Carajas o Jornal

Carajas o Jornal

O estado de calamidade em decorrência da crise provocada pela pandemia do coronavírus se encerrou no último dia 31 de dezembro, conforme previsto no Decreto Legislativo 6/2020. O senador Weverton (PDT-MA), no entanto, apresentou um novo projeto para que o estado de calamidade tenha validade até o dia 30 de junho (PDL 1/2021).

Para o senador, é notório que as circunstâncias que motivaram a edição do primeiro decreto não só perduram, como se agravaram, e “ameaçam se verticalizar ainda mais no decorrer de 2021, considerando, inclusive, a probabilidade de novas ondas de infecções por covid-19, com acentuado impacto na saúde pública e, em última análise, no cenário econômico do país”.

Na justificativa do projeto, Weverton admite que as medidas de isolamento são necessárias para o controle da pandemia. Ele pondera, no entanto, que essa situação agrava a crise econômica. Segundo o senador, o desafio, do ponto de vista econômico, reside em ajudar empresas e pessoas, especialmente as mais vulneráveis. Daí a importância do estado de calamidade, que permitiria maior poder de investimento por parte do poder público, sem os riscos jurídicos previstos em lei.

Weverton diz que o estrito cumprimento do resultado fiscal, conforme previsto na legislação, “seria temerário ou manifestamente proibitivo, com riscos de paralisação da máquina pública, num momento em que mais se pode precisar dela”. Pelo Twitter, o autor registrou que sua proposta “é muito importante para o Brasil”. De acordo com o senador, o texto vai permitir gastos na área de saúde para comprar a vacina contra o coronavírus, por exemplo, e até possibilitar a prorrogação do auxílio emergencial de R$ 600.

Comissão

O projeto de Weverton também traz de volta a comissão mista de acompanhamento da situação fiscal e da execução orçamentária e financeira das medidas relacionadas ao combate ao coronavírus — nos mesmos moldes da comissão que encerrou seus trabalhos no último dia 18 de dezembro. A comissão será composta por seis senadores e seis deputados, com o mesmo número de suplentes.

Está prevista uma reunião mensal com um representante do Ministério da Economia. A cada dois meses, a comissão realizará uma audiência pública com a presença do ministro da Economia, para apresentação e avaliação de relatório circunstanciado da situação fiscal e da execução orçamentária. As atividades do colegiado serão realizadas de forma remota.  

 

Fonte: Agência Senado

Os suspeitos de torturar, raptar e manter refém no porta-malas de um veículo uma jovem de 19 anos afirmaram à polícia que cometeram o crime por vingança contra o namorado dela.

A mulher foi agredida e mantida refém no porta-malas de um veículo por criminosos na tarde de terça-feira (5), em Fortaleza. O porta-malas foi parcialmente fechado, deixando uma das mãos da vítima para fora, chamando a atenção de um motorista que trafegava perto do carro (leia mais abaixo).

Na noite de terça-feira (5), o namorado da jovem também foi preso, em uma pousada no Centro de Fortaleza, suspeito de participar do assassinato de um adolescente em um bar na noite da segunda-feira (4).

De acordo com agentes da polícia, a jovem raptada nesta terça-feira pode estar envolvida em uma série de homicídios cometidos pelo namorado na região do Centro. O grupo revelou ainda que resolveu fazer isso com a garota para conseguir informações que levassem ao namorado dela.

Ele foi encontrado em posse de uma arma de fogo com munição no interior de uma pousada na Rua Jaime Benévolo, na região central da cidade. A prisão aconteceu quase 24 horas depois do crime de homicídio cometido contra um adolescente de 16 anos, que estava em um bar na Rua Floriano Peixoto, quando foi atingido por disparos de arma de fogo e morreu no local.

Braço para fora do porta-malas

Quatro pessoas, sendo dois homens, uma mulher e um adolescente, foram presas por suspeita de realizar o rapto da jovem.

A prisão aconteceu após o motorista que flagrou o caso perceber que a mão da vítima estava para fora do porta-malas e acionar a polícia. O carro com os suspeitos foi interceptado no Bairro Pici. Agentes da Guarda Municipal de Fortaleza fizeram a abordagem, conseguiram deter os suspeitos e resgatar a jovem.

A vítima foi encontrada com lesões nas costas, braços e pernas, mas sem ferimentos graves. Segundo a polícia, ela estava sendo levada para o Bairro Bela Vista, em Fortaleza, onde seria executada.

 

Fonte: Por G1 CE

Na noite em que o Palmeiras ganhou a Libertadores pela única vez, em 16 de junho de 1999, Patrick de Paula ainda estava na barriga de sua mãe, três meses antes de seu nascimento. Gabriel Menino e Danilo, então, ainda não estavam nem perto de virem ao mundo.

Mais de 20 anos depois, coube ao trio a missão de enfrentar o temido River Plate, que domina os títulos na América do Sul nos últimos anos, fora de casa, em uma semifinal de Libertadores. E o que eles fizeram? Jogaram como se estivessem em uma partida do Paulistão Sub-20 no passeio por 3 a 0 sobre os argentinos.

Aliás, há pouco mais de um ano era justamente essa competição que eles estavam disputando – e vencendo – com a camisa do Palmeiras. No fim de 2019, o trio foi titular contra o Bragantino e ajudou a dar o troféu ao Verdão. Quanta coisa mudou de lá pra cá...

Nesta terça-feira, o desafio era "um pouco" maior. Enfrentar o poderoso River Plate, valendo vaga na final da Libertadores, logo na primeira temporada como profissionais. Nenhum problema para os três, que iniciaram o jogo formando o meio de campo titular e tiraram a missão de letra.

No caso de Gabriel Menino (20 anos), literalmente. Foi justamente um domínio de letra que fez os jogadores do River se irritarem e perderem a cabeça, resultando na expulsão de Carrascal e outras intimidações. O garoto de 20 anos, que a cada jogo mostra que de Menino só tem o sobrenome, fez os experientes argentinos se tornarem juvenis.

Danilo (19) e Patrick de Paula (21) também tiveram ótimas atuações em Buenos Aires. Seguraram a bronca no meio de campo, foram fundamentais na marcação e também na construção das jogadas ofensivas, com chegadas ao ataque, chutes de fora e participação em lance de gol.

Gabriel Menino ainda mudou de posição durante a partida. Deixou os dois companheiros no meio e foi para a lateral, ajudar a fechar os espaços pela direita – e lá manteve o ótimo nível.

O desempenho do trio fez os palmeirenses, naturalmente apaixonados pela base do clube, delirarem nas redes sociais. Foram vários os memes criados por conta das atuações dos garotos, que na Argentina "jogaram de terno" – expressão utilizada para descrever jogadores que mostram tranquilidade e elegância com a bola nos pés.

Na partida de volta, o técnico Abel Ferreira não poderá repetir a formação com seu trio de jovens no meio, já que Patrick de Paula recebeu o terceiro cartão amarelo e está suspenso.

Palmeiras e River Plate voltam a se enfrentar na próxima terça-feira, às 21h30 (de Brasília), no Allianz Parque. O Verdão pode perder por até dois gols de diferença que vai à final da Libertadores.

 

Fonte: Por Fabricio Crepaldi — São Paulo

Os servidores efetivos da Universidade do Estado do Pará (Uepa) tem até o dia 31 de janeiro para atualizar seus dados pessoais e funcionais pelo site sistemas.uepa.br/recadastramento. Segundo a Diretoria de Gestão de Pessoas (DPG) da instituição, a meta é obter a atualização dos dados cadastrais de 673 técnicos e 937 docentes. Até o dia de hoje, 5, respectivamente, 224 e 213 funcionários públicos realizaram o procedimento.

O recadastramento é uma demanda da gestão superior e atende orientações do setor jurídico, bem como dos órgãos de controle interno e externo. Para facilitar o preenchimento das informações por parte dos servidores e viabilizar a migração dos dados para outras bases, a DGP solicitou à Diretoria de Serviços de Processamento de Dados (DSPD) da Uepa o desenvolvimento de um sistema específico. Assim como os servidores veteranos, os 116 concursados, que entraram em efetivo exercício no dia 1º de outubro, também devem realizar o recadastramento.

O sistema é simples e as pessoas não devem ter dificuldades para inserir as informações, mas caso essa dificuldade ocorra, o servidor poderá fazer um print da tela e entrar em contato com a DSPD para notificar o problema. São documentos obrigatórios a serem anexados no ato de recadastramento uma foto (formato JPG), o RG (formato PDF), a certidão de nascimento ou casamento (formato PDF), um comprovante de residência (formato PDF), o e-social (formato PDF), diploma da última formação (formato PDF), e no caso dos ocupantes do cargo de motorista também será necessário anexar a Carteira Nacional de Habilitação (formato PDF). 

De acordo com o diretor de Gestão de Pessoas, Neivaldo Fialho, não haverá restrições ou punições a quem não fizer o procedimento, porém ele estimula os servidores a fazerem mesmo assim. "Essas informações poderão subsidiar as tomadas de decisão daqui pra frente, sem contar que é mais segurança para nós e para quem trabalha", explica. A determinação vale para todos os 16 campi do interior e mais os cinco da capital paraense.

Christian Couto é servidor da Universidade há dez anos e atualmente na função de motorista, já tratou de fazer o recadastramento. "Foi tudo muito fácil e sei da importância de termos nossa ficha funcional sempre atualizada", reconhece.

 

Fonte: Por Carol Menezes (SECOM)

A Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social (Segup) divulgou, na tarde de terça-feira (5), o resultado final da 2ª fase da Operação Festas Seguras, que abrangeu, de forma integrada, cerca de 40 localidades do Pará, com o objetivo de garantir maior segurança aos frequentadores que se deslocaram para municípios do interior a fim de passar as festas de final de ano. A Operação também agiu para que todos cumprissem as normas do Decreto 800/2020, do governo estadual, destinadas ao combate à Covid-19 nas principais praias e balneários.

A 2ª fase da “Festas Seguras” foi iniciada em 22 de dezembro de 2021, e finalizada na última segunda-feira (4), com o balanço final da produtividade e índice de criminalidade. Neste período foi observada grande movimentação de pessoas para o interior do Estado, mas também a efetividade nas atuações de prevenção e nas reduções dos índices de criminalidade em relação ao ano passado. Os dados foram consolidados pela Secretaria Adjunta de Inteligência e Análise Criminal (Siac), vinculada à Segup.

“Trabalhamos intensamente neste período de maior deslocamento da população para o interior do Estado, especialmente naqueles municípios mais procurados pelos paraenses e turistas de outros estados para garantir uma virada de ano tranquila. As equipes das polícias Civil e Militar atuaram, ainda, na fiscalização de estabelecimentos para garantir o cumprimento do decreto estadual e das demais normativas de combate à proliferação da Covid-19. Apesar da grande movimentação, conseguimos apresentar uma redução na criminalidade, e isso mostra a força da nossa atuação integrada para garantir lazer com segurança a todos”, disse o secretário adjunto de Operações da Segup, coronel Alexandre Mascarenhas.

Segundo os dados levantados, entre 22 de dezembro e 4 de janeiro de 2021, houve uma redução de 22% nos Crimes Violentos Letais e Intencionais (CVLI), e de 45% e 21%, respectivamente, nos furtos e roubos, em relação ao mesmo período do ano passado. Foram registrados 110 crimes violentos cometidos entre 22 de dezembro de 2019 a 4 de janeiro de 2020. No mesmo período de 2020 a 2021, foram registrados 86. O número de furtos foi de 3.816, de 2019 para 2020, e 2.117, de 2020 a 2021. Os roubos chegaram a 2.528 no ano passado. Neste ano, foram 2.004 casos.

“Visibilidade” - Na Região Metropolitana de Belém (RMB), a Polícia Militar promoveu a Operação Visibilidade, reforçando o policiamento ostensivo e preventivo em pontos estratégicos, nos grandes corredores urbanos e na área de saída e entrada da cidade.

Segundo a Siac, na RMB a redução totalizou 25% de CVLI (16 registros em 2019/2020, e 12, em 2020/2021), 49% nos furtos (1.687, em 2019/2020, e 852, em 2020/2021) e 33% nos casos de homicídio (15 em 2019/2020, e 10 no período entre 2020/2021).

“Conseguimos apresentar uma redução de 22% nos crimes violentos durante o período mais sensível da Operação, que compreendeu o feriado prolongado do Natal seguido do Ano Novo. Conseguimos, também, obter redução nos crimes de roubo e furto, tanto na RMB quanto no interior. Isso é reflexo das ações de ostensividade planejadas pelos órgãos de segurança, que empreenderam esforços de forma conjunta”, destacou o secretário adjunto de Inteligência e Análise Criminal da Segup, André Costa.

Resultados - Entre as ações nas localidades que receberam reforço da Operação Festas Seguras destacam-se a fiscalização de 1.854 bares e similares, e a abordagem de 39.343 pessoas, com 460 prisões feitas por policiais militares, além da instauração de 108 Termos Circunstanciados de Ocorrência (TCO).

A Polícia Civil fiscalizou 116 estabelecimentos e 113 veículos, devido à poluição sonora, e fechou 16 estabelecimentos. Já os militares do Corpo de Bombeiros orientaram 8.981 pessoas, fizeram 107 atendimentos pré-hospitalares e o resgate por afogamento de 21 pessoas, e ainda localizaram 20 crianças que haviam se perdido dos responsáveis.

Trânsito e efetivo – Agentes do Departamento de Trânsito (Detran) autuaram 3.592 condutores por excesso de velocidade nas rodovias e removeram 98 veículos. Foram autuados, ainda, 80 condutores por dirigirem sobre influência de bebida alcoólica. “Realizamos também o monitoramento das vias de acesso aos municípios, com a finalidade de prevenir acidentes e resguardar a incolumidade física das pessoas e do patrimônio público e privado, fiscalizando o excesso de velocidade, associado ao uso de bebidas alcoólicas e direção veicular”, informou o coronel Alexandre Mascarenhas.

A Operação Festas Seguras contou com o reforço no efetivo de 1.500 agentes de segurança, 227 viaturas (de duas e quatro rodas), além de viaturas de busca e salvamento e unidades de resgate do Corpo de Bombeiros, embarcações do Grupamento Fluvial (Gflu) e duas aeronaves do Grupamento Aéreo de Segurança (Graesp).

 

Fonte: Por Walena Lopes (SEGUP)

O governador Helder Barbalho acompanhou, na noite de terça-feira (5), a fase final do plano logístico da Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa) para distribuição de seringas e agulhas, em preparação à vacinação contra a Covid-19 em todo o território paraense. A distribuição começa nesta quarta-feira (06) e vai reforçar o estoque das 13 unidades regionais da Sespa. O Estado já acelera as medidas necessárias para iniciar a imunização da população assim que receber, do Governo Federal, as vacinas.

“Estamos dando início à distribuição das seringas, agulhas e isopores para a estratégia de imunização do Pará contra a Covid-19. Queremos tranquilizar a população de nosso Estado, porque já temos em estoque seis milhões de agulhas e seringas, além de 2.200 isopores para acondicionamento da vacina”, garantiu o governador Helder Barbalho, acrescentando que “estamos iniciando a distribuição para nossas 13 regionais de saúde, para que já estejam prontas e preparadas para, quando chegar a vacina, rapidamente iniciarmos o processo de vacinação de nossa população”.

O chefe do Executivo ressaltou, ainda, que aguarda o comprometimento do Ministério da Saúde com a distribuição das vacinas contra a Covid-19, mas ressaltou que o Pará segue atento às oportunidades de aquisição direta de vacinas. “Estamos atentos ao calendário do Governo Federal para o Plano Nacional de Imunização como plano A. Mas ao mesmo tempo, estamos dialogando com o Instituto Butantan e a Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) para, caso seja necessário, o Estado adquira as vacinas para que possamos, ainda em janeiro, iniciar a vacinação da população”, afirmou Helder Barbalho, ao lado do vice-governador Lúcio Vale e de técnicos da Sespa.

Insumos suficientes - O secretário de Estadual de Saúde Pública em exercício, Ariel Sampaio, reforçou que o Pará está preparado para realizar a vacinação e assegurou que não faltarão injeções e seringas. “Neste primeiro momento, serão atendidas 450 mil pessoas. Prevendo as duas doses da vacina, totalizamos a utilização de 900 mil seringas e agulhas. O Estado do Pará tem insumos suficientes para atender plenamente este grupo prioritário de vacinação contra a Covid”, informou.

Ariel Sampaio disse, também, que o governo está adquirindo novos insumos para garantir a vacinação em todo o Estado. “Já estamos com outro processo de aquisição em andamento, para atender a demanda paraense”, disse.

 

Fonte: Por Leonardo Nunes (SECOM)

Já perdemos 204 pessoas para a Covid-19 em Parauapebas. Você pode ajudar para não aumentar esta estatística? Hoje, terça-feira, 5 de janeiro, registramos mais 179 novos casos. Temos 1.362 pacientes em isolamento social. Em caso de sintomas, procure a UBS mais próxima da sua casa.

Histórico dos pacientes:

1             .              Mulher                 de          92           anos.     Internada.          PCR

2             .              Homem               de          69           anos.     Internado.          PCR

3             .              Homem               de          49           anos.     Internado.          PCR

4             .              Mulher                 de          39           anos.     Internada.          PCR

5             .              Homem               de          60           anos.     Internado.          PCR

6             .              Homem               de          63           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

7             .              Mulher                 de          84           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

8             .              Homem               de          63           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

9             .              Homem               de          31           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

10           .              Homem               de          69           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

11           .              Homem               de          41           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

12           .              Mulher                 de          30           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

13           .              Homem               de          71           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

14           .              Homem               de          43           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

15           .              Mulher                 de          26           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

16           .              Homem               de          32           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

17           .              Homem               de          31           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

18           .              Mulher                 de          28           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

19           .              Homem               de          41           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

20           .              Mulher                 de          31           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

21           .              Mulher                 de          38           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

22           .              Mulher                 de          92           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

23           .              Mulher                 de          31           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

24           .              Mulher                 de          38           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

25           .              Homem               de          27           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

26           .              Mulher                 de          23           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

27           .              Mulher                 de          80           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

28           .              Mulher                 de          62           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

29           .              Mulher                 de          20           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

30           .              Mulher                 de          33           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

31           .              Mulher                 de          56           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

32           .              Mulher                 de          29           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

33           .              Homem               de          44           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

34           .              Mulher                 de          28           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

35           .              Homem               de          65           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

36           .              Mulher                 de          23           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

37           .              Mulher                 de          65           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

38           .              Mulher                 de          64           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

39           .              Mulher                 de          24           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

40           .              Homem               de          52           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

41           .              Mulher                 de          33           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

42           .              Mulher                 de          28           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

43           .              Mulher                 de          36           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

44           .              Homem               de          61           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

45           .              Homem               de          34           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

46           .              Mulher                 de          23           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

47           .              Mulher                 de          36           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

48           .              Homem               de          52           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

49           .              Homem               de          32           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

50           .              Mulher                 de          19           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

51           .              Homem               de          53           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

52           .              Homem               de          34           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

53           .              Mulher                 de          22           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

54           .              Criança                 de          9             anos.     Isolamento domiciliar.  TR

55           .              Mulher                 de          30           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

56           .              Homem               de          62           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

57           .              Mulher                 de          44           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

58           .              Criança                 de          11           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

59           .              Mulher                 de          44           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

60           .              Mulher                 de          12           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

61           .              Mulher                 de          21           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

62           .              Homem               de          36           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

63           .              Mulher                 de          25           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

64           .              Homem               de          39           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

65           .              Mulher                 de          34           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

66           .              Homem               de          41           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

67           .              Mulher                 de          23           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

68           .              Mulher                 de          33           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

69           .              Mulher                 de          58           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

70           .              Homem               de          31           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

71           .              Mulher                 de          33           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

72           .              Mulher                 de          26           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

73           .              Mulher                 de          22           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

74           .              Mulher                 de          60           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

75           .              Homem               de          42           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

76           .              Mulher                 de          14           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

77           .              Homem               de          33           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

78           .              Mulher                 de          21           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

79           .              Homem               de          32           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

80           .              Homem               de          66           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

81           .              Homem               de          60           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

82           .              Homem               de          49           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

83           .              Mulher                 de          53           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

84           .              Homem               de          21           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

85           .              Mulher                 de          39           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

86           .              Homem               de          28           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

87           .              Homem               de          23           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

88           .              Homem               de          15           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

89           .              Mulher                 de          40           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

90           .              Criança                 de          6             anos.     Isolamento domiciliar.  TR

91           .              Mulher                 de          39           anos.     Isolamento domiciliar.  TR

92           .              Mulher                 de          64           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

93           .              Homem               de          55           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

94           .              Mulher                 de          36           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

95           .              Homem               de          47           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

96           .              Mulher                 de          24           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

97           .              Mulher                 de          51           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

98           .              Homem               de          17           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

99           .              Mulher                 de          67           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

100         .              Mulher                 de          61           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

101         .              Mulher                 de          29           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

102         .              Homem               de          26           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

103         .              Homem               de          38           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

104         .              Homem               de          24           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

105         .              Mulher                 de          36           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

106         .              Mulher                 de          24           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

107         .              Mulher                 de          58           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

108         .              Mulher                 de          34           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

109         .              Homem               de          22           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

110         .              Mulher                 de          57           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

111         .              Criança                 de          7             anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

112         .              Mulher                 de          56           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

113         .              Homem               de          23           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

114         .              Mulher                 de          28           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

115         .              Homem               de          25           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

116         .              Mulher                 de          35           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

117         .              Homem               de          42           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

118         .              Homem               de          37           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

119         .              Mulher                 de          43           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

120         .              Mulher                 de          35           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

121         .              Homem               de          43           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

122         .              Criança                 de          12           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

123         .              Homem               de          47           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

124         .              Homem               de          28           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

125         .              Homem               de          52           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

126         .              Homem               de          40           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

127         .              Homem               de          25           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

128         .              Mulher                 de          47           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

129         .              Mulher                 de          30           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

130         .              Homem               de          39           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

131         .              Criança                 de          12           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

132         .              Homem               de          61           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

133         .              Mulher                 de          58           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

134         .              Homem               de          32           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

135         .              Homem               de          27           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

136         .              Mulher                 de          20           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

137         .              Mulher                 de          19           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

138         .              Mulher                 de          27           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

139         .              Mulher                 de          34           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

140         .              Mulher                 de          43           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

141         .              Homem               de          16           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

142         .              Mulher                 de          52           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

143         .              Criança                 de          12           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

144         .              Mulher                 de          45           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

145         .              Mulher                 de          23           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

146         .              Mulher                 de          23           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

147         .              Mulher                 de          37           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

148         .              Mulher                 de          18           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

149         .              Mulher                 de          14           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

150         .              Mulher                 de          33           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

151         .              Homem               de          19           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

152         .              Mulher                 de          23           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

153         .              Homem               de          32           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

154         .              Homem               de          38           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

155         .              Mulher                 de          38           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

156         .              Mulher                 de          27           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

157         .              Homem               de          45           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

158         .              Homem               de          28           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

159         .              Mulher                 de          37           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

160         .              Mulher                 de          53           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

161         .              Homem               de          44           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

162         .              Mulher                 de          24           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

163         .              Homem               de          51           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

164         .              Homem               de          33           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

165         .              Mulher                 de          34           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

166         .              Homem               de          62           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

167         .              Mulher                 de          52           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

168         .              Mulher                 de          54           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

169         .              Mulher                 de          31           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

170         .              Homem               de          41           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

171         .              Criança                 de          0             ano.       Isolamento domiciliar.  PCR

172         .              Homem               de          40           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

173         .              Mulher                 de          33           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

174         .              Homem               de          36           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

175         .              Homem               de          42           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

176         .              Homem               de          53           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

177         .              Homem               de          35           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

178         .              Mulher                 de          23           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

179         .              Mulher                 de          14           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

O Janeiro Branco é uma  campanha ao estilo da Campanha Outubro Rosa e da Campanha Novembro Azul. O seu objetivo é chamar a atenção da humanidade para as questões e necessidades relacionadas à Saúde Mental e Emocional das pessoas e das instituições humanas. 

No Pará, a finalidade da Sespa é sensibilizar a sociedade sobre a importância da promoção e proteção da saúde mental, assim como informar à população sobre o funcionamento da Rede de Atenção Psicossocial, voltada para os cuidados de saúde das pessoas com sofrimento ou transtorno mental, incluindo aquelas com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS).

Segundo a coordenadora estadual de Saúde Mental, Ilda Morais, o Janeiro Branco foi idealizado em 2014 por um grupo de psicólogos do município mineiro de Uberlândia, preocupados com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) que apontavam um aumento significativo das doenças mentais.  “O mês de janeiro foi escolhido para a campanha em função da grande expectativa que as pessoas criam em relação à chegada de um novo ano”, informou. 

Assim, o objetivo é estimular que as pessoas comecem a fortalecer os cuidados com a sua saúde mental, recebendo esclarecimentos e sendo conscientizadas sobre a necessidade de promover o seu bem-estar físico, social e mental, e de se prevenir das doenças mentais.

"E, considerando a pandemia de Covid-19, que afetou emocionalmente grande parte da população por conta do isolamento e distanciamento sociais, torna-se fundamental, neste ano, uma atenção maior à saúde mental da população”, comentou a coordenadora estadual, Ilda Morais.

Programação - Como ainda não é possível realizar atividades presenciais com grande número de pessoas, por conta da conscientização de se evitar aglomeração, o tema “Cuidar da Mente é cuidar da vida” será abordado em duas lives destinadas exclusivamente a profissionais de saúde e palestras educativas durante as ações do Programa Territórios da Paz (TerPaz).

A primeira live será dia 22 de janeiro, às 10h, por meio do Google Meet, com o subtema “Depressão no contexto intra e extra familiar em tempos de pandemia de Covid-19”. A segunda transmissão online ao vivo, será às 10h, em 29 deste mês, também pelo Google Meet, abordando o subtema “Saúde Mental e Trabalho”.

Já as palestras para a comunidade ocorrerão, no dia 16, nos bairros do Icuí e Terra Firme; no dia 17, no Benguí e Cabanagem; no dia 23, no Jurunas e Benguí; no dia 24, na Terra Firme e Guamá; no dia 30, no Guamá e Cabanagem; e no dia 31, em Marituba e Jurunas. 

Atendimento – A Rede de Atenção Psicossocial (RAPS), cujas diretrizes e estratégias de atuação envolvem as três esferas de governo, é composta pela Atenção Básica de Saúde, Atenção Psicossocial, Atenção de Urgência e Emergência, Atenção Residencial de Caráter Transitório, Atenção Hospitalar e Estratégias de Reabilitação Psicossocial.

A porta de entrada do SUS é a Unidade Básica de Saúde, portanto, o usuário em sofrimento mental deve ser encaminhado para as UBs. “Mas também pode ir diretamente ao CAPS, que representa o cuidado especializado com equipe multidisciplinar capacitada para acolher toda a demanda de Saúde Mental e fazer os encaminhamentos que forem necessários, pois a "Rede" oferece diversos níveis de atenção ao usuário”, explicou Ilda Morais.

Porém, se estiver em crise, o usuário pode ser socorrido pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu 192), levado a uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA 24h) ou a um serviço de emergência psiquiátrica, como o Hospital de Clínicas Gaspar Vianna.

“Esse fluxo pode ocorrer por meio de demanda espontânea ou referenciada de outros serviços de saúde, tais como Atenção Básica, Estratégia Saúde da Família, Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) e Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS) etc.

Estatística -  Segundo Ilda Morais, conforme dados levantados preliminarmente junto aos CAPSs, os distúrbios mentais mais frequentes são transtorno de ansiedade, depressão, bipolaridade e risco de suicídio, além de Transtorno Compulsivo Obsessivo (TOC).

Sobre internações, de acordo com o Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (Datasus), o Pará registrou 2.967 internações por transtornos mentais e comportamentais de janeiro a dezembro de 2019 e 2.647 internações de janeiro a outubro de 2020, por isso, é fundamental a promoção da saúde mental e prevenção das doenças mentais.

Ilda Morais aponta como principais medidas preventivas o autocuidado, a interação social, o compartilhamento de momentos e sentimentos com outras pessoas de confiança, a construção e o fortalecimento dos vínculos afetivos e sociais.

“Em casos mais graves, a orientamos a busca de ajuda especializada junto aos Centros de Atenção Psicossocial”, observou. Ela ressaltou, por fim, que, no âmbito do SUS, a missão da Sespa, por meio da Coordenação Estadual de Saúde Mental, é fomentar e assessorar a Política Pública de Saúde Mental junto aos municípios paraenses, conforme as diretrizes da Política Nacional de Saúde Mental (Lei 10.216/2001).

“No entanto, além de diversos CAPSs instalados em todos os municípios, a população conta com seis CAPSs sob a gestão estadual, em Belém e Santarém”, informou a coordenadora estadual de Saúde Mental, Ilda Morais.

Confira, abaixo, os CAPSs estaduais: 

1 - CAPS Icoaraci (Caps I): Rua Monsenhor Azevedo, 237 (entre Passagem Maguari e Lopo de Castro), Campina de Icoaraci. Telefone: (91) 3227-9137. E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

2. CAPS Amazônia (CAPS I): Passagem Dalva, 377, Marambaia. Telefone: 3231-2599/ 3238-0511. E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

3. CAPS Renascer (CAPS III): Travessa Mauriti, 2179, entre avenidas Duque de Caxias e Visconde de Inhaúma, Pedreira. Telefone: (91) 3276-3448. E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

4. CAPS Grão Pará (Caps III): Rua dos Tamoios, 1840, Batista Campos. Telefone: (91) 3269-6732. E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

5. CAPS Marajoara (CAPS ad III): Conjunto Cohab, Gleba I, WE 2, 451- Nova Marambaia. Telefone: (91) 32360399. E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

6. CAPS Santarém (CAPS ad III): Travessa Dom Amando, Santa Clara, Santarém. Telefone: (93) 3523-1939.

 

Fonte: Por Roberta Vilanova (SESPA)

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta terça-feira (5) a um grupo de apoiadores que o “Brasil está quebrado” e que, por isso, ele não consegue “fazer nada”.

O presidente deu a declaração durante uma conversa na saída da residência oficial do Palácio da Alvorada, antes de seguir para o trabalho no Palácio do Planalto.

Bolsonaro foi abordado por um apoiador. Ao responder a ele, fez uma avaliação pessoal sobre a situação do país. O presidente também disse que o coronavírus foi "potencializado" pela mídia. O Brasil tem, até esta terça, 196.641 mortes pela Covid-19.

"Chefe, o Brasil está quebrado, chefe. Eu não consigo fazer nada. Eu queria mexer na tabela do Imposto de Renda, teve esse vírus potencializado pela mídia que nós temos aí, essa mídia sem caráter”, afirmou Bolsonaro na conversa com os apoiadores.

A mudança na tabela do Imposto de Renda, mencionada por Bolsonaro, foi uma promessa de campanha do presidente.

Hoje, a faixa de isenção é de R$ 1.903,98. A última atualização nos valores da tabela foi feita em 2015. Somente em 5 dos últimos 24 anos a tabela foi reajustada acima da inflação. Com isso, os valores estão defasados.

Em maio de 2019, Bolsonaro disse que reajustaria a tabela pela inflação daquele ano. Em dezembro de 2019, durante encontro com a imprensa no Palácio do Alvorada, ele voltou a falar no assunto e, dessa vez, defendeu que o limite de isenção subisse para R$ 3 mil. Até agora, porém, nenhuma mudança foi feita.

 

Fonte: Por Guilherme Mazui, G1 — Brasília

Com o objetivo de reduzir, cada vez mais, os índices de criminalidade no Pará, o governo do Estado, por meio da Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (Segup), investe, desde o início da atual gestão, em equipamentos, aparelhamentos e novas viaturas para o Sistema de Segurança Pública do Pará. Logo no primeiro dia de 2021, o Estado apresentou redução de 60% em crimes letais e intencionais, em comparação ao 1º dia de 2020.

A política de reestruturação e modernização das instituições da segurança estadual é, segundo o secretário adjunto de Inteligência e Análise Criminal, André Costa, essencial para alcançar esses resultados positivos. “O ano de 2020 foi desafiador pra nós. Estávamos concorrendo com o primeiro ano da nossa gestão, onde já tínhamos uma redução muito grande da criminalidade, por isso, era necessário reinventar, fazer novos investimentos e diferenciar o trabalho, para conseguir continuar reduzindo os índices”, explica.

O secretário adjunto afirma que investimentos, como o aumento e renovação da frota de viaturas das Polícias Militar e Civil, as aquisições da área da inteligência, entre eles, equipamentos de software modernos para as unidades da PM, PC, Seac, Bombeiros e Detran, além do trabalho integrado dos órgãos são importantes aliados para reduzir a ocorrência de crimes.

“Todas as ferramentas que adquirimos, tanto na área da inteligência como para a atuação operacional, trabalham em conjunto e integradas. Isso produz conhecimento muito mais rápido e favorece que a elaboração do plano operacional possa ter resultados muito mais eficientes. Tudo para que a gente consiga dar continuidade na redução da criminalidade no Estado”, assegura.

No primeiro dia de 2021 também foi registrada redução nos casos de homicídio e roubo em geral. Em 2020, no primeiro dia do ano, foram computados 24 casos de homicídio, enquanto em 2021 foram registradas oito ocorrências, o que representa uma queda de 67%. Quanto ao roubo em geral, os dados apontaram uma diminuição de 84% em comparação a 2020, quando foram registrados 197 roubos. Em 2021, foram computados 31 casos em todo o Estado.

NOVAS VIATURAS

Pela primeira vez na história da Polícia Militar do Pará, a corporação teve sua frota totalmente renovada com caminhonetes, que garantem maior segurança aos agentes, mais resistência e agilidade nas operações. São 1.154 viaturas do tipo Hilux e Duster, em substituição aos 899 Palio Weekend, Logan e Amarok utilizados nas ações policiais. Também foram entregues mais 418 viaturas para a Região Metropolitana de Belém. 

Em dezembro de 2020, foram entregues os primeiros veículos blindados para o combate à criminalidade no Pará. Uma lancha blindada também foi entregue para assegurar a eficiência do trabalho dos agentes de segurança pública pelas águas do Estado. O investimento total na construção da embarcação foi de mais de R$ 2 milhões do tesouro estadual.

TECNOLOGIA 

A modernização de equipamentos que compõem o Sistema de Segurança Pública do Pará é um dos investimentos prioritários da atual gestão. Em novembro de 2020, a Segup instalou 350 novas câmeras de videomonitoramento e módulo de análise forense, em substituição às câmeras que operam na Região Metropolitana de Belém e em mais oito municípios paraenses. Algumas delas fazem reconhecimento facial e leitura de placas veiculares. 

Em dezembro de 2020, o governo do Estado entregou também 1.637 equipamentos de comunicação, sendo 1.018 microcomputadores, 500 rádios portáteis digitais e 119 rádios móveis digitais, além do serviço de atualização e interligação do sistema de radiocomunicação digital APCO 25.

Outro importante avanço foi a implantação do Sinesp-Cad, que oferece um moderno sistema sofisticado para atendimento de ocorrências de urgência e emergência. Quem precisar ligar para o Centro Integrado de Operações (Ciop) - 190 - e para o Corpo de Bombeiros (193) será atendido com a nova tecnologia.

 

Fonte: Por Giovanna Abreu (SECOM)

Sul e Sudeste do Pará

Loading
https://carajasojornal.com.br/modules/mod_image_show_gk4/cache/Publicidade.2018.Sophos_2019gk-is-100.jpglink
https://carajasojornal.com.br/modules/mod_image_show_gk4/cache/Publicidade.galpogk-is-100.jpglink

Vídeos

FAMAP, a escolha inteligente
08 Julho 2019
Em parauaebas, aluno chamou a atenção dos vereadores, no momento em que fazia uso da tribuna. de Carajás O Jornal
18 Abril 2017
Alunos da Rede Estadual de Ensino, assistem aula no meio da rua em Parauapebas
13 Abril 2017
Novo Ministro do STF3
11 Fevereiro 2017
Tiroteio em Redenção deixa população assustada
01 Dezembro 2016
Nesse domingo os paraenses vivenciam o #CIRIO2016, a maior festividade Religiosa do Brasil
09 Outubro 2016
Dr. Hélio Rubens fala sobre o caso de corrupção na Câmara Municipal de Parauapebas
08 Outubro 2016
MARCHA PARA JESUS: Milhares de jovens nas ruas de Parauapebas
08 Outubro 2016
Corrupção é um problema de todos, você também pode combater!
06 Outubro 2016
Joelma agradece pela presença e participação em seu show na FAP 2016
12 Setembro 2016
Jake Trevisan agradecendo toda população de Parauapebas no Carajás O Jornal
06 Setembro 2016
Cantor Açaí no evento da Imprensa na FAP a pedido de Marola Show, canta para a Rainha, primeira e segunda princesa da FAP 2016.
01 Setembro 2016