Carajas o Jornal

Carajas o Jornal

O São Paulo se classificou para as semifinais da Copa do Brasil, na última quarta-feira, após uma noite perfeita e mágica no Morumbi, coroada com uma vitória por 3 a 0 sobre o Flamengo. O adversário na semifinal será o Grêmio, nos dias 23 e 30 de dezembro.

A equipe comandada por Fernando Diniz entrou com um espírito copeiro diante dos cariocas. Um São Paulo concentrado do começo ao fim e efetivo nas poucas oportunidades que construiu no ataque.

Na defesa, foi (quase) perfeito. Quase porque cometeu um pênalti que poderia mudar o rumo da partida. Mas a sorte acompanha os competentes. E o Tricolor viu Vitinho isolar a cobrança e ter a certeza que nada daria errado na noite.

No primeiro tempo, o São Paulo adotou a cautela e se defendeu bem. Ao mesmo tempo, não deu muitos espaços para o Flamengo, que pouquíssimo fez para superar Tiago Volpi. Levar o 0 a 0 para o intervalo deu mais confiança para o segundo tempo.

E não demorou nem um minuto na etapa final para que a aplicação tática fosse coroada. Luciano recebeu um cruzamento na medida de Daniel Alves e tocou na saída de Diego Alves para abrir o placar e aumentar a vantagem para 3 a 1 (o primeiro jogo havia terminado 2 a 1 para o Tricolor).

Nove minutos depois, Luciano apareceu mais uma vez dentro da área para aproveitar um cruzamento na medida de Reinaldo. O Flamengo ficou nas cordas com o 2 a 0 contra e completamente perdido com tamanha efetividade do São Paulo.

Do lado de fora do Morumbi, milhares de torcedores que desrespeitaram os protocolos de saúde por conta da pandemia do novo coronavírus para incentivar a equipe, já comemoravam a classificação e gritavam o nome de Luciano.

O pênalti perdido por Vitinho aos 18 minutos foi só uma cereja no bolo do são-paulino, que comemorou pela terceira vez em 2020 uma cobrança desperdiçada pelos flamenguistas. Na vitória por 4 a 1, pelo Brasileirão, Bruno Henrique e Pedro pararam em Tiago Volpi.

Cabia tempo para mais um. Pablo, aos 39 minutos, fez o terceiro e fechou a noite mágica. Nos confrontos entre o Tricolor e o Flamengo neste ano, a equipe de Fernando Diniz aumentou para nove o número de gols marcados. Só levou dois.

Uma classificação para lavar a alma da equipe que sofreu com eliminações doloridas no ano, como as do Campeonato Paulista, para o Mirassol, e da Sul-Americana, para o Lanús. Um elenco que soube se unir nas adversidades e agora entra de vez na briga por um título na temporada.

– Os momentos mais agudos de pressão foi saber se unir, saber o que queríamos e saber a força que tínhamos. Isso (classificação) vai diminuir a pressão externa, mas temos que trabalhar como trabalhamos até aqui. Ainda tem coisas para melhorar – afirmou Fernando Diniz.

O técnico também saiu do Morumbi de alma lavada. Duramente criticado durante todo seu período no clube, teve o nome cantado pelos torcedores ao fim do jogo, que agora dizem estar fechados com Diniz.

Entre amores e ódios nessa relação, o São Paulo de Fernando Diniz desponta como um postulante a acabar com a seca de títulos que assola o time há oito anos.

 

Fonte: Por Eduardo Rodrigues — São Paulo

Foi apresentado na 20ª Seccional de Polícia Civil de Parauapebas, na noite terça-feira, 17, mais um acusado de tráfico de drogas. Segundo informações uma viatura estava em ronda pelo bairro Vale do Sol, quando sua guarnição recebeu várias denúncias, que na esquina das ruas Daniel Franco com Alberto Santis, próximo à praça dos "modinhas"  havia uma grande movimentação de pessoas, onde usavam o local noite e dia para a comercialização de entorpecentes, um dos denunciantes deu as características de um dos traficantes como sendo de pele morena, magro e cabelo curto.

Quando a GU se aproximava do local,  percebeu um elemento com as mesmas características, que ao ver a viatura tentou se evadir correndo e entrando em uma casa na rua Daniel Franco próximo à praça. O mesmo foi alcançado e abordado, mas tentou reagir sendo necessário o uso das algemas para resguardar a integridade física dele e da equipe da GU.

Foi encontrado 28 papelotes de substância análogas a maconha pelos PMs 

Na revista pessoal os PMs encontraram no bolso do mesmo uma sacola com 28 papelotes de uma substância análoga a erva Cannabis Sativa vulgarmente conhecida por "maconha", pesando 61 gramas junto com uma balança de precisão e um rolo de papel filme.

O acusado foi conduzido a delegacia para procedimentos cabíveis

O acusado foi identificado como sendo ANTONIO CARLOS DOS SANTOS FRANCO de 27 anos. Mediante o flagrante o mesmo que já tem cerca de quatro passagens pela justiça, por homicídio, furto, roubo e arrombamento e agora por tráfico, foi conduzido a delegacia para procedimentos cabíveis.

 

(Neide Folha)

A investigação começou após a Promotoria receber denúncias de que a Companhia de Habitação do Estado (Cohab) estaria distribuindo diversos cheques do programa Sua Casa às vésperas do 1º turno da eleição. O programa é uma iniciativa do governo do estado, destinado  fornecer recursos às pessoas de baixa renda, para que possam melhorar suas moradias.  

Segunda as denúncias, a distribuição foi feita por servidores da Cohab na sexta (13). Conforme relatos teriam sido entregues cheques de R$300 para um grande número de pessoas. Só no município de Vigia, 236 moradores teriam recebido o referido valor.

Para o promotor, ainda que o programa Sua Casa já existisse, a distribuição dos cheques em data próxima às eleições e nos locais de votação é preocupante e demonstra possível intuito eleitoral, para favorecer candidatos aliados. “A forma como a distribuição aconteceu beneficiou os candidatos que tem apoio do governo do estado”, afirma Rui Lamim.

Essa conduta pode ser vista como ilícito eleitoral grave, pois desequilibra a eleição em favor de candidatos apoiados pelo governo. O promotor esclarece que a ação da Cohab pode ser entendida como abuso de poder político. 

O presidente da Companhia de Habitação e o coordenador do programa Sua Casa serão oficiados para prestar esclarecimentos sobre o assunto. 


 

Texto: Sarah Barbosa
Edição: Edyr Falcão

 

 

 

A Polícia Federal (PF) e o Ministério Público Federal (MPF) cumpriram nesta quarta-feira (18) 46 mandados de busca e apreensão na Operação Armadeira 2, sobre um suposto esquema para blindar empresas de fiscalizações da Receita Federal.

As ações são um desdobramento da Operação Armadeira, de outubro de 2019, que identificou um esquema de extorsão na Receita Federal e dentro da força-tarefa da Lava Jato no RJ.

O juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do RJ, decretou o bloqueio de bens dos investigados no montante total de R$ 519.851.578,24. Bretas ainda determinou que cinco auditores da Receita sejam afastados das funções públicas e proibidos de manter contato com outros investigados.

Não houve mandados de prisão.

A Receita Federal afirma que a força-tarefa identificou, a partir do material apreendido na primeira fase, além da colaboração premiada de um auditor-fiscal e de novas diligências, "um complexo arranjo que buscava reduzir a cobrança de tributos devidos ou blindar empresas de fiscalizações".

As redes de supermercado Mundial e Guanabara são suspeitas das supostas práticas.

Os investigados podem responder por concussão, corrupção e lavagem de dinheiro.

O que dizem os suspeitos

Em nota, o Guanabara afirmou que "a rede confirma o cumprimento dos mandados e ressalta que segue à disposição das autoridades para esclarecimento dos fatos".

O G1 entrou em contato com os demais envolvidos e aguardava resposta.

Segundo o MPF, um dos auditores-fiscais investigados na primeira fase detalhou funcionamento do esquema de arrecadação de propina dentro da Superintendência da Receita Federal na 7ª Região Fiscal.

O auditor revelou "diversas ramificações" e apontou "a participação de servidores federais que ocupam postos estratégicos na Receita".

A investigação do Ministério Público afirma que dois setores da Receita Federal no RJ estão envolvidos no esquema: o de Programação e o de Fiscalização.

Os dois grupos dividiam os valores arrecadados. Um delator afirmou que 90% dos fiscais com quem ele trabalhou participavam do esquema criminoso.

No Leblon os agentes apreenderam uma grande quantidade de joias e até barras de ouro na casa de uma auditora.

Joias encontradas na casa de uma auditora no Leblon — Foto: Reprodução