Greve é mantida nas escolas estaduais

Estudantes tem comparecido às sessões da Câmara Municipal e demonstrado apoio à categoria. Estudantes tem comparecido às sessões da Câmara Municipal e demonstrado apoio à categoria.

Iniciada no dia 25 de março, a greve na rede estadual tá sendo mantida e, segundo a coordenadora da Sub sede do Sintepp em Parauapebas, pelo fato de que o governo não tem dado resposta às reivindicações estando entre elas: o imediato pagamento do piso salarial, para que não se concretizem as reduções remuneratórias que inclinam a lotação imposta pela Seduc, o Plano de Cargos e Carreiras e Remuneração (PCCR-Unificado), além de reforma e segurança das escolas.

A paralisação já atinge 107 municípios do Pará. E em Parauapebas, mais de seis mil alunos estão sendo prejudicados pela ausência de aulas nas Escolas Marluce Massariol, Irmã Dulce, Euclides Figueiredo, Eduardo Angelim e Irmã Doroty, a paralização obedeceu o cronograma estabelecido pela sede estadual do Sintepp. “Todas estas reivindicações já foi motivo de greve em 2013, quando tanto estudantes quanto categoria tiveram grandes perdas. Mas como não foram atendidas somos obrigados a mais uma vez deixar as escolas e voltar às ruas”, explicou Luciene Moitinho, coordenadora da Subsede do Sindicato em Parauapebas.

Nas duas últimas sessões na Câmara Municipal, foi notada a presença de estudantes que, em clara manifestação de apoio aos professores, exibiram cartazes contendo as principais reivindicações da categoria.

Quem também falou com nossa equipe de reportagens foi o secretário geral do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Pará (Sintepp), Alberto Andrade; e este esclareceu que os professores querem garantias de que o governo cumprirá com o que pode ser acordado. “Em termos de resultados práticos, a única questão que teve parte acatada pelo governo foi o anúncio de que será aplicado um terço de hora atividade ainda esse ano, mas o grande problema é que, mesmo que isso seja feito, o governo não dá garantias de que não haverá perdas de remuneração, porque não tem nada oficializado”, disse Alberto, denunciando que sobre a questão do piso salarial, o governo insiste que vai pagar em abril, que era para ter sido pago em janeiro. Prazo em que promete também pagar o retroativo, mas que haverá negociação só se houver suspensão de greve; o que a categoria garante que não acontecer, pelo fato de, ainda segundo ele, a categoria tem autonomia. “Ou o governo tem questões práticas e objetivas e que sejam muito nítidas para a categoria ou fica difícil tomar alguma decisão”, garante ele.

 

Por: Francesco Costa 

Avalie este item
(0 votos)

Sul e Sudeste do Pará

Loading
https://carajasojornal.com.br/modules/mod_image_show_gk4/cache/Publicidade.2018.Sophos_2019gk-is-100.jpglink

Vídeos

FAMAP, a escolha inteligente
08 Julho 2019
Em parauaebas, aluno chamou a atenção dos vereadores, no momento em que fazia uso da tribuna. de Carajás O Jornal
18 Abril 2017
Alunos da Rede Estadual de Ensino, assistem aula no meio da rua em Parauapebas
13 Abril 2017
Novo Ministro do STF3
11 Fevereiro 2017
Tiroteio em Redenção deixa população assustada
01 Dezembro 2016
Nesse domingo os paraenses vivenciam o #CIRIO2016, a maior festividade Religiosa do Brasil
09 Outubro 2016
Dr. Hélio Rubens fala sobre o caso de corrupção na Câmara Municipal de Parauapebas
08 Outubro 2016
MARCHA PARA JESUS: Milhares de jovens nas ruas de Parauapebas
08 Outubro 2016
Corrupção é um problema de todos, você também pode combater!
06 Outubro 2016
Joelma agradece pela presença e participação em seu show na FAP 2016
12 Setembro 2016
Jake Trevisan agradecendo toda população de Parauapebas no Carajás O Jornal
06 Setembro 2016
Cantor Açaí no evento da Imprensa na FAP a pedido de Marola Show, canta para a Rainha, primeira e segunda princesa da FAP 2016.
01 Setembro 2016