Imprimir esta página

Após confirmação do primeiro caso, Governo do Pará e Ministério da Saúde tranquilizam a população

Na coletiva, o governador Helder Barbalho; o secretário do MS, Wanderson de Oliveira (e); o vice-governador Lúcio Vale e o secretário Alberto Beltrame (d) Na coletiva, o governador Helder Barbalho; o secretário do MS, Wanderson de Oliveira (e); o vice-governador Lúcio Vale e o secretário Alberto Beltrame (d) Foto: Bruno Cecim / Agência Pará

“Estamos tratando de um caso que não é de circulação interna, comunitária. A transmissão foi em outro Estado. Eu conversei com ele por telefone, e me disse que está absolutamente tranquilo. Recebeu alta hoje de manhã (quarta-feira, 18), mas continua isolado em casa. E vamos ficar monitorando a família”, informou o governador Helder Barbalho, na tarde de hoje, sobre o primeiro caso confirmado de Covid-19 no Pará. O governador participou da transmissão ao vivo, pelas redes do Ministério da Saúde, da entrevista coletiva que atualizou os dados sobre o Coronavírus no Brasil. A entrevista começou às 16h30, no Palácio do Governo, em Belém.

Falaram aos jornalistas o governador Helder Barbalho e o secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Wanderson de Oliveira. Também participaram da coletiva o vice- governador do Pará, Lúcio Vale, e o secretário de Estado de Saúde Pública, Alberto Beltrame.

Helder Barbalho abriu a coletiva abordando a confirmação do primeiro caso de Covid-19 em território paraense. O paciente tem 37 anos, mora em Belém e regressou do Rio de Janeiro (RJ), onde passou o Carnaval. O paciente apresentou um quadro de síndrome aguda respiratória, procurou atendimento em uma unidade particular, ficou em isolamento hospitalar por 14 dias, e agora segue em isolado em casa, onde apresenta condição de saúde estável.

Helder Barbalho disse que já conversou com o paciente confirmado com a doença, e ressaltou as providências tomadas pelo Estado

Estratégia regional - Na coletiva também foi informada a estratégia realizada na Região Norte para dar agilidade ao processo de investigação dos casos suspeitos do novo Coronavírus. Segundo o secretário de Vigilância do MS, até hoje foram registrados 8.819 casos suspeitos no sistema de informação do Ministério da Saúde. Wanderson de Oliveira ressaltou que, a cada três dias, esse número (de casos suspeitos) dobra no Brasil. 

Até o momento, 15 mil testes já foram distribuídos por todo o País. Um número que pode aumentar, disse o secretário do Ministério, que enfatizou a importância de descentralizar os testes para diagnóstico da doença no território nacional.

“O Ministério da Saúde conclui hoje a capacitação de todos os laboratórios estaduais no Brasil, na realização dos testes laboratoriais específicos para o Coronavírus. Isso gera mais capilaridade, mais celeridade no procedimento, podendo, assim, ajustarmos as medidas não farmacológicas em cada realidade local, reconhecendo as diferenças regionais, já que cada Estado tem o seu plano de contingência”, acrescentou Wanderson de Oliveira.

O secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Wanderson de Oliveira, informou sobre casos suspeitos no País

O secretário do MS citou os investimentos em automação da rede nacional de laboratórios, e o apoio que o Instituto Evandro Chagas pode oferecer a outros países. A instituição científica, localizada na Região Metropolitana de Belém, é referência nesse tipo de análise. 

Compromisso - O governador Helder Barbalho e o secretário Alberto Beltrame pediram tranquilidade à sociedade paraense, ressaltando as medidas preventivas que estão sendo tomadas, entre elas a suspensão de aulas na rede estadual de ensino e a redução de horários de funcionamento de shopping centers.

“Nós reunimos com representantes de shoppings do Estado e nos foi informado que a partir de amanhã (quinta-feira, 19) esses locais devem abrir a partir do meio-dia e fechar às 20 h. Estão avaliando como ficarão os serviços de cinema, e também tomando medidas de higienização”, informou o governador.

Orientações - Alberto Beltrame reforçou as orientações à população. “Destacamos que a pessoa que sente os sinais leves e moderados de gripe, com tosse, febre e coriza, fique em isolamento em casa e siga as recomendações do Ministério da Saúde e das secretarias. Deixem os atendimentos nas UPAS (Unidades de Pronto Atendimento), pronto-socorros ou hospitais para casos mais graves, com sinais mais agudos, como a dificuldade de respiração”, reiterou o secretário de Saúde Pública do Pará.

O secretário Alberto Beltrame reforçou os cuidados necessários para prevenção

Em todo o Brasil, apenas cinco pacientes necessitam hoje de tratamento em Unidades de Terapia Intensiva (UTIs). No Pará, estão disponíveis 24 novos leitos de UTIs exclusivamente para pacientes com o novo Coronavírus. Quatro desses leitos ficam no Hospital Abelardo Santos (2), Santa Casa de Misericórdia do Pará (1) e Hospital Universitário João de Barros Barreto (1). Os outros 20 leitos serão montados em Hospitais Regionais espalhados pelo Estado, e serão usados de acordo com a necessidade. A estratégia é definida pelo Ministério da Saúde.

“Em todo o mundo, por causa do Coronavírus, existe uma escassez de equipamentos, como respirador. Por isso, o Ministério da Saúde tem essa estratégia de alugar kits de UTIs e fazer uma distribuição para todos os estados. São 540 leitos em todo o Brasil e, na divisão, ficaram 20 leitos para cada Estado”, esclareceu Helder Barbalho.

Vacinação – Também foi anunciada a antecipação, pelo Estado, da Campanha de Vacinação contra a Gripe, que começará no dia 23 de março (segunda-feira), dividida em três fases. Na próxima segunda-feira, a prioridade é para idosos e profissionais de saúde. A fase seguinte iniciará no dia 16 de abril, para imunizar professores e outros profissionais da educação, segurança e salvamento, além de doentes crônicos.

A entrevista coletiva foi realizada no Palácio do Governo do Pará

A partir do dia 09 de maio, a vacina será para crianças de seis meses a menores de seis anos, grávidas, mães no pós-parto, pessoas com 55 anos ou mais, população indígena e pessoas com deficiência.

Fake News – Ainda na coletiva, as autoridades falaram sobre os cuidados com informações falsas sobre a pandemia de Covid-19. Todos pediram cautela para evitar pânico, e mencionaram como fontes de informação segura canais de comunicação oficiais, como o site do Ministério da Saúde e das secretarias estaduais - no Pará, o site da Sespa.

Outro canal importante para checar se informações são corretas ou fake news é o Whatsapp disponibilizado pelo Ministério da Saúde: (61) 99289-4640.

 

Por Jackie Carrera (SECOM)Ag.Pará

Avalie este item
(0 votos)

Compartilhe na sua rede social...

Carajas o Jornal