O Janeiro Branco é uma  campanha ao estilo da Campanha Outubro Rosa e da Campanha Novembro Azul. O seu objetivo é chamar a atenção da humanidade para as questões e necessidades relacionadas à Saúde Mental e Emocional das pessoas e das instituições humanas. 

No Pará, a finalidade da Sespa é sensibilizar a sociedade sobre a importância da promoção e proteção da saúde mental, assim como informar à população sobre o funcionamento da Rede de Atenção Psicossocial, voltada para os cuidados de saúde das pessoas com sofrimento ou transtorno mental, incluindo aquelas com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS).

Segundo a coordenadora estadual de Saúde Mental, Ilda Morais, o Janeiro Branco foi idealizado em 2014 por um grupo de psicólogos do município mineiro de Uberlândia, preocupados com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) que apontavam um aumento significativo das doenças mentais.  “O mês de janeiro foi escolhido para a campanha em função da grande expectativa que as pessoas criam em relação à chegada de um novo ano”, informou. 

Assim, o objetivo é estimular que as pessoas comecem a fortalecer os cuidados com a sua saúde mental, recebendo esclarecimentos e sendo conscientizadas sobre a necessidade de promover o seu bem-estar físico, social e mental, e de se prevenir das doenças mentais.

"E, considerando a pandemia de Covid-19, que afetou emocionalmente grande parte da população por conta do isolamento e distanciamento sociais, torna-se fundamental, neste ano, uma atenção maior à saúde mental da população”, comentou a coordenadora estadual, Ilda Morais.

Programação - Como ainda não é possível realizar atividades presenciais com grande número de pessoas, por conta da conscientização de se evitar aglomeração, o tema “Cuidar da Mente é cuidar da vida” será abordado em duas lives destinadas exclusivamente a profissionais de saúde e palestras educativas durante as ações do Programa Territórios da Paz (TerPaz).

A primeira live será dia 22 de janeiro, às 10h, por meio do Google Meet, com o subtema “Depressão no contexto intra e extra familiar em tempos de pandemia de Covid-19”. A segunda transmissão online ao vivo, será às 10h, em 29 deste mês, também pelo Google Meet, abordando o subtema “Saúde Mental e Trabalho”.

Já as palestras para a comunidade ocorrerão, no dia 16, nos bairros do Icuí e Terra Firme; no dia 17, no Benguí e Cabanagem; no dia 23, no Jurunas e Benguí; no dia 24, na Terra Firme e Guamá; no dia 30, no Guamá e Cabanagem; e no dia 31, em Marituba e Jurunas. 

Atendimento – A Rede de Atenção Psicossocial (RAPS), cujas diretrizes e estratégias de atuação envolvem as três esferas de governo, é composta pela Atenção Básica de Saúde, Atenção Psicossocial, Atenção de Urgência e Emergência, Atenção Residencial de Caráter Transitório, Atenção Hospitalar e Estratégias de Reabilitação Psicossocial.

A porta de entrada do SUS é a Unidade Básica de Saúde, portanto, o usuário em sofrimento mental deve ser encaminhado para as UBs. “Mas também pode ir diretamente ao CAPS, que representa o cuidado especializado com equipe multidisciplinar capacitada para acolher toda a demanda de Saúde Mental e fazer os encaminhamentos que forem necessários, pois a "Rede" oferece diversos níveis de atenção ao usuário”, explicou Ilda Morais.

Porém, se estiver em crise, o usuário pode ser socorrido pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu 192), levado a uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA 24h) ou a um serviço de emergência psiquiátrica, como o Hospital de Clínicas Gaspar Vianna.

“Esse fluxo pode ocorrer por meio de demanda espontânea ou referenciada de outros serviços de saúde, tais como Atenção Básica, Estratégia Saúde da Família, Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) e Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS) etc.

Estatística -  Segundo Ilda Morais, conforme dados levantados preliminarmente junto aos CAPSs, os distúrbios mentais mais frequentes são transtorno de ansiedade, depressão, bipolaridade e risco de suicídio, além de Transtorno Compulsivo Obsessivo (TOC).

Sobre internações, de acordo com o Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (Datasus), o Pará registrou 2.967 internações por transtornos mentais e comportamentais de janeiro a dezembro de 2019 e 2.647 internações de janeiro a outubro de 2020, por isso, é fundamental a promoção da saúde mental e prevenção das doenças mentais.

Ilda Morais aponta como principais medidas preventivas o autocuidado, a interação social, o compartilhamento de momentos e sentimentos com outras pessoas de confiança, a construção e o fortalecimento dos vínculos afetivos e sociais.

“Em casos mais graves, a orientamos a busca de ajuda especializada junto aos Centros de Atenção Psicossocial”, observou. Ela ressaltou, por fim, que, no âmbito do SUS, a missão da Sespa, por meio da Coordenação Estadual de Saúde Mental, é fomentar e assessorar a Política Pública de Saúde Mental junto aos municípios paraenses, conforme as diretrizes da Política Nacional de Saúde Mental (Lei 10.216/2001).

“No entanto, além de diversos CAPSs instalados em todos os municípios, a população conta com seis CAPSs sob a gestão estadual, em Belém e Santarém”, informou a coordenadora estadual de Saúde Mental, Ilda Morais.

Confira, abaixo, os CAPSs estaduais: 

1 - CAPS Icoaraci (Caps I): Rua Monsenhor Azevedo, 237 (entre Passagem Maguari e Lopo de Castro), Campina de Icoaraci. Telefone: (91) 3227-9137. E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

2. CAPS Amazônia (CAPS I): Passagem Dalva, 377, Marambaia. Telefone: 3231-2599/ 3238-0511. E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

3. CAPS Renascer (CAPS III): Travessa Mauriti, 2179, entre avenidas Duque de Caxias e Visconde de Inhaúma, Pedreira. Telefone: (91) 3276-3448. E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

4. CAPS Grão Pará (Caps III): Rua dos Tamoios, 1840, Batista Campos. Telefone: (91) 3269-6732. E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

5. CAPS Marajoara (CAPS ad III): Conjunto Cohab, Gleba I, WE 2, 451- Nova Marambaia. Telefone: (91) 32360399. E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

6. CAPS Santarém (CAPS ad III): Travessa Dom Amando, Santa Clara, Santarém. Telefone: (93) 3523-1939.

 

Fonte: Por Roberta Vilanova (SESPA)

O opositor russo Alexei Navalny acusou o presidente Vladimir Putin de estar por trás de seu envenenamento na primeira entrevista concedida desde que recebeu alta de um hospital da Alemanha.

"Afirmo que Putin está por trás do ato, não vejo outra explicação. Meu dever agora é continuar sendo como sou, alguém que não tem medo. E não tenho medo", declarou à revista alemã "Der Spiegel", que publicou nesta quinta-feira (1º) trechos da entrevista em seu site.

Navalny também confirmou a intenção de retornar à Rússia quando estiver totalmente recuperado.

"Não vou dar a Putin o presente de não voltar à Rússia. Não voltar significaria que Putin alcançou seu objetivo", afirmou.

Três laboratórios europeus afirmaram que ele foi vítima de um envenenamento com uma substância neurotóxica do tipo Novichok, criada na época da União Soviética para fins militares.

Vários países ocidentais exigiram da Rússia uma investigação do caso. A Alemanha ameaçou a Rússia com sanções. Moscou nega todas as acusações e diz que não há provas que apontem um crime.

A acusação foi divulgada no mesmo dia em que a União Europeia (UE) se reúne em Bruxelas, com a possibilidade de debater a resposta do bloco a Moscou por esta questão, de acordo com a France Presse.

Loading
https://carajasojornal.com.br/modules/mod_image_show_gk4/cache/Publicidade.2018.Sophos_2019gk-is-100.jpglink
https://carajasojornal.com.br/modules/mod_image_show_gk4/cache/Publicidade.galpogk-is-100.jpglink