Planeta do tamanho da Terra vaga pelo espaço sem uma estrela

Planeta do tamanho da Terra vaga pelo espaço sem uma estrela Foto: Reprodução

Astrônomos já sabem o que é um planeta. No entanto, um termo novo, “planemo” (acrônimo para planetary-mass object, ou "objeto de massa planetária", em tradução livre), começou a ser usado com a descoberta de um planeta do tamanho da Terra, mas que não orbita nenhuma estrela.

Não se sabe a que distância está o OGLE-2016-BLG-1928 nem mesmo o seu tamanho (ele pode ter de 0,3 a 2 vezes a massa da Terra). “O Universo pode estar repleto desses planetas, e nós nem sabemos disso, principalmente porque eles são escuros, sem uma estrela a iluminá-los e difíceis de se localizar”, disse o astrônomo Scott Gaudi, da Ohio State University, que faz parte de uma equipe de astrônomos caçadores de planemos, distribuídos em duas organizações: a Korean Microlensing Telescope Network (KMTN) e o Optical Gravitational Lensing Experiment (OGLE).

Hoje, são conhecidos apenas 21 planetas errantes (sendo que os últimos 4 ainda aguardam confirmação, incluindo o OGLE-2016-BLG-1928, cuja descoberta foi publicada no repositório de artigos arXiv). Os astrônomos em busca desses "peregrinos espaciais" usam a distorção da luz no espaço-tempo — um efeito chamado de microlente gravitacional, que produz a ilusão de aumentar ou aproximar objetos distantes, como uma teleobjetiva.

Luz curva

Mesmo que o planeta errante não esteja próximo de uma estrela o suficiente para empanar seu brilho, o corpo luminoso poderia ser usado para descobri-lo. Ao atravessar a trajetória da luz de uma estrela distante, o planemo faz com que a luz se dobre ao seu redor, por conta da curvatura do espaço-tempo. Quanto maior o planeta for, mais a luz se curvará.

“O sinal de microlente de um planeta errante dura pouquíssimo: de algumas horas a poucos dias. Depois, desaparece para sempre. Isso os torna difíceis de observar da Terra, mesmo com telescópios infravermelhos”, disse o astrofísico Matthew Penny, da Louisiana State University e coautor de um estudo publicado no fim de agosto no arXiv sobre outro planemo encontrado.

Trilhões de errantes

O planemo descoberto tem baixa massa e é relativamente pequeno, por isso não curva muita luz e por pouco tempo — foi encontrado em um evento de microlentes que durou apenas 41,5 minutos (tempo insuficiente para coletar mais dados). Segundo os autores, “essa é a microlente de curto prazo mais extrema descoberta até hoje”.

Podem haver bilhões, ou mesmo trilhões, de planetas errantes flutuando livremente pela Via Láctea. Alguns astrônomos os chamam de “planetas rebeldes” por não terem-se sujeitado à gravidade de uma estrela na formação de sistemas planetários e, por isso, acabaram sendo lançados ao espaço para se virarem sozinhos.

Mesmo assim, a hipótese de o planemo ter uma estrela "para chamar de sua" não foi eliminada. Os astrônomos excluíram a presença de qualquer estrela a uma distância de 8 UAs do OGLE-2016-BLG-1928 (1 unidade astronômica corresponde à distância entre a Terra e o Sol), mas existem órbitas bem maiores do que isso — como a de Netuno, que é de 30 UAs.

 

Fonte: https://www.tecmundo.com.br

Avalie este item
(0 votos)
Loading
https://carajasojornal.com.br/modules/mod_image_show_gk4/cache/Publicidade.2018.Sophos_2019gk-is-100.jpglink
https://carajasojornal.com.br/modules/mod_image_show_gk4/cache/Publicidade.galpogk-is-100.jpglink