China enviou nesta sexta-feira (13) felicitações a Joe Biden por sua eleição como 46º presidente dos Estados Unidos, quase uma semana após o anúncio da vitória do candidato democrata.

  • Biden recebe os parabéns do Papa e diz que buscará trabalho conjunto sobre meio ambiente e imigração
  • Fim da apuração, confirmação oficial da vitória, posse: confira os próximos passos da eleição americana

"Respeitamos a escolha do povo americano. Enviamos nossas felicitações a Biden e a Harris", declarou o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, Wang Wenbin, citando também a vice-presidente eleita, Kamala Harris.

Na segunda-feira (9), Wenbin havia se limitado a dizer: "Entendemos que o resultado das eleições presidenciais americanas será determinado de acordo com as leis e procedimentos dos EUA".

Em 2016, o presidente chinês, Xi Jinping, parabenizou o presidente dos EUA, Donald Trump, no dia seguinte à eleição.

Mas, neste ano, Trump ainda não admitiu a derrota. O republicano diz sem apresentar provas que houve fraude e tenta reverter o resultado na Justiça.

A maioria dos líderes mundiais parabenizaram Biden e Harris ainda no sábado (7), quando a vitória democrata foi projetada pelos veículos de comunicação americanos.

Agora, com o reconhecimento da China, o presidente russo, Vladimir Putin, e o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, estão entre os poucos líderes mundiais que ainda não reconhecem o resultado. A lista também inclui o presidente mexicano, López Obrador, e o ditador da Coreia do Norte, Kim Jong-Un.

Na segunda-feira (9), o porta-voz da presidência russa, Dmitri Peskov, afirmou que "é correto esperar os resultados oficiais das eleições".

Ontem, o chefe da diplomacia russa, Serguei Lavrov, chamou o sistema eleitoral americano de "arcaico" e afirmou que "parabéns são enviados antes da publicação dos resultados quando não há disputa".

 

Fonte: Por G1

A contagem de votos na cidade da Filadélfia, no estado da Pensilvânia, foi interrompida após um pedido do Partido Democrata para a Justiça do estado tomar uma decisão sobre o papel dos observadores no processo.

Os partidos podem indicar representantes para acompanhar a abertura e a contagem dos votos nos centros de apuração.

Após um homem que parecia ser observador do Partido Republicano reclamar que não conseguia enxergar as informações escritas do lado de fora de uma das cédulas, a campanha de Trump protocolou uma ação na Justiça estadual, nesta quarta-feira (4).

Nesta quinta-feira (5), uma corte deu vitória aos republicanos e determinou que os observadores dos partidos devem poder se aproximar para acompanhar o processo de contagem.

Em primeira instância, a Justiça decidiu que os observadores não podem fazer auditoria nas cédulas, mas só olhar.

A Pensilvânia é o maior dos estados onde a contagem ainda não terminou. São 20 delegados do colégio eleitoral. Até esta quinta-feira às 15h, a corrida no estado era a seguinte:

  • Donald Trump: 50,32%
  • Joe Biden: 48,53%

Isso equivale a uma liderança de 115 mil votos para Trump. Foram contados 88% das cédulas.

 

 

 

O Ibovespa Futuro abre em alta nesta quinta-feira (5) com os investidores ainda à espera do final da apuração nas eleições americanas. O democrata Joe Biden, com 264 delegados contra 214 do adversário, só precisa vencer em mais um estado para ser eleito, mas sua vantagem sobre o atual presidente Donald Trump em Nevada caiu para 6 mil votos.

Hoje, os mercados ainda ficarão atentos à decisão do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês). Não se espera uma mudança nos juros em meio à disputa eleitoral dos Estados Unidos, mas será importante acompanhar o discurso do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell.

Às 09h11 (horário de Brasília), o índice futuro para dezembro subia 1,05%, aos 99.430 pontos.

O dólar futuro com vencimento em dezembro registrava queda de 0,65%, a R$ 5,619.

No mercado de juros futuros, o DI para janeiro de 2022 cai quatro pontos-base a 3,42%, o DI para janeiro de 2023 recua três pontos-base a 5,03%, o DI para janeiro de 2025 tem queda de três pontos-base a 6,73% e o DI para janeiro de 2027 registra variação negativa de dois pontos-base a 7,52%.

Voltando aos EUA, o mercado também acompanha a composição do Congresso americano. Até a noite de quarta-feira, democratas pareciam em vias de controlar a Câmara dos Deputados, enquanto republicanos pareciam manter o controle sobre o Senado. Na manhã de quinta, o controle republicano ainda não parece assegurado, mas tampouco parece haver uma supremacia democrata.

Senadores são responsáveis por confirmar nomes indicados pelo presidente para cargos importantes, e podem impulsionar ou barrar medidas de interesse da Casa Branca.

A perspectiva de um Congresso dividido entre democratas e republicanos é vista com bons olhos por uma parcela dos investidores, temerosos de que um governo democrata excessivamente forte levaria a regulação em excesso, em especial sobre grandes empresas de tecnologia.

No noticiário europeu, o Reino Unido inicia nesta quinta-feira seu novo lockdown de um mês. E o Bank of England elevou em 150 bilhões de libras seu programa de quantitative easing, à medida que espera que a economia britânica encolha no quarto trimestre.

Vale destacar ainda que, em relatório, a Comissão Europeia previu que o Produto Interno Bruto (PIB) dos 19 países que formam a zona do euro sofrerá queda de 7,8% em 2020, menor do que a queda de 8,7% estimada em julho. Para 2021, no entanto, a projeção de avanço do PIB do bloco diminuiu de 6,1% para 4,2%. Já para 2022, a estimativa é de alta de 3%. Uma segunda onda da pandemia do novo coronavírus está comprometendo esperanças de que a economia da zona do euro tenha uma rápida recuperação.

Desoneração segue

Em julho de 2020, Bolsonaro havia vetado um dispositivo do Congresso que prorroga até o final de 2021 a desoneração da folha de pagamento de empresas de 17 setores, responsáveis por empregarem um grande contingente de pessoas, incluindo call centers, transporte, construção civil, indústria têxtil e comunicações.

Nesta quarta, o Senado e a Câmara derrubaram o veto, mantendo o benefício. A desoneração permite que as empresas contribuam com a Previdência com entre 1% e 4,5% de sua receita bruta, ao invés de recolher 20% sobre a folha de pagamento. Assim, evitam-se demissões nesses 17 setores, responsáveis por empregar cerca de 6 milhões de pessoas no Brasil.

Por outro lado, uma reunião do Conselho Deliberativo do FAT (Fundo de Amparo ao Trabalhador) decidiu por não estender por mais duas parcelas o seguro-desemprego a pessoas demitidas no período entre 20 de março e 31 de julho, o que beneficiaria 2,7 milhões de trabalhadores.

A extensão era proposta por sindicatos, e foi derrotada em uma aliança entre representantes do governo e empresários presentes no conselho do FAT, por 12 votos a 6.

Vacinação no Brasil

A farmacêutica britânica AstraZeneca anunciou nesta quinta-feira junto ao seu balanço trimestral que espera apresentar ainda neste ano dados sobre a vacina contra o coronavírus que vem desenvolvendo em parceria com a universidade de Oxford. Essas vacinas estão sendo testadas no Brasil, e devem fazer parte da estratégia do país no combate à covid.

“Os resultados dos testes em estágios avançados devem ser antecipados neste ano, dependendo da taxa de infecção nas comunidades em que os testes clínicos estão sendo conduzidos. Os dados serão enviados a reguladores e publicados em periódicos científicos”, afirmou a AstraZeneca em seus resultados.

No balanço trimestral, a AstraZeneca afirmou que as vendas mundiais de produtos aumentaram 7%, a US$ 6,52 bilhões no terceiro trimestre, acima da expectativa do mercado, que era de US$ 6,5 bilhões.

A empresa deverá produzir vacinas no Brasil em parceria com a Fiocruz. Em evento realizado na quarta-feira, o diretor de Bio-Manguinhos/Fiocruz, Maurício Zuma, afirmou que a instituição pretende iniciar a produção assim que receber o ingrediente farmacêutico ativo, antes mesmo da aprovação da Anvisa. Ele espera receber o ingrediente em janeiro, iniciar a produção e ter até 30 milhões de doses já em fevereiro.

Rosane Cuber, vice-diretora de qualidade da Bio-Manguinhos/Fiocruz afirmou que a vacina apresentou bons resultados, com desenvolvimento de anticorpos neutralizantes contra o Sars-Cov-2 em 91% dos voluntários que participaram de testes.

Além disso, em posicionamento enviado ao Supremo Tribunal Federal na quarta-feira, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou que “não vê tratamento diferenciado” quanto ao produto que está sendo desenvolvido pela chinesa Sinovac, que deverá ser produzido no Brasil pelo Instituto Butantan. Mas afirmou que deve ser respeitada “a vontade política” do governo sobre a compra de vacinas contra a covid-19.

O documento foi enviado em resposta a duas arguições de descumprimento de preceito fundamental movidas na corte por partidos de oposição, em resposta ao fato de que, em outubro, o presidente desautorizou o ministro da Saúde Eduardo Pazuello, que anunciou a intenção de comprar de 64 milhões de doses da vacina produzida pelo Butantan.

“Tão logo qualquer vacina tenha ultrapassado todas as fases de desenvolvimento e seja registrada na Anvisa, será avaliada pelo Ministério da Saúde e disponibilizada à população por meio do programa nacional de imunizações”, diz o documento.

Radar corporativo

Mais uma vez, o noticiário corporativo tem como destaque a temporada de resultados, com destaque para o resultado de Banco do Brasil, além de d1000, banco Pan, Ultrapar, São Carlos, BR Properties, Cia. Hering, Ecorodovias e Mercado Livre.

O Banco do Brasil teve lucro líquido ajustado de R$ 3,482 bilhões no terceiro trimestre, queda de 23,3% na comparação com o mesmo período de 2019, mas avanço de 5,2% ante o segundo trimestre de 2020.

A Cia Hering teve salto no lucro líquido no terceiro trimestre, que foi a R$ 155,5 milhões, mais do que o dobro do mesmo período do ano anterior. O desempenho foi puxado pela contabilização de créditos tributários.

A Ultrapar teve resultados acima da previsão de analistas no terceiro trimestre, com lucro no terceiro trimestre de R$ 277,3 milhões, queda de 9,76% frente o mesmo período do ano anterior. A expectativa de analistas ouvidos pela Refinitiv era de R$ 272,7 milhões.

A Ecorodovias anunciou lucro de R$ 71,6 milhões no terceiro trimestre, abaixo da expectativa da Refinitiv, de R$ 75,1 milhões.

O Mercado Livre reportou volume de vendas de US$ 5,9 bilhões no terceiro trimestre, alta de 62,1%.

O Mercado Pago teve alta de 91,7% em volume de pagamentos.

 

Fonte: Por Ricardo Bomfim

O dólar saltava e as moedas mais arriscadas recuavam nesta quarta-feira uma vez que os resultados iniciais da eleição presidencial norte-americana mostravam uma disputa apertada, surpreendendo investidores que apostavam em uma vitória decisiva do democrata Joe Biden.

O presidente Donald Trump venceu nos Estados decisivos da Flórida, Ohio e Texas, destruindo as esperanças do mercado de um resultado claro.

Os investidores aguardam agora os resultados de Michigan, Wisconsin e Pensilvânia, que o levaram à Casa Branca em 2016.

O dólar chegou a subir 1% quando os mercados europeus abriram, enquanto o yuan offshore, o dólar australiano e a coroa norueguesa, que durante anos sofreram o impacto das políticas protecionistas de Trump, enfraqueciam.

O dólar havia caído para uma mínima de uma semana na terça-feira com as expectativas de vitória de Biden.

O euro perdia 0,7%, a 1,1637 dólar, para o menor nível em mais de três meses, enquanto a libra perdia 1%.

 

Fonte: Por Reuters

Três dias antes das eleições presidenciais no país, Obama e Biden se reunirão no importante estado pendular de Michigan, no qual falarão sobre "a união dos americanos para enfrentar a crise que o país atravessa e vencer a batalha pela alma da nação", anunciou a equipe da campanha democrata em um comunicado.

Na semana passada, em campanha para Biden, Obama apareceu sozinho em comícios drive-in na Pensilvânia e na Flórida — dois estados que o presidente Donald Trump venceu em 2016, mas estão em disputa este ano — alertando os apoiadores de Biden contra a complacência e pedindo-lhes para votar antecipadamente.

Em seus discursos, Obama pediu aos partidários de Biden que não se apoiassem na liderança do candidato democrata segundo as pesquisas, mas votassem, lembrando-os de que Hillary Clinton era a favorita há quatro anos e acabou perdendo.

Neste ano, Biden deve recuperar o estado de Michigan, entre outros, para conseguir chegar à Casa Branca.

De acordo com as pesquisas do site RealClearPolitics, Biden aparece na frente de Trump com 7,1 pontos percentuais em âmbito nacional, e com 8,6 pontos de vantagem em Michigan.

 

Fonte: https://www.brasil247.com

 

 

Para não compartilhar a íntegra de três acordos bilionários fechados com autoridades dos Estados Unidos, a Petrobras solicitou que o ministro Luiz Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, trate a empresa como uma embaixada. 

A manifestação foi enviada ao STF em 16 de outubro, nos autos do processo em que o ex-presidente Lula requer acesso aos acordos por considerá-los essenciais para sua defesa no caso do tríplex do Guarujá e do suposto recebimento de propina da Odebrecht. 

Na peça, a Petrobras recorre a um precedente de 2ª Turma do STF. Sob relatoria do ministro aposentado Celso de Mello, o colegiado decidiu, em 2010, que a Corte não tem poder para impor o cumprimento de determinações judiciais às delegações diplomáticas estrangeiras sediadas no Brasil (HC 102.041). 

A empresa reconhece que a decisão citada diz respeito a processo envolvendo uma embaixada. Diz, no entanto, que "obrigar a Petrobras a apresentar documentos integrantes de procedimentos administrativos estrangeiros e que contém informações de titularidade do Estado estrangeiro (EUA), implicaria, por via oblíqua, violar justamente o entendimento firmado no HC 102.041, tencionando o conflito entre soberanias que esse STF quis evitar no referido precedente". 

Ainda de acordo com a manifestação, "a publicação desses documentos confidenciais pode prejudicar as referidas autoridades estrangeiras na sua capacidade de solucionar casos via acordos, uma vez que as partes interessadas serão desestimuladas a prosseguir nas tratativas, em razão da possibilidade da perda do sigilo em outros ordenamentos". 

Com base nesse argumento, a Petrobras diz que qualquer pedido de compartilhamento deve ser enviado ao Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica Internacional (DRCI), órgão brasileiro vinculado ao Ministério da Justiça e Segurança Pública, que trata da cooperação com outros países em matéria penal. 

Ocorre que a Petrobras é uma sociedade de economia mista que detém domínio sobre o acervo solicitado pela defesa de Lula. Desta forma, os acordos com os EUA foram fechados diretamente entre a empresa e autoridades norte-americanas, sem ter relação com o DRCI. 

Em manifestação ajuizada na última sexta-feira (23/10), a defesa de Lula diz que a Petrobras prestou informações incorretas e pede que a petrolífera seja condenada por litigância de má-fé. A peça é assinada pelos advogados Cristiano Zanin, Valeska Martins, Maria de Lourdes Lopes e Eliakin T. Y. Pires dos Santos. 

"Embora a Petrobras já tenha, nestes autos, tentado até mesmo se equiparar a uma embaixada para placitar a sonegação de documentos e informações, a petrolífera é uma sociedade de economia mista. A despeito do que pretende induzir, não se está cobrando neste palco, evidentemente, documentos e informações do DoJ [Departamento de Justiça dos EUA], da SEC [Securities and Exchange Commission] ou de qualquer outro órgão norte-americano, mas, sim, documentos e informações em domínio e disposição da Petrobras, empresa brasileira que, voluntariamente, se habituou como assistente de acusação da 'lava jato'", dizem os advogados. 

A defesa também diz que "a presente contenda não está a tratar — nem de longe! — De assistência mútua entre estados no processo penal, mas obviamente de elementos de prova em pleno domínio e disposição da acusação que estão sendo solapados do conhecimento da defesa". 

Inconsistência


Além da tentativa de se equiparar a uma embaixada, a peça da Petrobras contém uma série de inconsistências, de acordo com os advogados de Lula. A empresa diz, por exemplo, que os acordos não seriam pertinentes à defesa, já que não citam o ex-presidente.

Esse é, no entanto, justamente o argumento usado pela defesa do petista para pedir acesso aos acordos: mostrar que a Petrobras adotou uma tese nos Estados Unidos e outra no Brasil. Aqui, a empresa se portou como vítima, apontando a suposta participação de Lula em esquema de corrupção. No outro país, se declarou culpada, atribuindo a outros atores crimes que aqui são atribuídos a Lula.

Nos acordos, ao contrário do que diz agora, a Petrobras indicou, ainda que de forma implícita, um rol de supostos envolvidos nos atos de corrupção. A petrolífera narra a participação de ao menos quatro executivos em um esquema de recebimento de vantagens indevidas de empresários. É citado também um ex-governador de Pernambuco e um de seus assessores. 

"Logo se vê que os fatos versados perante a jurisdição norte-americana, além de estarem diretamente relacionados aos autos de origem, estão, sim, umbilicalmente ligados à existência de corrupção na Petrobras, e não de simples irregularidades contábeis. Tanto é que a petrolífera listou as condutas criminosas e seus respectivos responsáveis, sem qualquer referência — ao revés do sustentado nos autos de origem — ao ex-presidente Lula", dizem os advogados.

Os acordos

Ao todo, a Petrobras fechou três acordos com as autoridades norte-americanas: um com o Departamento de Justiça, que envolvia uma investigação criminal; outro com a SEC, que é de natureza cível; e, por fim, um acordo com investidores. 

No caso do DoJ, a empresa brasileira fechou acordo de R$ 3,5 bilhões. Do total, R$ 2,5 bi foram depositados em uma conta da 13ª Vara Federal de Curitiba. O valor seria destinado a programas de "combate à corrupção" que ficariam sob a tutela do Ministério Público Federal. 

A Petrobras diz que a conclusão dos procedimentos perante a SEC e o DoJ ocorreu quando as ações contra Lula já tramitavam no Superior Tribunal de Justiça. Assim, afirma a empresa, os acordos não foram usados pelo MPF na acusação contra Lula.

No entanto, conforme revelado pela ConJur em 2018, as autoridades brasileiras e norte-americanas já mantinham uma relação de proximidade havia alguns anos. Além disso, um Comitê Especial para ser interlocutor das investigações internas da empresa foi criado em 2014, três anos antes do ex-presidente ser condenado por Sergio Moro no caso do tríplex. À época, a Petrobras assumiu voluntariamente a posição de assistente de acusação no processo contra Lula. 

"Ao passo que essas informações são deliberadamente sonegadas da defesa, a força-tarefa sempre teve amplo acesso ao material. Neste sentido, desde pelo menos o início de 2015 havia comunicações entre o DoJ e o então coordenador da autodenominada 'força-tarefa da lava jato' em Curitiba, o procurador da República Deltan Dallagnol", dizem os advogados de Lula. 

 

Fonte: https://www.conjur.com.br

O candidato democrata à presidência dos Estados Unidos, Joe Biden, citou a destruição da floresta tropical brasileira ao criticar seu adversário, o presidente Donald Trump, que tenta a reeleição, durante o primeiro debate entre eles, na noite de terça-feira (29).

Biden acusou Trump de não usar sua influência para ajudar a defender a natureza e prometeu que, caso seja eleito, tentará reunir outros países para agir nesse sentido, inclusive ameaçando o Brasil economicamente (assista no vídeo acima).

“Está tudo desmoronando, estamos falando de alguém que não tem relação com política externa. O Brasil, a floresta tropical do Brasil, está sendo demolida, está sendo destruída, mais carbono é absorvido naquela floresta tropical do que cada pedacinho de carbono que é emitido nos Estados Unidos. Em vez de fazer algo a respeito… eu estaria me reunindo e garantindo que os países do mundo venham com US$ 20 bilhões e digam ‘aqui estão US$ 20 bilhões pare, pare de derrubar a floresta e se não fizer isso, você terá consequências econômicas significativas’”, disse.

Ainda falando sobre meio ambiente, Trump tentou ligar Biden à esquerda radical e disse que o plano ambiental do democrata era o "Green New Deal", apoiado por políticos como Bernie Sanders. Biden, entretanto, respondeu que “Não apoio o Green New Deal. Apoio o plano Biden que apresentei”.

 

Fonte: Por G1

 

Milhares de pessoas saíram às ruas para protestar nesta quarta-feira (23) na cidade americana de Louisville, depois que a Justiça se limitou a acusar, de forma indireta, apenas um dos policiais envolvidos no tiroteio que causou a morte da enfermeira negra Breonna Taylor, cujo nome se tornou um dos símbolos do movimento contra o racismo.

Dois agentes de segurança foram baleados durante a manifestação. O chefe de polícia interino de Louisville, Robert Schroeder, disse que uma pessoa foi detida, mas não deu detalhes sobre o suspeito. Os dois policiais feridos foram hospitalizados, e um deles passa por cirurgia.

Durante a tarde, vários manifestantes foram presos enquanto os protestos avançavam pela principal cidade do estado de Kentucky, com 600 mil habitantes. Lojas do centro da cidade protegeram suas fachadas ante o temor de uma onda de violência gerada pela decisão judicial. O município decretou estado de emergência e convocou um toque de recolher a partir das 21h locais.

Decisão polêmica

Um júri de Kentucky decidiu não acusar nenhum policial diretamente pela morte de Breonna, de 26 anos, morta por agentes de segurança dentro do apartamento onde morava durante uma ação de busca de drogas — nenhum entorpecente foi encontrado, na ocasião.

Em vez disso, a justiça apenas formalizou acusação contra o policial Brett Hankison. Ele responderá por colocar a vizinhança em perigo e agir com indiferença ao disparar em casas vizinhas à de Taylor.

Ou seja, nem ele nem nenhum outro policial por enquanto vai responder diretamente por matar Breonna Taylor, segundo a agência Associated Press.

O advogado da família de Taylor, Ben Crump, chamou a decisão de "revoltante e ofensiva". Os manifestantes saíram às ruas de Louisville com os gritos de "sem justiça, sem paz".

Hankinson foi demitido da polícia em 23 de junho. Na carta de demissão, o chefe da corporação, Robert Schroeder, disse que o policial violou procedimentos ao mostrar "extrema indiferença ao valor da vida humana ao disparar cega e arbitrariamente" contra vizinhos.

Nenhum dos tiros disparados por Hankison, porém, atingiu Taylor. Ela foi atingida por seis disparos feitos por outros policiais, que não foram acusados.

Na semana passada, a prefeitura de Louisville, cidade onde Taylor foi morta, concordou em pagar US$ 12 milhões à família da jovem. Além disso, pelo acordo firmado entre o prefeito e aos parentes de Taylor, a polícia precisará investir em reformas na corporação para evitar que novas ações terminem em morte. O FBI ainda investigará se houve violações às leis federais.

Confundido policiais com ladrões

Os dois colegas de Hankison, Jonathan Mattingly e Myles Cosgrove, destituídos em junho, foram liberados, porque o tribunal considerou que eles agiram em legítima defesa.

Segundo a imprensa local, Hankison apresentou-se em uma prisão da região e, em seguida, foi colocado em liberdade, após o pagamento de uma fiança de US$ 15 mil, quantia bem menor do que em casos semelhantes. Demitido pela polícia de Louisville em junho, ele pode ser condenado a até 15 anos de prisão.

Breonna Taylor morreu em sua residência na noite de 13 de março, quando os policiais entraram com um mandado especial, vestidos à paisana. Seu namorado atirou contra eles porque, segundo ele, pensou que eram ladrões. Os policiais, que não estavam com a câmera reguladora ativada, dispararam várias vezes contra a enfermeira.

O namorado de Breonna garantiu que confundiu os policiais com ladrões, mas os policiais afirmaram ter anunciado sua presença antes de entrar, uma versão confirmada por uma testemunha, de acordo com o promotor Cameron.

A investigação não determinou qual dos policiais matou a mulher. "Segundo a lei de Kentucky, o uso da força por Mattingly e Costgrove foi justificado, porque eles se protegeram", assinalou o promotor.

Toque de recolher

"Irmã, o sistema para o qual você trabalhava tão arduamente te abandonou", reagiu no Instagram Juniyah Palmer, irmã da vítima. O advogado da família Taylor, Ben Crump, expressou em comunicado sua indignação: "Isso constitui um novo exemplo de ausência de responsabilidade pelo genocídio dos negros cometido por policiais. É irônico e típico que a única acusação neste caso seja por tiros disparados no apartamento de um vizinho branco."

A morte de Breonna não despertou muita atenção da imprensa no momento dos fatos, mas o caso ganhou notoriedade após as manifestações em massa contra o racismo que se espalharam pelo país após a morte de George Floyd.

"Sei que a decisão anunciada hoje não irá contentar a todos", reconheceu o promotor Cameron, que confessou ter tido "uma conversa difícil" com a família Taylor. "Entendo perfeitamente o sofrimento causado pela perda trágica da senhora Taylor. Entendo como promotor e como negro."

Cameron pediu àqueles que forem às ruas para "lembrarem que marchas pacíficas" são seu "direito como cidadãos americanos", mas que "violência e destruição", não. "Buscar justiça com violência não rende justiça, e sim, vingança", declarou.

O caso de Taylor foi especialmente lembrado durante a onda de protestos contra a violência policial e o racismo que abalou os Estados Unidos depois da morte de George Floyd em 25 de maio - um americano negro que morreu asfixiado por um policial branco em Minneapolis.

 

Fonte: Por France Presse

Ian Webster, paleontólogo da Califórnia, EUA, criou um mapa interativo que permite que as pessoas vejam o quanto as cidades se moveram ao longo de 750 milhões de anos de deriva continental.

A visualização apresenta várias ferramentas que facilitam descobrir mais coisas sobre a Terra, como onde viveram os primeiros répteis ou quando a primeira flor floresceu.

"Isso mostra que nosso ambiente é dinâmico e pode mudar", afirmou Webster ao canal de televisão CNN. "A história da Terra é mais longa do que podemos conceber, e o arranjo atual das placas tectônicas e continentes é um acidente do tempo. Será muito diferente no futuro, e a Terra pode sobreviver a todos nós."

O site foi construído utilizando outros mapas e softwares que permitem visualizar a reconstrução de placas tectônicas e dados associados ao longo do tempo geológico. "Meu software 'geocodifica' a localização do usuário e, em seguida, usa modelos para executar sua localização retroativamente no tempo", explica Webster.

Ao pesquisar um local no mapa, o globo 3D indicará onde essa área estava localizada na Terra milhões de anos atrás. O mapa mostra até quais dinossauros viviam nas proximidades da área que pesquisaram.

"O objetivo é despertar o fascínio e, com sorte, o respeito pelos cientistas que trabalham todos os dias para entender melhor nosso mundo e o passado", garante Webster.

 

Fonte: https://br.sputniknews.com

O Ibovespa fechou em alta nesta segunda-feira (10) com uma série de boas notícias para os investidores impacientes com um desfecho para o impasse entre republicanos e democratas no Congresso dos Estados Unidos.

A principal delas é que o presidente americano Donald Trump disse que a presidente da Câmara dos EUA, a democrata Nancy Pelosi, e o senador Chuck Schumer, manifestaram o desejo de se reunirem com ele para fazer um acordo em torno do pacote de mais de US$ 1 trilhão em estímulos para enfrentar os impactos econômicos do coronavírus no país.

Essa informação veio depois do secretário do Tesouro americano, Steven Mnuchin, afirmar que o Congresso pode chegar nesta semana a um acordo para o pacote de estímulos.

Mais cedo, Trump assinou uma série de ordens executivas para estender os estímulos econômicos contra os efeitos do coronavírus. Entre as medidas está a expansão dos benefícios a desempregados. Apesar de analistas questionarem até mesmo a legalidade das ordens de Trump, eles concordam que a atitude serve pelo menos para pressionar o Legislativo a acelerar as negociações.

Na esteira dessas notícias, os índices Dow Jones e S&P 500 subiram 1,3% e 0,27% respectivamente, ao passo que o Nasdaq, de empresas de alta tecnologia, caiu 0,39% pressionado pelas vendas por conta das tensões entre EUA e China.

Por aqui, o Ibovespa fechou em alta de 0,65% a 103.444 pontos com volume financeiro negociado de R$ 24,826 bilhões.

No noticiário local, o governo tenta aprovar o marco legal para o setor de gás natural. O projeto de lei tramita em regime de urgência na Câmara dos Deputados e o Ministério de Minas e Energia espera que sua aprovação renda R$ 40 bilhões em investimentos.

Ainda no radar político, em entrevista ao jornal Estado de S. Paulo publicada neste domingo, Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara, afirmou que vai barrar qualquer tentativa de burlar o teto de gastos.

Com isso, o câmbio chegou a registrar uma sessão de queda, mas a piora em alguns índices do exterior como o Nasdaq acabou revertendo a tendência. O dólar comercial terminou a sessão em alta de 0,97% a R$ 5,4642 na compra e a R$ 5,4649 na venda. Enquanto isso, o dólar futuro para setembro tem alta de 0,54% a R$ 5,474 no after-market.

No mercado de juros futuros, o DI para janeiro de 2022 subiu quatro pontos-base a 2,69%, o DI para janeiro de 2023 teve variação positiva de seis pontos-base a 3,80% e o DI para janeiro de 2025 avançou seis pontos-base a 5,47%.

Embora a expectativa em torno dos estímulos econômicos para os Estados Unidos tenha contribuído para o bom humor dos mercados, a disputa entre as duas maiores economias do mundo preocupa.

O Ministério das Relações Exteriores da China anunciou que vai impor sanções a 11 cidadãos americanos em uma resposta a uma ação similar dos Estados Unidos contra autoridades chinesas e aliados em Hong Kong.

Relatório Focus

Os economistas do mercado financeiro elevaram levemente nesta semana as projeções para o Produto Interno Bruto (PIB) em 2020, mostrou o Relatório Focus do Banco Central. A mediana das expectativas foi de -5,66% para -5,62%.

Já para 2021 as projeções se mantiveram em crescimento de 3,5% da atividade econômica brasileira.

Em relação ao Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) as expectativas foram mantidas em 1,63% para 2020 e em 3% para 2021.

Já para o dólar a expectativa dos economistas seguiu em R$ 5,20 para o fim de 2020 e em R$ 5,00 para o fim de 2021.

Por fim, a mediana das estimativas do mercado para a taxa básica de juros, Selic, ficou estável em 2,00% ao ano para 2020 e em 3,00% ao ano para 2021.

Em entrevista ao jornal Estado de S. Paulo publicada neste domingo, Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara, afirmou que vai barrar qualquer tentativa de burlar o teto de gastos.

“O governo não pode querer usar o Parlamento como instrumento dessas soluções heterodoxas [manobras para ultrapassar o teto de gastos]. Não dá para usar um projeto, uma PEC, pelo menos na Câmara, para burlar o teto de gastos. Se o governo tiver essa intenção, eu discordo e vou trabalhar contra”, afirmou.

“Este ano o governo está protegido pela PEC do orçamento de guerra, mas se o governo editar 1 crédito extraordinário e depois transformar em restos a pagar (para ampliar o espaço para gastar em 2021), aí pode ser uma pedalada“, disse ele.

Novo marco legal e Caixa

O novo marco legal para o setor de gás natural pode destravar R$ 40 bilhões em investimentos, disse o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, em entrevista à Record News na sexta-feira à noite.

O projeto de lei (PL) tramita em regime de urgência na Câmara dos Deputados e há expectativa de que seja votado ainda em agosto, segundo o ministro.

Após a aprovação na Câmara, Albuquerque também se mostrou confiante na tramitação do PL no Senado Federal.

Ainda no radar político, o presidente Jair Bolsonaro editou a medida provisória 995 que permite à Caixa Econômica Federal constituir novas subsidiárias, inclusive pela incorporação de ações de outras sociedades empresariais, conforme edição extra do “Diário Oficial da União” (DOU) do último sábado.

A medida provisória também permite que a Caixa adquira o “controle societário ou participação societária minoritária em sociedades empresariais privadas”.

A autorização dada a Caixa pela MP tem por finalidade, segundo o texto da norma, “executar atividades compreendidas nos objetos sociais das subsidiárias” do banco estatal ou complementares a estes.

Radar corporativo

O secretário especial de Desestatização do Ministério da Economia, Salim Mattar, afirmou na sexta-feira à noite que o governo federal reduzirá em 100% a sua participação na mineradora Vale, frisando não ser objetivo do poder público ser acionista de companhias.

No início desta semana, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) levantou R$ 8,1 bilhões com a venda de um bloco de ações da mineradora Vale.

Mattar pontuou que o governo tem ainda ações da companhia próximas desse valor e que podem ser vendidas.

E em seu processo de venda de ativos, a Petrobras informou na sexta-feira à noite que avançou na venda das participações de 35% no campo de Manati, na Bahia, e do chamado Polo Ceará, ambos em águas rasas.

Para os ativos na Bahia, potenciais compradores classificados em fase anterior receberão carta-convite com instruções para “due diligence” e envio de ofertas vinculantes, enquanto os campos no Ceará ainda estão na chamada etapa não-vinculante.

No campo de Manati, na bacia de Camamu, a Petrobras é operadora e tem como sócias a Enauta (com 45%), a Geopark Brasil E&P (10%) e a Brasoil Manati (10%). Já o polo no Ceará pertence 100% à estatal e compreende os campos de Atum, Curimã, Espada e Xaréu.

 

Fonte: Por Ricardo Bomfim

Página 1 de 2
Loading
https://carajasojornal.com.br/modules/mod_image_show_gk4/cache/Publicidade.2018.Sophos_2019gk-is-100.jpglink
https://carajasojornal.com.br/modules/mod_image_show_gk4/cache/Publicidade.galpogk-is-100.jpglink