A Polícia Civil do Pará suspendeu, pelo prazo de 15 dias, a emissão de carteiras de identidade em todos os postos de identificação da instituição. A medida foi publicada nesta segunda-feira (23), no boletim interno da instituição.

O atendimento ao público também está suspenso e pode ser realizado por meio eletrônico, via mensagens de aplicativo ou telefônico. A medida tem como principal objetivo a não aglomeração de pessoas em espaço fechado para prevenir a proliferação do novo coronavírus.

Em todas as suas unidades, a Polícia Civil adotou o regime de escala e revezamento no expediente administrativo. Para os servidores foram distribuidos 10 mil kits contendo máscaras cirúrgicas e luvas para ajudar na proteção no trabalho.

 
Fomte: G1 Pará
 

O novo prédio, localizado na avenida Magalhães Barata, no bairro de São Brás, é secular, com 107 anos, fundado na época do ciclo da borracha. Locado pelo governo do Estado, o espaço vai receber denúncias de todo o Pará, apesar de haver municípios pólos, com outras subsedes, como Marabá e Santarém.

O ambiente passou por uma reforma para sediar a Corregedoria, que funcionará com 18 comissões para atuar em demandas da região metropolitana. Além disso, no local, há um registro, uma espécie de acolhimento das pessoas que são vítimas de abuso de policiais militares.

Marcelo Mangas justificou sua felicidade em trabalhar no órgão, ao relatar que, para fazer parte da Corregedoria, o primeiro passo é ter uma carreira limpa, digna, além do compromisso de fazer a Polícia Militar uma instituição melhor cada dia.

"Infelizmente, nós temos problemas, como qualquer instituição possui, e o nosso papel é depurar justamente essas situações, que são atípicas. É um sonho ver essa inauguração que lutamos para ser realidade, já que a gente esbarrava em burocracia e contenção de despesas. Mas, finalmente, nesse governo, conseguimos esse marco histórico. Temos espaço próprio, mais liberdade, novos ambientes, um local de acolhimento melhor para as pessoas que nos procuram", destacou o major PM.

Instituição – A cerimônia de inauguração também celebrou os 26 anos de existência da Corregedoria, que nunca teve uma sede própria, estando integrada a outras unidades da Polícia Militar ou Polícia Civil. Porém, com o passar dos anos, o órgão cresceu, interiorizou e hoje está presente em todas as regiões. Ela é responsável pela correção e pelo trabalho preventivo junto a mais de 17 mil policiais militares.

O corregedor geral da Polícia Militar, coronel Albernando da Silva, ressaltou o trabalho e a importância da instituição. "Ano passado, adotou-se mais de 6 mil atos disciplinares em todo Estado, por isso, necessitávamos de uma sede nova, com condições de trabalho, com dignidade, o que foi proporcionado neste governo. Hoje, a gente tem que agradecer por essa possibilidade, já que a Corregedoria é importante para todos e muito mais para a sociedade".

Em 2018, foram registrados mais de 3 mil atos, entre inquéritos, sindicâncias e processos disciplinares. O levantamento é feito ao final de cada ano. Um gráfico verifica os casos mais recorrentes de desvios de condutas, onde o trabalho é focado, além da atuação de forma repressiva, ou seja, instaurando procedimentos de investigação e demissionário, por exemplo, e processos para outras punições, dependendo da transgressão cometida pelo policial.

Para o comandante geral da Polícia Militar no Pará, coronel Dilson Júnior, "a sede é muito importante porque dá condições de trabalho". Segundo ele, o espaço antigo, que funcionava no complexo da Delegacia Geral da Polícia Civil, já estava pequeno. "Trabalhamos com processos e eles precisam estar bem acondicionados, ter segurança para que não se extravie nenhum tipo de documento ou perícia. Pra nós, é motivo de alegria, um compromisso do nosso governador de fortalecer a Corregedoria da Polícia Militar e, com isso, uma instituição cada vez mais forte".

Compromisso – O chefe do Poder Executivo, Helder Barbalho, lembrou que o fortalecimento da polícia e a qualidade da mesma é, absolutamente, estratégico para atingir o objetivo de levar paz a população do Estado, além de ser fundamental para as ações de orientações, prevenção e correção, para que a tropa esteja no patamar de qualidade e de comprometimento à altura de servir a sociedade paraense.

"Nós compreendemos que os resultados são fruto de diversas iniciativas, de polícia presente, próxima da população, da ampliação do nosso efetivo e da estrutura para bem servir a população. Mas também do ato de orientação e, se necessário, de correção para aqueles que, por ventura, não estiverem dentro das linhas de comportamento que partem das premissas de servir a sociedade paraense no uso da farda de policial militar. Todas estas iniciativas, trabalhando de maneira conjunta, permitem os resultados que hoje nos são extremamente relevante, de redução de criminalidade, para garantir um direito da população paraense de viver em paz", afirmou.

Fonte: Agencia Pará

O salvamento da menina Maria Alice, de apenas 8 meses, envolvendo seis policiais militares do Batalhão de Polícia Rodoviária Estadual (BPRV), foi reconhecido pelo Governo do Estado. Na noite de sexta-feira (24), o governador Helder Barbalho condecorou os militares com Menção Honrosa, na cerimônia de Ato de Concessão de Mérito por Atuação em Ocorrência, realizada no Palácio do Governo, em Belém. Os homenageados são os sargentos Jorge Macedo da Silva e Elias Lima Lucas, cabo Thércio Júnior Pinheiro de Lima e soldados Abraão Moura Lobato, Marcelo Santos da Luz Filho e Jefferson Batista de Almeida.

O governador enalteceu a atuação decisiva dos PMs, que definiu como exemplo e regra da instituição. "É motivo de muito orgulho ver uma iniciativa como essa da corporação, e particularmente desta guarnição, que pôde, com muita competência e frieza técnica, salvar a vida daquela criança. Demonstraram preparo e, acima de tudo, o quanto é importante valorizar esses policiais", enfatizou Helder Barbalho. 

"A sociedade pode contar com uma Polícia Militar que está sempre à disposição para servir, e por isso fiz questão de reforçar que aqueles que fazem a regra desta instituição sempre terão o apoio, compromisso e reforço por parte do Governo do Estado, para que possamos servir bem à população paraense", reiterou o governador.

O comandante-geral da Polícia Militar, coronel Dilson Júnior, disse que a honraria materializa o reconhecimento da sociedade ao ato dos PMs. "A criança foi salva com técnicas de ressuscitação, e por isso ficamos muito felizes em poder mostrar que a corporação é formada de homens e mulheres capazes de servir e proteger", destacou.

O sargento Jorge Silva, com 27 anos de serviços prestados à Polícia Militar, foi quem que recebeu Maria Alice já desfalecida, e aplicou as técnicas de reanimação. "Uma das nossas premissas é salvar vidas. Para nós, era um dia comum. Em uma situação de desespero como foi essa, a gente pensa na nossa própria família, nos filhos, e se coloca no lugar. Eu tenho a sensação do dever cumprido, e agradeço muito a toda a guarnição por isso. Merecem todos os méritos", afirmou o policial.

Socorro - Na tarde de quinta-feira (23), militares do BPRV em serviço no Posto de Controle Rodoviário Barra Uno, localizado na Rodovia PA-391, que leva à Ilha de Mosqueiro, socorreram Maria Alice, que estava engasgada.

Por volta de 13h40, um veículo particular parou no posto, e a mãe da menina, desesperada, informou que a criança havia se engasgado e não estava respirando. De imediato, o sargento Jorge da Silva pegou a criança e realizou técnicas de primeiros-socorros e procedimentos de atendimento pré-hospitalar, fazendo com que a bebê voltasse a respirar.

Os militares a levaram para a Unidade de Saúde do município de Santa Bárbara do Pará, à margem da rodovia. No local, foi constatado ainda que a avó da criança estava tendo uma parada cardiorrespiratória, devido ao nervosismo motivado pela situação. Ela também foi socorrida pelos policiais militares e pela equipe médica da unidade.

Por Carol Menezes

Três policiais militares e uma motorista (não policial) são acusados de integrar um grupo de milícia responsável por mortes e tentativas de homicídio em Marituba e no distrito de Benfica, em Benevides, Região Metropolitana de Belém (RMB).

A Polícia Civil chegou aos quatro após realizar a operação “Ronda Noturna” na madrugada desta segunda-feira (13), que resultou no cumprimento dos mandados de prisão em Belém e na Região Metropolitana.

Eles são ligados a uma empresa de vigilância de propriedade de um policial militar. Essa empresa presta serviços de vigilância privada nos bairros Nova Marituba e Decouville, e no Conjunto Beija-Flor (Marituba).

MORTES - Eles são apontados também como autores de vários homicídios ocorridos nas áreas citadas, em que as vítimas seriam pessoas suspeitas de furtarem e roubarem clientes inadimplentes da empresa e moradores suspeitos de passarem informação à Polícia sobre as mortes praticadas pelo grupo.

Os mandados de busca e apreensão foram cumpridos na sede da empresa, onde foram apreendidos: celulares, munições deflagradas de calibres diversos, capas de colete balístico, cassetetes, balaclavas (capuzes) e fardamento.

(Com informações da Polícia Civil)

Fato: DOL

A Polícia Militar do Rio de Janeiro recebeu hoje (9) mil fuzis modelo Parafal , calibre 7,62 mm, por meio de doação do Exército. De acordo com o Comando Militar do Leste (CML), os fuzis foram confeccionados pela Indústria de Material Bélico do Brasil (Imbel) e têm três opções de funcionamento, o semiautomático, o automático e o de repetição. Cada um pesa cerca de 4,5 Kg e o seu carregador tem capacidade para 20 munições. A coronha rebatível, “facilita o transporte em viaturas e o manuseio em espaços confinados, reduzindo o risco de disparos acidentais”.

A entrega faz parte da programação de liberação de materiais, acertada no período da intervenção federal na Segurança Pública do Rio de Janeiro, que ocorreu entre fevereiro e dezembro do ano passado. A cerimônia de entrega do armamento foi no Quartel do 1° Batalhão de Guardas, em São Cristóvão, zona norte do Rio.

“Nós optamos por fazer essa entrega do armamento aqui no quartel por ser um lugar seguro, uma entrega simbólica do armamento aqui neste local”, disse o secretário da Intervenção, general Sérgio José Pereira.

Segundo o general, diante da urgência das polícias civil e militar em terem o armamento, ficou definido que a aquisição das armas seria ou por meio de licitação para a compra dos equipamentos ou com a doação do Exército. “Foi a doação por parte do Exército pelo imediatismo e a necessidade urgente”, disse.

O general Sérgio José Pereira disse que antes de serem entregues as armas passaram por manutenção do Exército. “Esses fuzis são do Exército, foram doados, mas antes foram feitas a manutenção, potencializados e estão sendo entregues agora para a Polícia Militar. Estão prontos para uso”, assegurou.

Distribuição

A Secretaria de Estado da Polícia Militar do Rio de Janeiro informou à Agência Brasil que os armamentos serão distribuídos dentro das necessidades e empregados no policiamento ostensivo das ruas de todo o estado, uma vez que o comando “realiza análises frequentes sobre as necessidades estruturais e logísticas das unidades da corporação.

De acordo com o general, a Polícia Militar ainda vai receber pistolas, que foram compradas por meio de contratos. “Vamos receber, posteriormente, porque depende de contratos. As quantidades eram muito grandes e nossos prazos muito pequenos. O material não é material de prateleira, então, depende de especificação”, explicou.

O secretário informou ainda que todos os pedidos e entregas foram coordenadas durante o período da intervenção. “As polícias e secretarias intervencionadas levantaram as suas demandas, que foram analisadas, e adquiridas pela Secretaria de Administração. Os contratos correram processo de licitação normal, foram assinados e as entregas vão ocorrer durante o transcorrer do ano, com exceção dos helicópteros, que serão somente em 2021”, disse.

Fato: Agencia Brasil

O município de Marabá, polo do sudeste paraense, já conta com o reforço de mais 100 policiais militares nas ações de segurança pública. A solenidade de formatura dos soldados ocorreu nesta sexta-feira (3), no Centro de Convenções da sede municipal. A solenidade, que contou com a presença do governador Helder Barbalho, também encerrou o I Encontro Regional de Educação, realizado durante dois dias.

O Curso de Formação de Praças 2018/2019 foi iniciado em agosto do ano passado, no Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praças (Cfap) – polos Belém, Santa Izabel do Pará e Castanhal. Ao longo de nove meses, os alunos tiveram aulas de 38 disciplinas, entre as quais treinamento físico-militar, armamento, munição e tiro policial, táticas e técnicas policial-militar, ética, cidadania e direitos humanos, segurança pública e comunicação social. A formação foi coordenada pela Diretoria de Ensino e Instrução da PM.

Autoridades civis e militares, além de familiares dos novos soldados, acompanharam a formatura. O momento mais importante da solenidade foi a entrega das divisas de soldado e do distintivo do curso de formação. O evento contou ainda com uma apresentação de finalização do curso, quando os novos soldados marcharam e jogaram os quepes para o alto.

A soldado PM Carmen de Souza Araújo não conteve a emoção ao final da cerimônia. “Foram nove meses de muita luta, muitas dificuldades, mas finalmente a gente conseguiu concluir. O momento, agora, é de felicidade, junto com os colegas do trabalho e a família. Estamos preparados e capacitados para atuar nas ruas e ser bem-sucedidos”, declarou.

O comandante-geral da PM, coronel José Dilson Melo de Souza Júnior, destacou a importância do reforço com os novos soldados. “Eles vão representar um grande avanço para nossa instituição. Nós temos certeza que, ao final desses quatros anos, vamos ter uma Polícia Militar bem mais operacional, presente e próxima da população paraense”, reiterou o coronel.

Concurso público - Segundo o governador Helder Barbalho, “os novos soldados ajudarão a importante missão de servir ao Estado”, e frisou que, no início do segundo semestre, o governo realizará o maior concurso público da história da PM do Pará, ofertando 7 mil vagas. A chamada para o trabalho será gradativa, de acordo com a capacidade financeira do Estado.

O governador ressaltou a determinação de recompor o quantitativo da tropa da PM. “Estamos buscando fazer com que esse efetivo seja recuperado, para estar mais próximo à população. Festejo nós estarmos dando posse a 530 novos policiais. Aqui, em Marabá, são 100 novos policiais que estarão atendendo essa região. Nós deveríamos ter 31 mil policiais; hoje nós temos 16.500. Portanto, nós temos um desafio enorme. Lamentavelmente, ao longo do tempo, não houve reposição, mas nós estamos avançando no sentindo de garantir que, até o fim do nosso governo, possamos estar com essa reposição garantida e, acima de tudo, com a polícia mais próxima da população”, acrescentou Helder Barbalho.

“Direito de aprender” – Ainda no Centro de Convenções foi realizado o Encontro Regional de Educação do Pará, com o tema “Os desafios da educação pública paraense e a garantia do direito de aprender”, com o objetivo de identificar problemas e discutir formas de melhorar o atual cenário educacional do Pará.

O evento reuniu gestores de Ures (unidades regionais de Educação), diretores e técnicos de escola, prefeitos e secretários municipais de Educação e conselheiros escolares dos municípios do sudeste paraense. No primeiro dia houve apresentação do cenário educacional do País e do Pará, por meio de debates e palestras.

A secretária de Estado de Educação, Leila Freire, avaliou o primeiro encontro como um grande passo para a mudança de visão sobre a educação no Estado. “Concluímos um primeiro encontro no polo regional de Marabá com maestria. O objetivo de discutir e analisar os desafios que se colocam para a educação no Estado do Pará foi primordial para, a partir desses desafios, construirmos uma agenda de aprendizagem. Considero o evento um sucesso, o primeiro de muitos que virão. Vamos, agora, começar a colocar em ação a agenda de aprendizagem, sempre visando à qualidade e à retomada das políticas educacionais para o Pará”, disse a secretária.

O evento contou com a apresentação de alunos da Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio Tatakti Kyikatejê, que atende à etnia Gavião Kyikatejê, localizada na terra indígena Mãe Maria, no município de Bom Jesus do Tocantins.

Simbologia - Após a apresentação, o grupo entregou ao governador um arco e flecha. Segundo Concita Sompré, professora da rede estadual e do curso de Licenciatura Intercultural Indígena, “o arco e a flecha para o povo indígena da Mãe Maria, o povo Kyikatejê, representa, primeiramente, força, garra, determinação e pontaria, ou seja, atingir o alvo e o objetivo. Nós passamos isso pro governador como uma forma de dizer que ele é um guerreiro, por estar à frente dessa demanda, desses desafios que tem pela frente. O arco vai representar para ele a determinação, o alvo e a pontaria que ele precisa acertar. Tudo isso junto simboliza aquilo que é, pra nós, essa longa caminhada”.

“A apresentação vem aliar a política deste governo que  nos incluindo. Ela vem dizer para o governo que nós nos sentimos representados por ele nessa nova gestão, na forma como está trabalhando a diversidade do Pará, dos povos que aqui existem. Se para a não indígena a educação já é um desafio, imagina para os povos indígenas, que estão ainda muito mais atrasados no sistema de educação. Atrasado porque o ensino não chega como deveria, na forma como nós precisamos, através de nossa grade curricular, da nossa especificidade. O governo nos acolheu e  disposto, através da Secretaria de Educação, a trabalhar essa diversidade não como uma barreira, mas como um desafio a ser vencido”, concluiu a professora.

Também estiveram presentes o vice-governador, Lúcio Vale; o presidente da Assembleia Legislativa do Pará, Daniel Santos; o secretário de Estado de Segurança Pública e Defesa Social, Ualame Machado; o secretário Regional do Sul e Sudeste, João Chamon Neto, e o deputado estadual Toni Cunha. (Com informações da Ascom Seduc e Ascom PM).

Por William Serique

A vítima, identificada como Antônio Francisco Alves de Albuquerque, conhecido por ‘Macaxeira’, cavador de poço, foi assassinada com um tiro na cabeça pela sua própria companheira, Maria Luciene Alves, que usou uma arma de pressão adaptada para calibre 22 para cometer o crime.

O crime ocorreu na cidade de Eldorado do Carajás, por volta das 21h, deste domingo (24) na residência do casal, localizada na Rua da Felicidade, Bairro Abaeté km 02, um dos mais populosos da cidade. Maria Alves foi presa em flagrante pela Polícia Militar.

Informações levantadas por nossa reportagem, dão conta de que a esposa teria iniciado uma discussão com a vítima sob efeito de álcool.  A criminosa foi presa pela guarnição comandada pelo PM CB Assunção, SD Leandro, SD Pereira e SD Rios, para ser feito os procedimentos legais.

No momento da prisão a acusada disse: “nós estávamos apenas defendendo o que era nosso”, e que não matou ninguém, a vítima foi quem apertou em seu dedo”.    

(Por: Salém Campos)

 

Major Gledson Melo dos Santos é o novo comandante do 23º Batalhão de Polícia Militar, e terá como subcomandante Major Emmett Alexandre da Silva Moulton. Gledson conhece a realidades de Parauapebas, esteve a serviço da comunidade durante 14 anos. Após 4 anos servindo na cidade de  São Félix foi indicado para voltar a Parauapebas, e se mostra contente com o retorno.

Observando o crescimento populacional acompanhado da criminalidade, Gledson enfatiza que as guarnições estarão ativas nos bairros com maior incidência de crimes. Uma das ações do novo comandante é a reativação do PROED (O Programa Educacional de Resistência às Drogas). O major enfatiza, “a área do batalhão são de 4 municípios ( Canãa, Curionópolis, Eldorado e Parauapebas). Estamos nos organizando para aplicar o PROERD em Serra Pelada, já que a comunidade é muito vulnerável a essa situação”.

O comandante ainda fala sobre a relação da polícia com a comunidade. “Qualquer cidadão de bem, que queira visitar o nosso Quartel, enfatizo que a nossa base estará de portas abertas. Receberei com imenso prazer o cidadão que quer conhecer o trabalho da polícia e cooperar para o bom andamento do município”,  ressalta o Major.

(Reportagem: Raquel Sá) 

 

 

 

 

O Quartel do Comando Geral da Polícia Militar de Parauapebas recebeu na manhã desta quinta-feira, 10, a visita da imagem peregrina de São Sebastião. A imagem, conduzida pelo pároco da paróquia, Pe. Patrick, foi recepcionada pelos oficiais da corporação, Médicos da Alegria e demais membros da comunidade.

A imagem de São Sebastião foi recebida com honras pela Banda da Guarda municipal, logo após foi feita uma celebração conduzida pelo Pe. Patrick.

Padre Patrick concede entrevista ao portal. 

Banda da Guarda Municipal e Médicos da alegria participaram da visita. 

Após a cerimônia em entrevista à equipe de reportagem do Portal Carajás o Jornal, o celebrante falou da importância da visita da imagem peregrina  “Está no calendário festivo da comunidade as visitas ao quartel da Policia Militar,  uma vez que, São Sebastião é padroeiro dos militares. E também reconhecer o papel desses homens e mulheres em defesa da população parauapebense, rogando a Deus uma benção sobre a vida deles, os protegendo de todos os perigos que eles são expostos em decorrência da profissão.” – diz Pe. Patrick.

Saiba mais sobre o padroeiro de Parauapebas

São Sebastião nasceu na cidade de Narbona, na França, em 256 d.C. Sebastião optou por seguir a carreira militar de seu pai.

No exército romano, chegou a ser Capitão da 1ª da guarda pretoriana. Esse cargo só era ocupado por pessoas ilustres, dignas e corretas. Sebastião era muito dedicado à carreira, tendo o reconhecimento dos amigos e até mesmo do imperador romano.

 

 (Reportagem: Raquel Sá) 

Comerciantes do Núcleo Cidade Nova, mais exatamente da Avenida Nagib Mutran e transversais e entorno da Praça São Francisco, continuam trabalhando “com o coração na mão”. Após um mês da primeira reunião com representantes da Policia Militar, na manhã desta quinta-feira (13) eles tornaram a se reunir a fim de tentarem achar uma solução para os graves problemas de assaltos e arrombamentos dos quais são vítimas frequentemente, contabilizando prejuízos financeiros e traumas psicológicos.

Desta vez a reunião ocorreu no Ministério Público do Estado, com a presença da promotora de Justiça Josélia Leontina de Barros Lopes e representantes da prefeitura, Guarda Municipal, Departamento Municipal de Trânsito e Polícia Militar. A Polícia Civil não enviou representante, uma vez que a superintendente estava em Belém em reunião de trabalho.

Como da primeira vez, a reunião foi coordenada pelo Sindicato Patronal do Comércio Varejista de Marabá (Sindicom), representado pelo vice-presidente Raimundo Alves da Costa Neto, e pelos diretores Francisco Arnilson de Assis e Maria do Livramento Sá de Almeida, a Lia da Liberdade.

No dia 14 de agosto passado, uma primeira reunião aconteceu em uma das salas do Senac, ocasião em que o subcomandante do 4º Batalhão de Polícia Militar, major Hélio Ernani Oeiras Formigosa, e o comandante de área do Núcleo Cidade Nova, capitão Harley Alves da Costa, ouviram as queixas dos comerciantes.

Na oportunidade, eles prometeram que haveria rondas a fim de inibir a ação dos bandidos. Realmente elas aconteceram por algum tempo, proporcionando tranquilidade aos empresários. Porém, depois de algumas semanas os policiais sumiram das ruas e a situação voltou a ficar crítica.

O representante do prefeito Sebastião Miranda Filho, Walmor Costa, chefe de gabinete da prefeitura, anunciou que em breve a Praça São Francisco será totalmente reformada e mais iluminada, dando novo aspecto ao local e afastando os desocupados que hoje ameaçam não só os comerciantes, quanto as demais pessoas que frequentam ou passam por ali.

O tenente-coronel Sidney Profeta da Silva, comandante do 4º BPM, afirmou que está há apenas 20 dias em Marabá e que, a partir do que foi relatado na reunião, de imediato irá traçar ações de combate aos marginais a fim de devolver a tranquilidade ao comércio do Cidade Nova. Ele ainda ouviu as reclamações dos comerciantes e anotou sugestões e informações importantes, como horários mais favoráveis à ação dos bandidos.

Pelo DMTU, o diretor do departamento, Jocenilson Silva Souza, que ouviu queixas a respeito de abusos cometidos por motoristas de táxi-lotação, de excesso de espaço dado a esse tipo de transporte alternativo e também aos moto-táxis, afirmou que um estudo já está sendo feito pelo órgão dirigido por ele, que vai tentar solucionar esses e outros problemas.

Túlio Rosemiro Pereira, coordenador de Posturas da Prefeitura Municipal, questionado sobre os horários irregulares de carga e descarga de mercadorias naquele perímetro, disse que tudo isso está regulamentado em lei municipal e afirmou que as transportadoras têm conhecimento desses horários.

Ao final da reunião, a promotora Josélia disse que esse tipo de encontro entre os representantes de todos os órgãos e a população é muito importante e marcou a próxima para 25 de outubro. Ela espera que, a partir da reunião desta quinta-feira já seja possível perceber mudanças na situação.

(Fonte: Zé Dudu- Reportagem  Eleutério Gomes – Correspondente em Marabá)

Página 1 de 2
Loading
https://carajasojornal.com.br/modules/mod_image_show_gk4/cache/Publicidade.2018.Sophos_2019gk-is-100.jpglink
https://carajasojornal.com.br/modules/mod_image_show_gk4/cache/Publicidade.galpogk-is-100.jpglink