Carajas o Jornal

Carajas o Jornal

O desemprego no Brasil interrompeu a sequência de duas altas seguidas e fechou o trimestre encerado em maio em 14,6%. O valor é 0,2 ponto percentual inferior ao registrados nos três meses anteriores e equivale a 14,8 milhões de pessoas fora do mercado de trabalho.

Os dados divulgados nesta sexta-feira (30), pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) correspondem à segunda maior taxa de desocupados da série histórica, iniciada em 2012, atrás apenas do recorde de 14,7% registrado nos dois trimestres imediatamente anteriores, fechados em março e abril.

Conforme os dados da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios), a população na força de trabalho, que inclui as pessoas ocupadas e desocupadas, cresceu 1,2 milhão, puxada pelo contingente de ocupados (86,7 milhões), que ganhou 809 mil profissionais no período na comparação com o trimestre anterior.

Para Adriana Beringuy, analista responsável pela pesquisa, a expansão da ocupação reflete o avanço de 3% dos profissionais que atuam por conta própria, única categoria profissional que cresceu no trimestre.

“Esses trabalhadores estão sendo absorvidos por atividades dos segmentos de informação, comunicação e atividades financeiras, imobiliárias, profissionais e administrativas, que cresceu 3,9%, o único avanço entre as atividades no trimestre até maio”, avalia ela.

Na comparação com o trimestre fechado em maio do ano passado, a força de trabalho ganhou 2,9 milhões de profissionais (+2,9%). O número, no entanto, é influenciado pelo aumento de 2,1 milhões de desocupados no período.

"Muitas pessoas interromperam a procura por trabalho no trimestre de março a maio do ano passado por conta das restrições, já que muitas atividades econômicas foram paralisadas para conter a pandemia", explica Adriana ao justificar o número.

Também foram os trabalhadores por conta própria que tiveram a maior expansão (de 2 milhões) no mercado de trabalho em um ano, resultado guiado pelo aumento do trabalho na agricultura (27%), construção (25%) e serviços de informação e comunicação (24%).

A pesquisa mostra ainda que o trabalho com carteira assinada no setor privado ficou estável (29,8 milhões) no trimestre até maio. Já na comparação anual houve uma redução de 4,2% ou menos 1,3 milhão de pessoas.

A categoria dos trabalhadores domésticos foi estimada em 5 milhões de pessoas, ficando estável nas duas comparações. A mesma movimentação aconteceu com os empregados do setor público, que somam 12 milhões.

Informalidade

No trimestre finalizado em maio, a taxa de informalidade foi de 40%, o que equivale a 34,7 milhões de pessoas. O valor é 0,4 ponto percentual maior do que o registrado nos três meses anteriores.

Adriana recorda que, há um ano, o contingente era menor, de 32,3 milhões e correspondia a uma taxa de 37,6%. No último trimestre antes da pandemia do novo coronavírus, no entanto, o volume de desocupados somava 38,1 milhões.

"Por mais que os informais venham aumentando sua participação na população ocupada nos últimos trimestres, o contingente ainda está num nível inferior ao que era antes da pandemia”, aponta a pesquisadora. 

De acordo com o IBGE, são classificados como informais os trabalhadores sem carteira assinada, sem CNPJ ou trabalhadores sem remuneração. Com as movimentações, o nível de ocupação (48,9%) continua abaixo de 50% desde o trimestre encerrado em maio do ano passado, o que indica que menos da metade da população em idade para trabalhar está ocupada no Brasil.

 

Fonte: Do R7

O Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Parauapebas (Saaep) informa que o bairro Amazônia terá o fornecimento de água reduzido em 80%, nas segundas, quartas e sextas-feiras, das 18h às 6h. 

A região está sendo impactada pela estiagem que baixou o nível dos poços que atendem o setor.

A autarquia reforça seu compromisso em oferecer um serviço de qualidade para os usuários e está buscando alternativas para que os consumidores sejam minimamente afetados.

O Saaep agradece a compreensão de todos e recomenda que os moradores utilizem a água armazenada nas caixas residenciais com economia  até normalização do abastecimento.

 

                                                                                                                                                                Assessoria de Comunicação/SAAEP

A partir do dia 2 de agosto a Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semma) passará a funcionar em novo endereço, localizado na rua Jurunas, s/n, bairro Parque dos Carajás. 

A Semma realiza atendimento ao público de segunda a sexta-feira, das 8h às 14h. Mais informações pelo telefone: 3346-3987 (094) 3346-1456.

 

Assessoria de Comunicação/PMP

Equipes da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semma) percorreram 90 km no rio Parauapebas para mapear suas potencialidades e pontos críticos, avaliar a qualidade da água, entre outras ações durante a expedição “Conhecer para conservar”, realizada entre os dias 23 e 25 de julho, com apoio do Corpo de Bombeiros e da Defesa Civil.

O objetivo foi levantar informações para embasar o mapeamento e o planejamento de trabalhos do Programa de Conservação do Rio Parauapebas, desenvolvido pela Semma. A boa notícia é que a parte de cima do rio, no trecho que passa por Parauapebas, está bem conservada.

“Entre o local de captação de água que abastece o nosso município e o limite com Canaã dos Carajás encontramos águas cristalinas, animais silvestres e muita beleza natural. Nesse trecho a conservação do rio chega a 70%”, destaca o coordenador de fiscalização ambiental da Semma, Júnior Silveira, que participou da expedição.

Mas, nesse mesmo trecho, os profissionais constataram alguns pontos que estão bem rasos. “Ainda não é possível dizer as causas, precisamos fazer uma análise, inclusive dentro dos limites do município de Canaã dos Carajás. Aparentemente é trecho ilhado, ou seja, quando sedimentos são acumulados, formando ilhas naturais”, explicou Júnior, acrescentando que será feito contato com o município vizinho para prosseguimento da investigação sobre o assunto.

Pontos críticos

Durante a expedição, os profissionais encontraram pescadores praticando a pesca artesanal, atividade permitida, mas flagraram três pontos de extração de areia do tipo balsa/draga, um deles localizado na parte de cima do rio, e dois pontos de extração de ouro, todos bem abaixo e distantes do ponto de captação de água do sistema de abastecimento do município.

Encontraram indícios de caça ilegal, com trilhas dentro da Floresta Nacional de Carajás e um jacaré morto, possivelmente com tiro, além de trechos com desmatamento ilegal da mata ciliar e pontos de captação clandestina de água para irrigação de lavouras, sem a devida autorização ambiental.

A expedição resultou em um relatório que apontou o seguinte: “o ponto mais crítico encontrado foi próximo ao encontro do Parauapebas com o rio Novo, onde é visivelmente possível identificar a divisão de cores das águas, decorrente da garimpagem ilegal no local”.

“É importante frisar que a Semma já protocolou vários ofícios informando os seguintes órgãos sobre a situação - tendo em vista que extrapola a competência da nossa secretaria: Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas) do Pará, Ibama, Polícia Federal e Ministério Público Federal”, afirma o coordenador de fiscalização ambiental de Parauapebas.

O relatório produzido aponta também que “o rio possui grande capacidade de sustentar a população do nosso município, tanto para subsistência, como para ações culturais, sociais, econômicas e de ecoturismo, pois em sua maior extensão ainda está preservado”.

A partir dos dados levantados, a Semma vai reforçar as ações de educação ambiental nos balneários, limpeza do rio, monitoramento da qualidade da água, fiscalização de combate aos crimes ambientais e vai produzir um diagnóstico ambiental do rio Parauapebas e dos seus principais afluentes, identificando e classificando as áreas com possibilidades de uso da água para consumo humano ou de animais, lavouras, banhos, atividades de extração, preservação e ecoturismo.

 

Texto: Karine Gomes

Assessoria de Comunicação/PMP

O Brasil já conquistou sete medalhas nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Tóquio, ocupando a 11ª posição no ranking mundial. Nesta quinta-feira (29), o destaque foi o triunfo das mulheres no judô, com a medalha de bronze de Mayra Aguiar, e na ginástica artística com a prata de Rebeca Andrade, sob o som contagiante que mistura o clássico de Johann Sebastian Bach com o funk paulista do "Baile de Favela", de MC João.

As vitórias brasileiras oxigenam a esperança da população depois de tantos momentos de tristeza ocasionados pela pandemia de Covid-19. Principalmente considerando que o isolamento social e as medidas restritivas comprometeram os treinamentos físicos e psicológicos dos atletas. Por isso, cada vitória tem um valor ainda maior como o ouro de Ítalo Ferreira no surf; as pratas no skate de Rayssa Leal e Kelvin Hoefler; os bronzes de Daniel Cargnin, no judô, e de Fernando Scheffer, na natação.

Para além da competição, o esporte é um instrumento de transformação social e assim, o solo de Rebeca embalado pelo funk é tão simbólico e reflete a história de superação e garra da atleta, assim como tantas outras Brasil a fora.

No Pará, por exemplo, a ginasta Camilly Santos, 19 anos, treina desde os quatro e já participou de competições locais e nacionais. “Eu morava em frente ao ginásio de ginástica, o meu pai pensava que era ballet porque todos os dias escutava músicas durante a tarde. Ele decidiu ver o que era na verdade, ele gostou muito e decidiu me matricular com apenas quatro anos de idade”, lembra.

O desempenho de Camilly a levou a Jogos Escolares Nacionais e Campeonatos Paraenses e Brasileiros. “Sou campeã paraense 11 vezes, invicta desde do meu 1º campeonato de ginástica rítmica. Em 2017, fui vice-campeã nos Jogos Escolares da Juventude e já estive entre as 8º melhores ginastas do País, nos campeonatos brasileiros”, afirma.

Entretanto, as conquistas foram marcadas por dificuldades que para serem superadas tiveram o apoio do Governo do Estado, por meio do Programa Bolsa Talento, conduzido pela Secretaria de Estado de Esporte e Lazer (Seel). “Quando comecei a me destacar nos campeonatos brasileiros, os custos das inscrições e das despesas eram muito altos e eu viajava com minha técnica para competições. O Bolsa Talento me ajudou muito para contratar outras técnicas para me dar aula, além de poder comprar roupas mais elaboradas para competições, me ajudou com o transporte diário para os treinos e é uma ajuda e tanto”, exemplifica Camilly.

“O Bolsa Talento é um programa do Governo do Estado do Pará, com incentivo para que os atletas possam permanecer nas modalidades. Eles treinam para participar de competições em busca das melhores posições do ranking nacional, para que possam também representar o Pará, além de garantir uma vaga na seleção brasileira”, explica Kátia Rocha, diretora em exercício de Esporte e Lazer da Seel.

O programa auxilia crianças e jovens de forma financeira, além de promover benefícios físicos e sociais por meio da prática esportiva. “O esporte consegue trabalhar em diversas vertentes, além de conseguir manter os níveis de corpóreos e desenvolvimento da criança e adolescente, ele também proporciona um equilíbrio. O esporte contribui com estabilização, para que eles possam ressocializar com outras pessoas, além de poder controlar a ansiedade e conviver com essa relação de ganhar, perder e ter solidariedade com o próximo”, acrescenta a diretora.

Sobre as águas - O surf é um dos esportes estreantes das Olimpíadas de Tóquio e já trouxe o ouro com o brasileiro Ítalo Ferreira. No Pará, a modalidade recebe apoio sobretudo com atletas do município de Salinópolis, que têm mais contato com o mar, como Bruno Soares, de 21 anos, que já participou de várias competições. 

“Eu era muito pequeno quando comecei no surf, o meu tio me deu a minha primeira prancha de surf e comecei com ondas pequenas à beira mar. Com muito treinamento e dedicação comecei a ficar em primeiro lugar em todas as competições e hoje sou um dos nomes que representam o Salinópolis e o Pará em campeonatos dentro e fora do estado”, conta o surfista.

Bruno também foi contemplado com o programa. “A minha família sempre me ajudava com as despesas para as viagens, mas ficou muito pesado. Via muitos colegas viajando para competições de surf, eu fiquei curioso e resolvi perguntar quem ajudava com os gastos nas viagens. Eles me falaram sobre o Bolsa Talento, que é uma ajuda para os atletas paraenses. O meu técnico Noelio Sobrinho, que é também o presidente da Confederação Brasileira de Surf do Pará, ajudou a me inscrever no programa. Com essa ajuda, já participei de cinco campeonatos fora e cinco dentro do estado”, enumera o atleta.

Prática inclusiva -  Os esportes paralímpicos, voltados para pessoas com algum grau de deficiência, também recebem atenção. A paratleta de basquete Vivi Brito, 29 anos, já foi convocada para seleção brasileira para os Jogos Paralímpicos de Pequim, na China, em 2008. Atualmente ela se prepara para integrar a equipe do Brasil no sul-americano, que ocorrerá na Argentina, em setembro. 

O basquete em cadeira de rodas faz parte da história dela desde os 15 anos de idade. “Na época nem imaginava que existia esporte adaptado e sem dúvida foi a melhor coisa que aconteceu na minha vida e me libertou de muito preconceito que tinha de mim mesma. No início, foi um pouco complicado porque eu não gostava de praticar esporte, até por conta da minha deficiência na perna, mas depois a gente vai conhecendo e aprendendo e traz uma alegria que nem consigo explicar, jamais pensei em praticar um esporte em alto rendimento”, admite Vivi Brito.

Ela destaca o papel do treinador na trajetória, que também foi responsável pelo acesso ao Bolsa Talento. “O meu treinador é uma pessoa incansável, ele não deixa a gente desistir em nenhum momento e faz a gente acreditar todos os dias que somos capazes de fazer coisas que jamais imaginávamos que conseguiríamos fazer. Fazer parte da Equipe Remo/All Star Rodas do Pará é muito importante. Ele explicou e ajudou a gente conseguir o Bolsa Talento, com a ajuda conseguimos manter o nosso material esportivo, a Seel ajuda em passagens para competições”, pontua a paratleta.

 

Por Dayane Baía (SECOM)

Nicole Bahls, que confirmou o fim do casamento com o modelo e empresário Marcelo Bimbi no último fim de semana, voltou a conversar sobre os vídeos que estão circulando na internet em que o ex-marido aparece com a consultora de moda Maryllia Gabriela.

"Estou triste, mas desejo que ele seja feliz, só isso", disse a modelo, que preferiu não se estender no assunto.

Nicole ganhou o apoio de diversas famosas nas redes sociais sobre a suposta traição. "Tem coisas que a gente não perde, a gente se livra, Nicole Bahls, te amo", escreveu a cantora Solange Almeida. "Amo a Nicole Bahls. Que babaca um cara trair ela e ainda fazer vídeo", comentou Tatá Werneck. "Nicole não merecia isso não, ela é tão linda e legal", escreveu uma fã da modelo. 

O R7 entrou em contato com Bimbi e com Maryllia Gabriela para comentar o assunto, mas até a publicação da matéria, não houve retorno. O espaço segue aberto para manifestação de ambos e será atualizado.

Separação

O fim do casamento de Nicole Bahls e Marcelo Bimbi foi confirmado no domingo (25). "Marcelo foi uma marido muito bom para mim durante oito anos, mas no final, acabamos nos afastando. Não tenho nada para dizer sobre ele que não seja coisas boas", declarou ela.

Embora tenham ficado oito anos juntos, o namoro só foi confirmado em 2016. Na ocasião, Marcelo falou à reportagem: "Estamos namorando, estamos apaixonados. Acabei de sair de lá da casa dela. Somos quase vizinhos aqui no Rio e começamos a nos gostar mesmo".

Os dois estavam oficialmente casados desde dezembro de 2018. No final de 2019, eles chegaram a dar um tempo na relação, mas reataram logo em seguida.

Em 2019, Nicole e Marcelo venceram a quarta edição do Power Couple Brasil, com 48,60% dos votos do público. Na final, eles superaram Mariana Felício e Daniel Saullo e Clara Maia e André Coelho e levaram para casa o prêmio de R$ 596 mil — valor acumulado pela dupla ao longo do programa.

A modelo ainda esteve em duas edições de A Fazenda, porém não teve a mesma sorte e ficou de fora da final. Com o prêmio em mãos na terceira participação em um reality show, Nicole revelou o que acreditava ter sido o segredo para a conquista.

"O bofe, com certeza. As provas eram muito punk. E eu queria dar orgulho pra ele. Nessa eu acabava me superando, superando meus medos. Se não tivesse meu marido, seria muito mais difícil. Jogar em dupla é muito mais fácil. Se você está triste, tem seu marido para te dar carinho, te acalmar", comentou ela na época.

 

Fonte: Aurora Aguiar, do R7

Há pouco mais de um mês, o Programa de Saneamento Ambiental, Macrodrenagem e Recuperação de Igarapés e Margens do Rio Parauapebas (Prosap) iniciou os serviços de microdrenagem e esgotamento sanitário no bairro União. Execuções grandiosas que consistem no melhor escoamento da água das chuvas e implantação da rede coletora de esgoto para o tratamento adequado dos resíduos domésticos.

Conforme o engenheiro civil, Lucas Carvalho, nessa primeira etapa de obras na bacia do Igarapé Ilha do Coco serão realizadas 480 ligações intradomiciliares. "Iniciamos pelas ruas 11, P e Q visando ao tratamento adequado do esgoto nessa área. É um ganho para a comunidade e para o nosso município todo esse investimento em saneamento ambiental”, destaca o engenheiro.

Quem vive ali sabe bem da necessidade desses serviços, como frisa a dona de casa, Maria de Fátima Rodrigues, de 65 anos. “Eu cheguei a ficar emocionada quando o engenheiro contou que esse esgoto será coletado e tratado. Moro aqui há mais de 30 anos, imagina a minha felicidade em saber disso”, conta a moradora da rua Q, no bairro União.

A alegria da dona Maria de Fátima é contagiante - desde que ela soube da previsão para o início dos trabalhos na rua Q tratou logo de informar aos seus vizinhos. “Eu estou muito agradecida mesmo, agradecida porque alguém está pensando na gente. Eu sei da importância desse tipo de serviço. Esse projeto [Prosap] é muito bom. Eu queria mesmo que tirasse essa 'multidão de água' que fica represada no meio da rua. Isso só traz doença”, diz, segurando uma cartilha com informações sobre o Prosap.

O empresário Expedito Joaquim de Medeiros, de 61 anos, morador da rua 11, esquina com a rua Q, também no União, está satisfeito com o desenvolvimento dos serviços. “Fui atendido pela equipe de obra, dentro do possível. Deus abençoe o trabalho de vocês; vou ficar torcendo para que tenham sucesso. Que as coisas andem direitinho e que o asfalto aqui não demore muito, até para acabar com essa poeira na nossa porta”, espera o morador.

Diálogo social

A compreensão do seu Expedito e de outros moradores é fortalecida pela atuação das equipes das áreas social e ambiental do Prosap. “A conversa, a atenção dada para cada situação, é um compromisso do programa e contribui muito para o bom andamento da nossa atividade em campo”, explica a assistente social, Anne Jacqueline Amorim, responsável pelo diálogo na frente de obra.  

Também moradora da rua 11, a vendedora de lanches, Maria Cláudia de Lima, de 49 anos, ressalta o olhar atento das equipes envolvidas na execução da obra. “Toda vez que eu busquei por atendimento, eu fui ouvida pelos funcionários da empresa. A gente aguarda pela conclusão da obra para ver como tudo vai ficar. Eu acredito muito num serviço de qualidade”, frisa.

As obras de microdrenagem e esgotamento sanitário nessa região devem se estender por mais 45 dias, tempo previsto no cronograma da equipe de engenharia.

 

Texto: Jéssica Borges

Assessoria de Comunicação/PMP

A Caixa Econômica deposita nesta quinta-feira (29) a quarta parcela do auxílio emergencial para os beneficiários do programa nascidos em novembro. Os recursos disponibilizados no aplicativo Caixa Tem podem ser utilizados para efetuar compras e realizar pagamentos.

O saque em dinheiro para o grupo será permitido a partir do dia 17 de agosto. Até lá, a grana pode ser utilizada para o pagamento de boletos e compras pela internet ou pelas maquininhas de estabelecimentos comerciais. Além disso, é possível fazer transferências instantâneas entre bancos via Pix (exceto para contas de mesma titularidade).

Também acontece nesta quinta-feira, o pagamento da quarta parcela do benefício aos integrantes do Bolsa Família com NIS (Número de Identificação Social) final 9, conforme o calendário habitual do programa Neste mês, cerca de 9,5 milhões de famílias deste grupo serão contempladas com o auxílio emergencial.

O benefício emergencial pago em função da pandemia do novo coronavírus acontece pelo menos até outubro. O pagamento médio segue em R$ 250, com exceção às mulheres chefes de família, que recebem R$ 375, e as pessoas que moram sozinhas, R$ 150.

O pagamento do Ciclo 4 do auxílio foi adiantado em sete dias, o último antes das três parcelas extras autorizadas pelo governo federal em meio à pandemia de covid-19. Com a prorrogação do auxílio emergencial até outubro, a expectativa do governo federal é ganhar tempo para o avanço da vacinação contra a covid-19, além de preparar uma ampliação do programa Bolsa Família, com pagamentos no valor de R$ 300.

Confira o calendário do Ciclo 4 do auxílio emergencial

• Crédito em conta poupança

17 de julho (sábado) - nascidos em janeiro
18 de julho (domingo) - nascidos em fevereiro
20 de julho (terça-feira) - nascidos em março
21 de julho (quarta-feira) - nascidos em abril
22 de julho (quinta-feira) - nascidos em maio
23 de julho (sexta-feira) - nascidos em junho
24 de julho (sábado) - nascidos em julho
25 de julho (domingo) - nascidos em agosto
27 de julho (terça-feira) - nascidos em setembro
28 de junho (quarta-feira) - nascidos em outubro
29 de junho (quinta-feira) - nascidos em novembro
30 de julho (sexta-feira) - nascidos em dezembro

• Saque em dinheiro

2 de agosto (segunda-feira) - nascidos em janeiro
3 de agosto (terça-feira) - nascidos em fevereiro
4 de agosto (quarta-feira) - nascidos em março
5 de agosto (quinta-feira) - nascidos em abril
9 de agosto (segunda-feira) - nascidos em maio
10 de agosto (terça-feira) - nascidos em junho
11 de agosto (quarta-feira) - nascidos em julho
12 de agosto (quinta-feira) - nascidos em agosto
13 de agosto (sexta-feira) - nascidos em setembro
16 de agosto (segunda-feira) - nascidos em outubro
17 de agosto (terça-feira) - nascidos em novembro
18 de agosto (quarta-feira) - nascidos em dezembro

• Para o Bolsa Família

19 de julho (segunda-feira) - NIS final 1
20 de julho (terça-feira) - NIS final 2
21 de julho (quarta-feira) - NIS final 3
22 de julho (quinta-feira) - NIS final 4
23 de julho (sexta-feira) - NIS final 5
26 de julho (segunda-feira) - NIS final 6
27 de julho (terça-feira) - NIS final 7
28 de julho (quarta-feira) - NIS final 8
29 de julho (quinta-feira) - NIS final 9
30 de julho (sexta-feira) - NIS final 0

 

Fonte: Do R7

 

Ao som do funk Baile de Favela, Rebeca Andrade conquistou o prata para o Brasil na disputa do individual geral da ginástica artística dos Jogos Olímpicos Tóquio 2020, na manhã desta quinta-feira (29).

Após se apresentar nos quatro aparelhos (salto, barras assimétricas, trave de equilíbrio e solo), a brasileira somou a nota de 57.298. O ouro ficou com a norte-americana Sunisa Lee (57.433) e o bronze foi para a ginasta russa Angelina Melnikova (57.199).

Rebeca começou suas apresentações no salto. Ela foi a segunda a entrar no aparelho, depois de Sunisa Lee, e recebeu nota 15.300, o que deu a ela a liderança geral após o final da primeira rotação. Atrás dela, estavam a norte-americana Jade Carey (15.200) e a russa Angelina Melnikova (14.633), que também se apresentaram no salto.

Na segunda rotação, a brasileira abriu as apresentações das barras assimétricas. Ela ganhou 14.666 no aparelho, e ficou com a quinta nota do seu grupo. No entanto, na somatória das duas notas de todas as ginastas, Rebeca seguiu na primeira colocação ao fim dessa rotação, com 29.966. Seguida pela norte-americana Sunisa Lee (29.900) e da russa Angelina Melnikova (29.533).

No aparelho seguinte, Receba foi a última a se apresentar na trave de equilíbrio. Inicialmente, ela recebeu 13.566, mas pediu revisão e a nota foi para 13.666. Com isso, ela chegou a 43.532 na somatória, ficando atrás somente de Sunisa Lee, que somou 43.733, ao final da terceira rotação. 

Rebeca finalizou com Baile de Favela. Ao som do funk do MC João, a brasileira foi a penúltima a se apresentar no solo, e recebeu 13.666. No somatório, ela ficou com 57.298.

A brasileira havia se classificado para a final do individual geral na segunda colocação, com 57.399, atrás somente da lendária ginasta Simone Biles, dos Estados Unidos. A norte-americana, no entanto, desistiu da disputa para cuidar de sua saúde mental.

Na fase classificatória, que aconteceu no domingo (25), Rebeca começou na trave de equilíbrio, e ganhou nota 13.733, sendo a 11ª melhor marca das eliminatórias.

Na sequência, ela se apresentou no solo, e mandou muito bem. Com a nota 14.066, atrás somente de Biles (14.133) e Jade Carey (14.100), ela se garantiu na final desse aparelho.

No salto, ela também conseguiu a classificação para a final do aparelho ao receber nota 15.400, a maior da série. Rebeca fechou suas apresentações na fase classificatória nas barras assimétricas, ganhando nota 14.200, a 14ª marca entre as ginastas.

 

Fonte: André Avelar, do R7, em Tóquio, e Kaique Dalapola, do R7

A Ronda Ostensiva com Apoio de Motos (ROCAM) apresentou na 20º Seccional Urbana de Polícia Civil um homem identificado como Jardel Oliveira da Silva de 35 anos de idade. De acordo com a polícia o mesmo foi flagrado por volta das 20h30 da última quarta-feira (28) no bairro Vale dos Carajás, na Rua do Cedro esquina com a Rua das Flores, em Parauapebas portando substâncias ilícitas.

Os militares realizavam policiamento ostensivo e preventivo na área quando se depararam com Jardel Oliveira, o mesmo chamou a atenção dos policiais ao agir suspeitamente. No Boletim de Ocorrência registrado na Delegacia consta que na mochila de cor preta foi encontrado uma barra da erva cannabis sativa, popularmente conhecida por maconha, de aproximadamente 864 gramas e várias embalagens plásticas para o embalo e comercialização, além de duas balanças de precisão (uma grande e outra pequena) e a quantia de 10 reais em espécie.

Indagado pelos PMs acerca da procedência da droga, o acusado teria dito que transportava o produto para uma pessoa identificada como Laércio. Ainda segundo os policiais na tentativa de se livrar da prisão Jardel Oliveira teria oferecido aos agentes de segurança a importância de R$:10 mil reais por sua liberdade, mas os PMS deram voz de prisão ao acusado e em seguida acionaram uma viatura para conduzir o mesmo até Delegacia Civil, assim como todo material apreendido.
Foi necessário o uso das algemas para preservar a integridade física dos policiais e do traficante, como também evitar a fuga do mesmo.

 

Por Neide Folha