .              Mulher                 de          33           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

25           .              Homem               de          45           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

26           .              Homem               de          52           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

27           .              Homem               de          65           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

28           .              Mulher                 de          34           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

29           .              Mulher                 de          36           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

30           .              Mulher                 de          14           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

31           .              Mulher                 de          41           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

32           .              Homem               de          23           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

33           .              Mulher                 de          52           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

34           .              Mulher                 de          16           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

35           .              Homem               de          45           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

36           .              Mulher                 de          45           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

37           .              Homem               de          18           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

38           .              Mulher                 de          53           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

39           .              Mulher                 de          24           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

40           .              Mulher                 de          28           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

41           .              Homem               de          33           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

42           .              Mulher                 de          56           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

43           .              Mulher                 de          26           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

44           .              Mulher                 de          32           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

45           .              Mulher                 de          47           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

46           .              Mulher                 de          32           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

47           .              Mulher                 de          44           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

48           .              Mulher                 de          59           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

49           .              Homem               de          14           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

50           .              Mulher                 de          59           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

51           .              Mulher                 de          20           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

52           .              Mulher                 de          37           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

53           .              Homem               de          55           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

54           .              Mulher                 de          39           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

55           .              Mulher                 de          21           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

56           .              Homem               de          45           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

57           .              Homem               de          15           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

58           .              Homem               de          61           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

59           .              Homem               de          50           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

60           .              Mulher                 de          29           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

61           .              Homem               de          38           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

62           .              Mulher                 de          30           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

63           .              Mulher                 de          40           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

64           .              Homem               de          36           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

65           .              Mulher                 de          29           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

66           .              Homem               de          33           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

67           .              Homem               de          33           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

68           .              Homem               de          42           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

69           .              Mulher                 de          48           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

70           .              Homem               de          18           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

71           .              Mulher                 de          39           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

72           .              Mulher                 de          42           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

73           .              Mulher                 de          15           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

74           .              Mulher                 de          43           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

75           .              Mulher                 de          34           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

76           .              Mulher                 de          43           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

77           .              Mulher                 de          26           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

78           .              Homem               de          38           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

79           .              Mulher                 de          33           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

80           .              Homem               de          52           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

81           .              Homem               de          49           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

82           .              Mulher                 de          29           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

83           .              Homem               de          45           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

84           .              Mulher                 de          40           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

85           .              Mulher                 de          56           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

86           .              Homem               de          21           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

87           .              Mulher                 de          35           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

88           .              Mulher                 de          23           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

89           .              Homem               de          37           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

90           .              Mulher                 de          23           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

91           .              Homem               de          22           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

92           .              Homem               de          30           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

93           .              Homem               de          54           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

94           .              Mulher                 de          36           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

95           .              Homem               de          24           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

96           .              Mulher                 de          21           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

97           .              Mulher                 de          24           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

98           .              Homem               de          24           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

99           .              Homem               de          31           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

100         .              Mulher                 de          36           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

101         .              Mulher                 de          40           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

102         .              Mulher                 de          26           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

103         .              Homem               de          27           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

104         .              Homem               de          34           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

105         .              Mulher                 de          43           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

106         .              Homem               de          17           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

107         .              Homem               de          65           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

108         .              Mulher                 de          65           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

109         .              Mulher                 de          33           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

110         .              Mulher                 de          34           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

111         .              Mulher                 de          38           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

112         .              Homem               de          44           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

113         .              Homem               de          31           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

114         .              Homem               de          35           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

115         .              Mulher                 de          29           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

116         .              Homem               de          35           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

117         .              Homem               de          19           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

118         .              Homem               de          36           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

119         .              Mulher                 de          38           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

120         .              Mulher                 de          23           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

121         .              Homem               de          63           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

122         .              Mulher                 de          28           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

123         .              Homem               de          32           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

124         .              Mulher                 de          25           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

125         .              Mulher                 de          66           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

126         .              Homem               de          39           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

127         .              Mulher                 de          51           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

128         .              Mulher                 de          56           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

129         .              Homem               de          13           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

130         .              Mulher                 de          17           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

131         .              Homem               de          35           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

132         .              Homem               de          30           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

133         .              Homem               de          33           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

134         .              Mulher                 de          47           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

135         .              Mulher                 de          24           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

136         .              Mulher                 de          43           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

137         .              Homem               de          22           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

138         .              Mulher                 de          33           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

139         .              Homem               de          38           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

140         .              Criança                 de          12           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

141         .              Mulher                 de          52           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

142         .              Homem               de          23           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

143         .              Mulher                 de          25           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

144         .              Mulher                 de          60           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

145         .              Homem               de          28           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

146         .              Homem               de          16           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

147         .              Mulher                 de          41           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

148         .              Homem               de          45           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

149         .              Mulher                 de          17           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

150         .              Mulher                 de          16           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

151         .              Criança                 de          11           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

152         .              Homem               de          66           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

153         .              Mulher                 de          46           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

154         .              Mulher                 de          23           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

155         .              Mulher                 de          44           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

156         .              Homem               de          36           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

157         .              Homem               de          51           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

158         .              Mulher                 de          49           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

159         .              Mulher                 de          30           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

160         .              Mulher                 de          52           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

161         .              Homem               de          58           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

162         .              Mulher                 de          45           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

163         .              Mulher                 de          18           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

164         .              Mulher                 de          33           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

165         .              Mulher                 de          31           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

166         .              Homem               de          41           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

167         .              Homem               de          70           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

168         .              Mulher                 de          49           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

169         .              Mulher                 de          72           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

170         .              Mulher                 de          24           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

171         .              Homem               de          29           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

172         .              Mulher                 de          27           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

173         .              Mulher                 de          50           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

174         .              Homem               de          20           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

175         .              Homem               de          55           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

176         .              Homem               de          43           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

177         .              Mulher                 de          41           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

178         .              Mulher                 de          73           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

179         .              Mulher                 de          28           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

180         .              Mulher                 de          57           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

181         .              Homem               de          26           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

182         .              Mulher                 de          42           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

183         .              Mulher                 de          58           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

184         .              Homem               de          28           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

185         .              Mulher                 de          24           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

186         .              Mulher                 de          31           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

187         .              Homem               de          34           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

188         .              Homem               de          33           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

189         .              Criança                 de          9             anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

190         .              Mulher                 de          36           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

191         .              Mulher                 de          24           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

192         .              Homem               de          42           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

193         .              Mulher                 de          25           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

194         .              Mulher                 de          36           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

195         .              Mulher                 de          22           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

196         .              Mulher                 de          48           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

197         .              Mulher                 de          41           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

198         .              Mulher                 de          22           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

199         .              Mulher                 de          41           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

200         .              Homem               de          29           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

201         .              Homem               de          21           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

202         .              Homem               de          15           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

203         .              Mulher                 de          23           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

204         .              Mulher                 de          39           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

205         .              Homem               de          48           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

206         .              Mulher                 de          73           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

207         .              Mulher                 de          64           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

208         .              Mulher                 de          26           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

209         .              Homem               de          19           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

210         .              Homem               de          18           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

211         .              Mulher                 de          41           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

212         .              Mulher                 de          43           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

213         .              Homem               de          34           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

214         .              Homem               de          27           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

215         .              Homem               de          45           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

216         .              Mulher                 de          50           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

217         .              Mulher                 de          14           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

218         .              Mulher                 de          55           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

219         .              Homem               de          45           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

220         .              Mulher                 de          31           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

221         .              Mulher                 de          30           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

222         .              Homem               de          52           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

223         .              Mulher                 de          23           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

224         .              Mulher                 de          68           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

A Secretaria de Estado de Esporte e Lazer (Seel) está finalizando os preparativos para o jogo decisivo entre Paysandu e Remo neste domingo (10), às 18 horas, no Estádio Olímpico do Pará, o Mangueirão, válido pela quinta rodada do quadrangular final do Campeonato Brasileiro de Futebol Série C. A partida é importante para ambos os clubes na busca pelo acesso à Série B.

Com o gramado já desinfectado e demarcado, o estádio passou por serviço de higienização nesta sexta-feira (8), cumprindo o protocolo de medidas sanitárias para conter a propagação do novo coronavírus. 

“Estamos nos preparando para esta que deve ser mais uma grande partida e cuidamos de cada detalhe para que o jogo possa ocorrer dentro das expectativas como sendo o maior clássico da Amazônia. A equipe do gramado trabalhou durante toda a semana para a manutenção e, no dia do jogo, horas antes, também faremos uma nova desinfecção em várias áreas do estádio. Em todos os jogos realizados após o retorno do futebol, a Seel cumpriu satisfatoriamente todo o protocolo de segurança tanto da Confederação Brasileira de Futebol, quanto da Federação Paraense de Futebol”, afirmou Cláudio Santos, gerente de Segurança do Mangueirão.

Os jogos seguem sem a presença das torcidas, mas o suporte de várias instituições para garantir a organização e execução continua mantido. Para este Re-Pa, 45 policiais militares estarão atuando dentro do estádio e em toda a área que faz parte do chamado Complexo do Mangueirão, com apoio de equipes do Corpo de Bombeiros Militar, Superintendência Executiva de Mobilidade Urbana de Belém (Semob), Guarda Municipal de Belém e do Departamento de Trânsito do Pará (Detran), além do apoio da equipe de Urgência e Emergência da Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa).

Antes da pandemia, em vários jogos do clássico, o Mangueirão chegou a alcançar a sua capacidade máxima com um público de 35 mil torcedores.

 

Fonte: Por Paula Portilho (SEEL)

A Agência de Defesa Agropecuária do Pará (Adepará) iniciou 2021 reforçando os cuidados de prevenção ao novo Coronavírus. Na manhã desta sexta-feira (8) foram enviadas para a unidade regional da Agência, em Santarém, caixas com álcool em gel, máscaras, luvas e óculos de proteção. O objetivo é contemplar todos os 865 servidores da instituição.

Em Santarém, o material chegará pelas mãos da fiscal estadual agropecuária, Andreza Scafi. “Fico muito feliz com este cuidado que a Adepará tem com seus servidores e por saber que esta é uma ação que se estende a todas as unidades do Pará”.

Alexandre Moura, fiscal estadual agropecuário da Unidade Local de Sanidade Agropecuária (Ulsa) em Breu Branco, já recebeu o kit de proteção contra a Covid-19 e teve o local de trabalho desinfectado.

"Vejo preocupação com os funcionários. Há monitoramento dos servidores por meio de testes rápidos e fornecimento de álcool em gel e EPI's. Em caso de positividade ocorre desinfecção do ambiente. Há o afastamento de grupos de risco para que fiquem em homeoffice. E adequação de horário para atendimento", pontuou o fiscal estadual agropecuário, Alexandre Moura.

Outra medida de prevenção à Covid-19 adotada é a desinfecção dos ambientes de trabalho. A sede da Agência, em Belém, recebeu serviços de limpeza e desinfecção voltados para o combate à pandemia já no primeiro dia útil deste novo ano (4). O trabalho se estenderá para todas as unidades da Agência.

“Todas as regionais passarão por uma nova desinfecção este semestre. A unidade de Breu Branco, por exemplo, também já recebeu o serviço de limpeza. Estamos agendando com os gerentes o melhor momento para que ocorra a higienização”, detalha Jair Bahia, gerente de Material e Patrimônio, responsável pela supervisão do serviço.

Deocleciano Dias, assistente administrativo da Adepará, considerou a primeira desinfecção do ano uma excelente forma de desejar um feliz ano novo aos servidores da Adepará. “Achei uma iniciativa muito boa, pois demonstra que estão se preocupando com quem trabalha no órgão e com seus familiares, já que os cuidados com nossa saúde refletem também na saúde de quem convive com a gente”, declarou.

Parceria entre órgãos 

Além dessas medidas, em parceria com as secretarias estadual e municipal de saúde, a Agência promoveu, ao longo de 2019, testagens para detecção do coronavírus entre seus servidores. Medida que será repetida este ano.

"É importante ressaltar que todas essas medidas só são possíveis graças à adesão dos servidores à campanha de prevenção, ao empenho de nossos diretores e ao apoio irrestrito que recebemos do governo do Pará", conclui o gerente de Material e Patrimônio, da Adepará, Jair Bahia.

 

Fonte: Por Aycha Nunes (ADEPARÁ)

A Polícia Civil deflagrou, na manhã desta sexta-feira (8), a operação Wolf, executada pela Diretoria Estadual de Combate a Corrupção (Decor). As equipes deram cumprimento a oito mandados de busca e apreensão na casa do representante legal de empresas ligadas ao grupo Wolf Invest. Os policiais civis da Divisão de Repressão à Lavagem de Dinheiro (DRLD) investigam a empresa de investimento financeiro, que é suspeita de aplicar golpe em mais de mil clientes em Belém.

Na residência do representante, foram apreendidos diversos documentos e um revólver calibre 32, com seis munições. O investigado não estava em casa. O caseiro foi conduzido para prestar esclarecimentos.

De acordo com o levantamento realizado pelas equipes da Polícia Civil, o esquema tem indícios de movimentação de R$ 50 milhões em fraudes.

A ação policial investiga o representante legal da empresa Wolf, que seria o criador do esquema “piramidal”, caracterizado pelo contínuo recrutamento de investidores, utilizando-se dos recursos financeiros trazidos pelos clientes para remunerar os membros das camadas anteriores da “pirâmide”.

"Este tipo de esquema traz a tona o cometimento de possíveis crimes como fraude, estelionato, falsidade ideológica, lavagem de dinheiro e associação criminosa", explicou o delegado-geral Walter Resende.

De acordo com os depoimentos da vítimas, muitos clientes foram atraídos pela oferta de lucros elevados em pouco tempo. A empresa Wolf Invest garantia um investimento com rendimento de até 10% ao mês. 


"Uma das vítimas relatou ainda que o dono da empresa disse que os clientes que investissem acima de R$ 100 mil teriam uma escritura de imóvel no valor como garantia, chamada 'garantia imobiliária'. Até o momento, nenhum cliente recebeu escritura de imóvel ou teve a quantia devolvida", ressaltou o titular da Polícia Civil.

 

Fonte: Por Cristiani Sousa (PC)

Pai de Mc Melody, Mc Belinho jogou a letra e acertou o alvo. Após Anitta dizer que ele deveria cumprir somente o papel de pai da Melody e arrumar um bom empresário para a adolescente de 13 anos, eis que Belinho sugeriu então entregar a carreira da filha nas mãos da Anitta. E não é que a Poderosa respondeu? Ela topou empresariar Melody, mas ponderou. "Topo sim, a gente começa quando ela tiver 17. Agora ela estuda", disse a funkeira.
 
Mais cedo, Belinho sugeriu à Anitta entregar a carreira da Melody a ela. "Anitta, já que você vê tanto potencial nela, te ofereço a carreira dela e fico somente como pai. Vamos ver, ok? Estou aguardando seu contato. Falar, apontar, qualquer um faz. Fazer é difícil", disse o empresário. 
 
Em sua fala, Anitta afirmou que Melody precisava de um empresário que não fosse o pai. "Eu juro por Deus que acho que essa menina tem todo o elã para ser babadeira na música. Só precisava deixar o pai só na função de pai e pegar um bom empresário."
 
 
Fonte: https://odia.ig.com.br

Em novembro de 2020, a produção industrial teve alta de 1,2% frente outubro, na série com ajuste sazonal e em sua sétima alta seguida, informou o IBGE nesta sexta-feira (8).

Somado ao crescimento de maio (8,7%), junho (9,6%), julho (8,6%), agosto (3,4%), setembro (2,8%) e outubro (1,1%), o setor acumula alta de 40,7%, o que elimina a perda de 27,1% entre março e abril, meses em que o isolamento social foi mais rigoroso e fez a indústria atingir o nível mais baixo da série. Com isso, o setor está 2,6% acima do patamar pré-pandemia, em fevereiro.

O número, contudo, foi levemente abaixo do esperado pelos economistas consultados pela Refinitiv, que esperavam alta de 1,3% em novembro na base de comparação mensal e de 3,5% na comparação com novembro de 2019. Em relação a novembro de 2019, a indústria avançou 2,8%.

De janeiro a novembro de 2020, o setor acumula perda de 5,5%. No acumulado em 12 meses, a queda foi de 5,2%. Mesmo com o desempenho positivo recente, a produção industrial ainda se encontra 13,9% abaixo do nível recorde, alcançado em maio de 2011.

Todas as grandes categorias apresentaram alta frente a outubro, com destaque para Bens de capital (7,4%) e Bens de consumo duráveis (6,2%), que tiveram as maiores taxas positivas. É o sétimo mês seguido de expansão na produção em ambas, com acúmulo de 129,7% na primeira e 550,7% na segunda. As duas categorias estão acima do patamar pré-pandemia: 12,2% e 2,7%, respectivamente.

Ainda na comparação com outubro, Bens de consumo semi e não duráveis (1,5%) e Bens intermediários (0,1%) também cresceram em novembro, revertendo as quedas de 0,1% e 0,4%, respectivamente, no mês anterior.

Para o gerente da pesquisa, André Macedo, o resultado de novembro mostra a manutenção do quadro dos últimos meses. “O avanço é quase o mesmo do mês anterior e faz com que o setor siga ampliando o aumento com relação ao patamar pré-pandemia. E houve um predomínio no crescimento, ou seja, todas as categorias e a maior parte das atividades tiveram aumento”, explica.

O setor de Veículos automotores, reboques e carrocerias segue sendo a maior influência da indústria nacional. Com a alta de 11,1% apresentada em novembro frente a outubro, a atividade, após quedas nos meses críticos da pandemia, acumula expansão de 1.203,2% em sete meses consecutivos, superando em 0,7% o patamar de fevereiro.

A magnitude do crescimento e a importância do setor na indústria também se dá nos reflexos em outros ramos, já que a produção de veículos influencia em atividades como metalurgia, com estímulo da produção de aço, e outros produtos químicos, área que engloba tintas de pintura, por exemplo. Ambas tiveram alta em novembro, de 1,6% e 5,9%, respectivamente. “É a tendência deste período de retomada da produção após os meses mais rigorosos de isolamento”, afirma Macedo sobre o crescimento no setor de veículos.

Outras atividades deram contribuições positivas relevantes ao resultado de novembro, como Confecção de artigos do vestuário e acessórios (11,3%), Máquinas e equipamentos (4,1%), Impressão e reprodução de gravações (42,9%), Couro, artigos para viagem e calçados (7,9%), Bebidas (3,1%), Produtos de metal (3,0%) e Outros equipamentos de transporte (12,8%).

Entre as nove atividades que tiveram queda, os principais impactos negativos foram: Produtos alimentícios (-3,1%), que acumula redução de 5,9% em dois meses consecutivos de queda, o que eliminou a expansão de 4,0% registrada entre julho e setembro; Indústrias extrativas (-2,4%), com o terceiro mês seguido de queda na produção, com perda acumulada de 10,4%; e Produtos farmoquímicos e farmacêuticos, que diminuiu 9,8%), interrompendo dois meses de resultados positivos consecutivos.

 

Fonte: Por Equipe InfoMoney

Em 7 de janeiro, já considerado um dia histórico para a ciência brasileira, o governador Helder Barbalho esteve na sede do Instituto Butantan, em São Paulo (SP), onde é produzida a vacina CoronaVac, em parceria com o laboratório chinês Sinovac, para discutir detalhes da estratégia de imunização contra a Covid-19, no Estado do Pará. O governador também foi à Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), no Rio de Janeiro (RJ), para saber detalhes sobre o fornecimento da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford, na Inglaterra, junto com o Laboratório AstraZeneca.

Helder Barbalho reafirmou a importância de festejar os avanços da ciência no país, justamente na data em que o Butantan confirmou a eficácia de 78% do imunizante que já vem produzindo. O governador destacou que o empenho do Executivo é de iniciar a imunização ainda em janeiro. "Esperamos que a apresentação à Agência Nacional de Vigilância Sanitária, a Anvisa, possa trazer a liberação da tão esperada vacina, para que possamos imunizar e proteger a população brasileira. Todos nós temos de estar unidos por esta causa. O Brasil sofre a perda de irmãos, de famílias, e a vacinação é o caminho para a volta da esperança na vida das pessoas. O Governo do Estado tem estado em diálogo com o Butantan e outros institutos, para garantir que a população possa ser imunizada. Torcemos para que o mais rápido possamos ter a disponibilidade destas vacinas e começar a vacinação, ainda em janeiro, gradativamente garantindo a imunização completa da nossa sociedade", disse o governador.

Interesse do Estado - No Instituto Butantan, Helder Barbalho foi recebido pelo hematologista e atual diretor da instituição, Dimas Covas, que confirmou o interesse em firmar parceria para fornecer vacina à população paraense, assim que possível.

"Uma satisfação receber o governador em um dia histórico, quando anunciamos a eficácia da vacina, um dia marcado nessa história da pandemia. O Pará se faz presente com uma mensagem de otimismo e esperança. A vacina já está sendo produzida. Temos seis milhões de doses prontas e que serão disponibilizadas assim que a Anvisa liberar o uso emergencial. E temos capacidade de produção de 1 milhão de doses por dia. Até o fim de março, começo de abril, teremos entregues ao Brasil cerca de 46 milhões de doses", anunciou Dimas Covas.

 

Fonte: Por Carol Menezes (SECOM)

Na madrugada de 7 de janeiro de 1835 explodia, na então Província do Grão-Pará, uma das maiores revoluções populares do Brasil Imperial: a Cabanagem. A luta foi formada por diversos segmentos sociais, incluindo muitas mulheres. Na quarta-feira (7), quando são celebrados os 186 anos desse marco histórico, a Secretaria de Estado de Cultura (Secult), em parceria com a Fundação Cultural do Município de Belém (Fumbel), promoveu a live "Mulheres cabanas: memórias e contemporaneidades", com a participação da doutora e professora de pós-graduação Eliana Ramos e da mestra em Geografia, educadora, ativista e atual ouvidora-geral do município de Belém, Márcia Kambeba. 

A transmissão ocorreu pelo canal da Secult no YouTube e foi aberta com a participação da secretária de Estado de Cultura, Ursula Vidal; do prefeito de Belém, Edmilson Rodrigues, e do titular da Fumbel, Michel Pinho, marcando uma das primeiras parcerias entre Estado e Município em 2021.

Parceria - “Estamos aqui, no Museu do Estado do Pará, que é uma edificação muito simbólica. Foi aqui na frente que os cabanos travaram a luta mais importante, que garantiu exatamente essa tomada de poder, entrando no Palácio do Governo. A gente fica muito feliz com essa parceria. Agradecemos a presença do prefeito, de nossas convidadas, do titular da Fumbel. Para nós, é uma honra essa ação, que reafirma a importância das mulheres. Estamos aqui mostrando para a população que essa será a feição da política pública voltada para a cultura, para a preservação e valorização do nosso patrimônio. Será de parceria, da valorização, do respeito e amizade, para garantir que o que é do povo seja esse espaço de acesso, inclusão e valorização de tudo que é construído pela força popular”, afirmou a secretária Ursula Vidal.

 “Iniciamos essa manhã afirmando o sentido cabano da solidariedade numa luta onde os homens, em geral, são tidos como protagonistas de uma revolução popular, que não seria realizada sem a organização e consciência dos limites do início do século XIX e o protagonismo feminino. Então, é com muita honra que participo desse momento na condição de prefeito de Belém, e quero aproveitar essa oportunidade e parabenizar essa parceria entre Fumbel e Secult. E destacar que é muito importante ver esse trabalho, que reconhece o protagonismo das mulheres ao longo da história, principalmente em um momento tão importante como a Cabanagem”, destacou o prefeito de Belém.

A professora de pós-graduação Eliana Ramos, da Universidade Federal do Pará (UFPA), iniciou a palestra destacando as peculiaridades da Cabanagem em relação a outros movimentos no Brasil. Em seguida, ela detalhou a participação comprovada de mulheres no movimento.

“Falar das mulheres é sempre um prazer imenso, mas também é um desafio. Apesar de 20 anos de pesquisa realizada, ainda é difícil encontrar a documentação. É preciso garimpar, e gostaria de destacar a importância do Arquivo Público do Estado. Temos um acervo muito rico nessa temática. Por muito tempo se entendia o movimento como uma construção só de homens, mas encontramos mulheres atuando em diversas posições estratégicas da Cabanagem, seja na linha de frente, nas batalhas, na alimentação, na espionagem ou ainda escondendo cabanos e armas”, disse a professora.

Posicionamento político - Nesse trabalho de recuperação da memória feminina na Cabanagem, Eliana Ramos acrescentou que “temos registros nos municípios do Acará, Igarapé-Miri, Santarém e Marajó. O movimento não foi só em Belém; explodiu nos interiores. De algumas temos mais detalhes, como nomes. De outras, por exemplo, sabemos que foi indígena e mulheres que acompanhavam suas famílias nas lutas. Isso mostra claramente o posicionamento político das mulheres na Cabanagem. Temos situações claras, onde podemos ver o protagonismo das mulheres”.

Márcia Kambeba destacou que “nós, mulheres indígenas, somos a continuidade de muitas lutas. Geralmente somos citadas sempre como submissas. De maneira nenhuma! Sempre estivemos dentro das lutas, como acabamos de ter a confirmação na pesquisa da professora. Por muito tempo, estamos resistindo ao processo de dizimação, e não é somente por arma de fogo e arma branca. Mulheres indígenas, como Gregória e Bertolina, foram brutalmente assassinadas dentro de um movimento como a Cabanagem. Elas lideraram rebeliões, foram capturadas e torturadas, esquartejadas. Temos que refletir sobre o nosso papel como mulheres. Essa é uma dor não só da mulher indígena, mas a dor de todas as mulheres. A presença e a luta das mulheres, às vezes, são invisíveis pela história, e é preciso que a gente conte e reconte, muitas vezes, para nossos pequenos. É pela oralidade que se faz esse aprendizado, e a gente reconstrói nossa história também”.

A palestra completa está disponível pelo link: https://youtu.be/BBnG5fKZd9s

 

Fonte: Por Josie Soeiro (SECULT)

Sul e Sudeste do Pará

Loading
https://carajasojornal.com.br/modules/mod_image_show_gk4/cache/Publicidade.2018.Sophos_2019gk-is-100.jpglink
https://carajasojornal.com.br/modules/mod_image_show_gk4/cache/Publicidade.galpogk-is-100.jpglink

Vídeos

FAMAP, a escolha inteligente
08 Julho 2019
Em parauaebas, aluno chamou a atenção dos vereadores, no momento em que fazia uso da tribuna. de Carajás O Jornal
18 Abril 2017
Alunos da Rede Estadual de Ensino, assistem aula no meio da rua em Parauapebas
13 Abril 2017
Novo Ministro do STF3
11 Fevereiro 2017
Tiroteio em Redenção deixa população assustada
01 Dezembro 2016
Nesse domingo os paraenses vivenciam o #CIRIO2016, a maior festividade Religiosa do Brasil
09 Outubro 2016
Dr. Hélio Rubens fala sobre o caso de corrupção na Câmara Municipal de Parauapebas
08 Outubro 2016
MARCHA PARA JESUS: Milhares de jovens nas ruas de Parauapebas
08 Outubro 2016
Corrupção é um problema de todos, você também pode combater!
06 Outubro 2016
Joelma agradece pela presença e participação em seu show na FAP 2016
12 Setembro 2016
Jake Trevisan agradecendo toda população de Parauapebas no Carajás O Jornal
06 Setembro 2016
Cantor Açaí no evento da Imprensa na FAP a pedido de Marola Show, canta para a Rainha, primeira e segunda princesa da FAP 2016.
01 Setembro 2016