As 576 famílias que, atualmente, recebem o benefício do aluguel social da Prefeitura de Parauapebas, em razão de terem deixado suas casas por conta das obras do Programa de Saneamento Ambiental, Macrodrenagem e Recuperação de Igarapés e Margens do Rio Parauapebas (Prosap) já estão recebendo atendimento, no Escritório Social do programa. O objetivo da atualização cadastral é para que os beneficiários já possam receber o novo valor de R$ 600 reais.

O aumento de R$ 400 para R$ 600 reais foi regulamentado por meio da aprovação da Lei Nº 5.123 de 20 de junho de 2022, pelo Legislativo Municipal.

“O município de Parauapebas conseguiu aumentar o valor do aluguel social que, anteriormente, era de R$ 400 reais. O valor já estava defasado, então é importante que o usuário venha até o Prosap para fazer a sua atualização cadastral para que ele tenha essa possibilidade de ter o aumento. Caso ele não venha, vai ficar com o valor do aluguel social antigo”, explica Rankini Cajazeira, assessor jurídico do programa.

Segundo Rankini, estão sendo coletadas as informações do beneficiário para a assinatura de um novo contrato ou de um termo aditivo para aqueles que já possuem contrato.

Os beneficiários que atualizarem o cadastro até a próxima sexta-feira, 15 de julho, já vão receber o aluguel social do mês de agosto com novo valor.

 

Atendimento

Desde a última segunda-feira, 04, o atendimento ao beneficiário está ocorrendo das 7h30 às 18 horas, sem intervalo para almoço, na sede do Escritório Social localizado na Rua Rio Dourado, s/n, Bairro Beira Rio I. E, em razão da atualização cadastral, o atendimento também acontece, de forma excepcional, neste sábado, 09, das 8h às 16h para atender os beneficiários que não puderam comparecer durante a semana.

“Essa demanda [aumento do aluguel social] partiu dos próprios beneficiários porque já estava bastante defasado, desde 2013 que não havia reajuste. Devido ao aquecimento imobiliário as famílias estavam com dificuldade em encontrar casa para alugar e, a partir desse momento em que a lei passou pela Câmara e foi aprovada, nós montamos uma estratégia de atendimento: remanejamos servidores de todos os setores para que esse serviço fosse prestado aos nossos beneficiários de forma célere, e para que eles pudessem ser atendidos de forma humanizada”, ressalta Eulália Almeida, subcoordenadora de Ações Sociais do Prosap.

Jéssica Paterna de Oliveira, de 29 anos, uma das beneficiárias e que se encontra, no aluguel social, há cerca de um ano, fala sobre a relevância do novo valor. “Vai ajudar sim, com certeza, porque o aluguel, hoje, está tão caro e é difícil a gente achar nesse valor de R$ 400 reais, ainda mais aqui em Parauapebas. Estou feliz porque vai ajudar muito” explica a dona de casa que é mãe de três filhos e mora no Bairro São Lucas II.

Em razão do recesso, para os beneficiários que não conseguirem atualizar o seu cadastro junto ao Prosap até o dia 15 de julho, o retorno do atendimento será no próximo dia 1º de agosto, das 8h às 18h, também na sede do Escritório Social. 

Índice Geral de Preço de Mercado (IGP-M)

A Lei Nº 5.123/2022, em seu Art. 1º, alterou o Art. 12 da Lei 4.532/2013 inserindo a possibilidade para que o aluguel social seja reajustado anualmente.

“A lei, além de majorar o valor para os R$ 600 reais, também estabeleceu um índice de reajuste através do IGP-M, Índice Geral de Preço de Mercado. Então, anualmente, esse valor de R$ 600 reais vai ser reajustado, o que é bastante importante e ganho para quem é beneficiário do aluguel social”, destaca Rankini Cajazeira.

 

Aluguel Social

Instituído pelo município de Parauapebas, ainda em 2013, por meio da Lei Nº 4.532, o Programa Aluguel Social é destinado a auxiliar, financeiramente, as famílias que sejam impactadas por obras de natureza urbanística, habitacional, saneamento e regularização fundiária, dentre outros.

Em 2019, a Lei 4.532 sofreu alteração por meio da Lei nº 4811 e o aluguel social passou a ser coordenado e gerido pelo Programa Municipal de Saneamento Ambiental, Macrodrenagem, Recuperação de Igarapés e Margens do Rio Parauapebas (Prosap), exclusivamente, quanto às famílias residentes na área de intervenção dos seus projetos. 

 

 

Texto: Nara Moura

Fotos: Elienai Araújo e Nara Moura

O Centro Comunitário Vale do Sol esteve em festa na tarde de quarta-feira, 06, devido à certificação dos 24 alunos concluintes do curso de Auxiliar Administrativo promovido, gratuitamente, pela Prefeitura de Parauapebas, por meio do Programa de Saneamento Ambiental, Macrodrenagem e Recuperação de Igarapés e Margens do Rio Parauapebas (Prosap).

Essa é a segunda turma do curso formada pelo programa e que tem por objetivo capacitar os moradores do reassentamento Vale do Sol e prepará-los para o mercado de trabalho.

Realizada pelo Trabalho Técnico Social e Ambiental (TTSA) do Prosap, a capacitação trabalhou temas como empreendedorismo, contabilidade, recursos humanos (RH), novos conceitos de administração, objetivos da administração, trabalho em equipe, ética profissional, planejamento estratégico, mercado de trabalho e empregabilidade, além de inteligência emocional ao longo dos 45 dias de curso.

Roran Reis, servidor do Prosap e instrutor do curso, fala sobre o resultado positivo. “A gente viu uma evolução muito grande dos alunos, não só relacionada aos conhecimentos da área administrativa, mas ao que a gente sempre procura trabalhar com eles que é a parte comportamental, de comunicação e de trabalho em equipe”, comemorou o instrutor informando que o índice de desistência foi muito pequeno.

As aulas do curso Auxiliar Administrativo ocorreram às segundas, quartas e sextas-feiras, das 14 às 17 horas, totalizando 45 horas de capacitação e, segundo Roran, em decorrência da considerável procura também foi estendido para as demais comunidades ao redor do Vale do Sol.

“A qualificação profissional é de fundamental importância para as pessoas. Hoje, o Prosap, por meio do Centro Comunitário do Vale do Sol, está certificando esses jovens e adolescentes. É um curso muito procurado e as pessoas gostam muito. Esperamos que eles se qualifiquem para que o mercado os absorva”, observou a subcoordenadora de Ações Sociais do programa, Eulália Almeida, complementando que as capacitações não vão parar e vários outros cursos serão ofertados.

Alunos

Aurilane Nascimento, de 28 anos, uma das concluintes e escolhida como oradora da turma disse que o curso foi um grande avanço para o bairro. “Nos incentivou a, cada vez mais, buscar conhecimento, principalmente, nós mulheres casadas, que há muito tempo não vêm trabalhando. Foi muito importante para nós aprendermos, ainda mais, sobre o que nós queremos para o futuro”.

Mãe de dois filhos, enquanto participava das aulas, Aurilane deixava o filho mais velho de 7 anos, no Espaço Pedagógico do Centro Comunitário, lugar disponibilizado para acolher os filhos das alunas que não têm com quem deixá-los. 

O curso de Auxiliar Administrativo foi o primeiro realizado pelo estudante do 2º Ano do Ensino Médio, Ruanderson Soares, de apenas 16 anos. Já se preparando para ingressar no mercado de trabalho, ele menciona o momento da capacitação que mais gostou. “Houve uma simulação de entrevista de emprego e eu gostei muito, pois assim pudemos vivenciar esse momento importante”, comentou o estudante.

Juramentista da turma, a aluna Rosilene Moreira, de 34 anos, enfatiza o sentimento de felicidade com a capacitação. “Me sinto bastante feliz. Pra mim é a realização de um sonho” diz a aluna que também faz faculdade de Administração.  “Eu vi o anúncio deste curso e fiquei muito feliz. Deixei meu nome com a moça que trabalha, aqui, e fui para casa. Passados alguns dias, eu já não esperava mais e, então ela me ligou”, contou Rosilene que é moradora do bairro Ipiranga. “O município tem muitas oportunidades”, disse emocionada ao receber o certificado.

 

Texto: Nara Moura

Fotos: Renato Resende

Quem passa pela PA-275, em frente a Prefeitura de Parauapebas, já consegue ver a barragem ganhando forma. É que foi iniciada a fase de instalação das galerias e a concretagem das comportas. A obra é executada pelo Programa de Saneamento Ambiental, Macrodrenagem e Recuperação de Igarapés e Margens do Rio Parauapebas (Prosap) e faz parte do projeto urbanístico do Parque Urbano Municipal, que será mais um ponto turístico da cidade.

Para a realização dos serviços de infraestrutura é necessário fazer o desvio do Igarapé Ilha do Coco, conforme explica Fábio Felisberto, engenheiro civil do Prosap responsável por esta frente de obra.

“A barragem é um sistema misto, uma barragem de concreto, de pedra argamassada, com as ombreiras, que são os cantos da barragem em solo, unindo com o terreno existente. O curso original do Igarapé Ilha do Coco era do lado esquerdo e nós fizemos o lado direito primeiro já a base da barragem. Então esse jogo de rio vai ter que ser feito várias vezes pra gente executar os trabalhos nas duas extremidades, até que a barragem fique pronta e a gente possa regular isso com comportas”, detalha Fábio.

Ainda de acordo com o engenheiro civil, o que está em andamento é a estruturação do fundo da barragem, “nós vamos ter uma pequena parte de concreto aparecendo com a lâmina d’água, com o lago já cheio. Por enquanto, nós estamos vendo o rio passando aonde vai ser na verdade, são galerias para descarga de fundo, pra limpeza, o dia que quiser esvaziar a barragem toda”.

Funções

A lagoa que está em construção no parque terá duas funções importantes: a conclusão do sistema de contenção de cheias, que será regulado pelas comportas da barragem; e a urbanização de espaços de lazer para a população, que vão contribuir com o desenvolvimento turístico de Parauapebas.

Fim dos alagamentos

A primeira etapa de construção desse sistema de contenção de cheias foi executada em agosto de 2021, com a instalação da rede de mais de 900 metros de galerias de concreto que pesam cerca de 5 toneladas. Essas aduelas passam ao lado de uma das extremidades da barragem e por elas passam as águas das chuvas e do Igarapé Guanabara, que desagua no Igarapé Ilha do Coco. Por isso, foi necessário interditar temporariamente a PA-275, com o desvio do trânsito.

“O resultado da implantação das galerias foi a extinção do alagamento do Mercado (Municipal). A gente fez várias intervenções, entre cinco e seis meses que levou a obra. Até rápido porque a gente estava em regime de 24 horas pra causar o menor impacto possível na população. E a gente conseguiu passar por essas chuvas sem nenhum alagamento, o sistema funcionando dentro do previsto”, afirma Fabio Felisberto, que também foi o engenheiro responsável pela frente de serviço da rede de galerias.

 

Texto: Fabiane Barbosa

Fotos: Chico Souza

A Prefeitura de Parauapebas, por meio do Programa de Saneamento Ambiental, Macrodrenagem e Recuperação de Igarapés e Margens do Rio Parauapebas (Prosap), torna pública a relação com 469 nomes de beneficiários do Plano de Reassentamento de Moradias afetadas pelas obras do Projeto de Recuperação e Revitalização do Igarapé Lajeado.

As famílias beneficiadas foram cadastradas pelo Prosap por meio do Plano de Reassentamento em decorrência das obras da segunda etapa na área e que serão executadas com recursos 100% do município.

Serão realizados serviços de infraestrutura e urbanização beneficiando, assim, mais de 90 mil pessoas com a implantação de redes de drenagem, de distribuição de água potável, de coleta e tratamento de esgoto, pavimentação e implantação de parques.

Confira a lista de beneficiários no link abaixo

Relação de Beneficiários do Programa de Reassentamento de moradias referentes à segunda etapa do Prosap na área do Igarapé Lajeado

 

Assessoria de Comunicação – Ascom/PMP

Foram iniciados os serviços para a demolição da antiga ponte da Rua Santa Catarina que liga os bairros União e Liberdade. A obra, que deve se estender por seis meses, é uma realização da Prefeitura de Parauapebas, por meio do Programa de Saneamento Ambiental, Macrodrenagem e Recuperação de Igarapés e Margens do Rio Parauapebas (Prosap) e após a finalização terá o dobro de tamanho da ponte anterior, passando a medir 45 metros de comprimento por 11 metros de largura.


A obra é executada em etapas, com o objetivo de resguardar a segurança dos trabalhadores e da comunidade. Por isso, o primeiro serviço foi a retirada do asfalto e na quarta-feira, 29, foi feita a retirada da camada de concreto.


“Na segunda-feira [27/06] a gente iniciou a retirada da camada asfáltica e, hoje, de fato, a gente entrou no processo de demolição da ponte. Após a demolição, a gente vai entrar na construção da nova ponte, melhorando assim a trafegabilidade no local”, ressalta o engenheiro civil do Prosap e fiscal da obra, Wallas Ribeiro informando, ainda, que a nova ponte irá se adequar ao novo dimensionamento do Igarapé Ilha do Coco.


A nova estrutura vai adequar o tamanho atual da ponte antiga de apenas 22 metros de comprimento ao canal que apresenta 30 metros.

*Sinalização *

Durante o prazo de execução da obra, é importante que a população se atente e respeite as sinalizações do entorno e também redobre os cuidados para que acidentes sejam evitados no local.

“A gente tem todo o entorno já bem sinalizado, bem divulgado para a polução, para que todos os tráfegos de veículos, de pedestres, de ciclistas sejam bem direcionados e também para os moradores”, explica Marcelo Pontes, engenheiro de segurança do trabalho do programa.

“Pedimos à população para que cuide dessas sinalizações, que não danifique os equipamentos pra que a gente consiga levar a obra, com o mínimo de prazo, mas com o máximo de segurança”, reforça o engenheiro.
Segundo Marcelo estão sendo utilizados proteção em concreto pintadas, placas de sinalização e cones refletivos. “É um conjunto de proteções e sinalizações que a gente utiliza para que quem trafegue no entorno da obra trafegue com segurança e para que os trabalhadores também tenham a segurança na hora da execução dos seus serviços”.
A sinalização está sendo feita em parceria com o Departamento Municipal de Trânsito e Transporte (DMTT).

Obra

De acordo com Wallas Ribeiro, o processo de demolição da antiga ponte se dará em quatro fases: retirada do asfalto, retirada do concreto, retirada da estrutura de ferro e derrubada dos pilares. Finalizado esse processo, será dado início à segunda etapa que é a preparação para da construção da nova ponte.

Além de novas dimensões a nova ponte da Rua Santa Catarina também vai contar com sistema de iluminação com lâmpadas de led, espaço para pedestres e ciclistas e sinalização adequada.

Social

Desde que a Rua Santa Catarina foi interditada, no último dia 20 de junho, a equipe de assistentes sociais do Prosap vem realizando um trabalho preventivo junto à comunidade impactada pela obra.
“Fazemos esse primeiro contato com a comunidade, trazendo a informação, colocando para a comunidade os principais impactos e também os principais benefícios da obra. Nós sabemos que toda obra tem impacto, seja de mobilidade urbana, poeira, barulho, mas a comunidade tem sido bem receptiva”, diz Anne Amorim, assistente social do Prosap, informando que a equipe fez todo um levantamento de quantos imóveis comerciais e quantos imóveis com garagens tinham, no entorno, com a finalidade de mitigar os principais transtornos causados à população. “A equipe do social vai estar presente, no local, durante todo o período de obra”, finaliza.

 

Texto: Nara Moura
Fotos: Renato Resende

Objetivando minimizar, ao máximo, os desperdícios desde a Estação de Tratamento de Água (ETA) até a distribuição efetiva aos consumidores, técnicos da Prefeitura de Parauapebas estão recebendo treinamento específico com método israelense, utilizado em mais de 56 países, para a localização de vazamentos. A tecnologia será validada para, posteriormente, ser replicada nas obras do Programa de Saneamento Ambiental, Macrodrenagem e Recuperação de Igarapés e Margens do Rio Parauapebas (Prosap). 

“A gente está fazendo um programa piloto: escolhemos algumas áreas no município de Parauapebas, onde estamos usando uma tecnologia israelense. Foi um contrato direto do BID [Banco Interamericano de Desenvolvimento] com o governo de Israel; eles trouxeram essa tecnologia para o Brasil e Parauapebas foi uma das beneficiadas”, informa Daniel Magalhães, responsável pelo Setor de Intervenções de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário do Prosap.

Segundo Magalhães, o Banco Interamericano de Desenvolvimento identificou que o desperdício na captação e distribuição de água, realizado pelo Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Parauapebas (Saaep), fica entre 70 a 80%. “São perdas aparentes, perdas não aparentes, perdas econômicas. Esse piloto vem para poder validar e trazer novas tecnologias que agilizem esse tipo de processo”, explica.  

Adriano Camino, representante da Asterra, no Brasil, empresa que forneceu as imagens de satélite para identificação dos vazamentos, acompanhou o grupo em campo, na manhã dessa terça-feira, 21. “Essa equipe de pesquisa de vazamento está utilizando o método guiado da Asterra que é uma tecnologia inovadora. Ao invés da equipe de pesquisa e vazamento andar por toda a rede do Saaep de forma aleatória, ela se concentra nos locais onde, realmente, existem os vazamentos”, ressalta.

A Asterra é uma empresa israelense especialista em análise de imagens de radar para localização de vazamentos subterrâneos com sede em Tel Aviv (Telavive), segunda maior cidade de Israel.  

Camino explicou que a empresa fornece pontos de interesse que são círculos de, aproximadamente, 100 metros de raio e, então, a equipe caminha pelos locais onde existe a maior probabilidade de encontrar esses vazamentos.

O treinamento está sendo desenvolvido pela BBL NE Soluções em Engenharia, empresa brasileira especialista em saneamento básico e ocorreu, de forma prática, no bairro Parque dos Carajás. A equipe da BBL vai ficar em torno de 20 dias, em Parauapebas, para identificar todos as localidades apontadas pela Asterra.

“O treinamento ocorreu para que a gente pudesse confirmar os locais exatos de possíveis vazamentos que foram apontados pela empresa Asterra. Eles identificaram alguns pontos específicos e a gente, com equipamentos adequados como amplificador mecânico, geofone eletrônico, consegue identificar os locais exatos desses vazamentos”, diz Rafael Matias, da BBL NE.

Fernando Napoleão, técnico do Saaep que está participando dos treinamentos, fala que este servirá para que a equipe possa fazer um trabalho preventivo. “Com base nesse treinamento a gente vai conseguir fazer uma varredura da nossa rede e identificar possíveis vazamentos invisíveis, que são vazamentos subterrâneos. Às vezes, um consumidor pode estar com algum problema no sistema de ligação dele e, ele não sabe. Então, a gente não vai esperar chegar em um colapso da rede para poder atuar, deixando o consumidor, às vezes, três, quatro dias sem água, vamos atuar de imediato, de forma preventiva para poder avaliar a situação e impedir que ocorra um problema futuro”.  

Imagem de satélite

De acordo com Adriano Camino, a Asterra contratou imagem de radar que é tirada por meio de um satélite que fica a 800 quilômetros da Terra e sofre um processo de tratamento, identificando de forma cirúrgica os pontos de vazamentos de água.

“Se a gente conseguir reduzir 20, 30% das perdas do Saaep, muitos clientes deixarão de ter o rodízio. Vai ter água o tempo todo para a maior parte da população, sem a necessidade de você estar expandindo uma captação, criando uma nova estação para tratamento de água, porque muita água se perde no meio do caminho”, enfatiza Camino.

Tecnologia

Para localizar os pontos de vazamento com maior exatidão, estão sendo utilizados equipamentos modernos como amplificador mecânico e geofone eletrônico. Os equipamentos ajudam na escuta dos pontos de contato da rede, que são os relógios de água e na identificação do local onde está havendo o vazamento, respectivamente.

 

 

Texto: Nara Moura

Fotos: Benilson Sá

Amor, cidadania, respeito e zelo pelo Parque dos Ipês. São esses sentimentos que a Prefeitura de Parauapebas espera despertar entre os moradores do entorno da área, para que ajudem a cuidar do novo espaço de esporte e lazer da cidade e, assim, garantir que seja preservada por longo tempo.

Para alcançar esse objetivo, lideranças comunitárias foram convidadas pelo Prosap a visitar o parque na segunda-feira, 20, e conhecer o que foi construído pela prefeitura num espaço de 28 mil metros quadrados, para melhorar a qualidade de vida da população. Entre os visitantes, educadores e o ex-prefeito de Parauapebas Chico das Cortinas, que marcou o momento com o plantio de um pé de ipê.

Além da paisagem verde que domina o parque – ali, as árvores de ipês naturais do local foram preservadas pelas obras e dezenas de outras espécies foram plantadas, como a Flor de Carajás -, o espaço conta com quadras de esporte, pista de skate com padrão oficial, quiosques, parquinho com piso emborrachado para a criançada, local para zumba, academia ao ar livre e fonte luminosa.

Tudo isso e outros detalhes não fugiram à percepção de Lucilene da Luz, da Associação de Moradores do Vale do Sol, que há 15 anos reside ali perto e estava acostumada a uma paisagem bem diferente.

“Eu já conhecia isso bem antes e eu não estou acreditando no que os meus olhos veem. Está excelente. Vai fazer um bem muito grande pra gente, vai unir a comunidade Vale do Sol, o Tropical, Popular, enfim. É uma coisa que a gente não esperava pra esse local. Está maravilhoso”, expressou a líder comunitária.

Modelo de gestão

Antes das lideranças comunitárias percorrerem o espaço, o coordenador de Projetos Especiais e de Captação de Recursos do Prosap, Cleverland Araújo, explicou que o funcionamento do Parque dos Ipês vai seguir o modelo de gestão aplicado em outras cidades, como na capital, Belém, com a aplicação de um regimento interno.

Esse novo modelo, por exemplo, limita o horário de funcionamento para evitar a depredação dos equipamentos públicos e das espécies vegetais e monitora a realização de eventos no local, para os quais haverá agendamento. A segurança será garantida pela Guarda Municipal.

“É uma área nova, com nova tipologia de equipamentos públicos, nova tipologia de gestão. É um espaço público bem aproveitado, que todos vão gostar”, afirmou Cleverland Araújo.

Parceria com a população

Para que o novo modelo de gestão dê certo, a prefeitura considera de grande importância a parceria principalmente dos moradores do entorno do parque. Parceria que deve se firmar quando eles compreenderem que os espaços públicos pertencem à população.

“Essa visita é para que esses líderes levem para seus representados o que existe de bom aqui, para que essa comunidade desenvolva o afeto e o pertencimento por essa área. É dar autonomia pra essa comunidade entender que ela é dona e cuidadora”, disse Maria Zana, analista ambiental do Prosap.

Moacir Patrício, do setor de Relação com a Comunidade do Prosap, reforçou: “O parque é da comunidade. O objetivo maior que a gente tem é colocar isso para eles para que possam ter sentimento de acolhimento, pra que eles tenham o parque como o seu. Assim, não só a prefeitura, mas todos nós, vamos cuidar do parque”.

Residindo há 20 anos em Parauapebas, sendo 15 anos na comunidade do Novo Tempo, o aposentado José Augusto Lopes Ferreira se mostrou empolgado com a visita, elogiou a qualidade da obra e considera que a construção do Parque dos Ipês terá um “grande impacto” positivo sobre os moradores dos bairros do entorno.

Convencido da importância do parque para a comunidade, Augusto Ferreira concorda que os moradores precisam cuidar da preservação do espaço. “É um dever nosso. Nós precisamos ter essa cultura de cuidar daquilo que é nosso”, defendeu o aposentado, após reconhecer a beleza da obra. “O que tem aqui de orquídea, de coisa, de plantas que fizeram com tanto carinho. Nós não podemos destruir isso, nós precisamos cuidar disso”.

 

Texto: Hanny Amoras
Fotos: Renato Resende
Assessoria de Comunicação – Ascom/PMP

Construído às margens da PA-160 pelo Programa de Saneamento Ambiental, Macrodrenagem e Recuperação de Igarapés e Margens do Rio Parauapebas (Prosap), o Parque dos Ipês contará com uma equipe de monitores que ajudará com informações e orientações aos visitantes. Assim, na última sexta-feira, 10, a equipe esteve no parque para uma aula prática com o objetivo de conhecer o espaço e o trabalho que será desenvolvido ali.

“Desde de quinta-feira, 9 a gente está fazendo o treinamento e a capacitação das pessoas que irão trabalhar no Parque dos Ipês. Teve a parte teórica, onde a gente falou um pouco sobre o regimento, formas de atendimento ao público e, e nessa sexta-feira, 10, a gente tá focando mais no conhecimento do parque, mostrando a estrutura, as espécies de plantas que foram plantadas, falando um pouquinho do histórico e, ao final, a gente vai fazer uma simulação de atendimento para que eles já possam ir treinando como abordar as pessoas que vão visitar o parque”, ressalta Lana Nunes, coordenadora do Programa de Educação Ambiental e Sanitária (Peas/Prosap).

Segundo Lana, a ideia é que os monitores já estejam preparados para começar a trabalhar no dia da inauguração do parque, em 24 de junho. “Os monitores terão o papel importante de ser o elo entre o parque e a comunidade. Serão fiscalizadores e monitores ambientais e vão ter não só a função de orientar os visitantes, mas também de mostrar um pouquinho da história, um pouco da nossa cultura e sensibilizar o público quanto às questões ambientais”, afirma. 

Durante o treinamento, a equipe recebeu informações sobre o Regimento Interno do parque, tendo conhecimento a respeito do que é e não é permitido na área e também sobre o atendimento ao público: “já que eles vão estar em contato direto com o público, independente da função que exerçam, a ideia que é os monitores trabalhem de forma integrada”, explica Lana.

O servidor da Secretaria Municipal de Administração (Semad), Matheus Moraes, que será um dos monitores do parque, mencionou o sentimento de trabalhar no local. “O parque é um atrativo novo para a cidade e uma área muito bonita. Nosso trabalho será o de orientar a população e tirar algumas dúvidas, caso eles tenham. Hoje, estamos conhecendo as plantas de forma prática, os ipês e certas espécies que eu nunca tinha visto. É muito importante o treinamento para a gente ficar mais informado para passar a informação correta. Eu espero que seja uma área bem cuidada por todos nós”.   

Matheus disse gostar da ideia de trabalhar no parque já que está prestes a se formar em Técnico em Agropecuária. “É muito gratificante poder estar nesse meio, porque é uma área que eu escolhi para trabalhar, então estar nesse meio, mexendo com esse parque bonito e podendo ajudar é muito importante para mim”. 

Parque dos Ipês

Localizado próximo ao bairro Tropical, o Parque dos Ipês dispõe de 28 mil metros quadrados de áreas de lazer e bem-estar social, oferecendo espaços para a prática de esportes, com pista de skate, quadras poliesportivas, academia ao ar livre, parquinho para as crianças, fonte luminosa e interativa, diversidade de plantas, acessibilidade, sonorização ambiente e muito mais. O parque recebe este nome dada a quantidade de ipês rosas preservados no local e, também, porque a palavra ipê tem origem na língua indígena tupi e significa casca dura.

 

Texto: Nara Moura

Fotos: Jéssica Borges e Fabiane Barbosa

Por ocasião das obras de construção da galeria subterrânea na área do Mercado Municipal, no bairro Rio Verde, a rua Araguaia será interditada a partir de sexta-feira, 1º. 

O Programa de Saneamento Ambiental, Macrodrenagem e Recuperação de Igarapés e Margens do Rio Parauapebas (Prosap) segue com as intervenções visando à instalação de mais estruturas de concreto armado (galerias) na área.

Durante esse período de obras, motoristas e moradores da região devem ficar atentos à sinalização de obra e de trânsito. As vias alternativas aos condutores são as ruas Santo Antonio (à direita) e Dois Irmãos (à direita e esquerda). As obras ali devem ser executadas por um período de 30 dias.

 

Assessoria de Comunicação/PMP

As atividades do Projeto Titula Parauapebas de Regularização Fundiária Urbana (Reurb) do bairro Liberdade I prosseguem nesta semana. Técnicos do Programa de Saneamento Ambiental, Macrodrenagem e Recuperação de Igarapés e Margens do Rio Parauapebas (Prosap) estiveram na área, fazendo a entrega de convites aos moradores a fim de que eles participem da primeira reunião presencial sobre a Reurb, que será realizada nesta quinta-feira, 30, às 19 horas, na Escola Jean Piaget, no bairro Liberdade.

À frente da mobilização, a assistente social Vanessa Ineth Silva explica que a entrega dos convites às famílias mapeadas, nessa primeira área de levantamento da Reurb, ocorreu nos dias 27 e 28 (segunda e terça-feira).

“Toda a área a ser regularizada consiste em mais de três mil imóveis. Por isso, ela foi dividida em três etapas, sendo que esta primeira etapa foi subdividida em quatro setores. Entregamos os convites apenas nesse primeiro setor que reúne mais de 300 moradores”, explica a técnica.

As reuniões com a comunidade do bairro Liberdade I também serão realizadas nos meses de outubro, em três outros momentos. “Vamos falar sobre as fases da regularização, destacando com mais detalhes os procedimentos de levantamento de campo que envolvem a topografia e o cadastro dos terrenos e edificações, que são as primeiras atividades a envolverem os moradores”, acrescenta o engenheiro cartógrafo e agrimensor do Prosap, Francinei Matos, que faz parte da equipe de trabalho.

1º Setor da Reurb Liberdade I

A primeira reunião com a comunidade do Liberdade I reunirá os moradores residentes nas ruas Teotônio Vilela, entre Macapá e Mato Grosso (fundos para a Belo Horizonte); avenida Goiás, entre as ruas Macapá e Mato Grosso; rua Bahia, entre Belo Horizonte e avenida Goiás; rua Belo Horizonte, entre Macapá e Bahia; avenida Pará, entre as ruas Macapá e Sergipe; rua Mato Grosso, entre Teotônio Vilela e avenida Goiás; rua Espírito Santo, entre Teotônio Vilela e avenida Pará; rua Sergipe, entre Teotônio Vilela e avenida Pará; e rua Macapá, entre Teotônio Vilela e Pernambuco.

“As reuniões com a participação do morador são muito importantes. Esse é o momento em que toda a comunidade conhece o projeto, tira dúvidas e entende como o trabalho será realizado”, reforça Vanessa Ineth.

Sobre a Reurb

A Regularização Fundiária Urbana consiste em um conjunto de medidas jurídicas, urbanísticas, ambientais e sociais, destinadas à incorporação dos núcleos urbanos informais ao ordenamento territorial urbano e à titulação de seus ocupantes, conforme a Lei 13.465/2017, em seu art. 9º. “Com a Reurb, ganha o município, e o cidadão que terá o seu imóvel regularizado e valorizado”, conclui Francinei Matos.

 

Texto e fotos: Jéssica Borges

Assessoria de Comunicação/PMP

Página 1 de 4

Sul e Sudeste do Pará

Loading
https://carajasojornal.com.br/modules/mod_image_show_gk4/cache/Publicidade.2018.Sophos_2019gk-is-100.jpglink
https://carajasojornal.com.br/modules/mod_image_show_gk4/cache/Novo_Projeto_-_2021-07-05T111350990gk-is-100.jpglink

Vídeos

FAMAP, a escolha inteligente
08 Julho 2019
Em parauaebas, aluno chamou a atenção dos vereadores, no momento em que fazia uso da tribuna. de Carajás O Jornal
18 Abril 2017
Alunos da Rede Estadual de Ensino, assistem aula no meio da rua em Parauapebas
13 Abril 2017
Novo Ministro do STF3
11 Fevereiro 2017
Tiroteio em Redenção deixa população assustada
01 Dezembro 2016
Nesse domingo os paraenses vivenciam o #CIRIO2016, a maior festividade Religiosa do Brasil
09 Outubro 2016
Dr. Hélio Rubens fala sobre o caso de corrupção na Câmara Municipal de Parauapebas
08 Outubro 2016
MARCHA PARA JESUS: Milhares de jovens nas ruas de Parauapebas
08 Outubro 2016
Corrupção é um problema de todos, você também pode combater!
06 Outubro 2016
Joelma agradece pela presença e participação em seu show na FAP 2016
12 Setembro 2016
Jake Trevisan agradecendo toda população de Parauapebas no Carajás O Jornal
06 Setembro 2016
Cantor Açaí no evento da Imprensa na FAP a pedido de Marola Show, canta para a Rainha, primeira e segunda princesa da FAP 2016.
01 Setembro 2016