Wallace Santos é ouro no arremesso de peso com recorde mundial na classe F55

Wallace Santos é ouro no arremesso de peso com recorde mundial na classe F55 Foto: Wander Roberto /CPB

Foram seis tentativas para escrever o nome na história do arremesso de peso paralímpico. As primeiras rodadas haviam garantido a liderança parcial, mas foi na última investida que Wallace Santos, ao quebrar o recorde mundial da classe F55, para atletas cadeirantes, garantiu mais um ouro para o atletismo brasileiro nas Paralimpíadas de Tóquio.

O título foi conquistado com a marca de 12,63m, 16 centímetros a mais do que o recorde anterior, pertencente a Ruzhdi Ruzhdi desde 2017. O búlgaro desta vez ficou com a prata (12,19m), e o polonês Lech Stoltman (12,23m) completou o pódio.

Este foi o quarto ouro do atletismo brasileiro nas Paralimpíadas de Tóquio apenas no primeiro dia de competições. Pela manhã, no horário do Japão, Silvânia Costa foi bicampeã do salto em distância T11, enquanto Yeltsin Jacques venceu os 5.000m. Na sessão noturna Petrúcio Ferreira foi bicampeão dos 100m T47, prova em que o Brasil também foi bronze com Washington Júnior.

Na classe T55 do arremesso de peso paralímpico os atletas fazem todos os seis arremessos em sequência antes que a vez passe para o adversário seguinte. Wallace foi o segundo na ordem da final. Começou bem, com um arremesso de 12,15m, que o colocou direto na liderança. Após queimar a segunda tentativa, ele superou a barreira dos 12 metros em três das quatro últimas chances. Na final fez a marca que o consagraria, 12,63m.

Como estava escalado no começo da disputa, Wallace exercitou a paciência e teve que segurar a ansiedade enquanto outros seis adversários - dentre eles Ruzhdi Ruzhdi - estabeleciam suas marcas. Lech e Ruhzdi foram o penúltimo e o último a arremessarem, respectivamente, e subiram para a terceira e segunda posições, sem ameaçar o recorde e o ouro do brasileiro.

Décimo colocado na Rio 2016, Wallace foi campeão nos Jogos Parapan-Americanos de Lima. A lesão dele foi decorrência de um grave acidente de trabalho sofrido em 2007. Ele trabalhava em uma empresa de ônibus e estava embaixo de um macaco hidráulico que não suportou o peso de um dos veículos e cedeu. Ele fraturou uma vértebra da coluna e ficou paraplégico, o que o tornou elegível para competir na classe T55 quando ele conheceu o esporte paralímpico.

Avalie este item
(0 votos)

Sul e Sudeste do Pará

Loading
https://carajasojornal.com.br/modules/mod_image_show_gk4/cache/Publicidade.2018.Sophos_2019gk-is-100.jpglink
https://carajasojornal.com.br/modules/mod_image_show_gk4/cache/Novo_Projeto_-_2021-07-05T111350990gk-is-100.jpglink

Vídeos

FAMAP, a escolha inteligente
08 Julho 2019
Em parauaebas, aluno chamou a atenção dos vereadores, no momento em que fazia uso da tribuna. de Carajás O Jornal
18 Abril 2017
Alunos da Rede Estadual de Ensino, assistem aula no meio da rua em Parauapebas
13 Abril 2017
Novo Ministro do STF3
11 Fevereiro 2017
Tiroteio em Redenção deixa população assustada
01 Dezembro 2016
Nesse domingo os paraenses vivenciam o #CIRIO2016, a maior festividade Religiosa do Brasil
09 Outubro 2016
Dr. Hélio Rubens fala sobre o caso de corrupção na Câmara Municipal de Parauapebas
08 Outubro 2016
MARCHA PARA JESUS: Milhares de jovens nas ruas de Parauapebas
08 Outubro 2016
Corrupção é um problema de todos, você também pode combater!
06 Outubro 2016
Joelma agradece pela presença e participação em seu show na FAP 2016
12 Setembro 2016
Jake Trevisan agradecendo toda população de Parauapebas no Carajás O Jornal
06 Setembro 2016
Cantor Açaí no evento da Imprensa na FAP a pedido de Marola Show, canta para a Rainha, primeira e segunda princesa da FAP 2016.
01 Setembro 2016