O Secretário Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente defendeu a volta das crianças ao ensino presencial, sobretudo nas escolas públicas. Segundo Maurício Cunha, que é o entrevistado do programa Brasil em Pauta de domingo (25), mais de 3 milhões de crianças brasileiras não tem acesso ao ensino remoto.

“Com a pandemia, regredimos 20 anos na educação brasileira”, disse ele. Além disso, fora da escola, essas crianças estão convivendo com problemas nutricionais (muitos tinham a merenda como única refeição do dia), psicológicos, de violência (os professores são uns dos principais denunciantes de violências domésticas praticadas contra crianças) e de socialização. 

O secretário disse, inclusive, que no retorno às aulas presenciais a equipe escolar deverá estar mais preocupada com o acolhimento dessas crianças do que com a administração de conteúdo didático. “Nesse momento o apelo é que as crianças tenham acesso à educação presencial de uma forma planejada, escalonada, respeitando os protocolos de saúde, respeitando as escolhas das famílias, mas que não se prive as crianças desse direito”, disse.

Na conversa, o secretário também abordou sobre os 31 anos do ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente) comemorados neste mês. Segundo ele, o ECA foi um marco na legislação que trata desse público com a inauguração da doutrina da proteção integral, na qual a criança passa a ser vista como sujeito de direitos e não apenas objeto de intervenção.

O estatuto também trouxe o conceito da criança em especial situação de desenvolvimento: ela tem de ser protegida e amada. “A criança não é um pequeno adulto. Ela não tem de ser submetida às regras do mercado de trabalho. Ela tem de estudar, ser protegida e brincar. Temos de semear para que ela floresça na vida adulta”, disse.

 

Fonte: Da Agência Brasil

 

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) informou, na noite de sexta-feira (23), que o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2021 teve 3.109.762 pessoas com a inscrição confirmada, menor número desde 2005.

Mesmo antes da confirmação das inscrições, o exame deste ano já tinha a menor quantidade de inscritos desde 2007.

O total de inscrições confirmadas equivale a 77,5% dos 4 milhões de alunos que haviam se inscrito no exame. Para confirmar a inscrição, era necessário pagar a taxa, de R$ 85, até segunda-feira (19). Sem essa validação, a inscrição não era concluída.

O público consumidor de cultura sente falta de eventos presenciais, especialmente shows e salas de cinema. É o que mostra o levantamento Hábitos Culturais II, realizado em parceria pelo Itaú Cultural e Datafolha: diante da oferta simultânea de shows de música ao vivo e online, 62% optariam pela experiência presencial, patamar igualmente verificado entre os visitantes de centros culturais.

Em apresentações de circo, teatro ou dança, a modalidade presencial também surge como a preferida, segundo 64% dos respondentes. O mesmo índice é encontrado para apresentações infantis.

Também têm alta aderência à experiência presencial as aulas e oficinas de arte (65%), as exposições e museus (63%) e as oficinas de criação para crianças (84%). Já entre os espectadores de seminários e de projetos artísticos guiados, os índices de opção pelo presencial são menores: 52% e 48%, respectivamente.

A pesquisa Itaú Cultural/Datafolha também perguntou aos entrevistados qual a atividade cultural que mais fez falta durante a pandemia. Em uma lista em que foram consideradas as três atividades preferidas, cinema ficou em primeiro lugar, com 67% das respostas, seguido por apresentações artísticas (32%), bibliotecas (21%), empatada com atrações infantis (20%), e centros culturais (17%).

Seminários pontuaram com 12%, mesmo índice de aulas e oficinas de arte. Exposições e museus tiveram 15% das preferências na lista tríplice, seguidos por oficinas de criação para crianças (9%). Já 8% disseram sentir falta de saraus de poesia, literários e 3% de projetos artísticos guiados. Outros 6% declararam não sentir falta de nenhuma das atividades apresentadas pelos pesquisadores.

O isolamento social provocado pela pandemia não alimentou apenas o desejo das pessoas por programas culturais presenciais - a saúde mental também foi afetada. A pesquisa revela que 36% dos entrevistados relataram problemas de saúde mental em algum morador da residência nos últimos 12 meses. O Rio Grande do Sul foi a região do País com a maior incidência de casos, com 43% de entrevistados apontando a ocorrência do problema.

Na região metropolitana de São Paulo, a busca por ajuda chegou a 61% dos casos relatados na pesquisa. No Rio, o índice foi de 60%. Nas cidades do interior, o índice foi maior: 67%. Na somatória de capitais e regiões metropolitanas, a procura por ajuda profissional ficou em 59%.

Em casa, as pessoas aumentaram o consumo de atividades culturais no ambiente online durante a pandemia e pretendem manter o hábito após a volta à normalidade. Segundo o levantamento da pesquisa Hábitos Culturais II, o aumento de consumo de cultura no ambiente virtual ocorreu no momento em que os brasileiros passaram a ficar mais conectados à internet. De acordo com o levantamento, 76% dos entrevistados informaram que passaram a se conectar todos os dias. Em 2020, o índice era de 71%.

Isso resultou em um grande aumento também no consumo de apresentações artísticas online, especialmente de música, teatro e dança - no ano passado, 20% dos indivíduos diziam que consumiam este tipo de atividade no ambiente online. Este ano, o índice dobrou e subiu para 40%.

O levantamento ouviu 2.276 indivíduos em todo o Brasil, entre os dias 10 de maio e 9 de junho.

 

Fonte: Por Agência Estado

A Caixa Econômica Federal encerra nesta segunda-feira (19) o calendário de saques da terceira parcela do auxílio emergencial. Cerca de 2,22 milhões de trabalhadores informais nascidos em dezembro que se inscreveram pelos meios digitais ou integram o CadÚnico já podem resgatar a grana.

Ao todo, foram creditados R$ 458,8 milhões para esse público em 30 de junho. Desde então, o valor pôde ser movimentado pelo Caixa Tem, aplicativo pelo qual os beneficiários conseguem pagar boletos, comprar pela internet e pelas maquininhas de estabelecimentos comerciais.

O valor médio pago neste ano pelo auxílio emergencial é de R$ 250, sendo que as mulheres chefes de família recebem R$ 375 e pessoas que vivem sozinhas, R$ 150.

Somando as três etapas de pagamentos, o investimento federal chegou a R$ 26,3 bilhões, incluindo todos os públicos, num total de 114,09 milhões de transferências.

Conforme o Ministério da Cidadania, na terceira etapa da operação, foram beneficiadas mais de 37 milhões de pessoas de forma direta, sendo 27,3 milhões de pessoas do Cadastro Único e aplicativo, além de 9,8 milhões de famílias do Programa Bolsa Família.

Também nesta segunda-feira os beneficiários do auxílio emergencial incluídos no Bolsa Família começam a receber o benefício de julho. Os repasses seguem conforme o calendário habitual do programa. Serão contemplados aqueles que têm NIS (Número de Identificação Social) com final 1.

4ª parcela

A quarta parcela do auxílio emergencial foi antecipada e começou a ser depositada no fim de semana. No sábado (17), receberam os aniversariantes de janeiro e, no domingo, os de fevereiro. Nesta terça, serão contemplados os nascidos em março.

O pagamento do ciclo 4 foi adiantado em sete dias, o último antes das três parcelas extras autorizadas pelo governo federal em meio à pandemia de covid-19.

Os saques em espécie, por sua vez, serão autorizados entre os dias 2 e 18 de agosto, de acordo com a publicação assinada pelo ministro João Roma presente no Diário Oficial da União desta quinta-feira (15).

Os valores vão persistir pelos ciclos 5, 6 e 7 do programa assistencial, quando o governo pretende alocar os beneficiários que ainda estejam em situação precária na nova versão do Bolsa Família, com prestações de até R$ 300.

Calendário atualizado do Ciclo 4

• Crédito em conta poupança

17 de julho (sábado) - nascidos em janeiro
18 de julho (domingo) - nascidos em fevereiro
20 de julho (terça-feira) - nascidos em março
21 de julho (quarta-feira) - nascidos em abril
22 de julho (quinta-feira) - nascidos em maio
23 de julho (sexta-feira) - nascidos em junho
24 de julho (sábado) - nascidos em julho
25 de julho (domingo) - nascidos em agosto
27 de julho (terça-feira) - nascidos em setembro
28 de junho (quarta-feira) - nascidos em outubro
29 de junho (quinta-feira) - nascidos em novembro
30 de julho (sexta-feira) - nascidos em dezembro

• Saque em dinheiro

2 de agosto (segunda-feira) - nascidos em janeiro
3 de agosto (terça-feira) - nascidos em fevereiro
4 de agosto (quarta-feira) - nascidos em março
5 de agosto (quinta-feira) - nascidos em abril
9 de agosto (segunda-feira) - nascidos em maio
10 de agosto (terça-feira) - nascidos em junho
11 de agosto (quarta-feira) - nascidos em julho
12 de agosto (quinta-feira) - nascidos em agosto
13 de agosto (sexta-feira) - nascidos em setembro
16 de agosto (segunda-feira) - nascidos em outubro
17 de agosto (terça-feira) - nascidos em novembro
18 de agosto (quarta-feira) - nascidos em dezembro

 

Fonte: Do R7

A Caixa Econômica Federal libera nesta terça-feira (6) o saque em dinheiro da terceira parcela do auxílio emergencial para 2,2 milhões nascidos em abril que se inscreveram pelos meios digitais ou que integram o CadÚnico. Ao todo, foram creditados R$ 466,6 milhões para esse público.

O benefício que previa quatro parcelas agora foi prorrogado com mais três, ou seja, ao todo serão sete pagamentos até outubro, mas os valores foram mantidos. O pagamento médio continua de R$ 250, exceção às mulheres chefes de família, que recebem R$ 375, e as pessoas que moram sozinhas, R$ 150.

Calendário

O calendário com as datas dos novos pagamento ainda será divulgado pelo Ministério da Cidadania, responsável pelo gestão do benefício, e pela Caixa. O grupo do Bolsa Família tem o pagamento fixo, sempre nos dez últimos dias do mês, de acordo com o cronograma do programa.

Já os outros grupos, inscritos pelo CadÚnico e pelo aplicativo da Caixa, recebem primeiro com depósito na conta digital e depois o saque é liberado. Esse calendário está atualmente no ciclo 3, com saques previstos até o dia 19 de julho.

Quem já recebeu a primeira parcela por depósito pode movimentar o valor pelo Caixa Tem, aplicativo no qual os beneficiários conseguem pagar boletos, comprar pela internet e pelas maquininhas de estabelecimentos comerciais.

Além disso, há a opção de girar o dinheiro usando o Pix, sistema de pagamentos instantâneo do Banco Central. A única exceção às transações se dá para os casos de transferência para conta de mesma titularidade.

Conforme o Ministério da Cidadania, o modelo de escalonamento das transferências e saques, adotado no ano passado durante a primeira rodada do auxílio emergencial, segue com o objetivo de evitar filas e aglomerações nas agências da Caixa e nas lotéricas.

Confira o calendário da 3º parcela com as datas para saque

1º de julho (quinta-feira) - nascidos em janeiro
2 de julho (sexta-feira) - nascidos em fevereiro
5 de julho (segunda-feira) - nascidos em março
6 de julho (terça-feira) - nascidos em abril
8 de julho (quinta-feira) - nascidos em maio
9 de julho (sexta-feira) - nascidos em junho
12 de julho (segunda-feira) - nascidos em julho
13 de julho (terça-feira) - nascidos em agosto
14 de julho (quarta-feira) - nascidos em setembro
15 de julho (quinta-feira) - nascidos em outubro
16 de julho (sexta-feira) - nascidos em novembro
19 de julho (segunda-feira) - nascidos em dezembro

 

Fonte:  Do R7

A Caixa Econômica Federal libera nesta quinta-feira (10) mais uma rodada de saque do auxílio emergencial. A liberação do benefício em dinheiro vivo corresponde ao lote da segunda parcela, que foi depositado em conta digital do banco federal entre os dias 16 e 30 de maio.  Os beneficiários que serão contemplados nesta quinta-feira (10) são os nascidos em julho. Na sexta-feira, 11, recebem os nascidos em agosto.

O auxílio será pago às famílias com renda mensal total de até três salários mínimos, desde que a renda por pessoa seja inferior a meio salário mínimo. O valor médio do benefício será de R$ 250, variando de R$ 150 a R$ 375, a depender do perfil do beneficiário e da composição de cada família.

A Caixa orienta os beneficiários com dúvidas sobre o auxílio a ligarem na central telefônica 111, que funciona de segunda-feira a domingo, das 7h às 22h, ou pelo site.

Veja abaixo o calendário de saques completo:

 

Fonte: Max Ribeiro

Com a pandemia os transtornos mentais causados pela sensação de ansiedade agravaram o quadro psicológico dos brasileiros. De acordo com a ONU (Organização Mundial da Saúde) o Brasil tem 19 milhões de pessoas com o problema.

Os especialistas dizem que essa sensação pode evoluir para um quadro patológico, o que é grave. O sentimento é de angústia e medo, pesadelos estão propensos a acontecer, mas pode variar de pessoa para pessoa.


“Varia muito de indivíduo para indivíduo, porque sonhos e pesadelos são tudo aquilo que as pessoas visualizam durante o dia ‘’, disse a psicóloga Juliana Coimbra.


Thallys Costa perdeu o pai a poucos dias para a Covid-19. Ele conta que sofreu de ansiedade, a situação piorou por conta da pandemia. “Já vivi momentos ansiosos, tive medo da morte, pesadelos, fui acometido pela Covid-19 e ainda perdi meu pai para o vírus”, relatou o jovem.


No Brasil, os grupos de riscos; médicos, indígenas... já estão sendo vacinados, no entanto, a vacina não alcançou a todos, o que tornar algumas pessoas inquietas. "Temos que tentar ser otimistas e manter a calma e acreditar na medicina, em quem fabricou a vacina, todos nós vamos ser vacinados", finalizou a Dr. Juliana.

 

Fonte: Por: Neryan da Hora

A Caixa Econômica Federal (CEF) vai antecipar os pagamentos da segunda parcela do Auxílio Emergencial para os trabalhadores fora do Bolsa Família, segundo comunicado divulgado nesta quinta-feira (13). Para quem faz parte do Bolsa, o calendário não muda.

Os pagamentos começarão no dia 16 de maio para os beneficiários nascidos em janeiro – como previsto no calendário original – mas serão antecipados para os nascidos nos demais meses. Dessa forma, os pagamentos, que deveriam seguir até dia 16 de junho, serão encerrados em 30 de maio, quando os trabalhadores nascidos em dezembro receberão a segunda parcela.

Com a mudança, a Caixa também vai antecipar o calendário de liberação de saques e transferências da 2ª parcela do auxílio para este público, que agora irá de 31 de maio a 17 de junho – antes, as liberações estavam previstas para acontecer entre 8 de junho e 8 de julho.

Veja as novas datas nos calendários abaixo:

Antecipação do auxilio — Foto: Reprodução/CEF
calendário de saques segunda parcela  — Foto: Reprodução/CEF

 

          Fonte: Por G1

ATENÇÃO! O calendário do auxílio emergencial 2021 já conta com datas para pagamento da segunda parcela do benefício.

A expectativa é que os pagamentos sejam iniciados no próximo dia 16 para as pessoas que nasceram em janeiro e termine em junho para os beneficiários nascidos em dezembro.

De acordo com o calendário do auxílio emergencial 2021, os saques, por outro lado, só serão liberados no início de junho para os nascidos em janeiro e devem seguir até julho. As datas, porém, podem ser alteradas e até adiantadas. Clique aqui e descubra o que disse o presidente da Caixa sobre isso.

Porém uma maneira simples, rápida e online foi criada para burlar a data de saque. Basta ter conta em um fintech, como a Nubank. Veja aqui como sacar seu dinheiro antes da data.

Se você teve o auxílio negado, saiba como entrar na Justiça para rever a decisão.

 

Veja abaixo o calendário da 2ª parcela do auxílio emergencial 2021:

 

Nascidos em Dia do crédito em conta Dia para saques em dinheiro e transferências
janeiro 16 de maio 8 de junho
fevereiro 19 de maio 10 de julho
março 23 de maio 15 de junho
abril 26 de maio 17 de junho
maio 28 de maio 18 de junho
junho 30 de maio 22 de junho
julho 2 de junho 24 de junho
agosto 6 de junho 29 de junho
setembro 9 de junho 1º de julho
outubro 11 de junho 2 de julho
novembro 13 de junho 5 de julho
dezembro 16 de junho 8 de julho

Regras do auxílio emergencial 2021

Algumas regras básicas determinam quem pode receber o auxílio emergencial ou não. Veja abaixo algumas regras para quem receberá o auxílio emergencial em 2021.

  • Ter renda per capita inferior a meio salário-mínimo (atuais R$ 550);
  • O valor da renda per capita é calculado pela soma dos ganhos de cada um, dividido pelo número de pessoas que residem no mesmo local;
  • Possuir renda total inferior a R$ 3.300;
  • Não ter vínculo empregatício ou não ter recebido há pelo menos três meses;
  • Microempreendedor Individual (MEI);
  • Desempregados;
  • Beneficiários que receberam o auxílio em 2020 e movimentaram os valores;

Qual o valor e número de parcelas do Auxílio 2021?

Entre muitas discussões e críticas sobre qual seria o valor e número de parcelas adequadas para o auxílio emergencial o governo já bateu o martelo e iniciou os pagamentos.

Ao todo serão quatro parcelas, com valores que podem variar de R$ 150 a R$375.

 

Fonte: por Lucy Tamborino

A Caixa Econômica Federal (Caixa) libera nesta terça-feira (4) os saques e transferências da primeira parcela do Auxílio Emergencial aos beneficiários que não fazem parte do Bolsa Família nascidos em março, que receberam a parcela em poupança social digital no dia 11 de abril.

O pagamento da primeira parcela do auxílio para este público terminou em 29 de abril. Para quem faz parte do Bolsa Família, os pagamentos foram até 30 de abril.

Os pagamentos da segunda parcela do benefício começam em 18 de maio para o público do Bolsa Família, e em 16 de maio para os demais beneficiários (veja nos calendários mais abaixo).

VEJA QUEM PODE SACAR A PARTIR DESTA TERÇA:

  • trabalhadores que não fazem parte do Bolsa Família, nascidos em março

Os trabalhadores podem consultar a situação do benefício pelo aplicativo do auxílio emergencial, pelo site auxilio.caixa.gov.br ou pelo https://consultaauxilio.cidadania.gov.br/

 

Calendários de pagamento:

 

Veja abaixo os calendários de pagamento.

 

   BENEFICIÁRIOS DO BOLSA FAMÍLIA

Auxílio Emergencial 2021 Bolsa Família — Foto: Economia G1

 

    BENEFICIÁRIOS FORA DO BOLSA FAMÍLIA

Auxílio Emergencial 2021 - Calendário para trabalhadores fora do Bolsa Família — Foto: Economia G1

 

Fonte: Por G1

Página 1 de 19
Loading
https://carajasojornal.com.br/modules/mod_image_show_gk4/cache/Publicidade.2018.Sophos_2019gk-is-100.jpglink