Com a permanência assegurada na Série B, o Cruzeiro cumprirá tabela nos jogos contra Náutico, às 16h deste domingo, no Independência, e Paraná, às 21h30 de sexta-feira, no estádio Durival Britto, em Curitiba. Ao mesmo tempo em que prepara o planejamento de 2021, ainda sem ter certeza quanto à permanência do técnico Luiz Felipe Scolari, a diretoria tenta encontrar soluções em curto prazo para colocar em dia os salários do departamento de futebol e dos colaboradores do setor administrativo.

Uma das principais fontes de receitas do clube em 2020 foi a negociação de direitos econômicos de atletas. O balancete de janeiro a setembro contabilizou R$18 milhões em vendas, 22% da arrecadação total de R$82 milhões. Isso mostra que os jovens formados na Raposa continuam visados no mercado da bola, apesar da má campanha do time na Série B - 13º, com 47 pontos em 36 rodadas.
Mas o que poderia ser enxergado como respiro financeiro virou problema em cenários específicos. O volante Jadsom Silva e o 
atacante Zé Eduardo não se conformaram com os salários atrasados e acionaram a Justiça. Eles não conseguiram a liminar de rescisão indireta do contrato de trabalho, porém estão sem clima para retornar à Toca.
 
A situação de Zé Eduardo é curiosa. No primeiro semestre, o jogador disputou o Campeonato Mineiro pelo Villa Nova. Depois, seguiu para o América-RN, também por empréstimo. Com nove gols em 11 jogos por esses clubes, foi requisitado pela diretoria celeste, que repassou 10% dos direitos econômicos ao clube potiguar como compensação pela liberação antecipada.
 
Zé Eduardo, contudo, não conquistou espaço nos treinamentos. Embora tenha sido relacionado para alguns compromissos, só esteve em campo por 20 minutos, no empate por 0 a 0 com o Oeste, pela 15ª rodada, na Arena Barueri, na Grande São Paulo. O técnico Ney Franco acabou demitido, e o substituto, Luiz Felipe Scolari, não deu oportunidade ao jovem de 21 anos.
 
O América-RN, então, mostrou-se interessado em contar novamente com Zé Eduardo, mas o Cruzeiro só o cederia novamente mediante duas condições: livrar-se do pagamento da maior parte dos salários e ter de volta os 10% de taxa de vitrine. O Dragão não aceitou.
Sem perspectivas de ser utilizado na Toca, Zé Eduardo tentou forçar a saída para o América-RN e acabou colocado para treinar separado do grupo principal. Depois de quase três meses, decidiu recorrer à Justiça. Seu processo tem valor superior a R$2 milhões.
 
No caso de Jadsom Silva, a ação corre em sigilo. Contudo, antes de tomar a medida drástica, o volante foi sondado pelo Ludogorets, maior clube da Bulgária na atualidade, que se dispôs a pagar 700 mil dólares - R$3,8 milhões - por 50% dos direitos. O Cruzeiro, segundo apurou a reportagem, pediu cerca de R$13 milhões. Os europeus recuaram.

Em julho, o Athletico-PR já havia tentado, sem sucesso, contratar Jadsom com uma oferta de R$3 milhões por 30% do “passe”. Antes do litígio judicial, o meio-campista de 19 anos jogou 41 partidas pela Raposa na temporada 2020.
 
Em janeiro, quando era administrado pelo conselho gestor, o clube também lidou com debandada no elenco por causa de salários atrasados. Jogadores como o goleiro Rafael, o zagueiro Fabrício Bruno, o volante Éderson e os atacantes David e Fred buscaram os seus direitos na Justiça.
 

Felipão

 
Em meio aos desafios de gestão, cuja principal preocupação é a dívida superior a R$1 bilhão, o Cruzeiro pode ter que correr atrás de um novo treinador para 2021, pois Felipão voltou a colocar em xeque a continuidade em Belo Horizonte. Em entrevista ao canal de televisão WinSports, da Colômbia, ele se mostrou aberto a analisar convites de outras instituições.
 
“Vou pensar numa situação se saio ou se fico, dependendo de uma ou outra situação de convite, porque o primeiro trabalho, o trabalho que foi idealizado por mim e pelo Cruzeiro, foi que, nesses três meses, saíssemos da dificuldade maior, para uma dificuldade média e aí tanto o Cruzeiro como eu seguiríamos suas vidas”.
 
Scolari tem contrato com o Cruzeiro até dezembro de 2022. Se decidir sair, não terá de pagar indenização. Contudo, em uma eventual demissão sem justa causa, o clube precisará arcar com multa de R$10 milhões, de acordo com o portal UOL. Na Série B, o treinador dirigiu o time em 20 partidas: nove vitórias, sete empates e quatro derrotas (aproveitamento de 56,66%).
 
 
Fonte: Bruno Haddad/Cruzeiro)
 

É muito difícil a missão de Abel Ferreira e talvez ele não se dê conta de quão complicada será a noite desta segunda-feira. Só se ele já entendeu, ou se o ambiente o fez entender, a importância de um Palmeiras x Corinthians.

Por outro lado, não adianta para Abel ganhar do maior rival e depois perder a Libertadores. Ele será uma besta com qualquer uma das derrotas, por mais injusto que isto seja.

O Dérbi tem estatísticas mais justas, as coletadas pelo jornalista e historiador Celso Unzelte, com 128 vitóriras para cada lado e 110 empates. As contas do Palmeiras, do também competente Bruno Alexandre, incluem os Torneios Inícios. Pelas conta de Unzelte, adotadas aqui, o Palmeiras ficou na frente do rival entre os 2 x 0 com dois gols de Tupãzinho, em 1967, até o 1 x 0, gol de Gil, em julho de 2020.

Naquela cabeçada, Gil colocou o Corinthians com 128 vitórias contra 127 do Palmeiras, primeira vantagem alvinegra em 53 anos.

Acontece que o Palmeiras ganhou por 2 x 0 no primeiro turno do Brasileirão e recolocou o empate na contagem. Quem vencer nesta segunda-feira será o hegemônico.

O Corinthians se acertou sob o comando de Vágner Mancini. Venceu cinco vezes e empatou duas nas últimas sete rodadas. Como jogador, Mancini sempre fez gol no Palmeiras. Pela Portuguesa, pelo Bragantino, pelo Guarani, pelo Grêmio... Onde jogava, fazia gol no Palmeiras. Como treinador, no Brasileirão, tem mais vitórias (6) do que derrotas (4). Ganhou pelo Vitórias, Chapecoense, Sport e Botafogo, no ano do rebaixamento.

Mas não venceu no Allianz Parque nem no Parque Antarctica. O Corinthians, sim. Tem 4 vitóiras, 2 empates e 2 derrotas na casa palmeirense. Incrível: o Palmeiras perdeu mais em casa do que venceu.

Se vencer, o Corinthians terá enorme chance de ir à Libertadoes.

Se ganhar, o Palmeiras ainda poderá pensar em ser campeão brasileiro. Por mais difícil que seja.

Mas complicará a estratégia de Abel Ferreira. Tudo complicará. Perder derrubará a auto-estima, vencer obrigará a manter o desafio de jogar todas as partidas em alto nível. Como jogar tudo e manter a equipe sem cansaço, antes de decidir a Libertadores.

Está claro que o clássico muda o astral de todos. Torcida, funcionários, dirigentes, jogadores. Todo mundo sabe a importância de um Palmeiras x Corinthians. Abel Ferreira terá de entender hoje, na prática. E, ao mesmo tempo, manter o time treinador, descansado e concentrado na finalíssima da Libertadores.

Ninguém sabe como será este Palmeiras x Corinthians.

 

Fonte: https://globoesporte.globo.com

A frustração tomou conta do Flamengo após a derrota por 2 a 1 no clássico com o Fluminense, quarta-feira, no Maracanã. Resultado ruim, gol sofrido aos 47 do segundo tempo e chance perdida de diminuir a diferença para o São Paulo. Esse mix de ingredientes deixou o clima ainda mais pesado.

Depois da partida, revolta com o sentimento de que o jogo estava controlado e foi desperdiçado com erros bobos. O tom das cobranças subiu, mas a paciência da torcida com Rogério Ceni é bem menor do que internamente. A margem de erro no Brasileiro, que já era pequena, diminuiu ainda mais.

Depois do jogo, ainda no estádio, Ceni e sua comissão tiveram uma conversa mais longa com o vice de futebol Marcos Braz e com o diretor Bruno Spindel - a reunião pós-jogo é algo de praxe. A ideia é tentar unir forças e encontrar soluções.

- Sofrendo gols dessa maneira, fica difícil. Mas não podemos desanimar nem nos abater. Faltam 11 rodadas, infelizmente tivemos essa derrota. É continuar trabalhando, fazer a vitória acontecer. Não podemos parar - afirmou o treinador.

Fla-Flu quente na "arquibancada"

O Fla-Flu mexeu com o ânimo também dos dirigentes dos clubes. Sem torcida na arquibancada, coube a eles o papel de cobrar e tentar incentivar. Os rubro-negros reclamaram muito das decisões do árbitro e do que consideraram ser "cera" do Fluminense.

Em determinado momento, Wellington Silva, que havia sido substituído, saiu do banco, se virou para arquibancada, fez gestos e disse: "Vocês estão falando demais. Menos!"

Depois, o embate ficou mais direto entre os dirigentes. O presidente Mario Bittencourt era um dos mais exaltados. O principal alvo da ira dos tricolores era Cacau Cotta, diretor de relações externas do Flamengo. Foram muitos xingamentos, que, a partir do segundo gol do Flu, se transformaram em provocações.

 

Fonte: Por Felipe Schmidt e Fred Huber — Rio de Janeiro

O Flamengo recebeu uma proposta do Pafos, do Chipre, de 4 milhões de dólares (cerca de R$ 20,5 milhões) por 75% dos direitos econômicos de Lincoln e deu sinal positivo. O atacante é um desejo antigo do clube cipriota, mas o Dínamo de Kiev também tem interesse e seria a preferência do jogador, por disputar competições mais importantes.

O Pafos, atual sexto lugar do campeonato cipriota, deseja fechar a negociação o quanto antes. O Dínamo, que na quarta-feira perdeu para Juventus pela Liga dos Campeões, ainda aguarda a definição de sua classificação para a Liga Europa para saber qual será seu investimento. Saberá na próxima terça, após o duelo com o Ferencváros.

Revelado no Flamengo, Lincoln tem apenas 19 anos e já disputou 64 jogos pelo clube. Marcou oito gols. Considerado uma grande promessa na base, ainda não conseguiu se firmar no profissional e passou a irritar a torcida, principalmente com algumas chances claras que desperdiçou.

No último jogo, contra o Racing, Lincoln não ficou nem no banco. Em sua vaga entrou Rodrigo Muniz, outra promessa da base. A venda do atacante ajudaria a minimizar o prejuízo financeiro que as eliminações precoces na Copa do Brasil e Libertadores acarretaram, além da questão da queda de receita com bilheteria.

 

Fonte: Por Cahê Mota — Rio de Janeiro

 

A partida contra o Racing, nesta terça, no Maracanã, é crucial para a temporada do Flamengo. Uma classificação para as quartas da Libertadores, com o time encorpado por peças importantes como Rodrigo Caio, Isla e Pedro, terá o poder de baixar o tom das cobranças e dar tranquilidade a Rogério Ceni. Um eventual fracasso, no entanto, será o estopim com potencial para iniciar uma revolução interna no departamento de futebol.

Apesar do clima de apreensão, há motivos para confiança em um bom resultado contra os argentinos. Depois de uma inédita semana cheia para preparar a equipe, com a chance de fazer trabalhos que até então não haviam sido possíveis, Rogério Ceni tem a volta de jogadores importantes. E em boa hora.

Rodrigo Caio está recuperado da lesão na panturrilha, e a tendência é de que seja titular ao lado de Léo Pereira. Pedro também está liberado, mas há a dúvida se será titular ou inicia no banco de reservas, com o ataque formado por Vitinho e Bruno Henrique. Ceni ao menos teria no centroavante uma boa opção para entrar durante a partida.

Isla, que ficou fora do primeiro jogo contra o Racing por causa de dores na coxa na hora do aquecimento, volta ao time titular. Diego, recuperado após ter fadiga muscular, é outro que tem tudo para ficar à disposição.

A parte ruim: embora não esteja machucado, Gabigol dificilmente terá condições de ir a campo. Com desequilíbrio muscular, precisou passar os últimos dias em um trabalho de fortalecimento, a maior parte do tempo na academia.

Alvo de críticas, departamento médico esvazia

Hoje, o único no departamento médico é Thiago Maia, que na quinta vai operar o joelho esquerdo e ficará um longo período em recuperação.

Nas últimas semanas, o trabalho da área médica e de preparação física virou discussão central no Flamengo, principalmente por causa da saída e chegada de funcionários. Na ocasião, no início de novembro, Márcio Tannure, gerente de saúde e alto rendimento, conversou com a direção e explicou que levaria cerca de um mês para que todos se ajustassem aos processos do dia a dia do Ninho.

A expectativa é de que daqui para frente, com este prazo esgotado, o DM siga pouco movimentado e Rogério Ceni possa aproveitar mais a força do elenco. De contrário, as cobranças seguirão.

Como empatou o jogo de ida com o Racing por 1 a 1, na Argentina, o Flamengo pode até empatar por 0 a 0 que se classifica para as quartas de final da Libertadores.

 

Fonte: Por Fred Huber — Rio de Janeiro

 

Na rodada do fim de semana, inúmeras homenagens foram prestadas a Diego Maradona, morto na última quarta-feira, aos 60 anos, após uma parada cardiorrespiratória. Mas uma jogadora se recusou a fazer parte do tributo: Paula Dapena, de 24 anos, jogadora do Viajes Interrías, clube que disputa a segunda divisão do Campeonato Espanhol Feminino.

Antes da derrota por 10 a 0 para o Deportivo La Coruña, as duas equipes respeitaram um minuto de silêncio pelo ex-jogador. No entanto, a atleta não quis participar e se sentou no gramado no sentido contrário à homenagem.

"Há poucos dias lutamos contra a violência de gênero e esses gestos não foram feitos. Não guardaram minuto de silêncio para as vítimas, e não estou disposta a fazer para um agressor"— Paula Dapena.

A jogadora afirmou, ainda, que ficou sabendo do tributo apenas quando já estava em campo e que, apesar de ninguém ter seguido seu gesto, recebeu apoio de colegas e do treinador adversário.

 - Não se pode perdoá-lo por todas as atrocidades que cometeu fora de campo. Para ser jogadora, tenho que ser a primeira pessoa com valores além das habilidades que ele tinha, que sabemos serem qualidades e dons espetaculares no futebol - disse a jogadora.

Após o jogo, o ato rendeu uma onda de reações nas redes sociais. Paula recebeu muitas mensagens de apoio, mas também críticas e até ameaças de morte.

 

Fonte: Por Redação do ge — Espanha

 

 

O Santos volta a ter Cuca no banco de reservas e a dúvida é se escalará todos os titulares, às vésperas do confronto da Libertadores contra a LDU. De qualquer maneira, com os desfalques do Sport, é o favorito para vencer na Vila.

SANTOS – Problemas – Luan Peres (covid) – Time provável (4-1-4-1) – John, Pará, Lucas Veríssimo, Luiz Felipe e Felipe Jonathan; Alisson; Marinho, Diego Pituca, Jean Mota e Soteldo; Kaio Jorge. Técnico: Cuca

Últimos cinco jogos – devdv

SPORT – Problemas – Raul Prata (machucado), Thiago Neves (poupado), Hernane (poupado) – Time provável (4-4-2) - Luan Polli, Patric, Maidana, Adryelson e Sander; Barcia, Márcio Araújo, Jonatan Gómez e Júnior Tavares; Mikael e Mugni. Técnico: Ricardo Henriques (Jair Ventura com covid)

Últimos cinco jogos – evedd

CURIOSIDADE – Jair Ventura foi técnico do Santos em 2018, demitido na 14ª rodada, em 15º lugar.

RETROSPECTO – O Sport venceu pela última vez na Vila em 2017, por 1 x 0, gol de Sport. Depois, só uma partida, com vitória santista em 2018.

PALPITE – Santos

ARBITRAGEM – Wílton Pereira Sampaio (GO); Bruno Raphael Pires (GO), Cristhian Passos Sorence (GO)

ÁRBITRO DE VÍDEO – Bráulio da Silva Machado (SC)

PALMEIRAS x ATHLETICO PARANAENSE

Sábado, Allianz Parque, 17h

ANÁLISE – O Palmeiras recupera jogadores da covid e enfrenta o Athletico em surto. Mais do que isto, Abel Ferreira conseguiu dar estabilidade ao time, com sistema tático firme e discurso sóbrio. O problema é conseguir engrenar em casa.

PALMEIRAS – Problemas – Mayke (expulso), Luiz Adriano (machucado) – Time provável (4-2-3-1) – Wéverton, Marcos Rocha, Émerson Santos, Gustavo Gómez e Scarpa; Patrick de Paula e Danilo; Lucas Lima, Zé Rafael e Rony; Fabrício. Técnico: Abel Ferreira

Últimos cinco jogos – vvedv

ATHLETICO PARANAENSE – Problemas – Santos (covid), Jandrei (covid), Zé Ivaldo (covid), Abner (covid), Alvarado (covid), Fernando Canesin (covid), Nikão (covid), Geuvânio (covid), Jonathan (machucado), Márcio Azevedo (machucado), Geuvânio (machucado) – Time provável (4-4-2) – Bento, Erick, Pedro Henrique, Thiago Heleno e João Victor; Carlos Eduardo, Wellington, Christian e Reinaldo; Léo Citadini e Renato Kayzer. Técnico: Paulo Autuori

Últimos cinco jogos – vvvve

CURIOSIDADE – Paulo Autuori foi técnico de Abel Ferreira no Vitória de Guimarães.

RETROSPECTO – No Allianz Parque, houve seis jogos de Brasileirão, com três vitórias do Palmeiras, um empate e duas vitórias do Athletico.

PALPITE – Palmeiras

ARBITRAGEM – Anderson Daronco (RS); Rafael da Silva Alves (RS), Michael Stanislau (RS)

ÁRBITRO DE VÍDEO – Daniel Nobre Bins (RS)

AHIA x SÃO PAULO

Sábado, Fonte Nova, 19h

ANÁLISE – O Bahia não terá Mano Menezes, nem Sídnei Lobo, nem James de Freitas, os três técnicos possíveis estão fora do banco de reservas. O São Paulo tem problemas na defesa, com as ausências de Diego e Bruno Alves.

BAHIA – Problemas – Matheus Claus (covid), Lucas Fonseca (machucado), Anderson Martins (terceiro cartão), Gilberto (terceiro cartão), Gabriel Novaes (contrato com o São Paulo) – Time provável (4-2-3-1) - Douglas, Nino Paraíba, Ernando, Juninho e Juninho Capixaba; Fessin, Elias, Gregore e Élber; Rodriguinho e Marco Antônio. Técnico: Mano Menezes

Últimos cinco jogos – vvvdv

SÃO PAULO – Problemas – Bruno Alves (precaução, porque família está com covid), Diego Costa (terceiro cartão) – Time provável (4-4-2) – Tiago Volpi, Juanfran, Arboleda, Léo e Reinaldo; Gabriel Sara, Daniel Alves, Luan e Igor Gomes; Luciano e Brenner. Técnico: Fernando Diniz

Últimos cinco jogos – vvvee

CURIOSIDADE – A última vitória do São Paulo na Fonte Nova aconteceu em 2014, por 2 x 0, gols de Rogério Ceni e Alan Kardec.

RETROSPECTO – Contando Copa do Brasil, o São Paulo não vence o Bahia há cinco jogos, com três empates e duas vitórias baianas.

PALPITE – Empate

ARBITRAGEM – Leandro Pedro Vuaden (RS); Ivan Carlos Bohn (PR), Victor Hugo Imazu dos Santos (PR)

ÁRBITRO DE VÍDEO – Héber Roberto Lopes (SC)

ATLÉTICO GOIANIENSE x INTERNACIONAL

Sábado, Castelo do Dragão, 21h

ANÁLISE – Marcelo Cabo empatou com o Flamengo e venceu o Sport. A terceira surpresa pode ser vencer o Internacional. O problema é que tem três desfalques por contratos com o Internacional. O Colorado precisa voltar a vencer depois de cinco partidas sem triunfo.

ATLÉTICO GOIANIENSE – Problemas – João Victor (terceiro cartão), Marlon (machucado), Ferrareis (contrato com o Internacional), Dudu (contrato com o Internacional), Natanael (contrato com o Internacional) – Jean, Arnaldo, Éder, Gilvan e Nicolas; William Maranhão e Matheus Vargas; Janderson, Chico e Éverton Felipe; Zé Roberto. Técnico: Marcelo Cabo

Time provável (4-2-3-1) -

Últimos cinco jogos – ddeev

INTERNACIONAL – Problemas – Moisés (covid), Nonato (terceiro cartão) – Time provável (4-2-3-1) – Marcelo Lomba, Rodinei, Zé Gabriel, Cuesta e Uendel; Rodrigo Dourado e Edenílson; Maurício, Marcos Guilherme e Caio; Thiago Galhardo. Técnico: Leomir de Souza (Abel Braga com covid)

Últimos cinco jogos – eddvd

CURIOSIDADE – Este será o primeiro jogo da história do Brasileirão no estádio Antônio Acioly, o Castelo do Dragão.

FLUMINENSE – Problemas – Muriel (covid), Danilo Barcelos (covid), Yuri (covid), Fred (machucado), Egídio (covid), Pacheco (covid), Michel Araújo (covid), Nino (covid), Hudson (covid), Igor Julião (machucado), Yago Felipe (machucado) – Time provável (4-4-2) – Marcos Felipe, Calegari, Digão, Luccas Claro e Raí; André e Martinelli; Lucca, Nenê e Wellington Silva; Marcos Paulo. Técnico: Odair Hellmann

Últimos cinco jogos – vvddv

BRAGANTINO – Problemas – Wéverson (machucado), Léo Realpe (machucado) – Time provável (4-4-2) - Cleiton, Aderlan, Fabrício Bruno, Ligger e Luan Cândido; Helinho, Raul, Lucas Evangelista e Artur; Claudinho e Ytalo. Técnico: Maurício Barbieri

Últimos cinco jogos – ddevv

CURIOSIDADE – Um gol de Franklin, formado no Fluminense, mas jogando pelo Bragantino, ajudou a classificar o Bragantino para a final do Brasileiro de 1991. Naquele ano, o Braga venceu o Flu por 1 x 0, no Maracanã.

RETROSPECTO – Na história do Brasileirão, houve cinco confrontos no Rio de Janeiro, com duas vitórias do Fluminense, dois empates e uma vitória do Bragantino.

PALPITE – Fluminense

ARBITRAGEM – Dyorgines José Padovani de Andrade (ES)

ÁRBITRO DE VÍDEO – Caio Max Augusto Vieira (RN)

JOGO ADIADO DA SEXTA RODADA

GRÊMIO x GOIÁS

Segunda-feira, Arena do Grêmio, 18h

ANÁLISE – O Goiás em crescimento, com empate contra o Fortaleza e vitória sobre o Palmeiras. Mas esbarra na maior invencibilidade dos times da Série A, neste momento. O Grêmio não perde há 13 partidas, com dez vitórias e três empates.

GRÊMIO – Problemas – Maicon (machucado), Alisson (machucado) – Time provável (4-2-3-1) - Vanderlei, Orejuela, Geromel, Rodrigues e Diogo Barbosa; Darlan e Matheus Henrique; Luiz Fernando, Jean Pyerre e Pepê; Diego Souza. Técnico: Renato Gaúcho

Últimos cinco jogos – vvve

GOIÁS – Problemas – Sandro (negociação de rescisão de contrato) – Time provável (4-2-3-1) - Tadeu, Taylon, David Duarte, Fábio Sanches e Jéfferson; Breno e Ariel Cabral; Miguel Figueira, Shaylon e Keko; Fernandão. Técnico: Gláuber Ramos

Últimos cinco jogos – deddv

CURIOSIDADE – Grêmio e Goiás fizeram a semifinal do Campeonato Brasileiro de 1996.

RETROSPECTO – Pelo Brasileiro, na Arena do Grêmio, houve três vitórias gremistas e um empate.

PALPITE – Grêmio

ARBITRAGEM – Rodrigo Dalonso Ferreira (SC); Kléber Lúcio Gil (SC), Johnny Barros de Oliveira (SC)

ÁRBITRO DE VÍDEO – Rodrigo Nunes de Sá (RJ)


Fonte: Rio de Janeiro                                                                                                                                                                                                                                                                                                             

 

Se o momento é de crescimento do futebol feminino no Brasil nada melhor do que isso se refletir na Seleção também. Pois a partir da noite desta sexta-feira, nossas atletas terão uma camisa exclusiva para elas sem as cinco estrelas da equipe masculina, asseguradas com o pentacampeonato em Copas do Mundo. O novo uniforme fará sua estreia no amistoso diante do Equador, na Neo Química Arena, a partir de 21h30 (de Brasília) - o jogo terá transmissão ao vivo do SporTV e acompanhamento em tempo real do ge. As jogadoras celebraram a novidade.

- Eu via muitos comentários, muitas pessoas que falavam dessa questão, por que era como se a gente carregasse uma coisa que a gente não conquistou, lógico que a gente fica muito feliz por todas as conquistas do masculino. Eu acho que o Brasil é reconhecido como país do futebol, muito por todas as coisas que eles conquistaram, pelos grandes jogadores, mas agora acho que é um momento diferente, né? A gente vai conquistar nossa estrela a gente vai carregar a estrela que a gente for conquistar, acho que é muito legal isso e a gente vai se sentir mais confortável com essa situação - afirmou Andressinha durante o ensaio fotográfico da nova camisa.

Estrela na liga americana de futebol, a NWSL, Debinha vibrou com o novo momento até por acompanhar de perto a seleção dos EUA, que já conta com suas próprias estrelas na camisa. Para ela, será uma motivação a mais na busca pelos objetivos.

- É uma oportunidade única, né? Estou muito feliz de estar fazendo parte disso, de estar com a seleção e tentar mudar a história do futebol feminino. E com certeza vai motivar ainda mais a gente. Agora a gente vê o futebol feminino crescendo no Brasil e tem a possibilidade de colocar uma estrelinha aqui. Estou muito ansiosa para isso pra chegar nas Olimpíadas, Mundial, é bem bacana e eu estou muito feliz por fazer parte disso - disse Debinha.

O momento é de trilhar a própria história já tão cheia de conquistas e desafios na seleção feminina. E o foco fica por conta dos Jogos Olímpicos de Tóquio, em 2021. Na bagagem, duas pratas olímpicas e uma técnica, Pia Sundhage, que entende como chegar ao topo.

- Bastante história, e a gente quer fazer muito mais, a intenção é essa e agora as coisas só têm a melhorar e a gente vai em busca de colocar estrelas aqui sim - disse Adriana.

A coleção, lançada em 2019 para o Mundial da França, foi criada a partir de estudos e troca de informações com jogadoras profissionais e amadoras. Já disponíveis ao público para venda sem as estrelas, as camisas trazem uma inscrição secreta em homenagem à Seleção Feminina: “Mulheres Guerreiras do Brasil” – inspiração para vencer dentro e fora de campo. Além disso, atendendo a um dos principais pedidos das atletas, uma das novidades é o caimento do shorts, que traz um corte inovador e ideal para a prática do futebol pelas mulheres.

 

Fonte: Por Cíntia Barlem e Denise Thomaz Bastos — São Paulo

Após a análise dos áudios e imagens da cabine do VAR e dos fatos ocorridos na partida entre Ceará Sporting Club e São Paulo Futebol Clube, realizada nesta quarta-feira (25), pelo Campeonato Brasileiro da Série A, a Comissão Nacional de Arbitragem esclarece a cronologia dos acontecimentos que levaram à anulação de gol do São Paulo Futebol Clube:

1 – Importante registrar que, inicialmente, a arbitragem de campo, diante do lance concluído, marcou impedimento do atacante do São Paulo, invalidando o gol.

2 – Após a primeira checagem da jogada de ataque do São Paulo, o árbitro de vídeo informou tratar-se de lance legal, o que fez com que o árbitro central validasse o gol para a equipe visitante de forma factual, ou seja, sem necessidade de ir até a área de revisão.

3 – Constatado que haveria mais um lance a ser revisado, o árbitro de vídeo imediatamente iniciou este segundo procedimento de checagem, momento em que solicitou ao árbitro central que aguardasse o processo ser concluído para, aí sim, determinar o reinício da partida.

4 – Acontece que uma comunicação paralela, mantida entre o árbitro central e o quarto árbitro, a respeito da aplicação de um cartão amarelo para um jogador do Ceará, prejudicou a comunicação que vinha sendo mantida entre o árbitro de campo e o VAR. E fez com que o árbitro central não ouvisse a solicitação da cabine do VAR e autorizasse o reinício da partida.

5 – Imediatamente o VAR alertou ao árbitro, que interrompeu a partida para que o procedimento de checagem, que já estava em curso antes do reinício, fosse concluído.

6 – Por fim, o VAR comunicou ao árbitro central que o lance que deu origem ao gol foi ilegal e que, portanto, deveria ser mantida a decisão inicial da arbitragem de campo, que invalidou o gol de forma correta.

Diante do ocorrido, a Comissão Nacional de Arbitragem facultou aos clubes envolvidos na partida a possibilidade de comparecerem à sede da Confederação Brasileira de Futebol para os esclarecimentos que se façam necessários.

 

Fonte: Assessoria CBF

O São Paulo se classificou para as semifinais da Copa do Brasil, na última quarta-feira, após uma noite perfeita e mágica no Morumbi, coroada com uma vitória por 3 a 0 sobre o Flamengo. O adversário na semifinal será o Grêmio, nos dias 23 e 30 de dezembro.

A equipe comandada por Fernando Diniz entrou com um espírito copeiro diante dos cariocas. Um São Paulo concentrado do começo ao fim e efetivo nas poucas oportunidades que construiu no ataque.

Na defesa, foi (quase) perfeito. Quase porque cometeu um pênalti que poderia mudar o rumo da partida. Mas a sorte acompanha os competentes. E o Tricolor viu Vitinho isolar a cobrança e ter a certeza que nada daria errado na noite.

No primeiro tempo, o São Paulo adotou a cautela e se defendeu bem. Ao mesmo tempo, não deu muitos espaços para o Flamengo, que pouquíssimo fez para superar Tiago Volpi. Levar o 0 a 0 para o intervalo deu mais confiança para o segundo tempo.

E não demorou nem um minuto na etapa final para que a aplicação tática fosse coroada. Luciano recebeu um cruzamento na medida de Daniel Alves e tocou na saída de Diego Alves para abrir o placar e aumentar a vantagem para 3 a 1 (o primeiro jogo havia terminado 2 a 1 para o Tricolor).

Nove minutos depois, Luciano apareceu mais uma vez dentro da área para aproveitar um cruzamento na medida de Reinaldo. O Flamengo ficou nas cordas com o 2 a 0 contra e completamente perdido com tamanha efetividade do São Paulo.

Do lado de fora do Morumbi, milhares de torcedores que desrespeitaram os protocolos de saúde por conta da pandemia do novo coronavírus para incentivar a equipe, já comemoravam a classificação e gritavam o nome de Luciano.

O pênalti perdido por Vitinho aos 18 minutos foi só uma cereja no bolo do são-paulino, que comemorou pela terceira vez em 2020 uma cobrança desperdiçada pelos flamenguistas. Na vitória por 4 a 1, pelo Brasileirão, Bruno Henrique e Pedro pararam em Tiago Volpi.

Cabia tempo para mais um. Pablo, aos 39 minutos, fez o terceiro e fechou a noite mágica. Nos confrontos entre o Tricolor e o Flamengo neste ano, a equipe de Fernando Diniz aumentou para nove o número de gols marcados. Só levou dois.

Uma classificação para lavar a alma da equipe que sofreu com eliminações doloridas no ano, como as do Campeonato Paulista, para o Mirassol, e da Sul-Americana, para o Lanús. Um elenco que soube se unir nas adversidades e agora entra de vez na briga por um título na temporada.

– Os momentos mais agudos de pressão foi saber se unir, saber o que queríamos e saber a força que tínhamos. Isso (classificação) vai diminuir a pressão externa, mas temos que trabalhar como trabalhamos até aqui. Ainda tem coisas para melhorar – afirmou Fernando Diniz.

O técnico também saiu do Morumbi de alma lavada. Duramente criticado durante todo seu período no clube, teve o nome cantado pelos torcedores ao fim do jogo, que agora dizem estar fechados com Diniz.

Entre amores e ódios nessa relação, o São Paulo de Fernando Diniz desponta como um postulante a acabar com a seca de títulos que assola o time há oito anos.

 

Fonte: Por Eduardo Rodrigues — São Paulo

Página 1 de 8