Carajas o Jornal

Carajas o Jornal

O cantor e compositor Genival Lacerda morreu aos 89 anos, no Recife, em decorrência de complicações da Covid-19, nesta quinta-feira (7). A informação foi confirmada pelo filho dele, João Lacerda.

Artistas e políticos lamentaram, nas redes sociais, a morte do paraibano e a prefeitura de Campina Grande, cidade natal de Genival, decretou luto de três dias.

O artista foi internado no dia 30 de novembro de 2020, no Hospital Unimed I, na Ilha do Leite, na área central da capital pernambucana. Com Covid-19, ele foi levado para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

No dia 4 de janeiro, Genival Lacerda teve uma piora no quadro de saúde, segundo o boletim divulgado pela família. Na quarta (6), a família havia iniciado uma campanha de doação de sangue para o cantor.

Em 26 de maio de 2020, Genival Lacerda havia sofrido um Acidente Vascular Cerebral Isquêmico (AVC) e deu entrada no Hospital d’Ávila, na Zona Oeste da capital pernambucana. Recuperado, ele teve alta três dias depois de ser internado.

Perfil

Genival Lacerda foi um dos grandes nomes do forró e, com carisma e irreverência, se tornou um ídolo popular. Conhecido por todo o Brasil durante 64 anos de carreira, era um símbolo da cultura do Nordeste.

O cantor e compositor nasceu em Campina Grande, na Paraíba, em 5 de abril de 1931. Chegou a trabalhar na cidade como radialista, mas fez a primeira gravação como cantor quando já morava em Recife, para onde se mudou em 1953.

Genival gravou seu primeiro disco em 1956, um compacto duplo com "Coco de 56", escrito por ele e João Vicente, e o xaxado "Dance o xaxado", feito por ele com Manoel Avelino.

Ele gravou diversos álbuns e ficou conhecido pelo Nordeste como músico e radialista durante esta fase no Recife.

 

Em 1964, se mudou para o Rio de Janeiro. A consagração nacional veio com "Severina Xique Xique", de 1975. O refrão "ele tá de olho é na butique dela" virou sua marca.

 

Em seguida, vieram sucessos como "Radinho de pilha", "Mate o véio" e "De quem é esse jegue", que consolidaram o estilo bem humorado do "seu Vavá", como também era conhecido.

O músico viveu no Rio durante o auge da popularidade do forró no Sudeste, e conviveu com outros artistas fundamentais do estilo como Dominguinhos e Luiz Gonzaga.

Com Jackson do Pandeiro, teve uma relação ainda mais próxima, mesmo sendo bem mais novo. A irmã de Jackson, Severina, foi casada com um irmão de Genival.

Desde os anos 90, voltou a morar no Recife e, em 2016, ganhou título de cidadão recifense da Câmara dos Vereadores. Nos últimos anos, não tinha novos sucessos nas rádios, mas manteve o ritmo de shows e o reconhecimento popular.

No final de 2017, recebeu no Palácio do Planalto a medalha da Ordem do Mérito Cultural (OMC). Na cerimônia, Genival tirou seu chapéu estampado de bolinhas ao passar diante do então presidente Michel Temer.

 
Fonte: Por G1 PE

Entregue pelo Governo do Pará no último mês e já finalizando o treinamento da equipe multiprofissional, o Núcleo de Atendimento ao Transtorno do Espectro Autista (Natea) inicia no próximo dia 15 de janeiro (sexta-feira) o atendimento ao público, com o acesso aos serviços inteiramente viabilizados pelo Sistema de Regulação do Sistema Único de Saúde (SUS). A expectativa é de que sejam realizados até 300 atendimentos referenciados por mês, de maneira gradativa, e o público-alvo inclui crianças, adolescentes e adultos.

Instalado no Centro Integrado de Inclusão e Reabilitação (CIIR), o Natea não funciona com "porta aberta". O atendimento só ocorre a partir de encaminhamento por uma Unidade Básica de Saúde (UBS), de acordo com o previsto pelo Ministério da Saúde para atendimentos especializados. Dentre os serviços ofertados nas práticas baseadas em evidências científicas constam a análise do comportamento aplicada (ABA, sigla em inglês), que pela primeira vez será disponibilizada na rede pública de saúde; fonoaudiologia; terapia ocupacional com treino de atividades de lida diária (AVDs); terapia de integração sensorial e treinos vocacionais, dentro de um contêiner que simula uma casa-funcional, para ajudar na inserção dos assistidos em atividades cotidianas. São oferecidos, ainda, musicoterapia, educação física adaptada e arteterapia.

"A expectativa é de um trabalho inovador. Todo atendimento será registrado em um aplicativo, o ABA+, antes utilizado somente pela rede particular, que permite aos profissionais registrar diariamente a evolução de cada paciente. O tratamento será, de acordo com as necessidades, intensivo e semi-intensivo, com prazo de dois anos para alta qualitativa, a depender das evoluções observadas. A necessidade de se estipular um período máximo de atendimento consiste em promover um fluxo de atendimento acessível a todos, ampliar a oportunidade de acesso e corresponsabilizar outros serviços da Rede já existentes", explica Nayara Barbalho, que responde pela Coordenação Estadual de Políticas para o Autismo.

Atendimento - O usuário deve ser atendido em uma Unidade Básica de Saúde em seu município. Após a constatação da necessidade de assistência especializada e de maior complexidade, o pedido será encaminhado à Central de Regulação de Vagas da Secretaria Municipal de Saúde, responsável pela verificação da disponibilidade e pelo encaminhamento do usuário.

Caso haja necessidade, um especialista solicitará encaminhamento, via Central Regional de Regulação, de acordo com a pactuação estabelecida entre seu município e outra cidade que oferece o atendimento. A vaga solicitada é identificada e sinalizada para a Central de onde partiu o pedido. O usuário é deslocado para unidade (estadual ou da rede conveniada) com a disponibilidade previamente agendada, que já o aguarda para realizar atendimento.

Realidade do autismo - É considerado indispensável o maior número de cadastros para a Carteira de Identificação da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista (Ciptea), emitida pela Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), pois só assim será possível conhecer a realidade do autismo no Estado, inclusive para seguir descentralizando o atendimento, a partir da criação de Nateas pelo interior. “Ter acesso a esse quantitativo com certeza vai influenciar na tomada de decisão, de criação de políticas públicas daqui pra frente", ressalta Nayara Barbalho.

O site da Sespa - saude.pa.gov.br/autismo - já recebeu três mil inscrições para a emissão de Cipteas, e 500 delas já foram entregues em municípios da Região Metropolitana de Belém (RMB). As demais serão entregues a partir da próxima semana.

 

Fonte: Por Carol Menezes (SECOM)

O Governo do Pará, por meio da Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), garantiu o fornecimento e a aplicação do medicamento necessário ao tratamento de Antony Neves, 1 ano de idade, diagnosticado com Atrofia Muscular Espinhal (AME) tipo 1, doença rara caracterizada pela fraqueza muscular grave, de forma progressiva, e que provoca a degeneração dos neurônios motores inferiores da medula espinhal.

A primeira dose da medicação foi aplicada na tarde de quarta-feira (06) no Hospital Regional Dr. Abelardo Santos, no distrito de Icoaraci, em Belém, que é referência no tratamento da doença. “A partir de hoje, com a aplicação da primeira dose, a Sespa garante a integralidade do atendimento ao paciente, de acordo com as necessidades clínicas da criança. Nesse primeiro trimestre serão aplicadas cinco doses, e depois a cada quatro meses, se necessário for, ele receberá doses de manutenção”, informa Henrique Vogado, titular da Diretoria de Assistência Farmacêutica da Sespa.

Obrigatoriamente, a medicação só pode ser aplicada no Hospital, pois além do procedimento ser delicado é necessário que o paciente siga em observação, para que a equipe acompanhe possíveis efeitos colaterais. “O procedimento foi muito tranquilo; a primeira dosagem foi aplicada com sucesso. A partir de agora vamos acompanhar o quadro clínico da criança”, afirma Milton Bonny, diretor técnico do Hospital Dr. Abelardo Santos e médico responsável pela aplicação do medicamento em Antony. A criança chegou ao “Abelardo Santos” acompanhada dos pais pela manhã, e ficou em jejum até o procedimento.

A entrega da medicação para o tratamento ainda não havia sido viabilizada devido à falta da documentação necessária para incluir a criança no programa, de acordo com os requisitos do Ministério da Saúde. Após atender às exigências do Ministério, foi possível entregar e administrar o medicamento.

Agradecimento - “Nós estamos muito gratos a todos que estão acompanhando o caso do Antony, e desde o primeiro momento nos procuraram e deram suporte para resolver toda a situação”, declara Armando Bastos, pai da criança.

Incluindo Antony, a Sespa atende três pacientes com AME do tipo 1 em todo o Estado. Os requisitos para receber a medicação usada no tratamento são estabelecidos pelo protocolo clínico e diretrizes terapêuticas para atrofia muscular espinhal tipo 1 estabelecido pelo Ministério da Saúde.

“Nós estamos acompanhando este caso e nosso trabalho é garantir que a população paraense sempre tenha direito ao acesso à saúde pública”, conclui Ariel Barros, secretário de Estado de Saúde Pública em exercício.

 

Fonte: Por Caroliny Pinho (SESPA)

A Secretaria de Estado de Educação (Seduc) realizou, em outubro de 2020, um processo licitatório - por meio de pregão eletrônico, para a contratação de empresas especializadas em fazer o gerenciamento, emissão, distribuição e o fornecimento de vale-alimentação para os 576 mil alunos da rede estadual de ensino.

A nova licitação assegurou duas empresas ganhadoras para atender as 12 Regiões de Integração do Pará: a Meu Vale – que já oferecia o serviço desde o início desta iniciativa do Governo do Estado, e a MaxxCard, que a partir da próxima recarga entra neste processo de distribuição. Com a entrada desta nova administradora, é importante frisar que nas cidades em que ela ficou responsável, será necessário a troca do cartão vale-alimentação escolar, uma vez que a empresa que vinha atendendo as referidas regiões, não atenderá mais a essa demanda.

As regiões que ficaram sob a responsabilidade da nova empresa Maxxcard e precisam realizar a troca de cartão, são: Região Carajás, Região Araguaia, Região Baixo Amazonas, Região Guamá, Região Lago de Tucuruí, Região Marajó e Região Rio Caeté. 

Em respeito aos protocolos sanitários, em decorrência da Covid-19, a Seduc está organizando a entrega de forma escalonada nas escolas estaduais dessas regiões. O aluno ou o responsável devem procurar a unidade de ensino onde está matriculado para realizar a troca do cartão. 

As regiões de integração que, a partir de agora, vão ficar sob a responsabilidade da empresa MaxxCard são:

Região Carajás: Bom Jesus do Tocantins, Brejo Grande do Araguaia, Canaã dos Carajás, Curionópolis, Eldorado dos Carajás, Marabá, Palestina do Pará, Parauapebas, Piçarra, São Domingos do Araguaia, São Geraldo do Araguaia e São João do Araguaia

Região Araguaia: Água Azul do Norte, Bannach, Conceição do Araguaia, Cumaru do Norte, Floresta do Araguaia, Ourilândia do Norte, Pau D'Arco, Redenção, Rio Maria , Santa Maria das Barreiras, Santana do Araguaia, São Felix do Xingu, Sapucaia, Tucumã e Xinguara

Região Baixo Amazonas: Alenquer, Almerim, Belterra, Curuá, Faro, Juruti, Mojuí dos Campos, Monte Alegre, Óbidos, Oriximiná, Prainha, Santarém e Terra Santa

Região Guamá: Castanhal, Colares, Curuçá, Igarapé-Açu, Inhangapi, Magalhães Barata, Maracanã, Marapanim, Santo Antônio do Tauá, Santa Maria do Pará, Santa Izabel do Pará, São Caetano de Odivelas, São Domingos do Capim, São Francisco do Pará, São João da Ponta, São Miguel do Guamá, Terra Alta e Vigia

Região Lago de Tucuruí: Breu Branco, Goianésia do Pará, Itupiranga, Jacundá, Nova Ipixuna, Novo Repartimento e Tucuruí

Região Marajó: Afuá, Anajás, Bagre, Breves, Cachoeira do Arari, Chaves, Curralinho, Gurupá, Melgaço, Muaná, Ponta de Pedras, Portel, Salvaterra, Santa, Cruz do Arari, São Sebastião da Boa Vista e Soure

Região Rio Caeté: Augusto Corrêa, Bonito, Bragança, Cachoeira do Piriá, Capanema, Nova Timboteua, Peixe-Boi, Primavera, Quatipuru, Salinópolis, Santa Luzia do Pará, Santarém Novo, São João de Pirabas, Tracuateua e Viseu.

 

Fonte: Por Lilian Guedes (SEDUC)

O governador Helder Barbalho e o presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Gustavo Montezano, trataram na tarde desta quarta-feira (06) sobre o desbloqueio de recursos do Fundo de Desenvolvimento Regional com Recursos da Desestatização (FRD) para o investimento de R$ 40 milhões em 14 municípios, localizado na área de influência da ferrovia Carajás, no sudeste do Estado. A reunião ocorreu no escritório do BNDES, em Brasília (DF).

Atualmente, os valores bloqueados pelo Banco aguardam a resolução de pendências burocráticas, detectadas pela instituição em projetos. “Recebemos o governador após a visita presencial que fizemos em Belém e falamos de temas importantes. Discutimos recursos para segurança pública, liberação de recursos do FRD, que estão há décadas represados e falamos das oportunidades de saneamento básico no Estado do Pará”, informou Gustavo Montezano.

Helder Barbalho destacou que o encontro teve como objetivo destravar recursos historicamente bloqueados, por meio de ferramentas modernas de gestão e parceria entre a instituição financeira e o Executivo estadual.

Garantia de direitos - “Tratamentos de temas sensíveis para a população paraense, particularmente aos 14 municípios do Estado que têm a ferrovia Carajás em seus territórios e o direito em receber recursos do FRD. Estes recursos precisam ser destravados. A burocracia não pode cercear estes municípios de terem esta conquista, com cerca de R$ 40 milhões, em que Governo e BNDES construam soluções com obras e equipamentos”, detalhou o governador do Pará.

Já na área da segurança pública, o BNDES e o Governo do Estado sinalizaram parceria que pode render investimentos da ordem de R$ 40 milhões, para serem aplicados em tecnologia na área da segurança pública. “Recursos estratégicos para estruturar a Secretaria de Segurança, além das polícias Civil e Militar, para prosseguirmos na estratégia de redução da violência em território paraense”, destacou o chefe do Executivo.

Também foi alinhada a atuação estratégica entre BNDES e Companhia de Saneamento do Pará (Cosanpa), visando à modernização do sistema de saneamento básico. Além de Helder Barbalho e Gustavo Montezano, participaram da reunião o secretário de Estado de Desenvolvimento Urbano e Obras Públicas, Ruy Cabral, e o presidente da Cosanpa, José Antonio De Angelis.

 

Fonte: Por Leonardo Nunes (SECOM)

Sua atitude pode diminuir a transmissão do coronavírus. O número de casos continua aumentando e nesta quarta-feira, 6 de janeiro, notificamos mais 193. Já temos 1.355 pessoas em isolamento social. 

A taxa de ocupação de leitos para Covid-19 em Parauapebas está em 55%.

Caso tenha sintomas, procure a UBS mais próxima da sua casa.

Histórico dos pacientes:

1             .              Mulher                 de          91           anos.     Internada.          PCR

2             .              Mulher                 de          82           anos.     Internada.          PCR

3             .              Homem               de          71           anos.     Internado.          PCR

4             .              Homem               de          75           anos.     Internado.          PCR

5             .              Mulher                 de          69           anos.     Internada.          PCR

6             .              Mulher                 de          58           anos.     Internada.          PCR

7             .              Mulher                 de          48           anos.     Internada.          PCR

8             .              Homem               de          49           anos.     Internado.          PCR

9             .              Homem               de          13           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

10           .              Homem               de          39           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

11           .              Homem               de          39           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

12           .              Mulher                 de          39           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

13           .              Homem               de          28           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

14           .              Mulher                 de          37           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

15           .              Mulher                 de          35           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

16           .              Mulher                 de          46           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

17           .              Homem               de          38           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

18           .              Mulher                 de          34           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

19           .              Mulher                 de          29           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

20           .              Homem               de          32           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

21           .              Homem               de          13           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

22           .              Homem               de          64           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

23           .              Homem               de          18           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

24           .              Mulher                 de          21           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

25           .              Homem               de          28           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

26           .              Homem               de          30           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

27           .              Mulher                 de          47           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

28           .              Homem               de          47           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

29           .              Homem               de          28           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

30           .              Homem               de          48           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

31           .              Homem               de          44           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

32           .              Mulher                 de          13           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

33           .              Homem               de          45           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

34           .              Mulher                 de          35           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

35           .              Homem               de          39           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

36           .              Mulher                 de          36           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

37           .              Homem               de          38           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

38           .              Mulher                 de          19           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

39           .              Mulher                 de          31           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

40           .              Homem               de          16           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

41           .              Mulher                 de          23           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

42           .              Mulher                 de          27           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

43           .              Mulher                 de          41           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

44           .              Homem               de          66           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

45           .              Homem               de          25           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

46           .              Homem               de          24           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

47           .              Mulher                 de          68           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

48           .              Homem               de          33           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

49           .              Homem               de          22           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

50           .              Mulher                 de          34           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

51           .              Homem               de          23           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

52           .              Mulher                 de          19           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

53           .              Mulher                 de          53           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

54           .              Homem               de          29           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

55           .              Homem               de          51           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

56           .              Mulher                 de          59           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

57           .              Homem               de          29           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

58           .              Mulher                 de          20           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

59           .              Mulher                 de          23           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

60           .              Mulher                 de          32           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

61           .              Mulher                 de          31           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

62           .              Homem               de          35           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

63           .              Homem               de          37           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

64           .              Mulher                 de          35           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

65           .              Homem               de          42           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

66           .              Mulher                 de          40           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

67           .              Homem               de          51           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

68           .              Mulher                 de          50           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

69           .              Mulher                 de          59           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

70           .              Mulher                 de          37           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

71           .              Homem               de          54           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

72           .              Homem               de          38           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

73           .              Mulher                 de          44           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

74           .              Homem               de          73           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

75           .              Mulher                 de          18           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

76           .              Homem               de          43           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

77           .              Homem               de          27           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

78           .              Homem               de          38           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

79           .              Mulher                 de          38           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

80           .              Mulher                 de          65           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

81           .              Mulher                 de          30           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

82           .              Mulher                 de          60           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

83           .              Mulher                 de          33           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

84           .              Homem               de          18           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

85           .              Mulher                 de          22           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

86           .              Homem               de          25           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

87           .              Mulher                 de          50           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

88           .              Mulher                 de          21           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

89           .              Mulher                 de          28           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

90           .              Homem               de          63           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

91           .              Mulher                 de          26           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

92           .              Mulher                 de          32           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

93           .              Homem               de          39           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

94           .              Homem               de          37           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

95           .              Mulher                 de          17           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

96           .              Mulher                 de          39           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

97           .              Mulher                 de          34           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

98           .              Homem               de          41           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

99           .              Mulher                 de          38           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

100         .              Homem               de          40           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

101         .              Mulher                 de          32           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

102         .              Mulher                 de          38           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

103         .              Mulher                 de          28           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

104         .              Mulher                 de          38           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

105         .              Mulher                 de          27           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

106         .              Mulher                 de          65           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

107         .              Homem               de          29           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

108         .              Homem               de          54           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

109         .              Homem               de          17           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

110         .              Mulher                 de          47           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

111         .              Homem               de          22           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

112         .              Mulher                 de          25           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

113         .              Homem               de          41           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

114         .              Mulher                 de          46           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

115         .              Homem               de          28           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

116         .              Mulher                 de          20           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

117         .              Homem               de          31           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

118         .              Mulher                 de          14           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

119         .              Criança                 de          7             anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

120         .              Homem               de          13           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

121         .              Homem               de          29           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

122         .              Mulher                 de          29           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

123         .              Mulher                 de          35           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

124         .              Homem               de          46           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

125         .              Mulher                 de          44           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

126         .              Mulher                 de          47           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

127         .              Homem               de          25           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

128         .              Mulher                 de          27           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

129         .              Mulher                 de          63           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

130         .              Homem               de          54           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

131         .              Homem               de          50           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

132         .              Homem               de          23           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

133         .              Mulher                 de          38           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

134         .              Mulher                 de          19           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

135         .              Mulher                 de          62           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

136         .              Homem               de          56           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

137         .              Mulher                 de          59           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

138         .              Homem               de          52           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

139         .              Mulher                 de          48           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

140         .              Mulher                 de          22           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

141         .              Homem               de          65           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

142         .              Homem               de          38           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

143         .              Mulher                 de          52           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

144         .              Homem               de          41           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

145         .              Mulher                 de          17           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

146         .              Mulher                 de          36           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

147         .              Mulher                 de          18           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

148         .              Mulher                 de          35           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

149         .              Mulher                 de          18           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

150         .              Mulher                 de          58           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

151         .              Homem               de          63           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

152         .              Homem               de          33           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

153         .              Mulher                 de          55           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

154         .              Mulher                 de          26           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

155         .              Homem               de          34           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

156         .              Homem               de          34           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

157         .              Homem               de          23           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

158         .              Homem               de          35           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

159         .              Homem               de          33           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

160         .              Mulher                 de          21           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

161         .              Homem               de          18           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

162         .              Homem               de          29           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

163         .              Mulher                 de          21           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

164         .              Mulher                 de          66           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

165         .              Mulher                 de          42           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

166         .              Mulher                 de          39           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

167         .              Mulher                 de          38           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

168         .              Mulher                 de          13           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

169         .              Mulher                 de          40           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

170         .              Mulher                 de          31           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

171         .              Homem               de          23           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

172         .              Homem               de          25           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

173         .              Mulher                 de          26           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

174         .              Homem               de          18           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

175         .              Homem               de          63           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

176         .              Homem               de          32           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

177         .              Mulher                 de          49           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

178         .              Homem               de          59           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

179         .              Mulher                 de          41           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

180         .              Mulher                 de          51           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

181         .              Homem               de          41           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

182         .              Homem               de          23           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

183         .              Mulher                 de          25           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

184         .              Homem               de          34           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

185         .              Mulher                 de          15           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

186         .              Mulher                 de          36           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

187         .              Mulher                 de          42           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

188         .              Homem               de          44           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

189         .              Mulher                 de          16           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

190         .              Mulher                 de          17           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

191         .              Mulher                 de          34           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

192         .              Mulher                 de          38           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

193         .              Homem               de          31           anos.     Isolamento domiciliar.  PCR

Por volta das 22h30, de terça-feira 5, a Polícia Militar através de uma guarnição das Rondas Ostensivo com o apoio de motos da Rocam prendeu e apresentou na 20ª Seccional Urbana de Polícia Civil de Parauapebas ao delegado plantonista Gabriel Henrique, o casal Leonardo Corrêia de Barros e sua companheira Thaynara Silva e Silva, acusado de tráfico de entorpecente.

De acordo com a polícia o casal foi pego quando a GU realizava patrulhamento no bairro da Paz, quando em um bar situado na rua 24 de Março com Cláudio Coutinho, avistaram os mesmos em uma motocicleta Honda Bros de cor vermelha, ao perceber a guarnição a dupla ainda tentou deixar o local, mas foram contidos e abordados.

Segundo a guarnição, Thaynara Silva após ser indagado retirou de seu bolso um pequeno papelote com uma substância análoga conhecida como cocaína.  Ainda segundo a polícia, Leonardo Corrêa teria tentado escapar do flagrante jogando uma trouxa no telhado do bar, mas os policiais conseguiram recuperar o embrulho constatando ser mais drogas da mesma apreendida com a esposa de tal.

Os PMs encontraram cocaína que totalizou 87 gramas juntamente com uma balança de precisão

Indagado pelos PMs o mesmo teria confirmado que comercializava o entorpecente, assim afirmando que avia mais em sua residência. Diante da confissão os policiais militares se dirigiram ao local no Parque dos Carajás, onde encontraram mais cocaína totalizando 87 gramas juntamente com uma balança de precisão.

Diante do flagrante o casal recebeu voz de prisão e logo após foram conduzidos para a delegacia. Leonardo Barros passou por exames de corpo de delito no IML e foi autuado na lei 11. 343/2006 por tráfico de entorpecente. No final da manhã do dia, 5, Leonardo foi conduzido ao presídio na VS-10, já sua mulher ficou na cela de transição da 20ª Seccional aguardando posicionamento do juiz, caso sua prisão seja mantida a mesma deverá ser levada para o presídio feminino em Marabá.

 

Fonte: Neide Folha

Mais conforto e qualidade para os servidores públicos e para o atendimento à população. Esses são alguns dos benefícios que o novo Centro Administrativo da prefeitura de Canaã vai trazer para o município. A obra está em fase avançada, e foi vistoriada pela prefeita de Canaã, Josemira Gadelha, e pelo vice, Zito Augusto.

O Centro ficará localizado próximo à saída de Canaã dos Carajás para a Xinguara, com acesso facilitado pela TransCarajás. O prédio terá mais de 6 mil metros quadrados, com estrutura moderna e totalmente acessível, com rampas, elevador, banheiros, salas climatizadas e amplo espaço de convivência.

No local, irão funcionar as secretarias de Habitação, Finanças, Administração, Planejamento, além da Procuradoria, Assessoria de Comunicação, Código de Posturas e os gabinetes do prefeito e vice-prefeito. O prédio terá ainda salas de reunião, cozinha, lanchonete e estacionamento privativo.

Além do prédio do centro Administrativo, no local a população receberá ainda um lago de mais de 15 mil m², e uma área urbanizada de mais de 19 mil m², totalmente arborizada, além de praça, academia ao ar livre, playground, pista de caminhada e 188 vagas estacionamento.

“É um prédio com muita acessibilidade para garantir que o povo cada vez mais esteja perto da prefeita e dos servidores e também garantir um maior bem-estar e conforto aos servidores que aqui irão trabalhar”, comentou a prefeita Josemira Gadelha. “Toda a equipe está empenhada e trabalhando para concluir essa obra, por uma Canaã melhor”, acrescentou.

 

Fonte: Por Wellington Borges

Alunos novatos que desejam ingressar na Rede Municipal de Ensino de Canaã dos Carajás já podem realizar as suas matrículas. O prazo para os novatos foi iniciado na segunda-feira (4), tanto para o Ensino Fundamental quanto para a Educação Infantil e pré-escola.

Os pais ou responsáveis devem se dirigir à Instituição de Ensino mais próxima munidos da documentação pessoal e comprovante de residência.

As matrículas nas creches para as famílias selecionadas (após visitas de assistentes sociais) serão realizadas a partir do dia 11 de janeiro.

 

Fonte: Por Wellington Borges

Para iniciar o segundo módulo do curso de "Aperfeiçoamento em Políticas Públicas e Gerenciamento de Processos Inclusivos: Um olhar para o transtorno do espectro autista", a Escola de Governança Pública do Estado do Pará (EGPA) e a Secretaria de Estado de Saúde Pública (Sespa), por meio da Coordenação Estadual de Políticas para o Autismo (Cepa) promovem, na quinta-feira (7), uma live com o tema “Avanços e desafios: a importância da Lei Estadual de Proteção dos Direitos da Pessoa com Autismo”. O objetivo é realizar um debate sobre a Lei Estadual 9061/2020, que instituiu a Politica Estadual de Proteção da Pessoa com Autismo (Peptea).

Aprovada em 2020, a lei traz diversas garantias, incluindo a carteira de identificação da pessoa com autismo, atendimento multidisciplinar e capacitação de servidores com base em práticas com evidência científica, como o curso de aperfeiçoamento ofertado pela EGPA, que tem o objetivo de suprir esta necessidade de qualificação ente os servidores da área da Gestão Pública, com foco nas áreas jurídica, saúde, educação, assistência social, cultura, esporte e lazer, e capacitá-los na gestão de políticas públicas de inclusão. Nesta fase, foram inscritos servidores estaduais e municipais de Altamira, Barcarena, Breves, Capanema, Conceição do Araguaia, Goianésia do Pará e Itaituba.

A live será ministrada pela coordenadora estadual de Políticas para o Autismo, Nayara Barbalho, e mediada pela professora Flávia Marçal, coordenadora do Projeto de Ensino TEA - Curso de Aperfeiçoamento em Transtorno do Espectro do Autismo: questões pedagógicas e gerenciamento de processos inclusivos, da Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra) e coordenadora pedagógica do curso ofertado aos servidores.

“O curso está sendo desenvolvido com um trabalho técnico de referência aliando as bases do conhecimento científico a atuação dos servidores. Além disso, diversas ferramentas tecnológicas estão sendo utilizadas para a aproximação com os cursistas, como a realização de lives durante as aberturas e encerramentos dos módulos”, explica Flávia.

Serviço:

A transmissão será realizada na quinta-feira (7), às 19h, pelo canal do YouTube da Escola de Governança.

 

Fonte: Por Isabela Quirino (EGPA)

Sul e Sudeste do Pará

Loading
https://carajasojornal.com.br/modules/mod_image_show_gk4/cache/Publicidade.2018.Sophos_2019gk-is-100.jpglink
https://carajasojornal.com.br/modules/mod_image_show_gk4/cache/Publicidade.galpogk-is-100.jpglink

Vídeos

FAMAP, a escolha inteligente
08 Julho 2019
Em parauaebas, aluno chamou a atenção dos vereadores, no momento em que fazia uso da tribuna. de Carajás O Jornal
18 Abril 2017
Alunos da Rede Estadual de Ensino, assistem aula no meio da rua em Parauapebas
13 Abril 2017
Novo Ministro do STF3
11 Fevereiro 2017
Tiroteio em Redenção deixa população assustada
01 Dezembro 2016
Nesse domingo os paraenses vivenciam o #CIRIO2016, a maior festividade Religiosa do Brasil
09 Outubro 2016
Dr. Hélio Rubens fala sobre o caso de corrupção na Câmara Municipal de Parauapebas
08 Outubro 2016
MARCHA PARA JESUS: Milhares de jovens nas ruas de Parauapebas
08 Outubro 2016
Corrupção é um problema de todos, você também pode combater!
06 Outubro 2016
Joelma agradece pela presença e participação em seu show na FAP 2016
12 Setembro 2016
Jake Trevisan agradecendo toda população de Parauapebas no Carajás O Jornal
06 Setembro 2016
Cantor Açaí no evento da Imprensa na FAP a pedido de Marola Show, canta para a Rainha, primeira e segunda princesa da FAP 2016.
01 Setembro 2016