É muito difícil a missão de Abel Ferreira e talvez ele não se dê conta de quão complicada será a noite desta segunda-feira. Só se ele já entendeu, ou se o ambiente o fez entender, a importância de um Palmeiras x Corinthians.

Por outro lado, não adianta para Abel ganhar do maior rival e depois perder a Libertadores. Ele será uma besta com qualquer uma das derrotas, por mais injusto que isto seja.

O Dérbi tem estatísticas mais justas, as coletadas pelo jornalista e historiador Celso Unzelte, com 128 vitóriras para cada lado e 110 empates. As contas do Palmeiras, do também competente Bruno Alexandre, incluem os Torneios Inícios. Pelas conta de Unzelte, adotadas aqui, o Palmeiras ficou na frente do rival entre os 2 x 0 com dois gols de Tupãzinho, em 1967, até o 1 x 0, gol de Gil, em julho de 2020.

Naquela cabeçada, Gil colocou o Corinthians com 128 vitórias contra 127 do Palmeiras, primeira vantagem alvinegra em 53 anos.

Acontece que o Palmeiras ganhou por 2 x 0 no primeiro turno do Brasileirão e recolocou o empate na contagem. Quem vencer nesta segunda-feira será o hegemônico.

O Corinthians se acertou sob o comando de Vágner Mancini. Venceu cinco vezes e empatou duas nas últimas sete rodadas. Como jogador, Mancini sempre fez gol no Palmeiras. Pela Portuguesa, pelo Bragantino, pelo Guarani, pelo Grêmio... Onde jogava, fazia gol no Palmeiras. Como treinador, no Brasileirão, tem mais vitórias (6) do que derrotas (4). Ganhou pelo Vitórias, Chapecoense, Sport e Botafogo, no ano do rebaixamento.

Mas não venceu no Allianz Parque nem no Parque Antarctica. O Corinthians, sim. Tem 4 vitóiras, 2 empates e 2 derrotas na casa palmeirense. Incrível: o Palmeiras perdeu mais em casa do que venceu.

Se vencer, o Corinthians terá enorme chance de ir à Libertadoes.

Se ganhar, o Palmeiras ainda poderá pensar em ser campeão brasileiro. Por mais difícil que seja.

Mas complicará a estratégia de Abel Ferreira. Tudo complicará. Perder derrubará a auto-estima, vencer obrigará a manter o desafio de jogar todas as partidas em alto nível. Como jogar tudo e manter a equipe sem cansaço, antes de decidir a Libertadores.

Está claro que o clássico muda o astral de todos. Torcida, funcionários, dirigentes, jogadores. Todo mundo sabe a importância de um Palmeiras x Corinthians. Abel Ferreira terá de entender hoje, na prática. E, ao mesmo tempo, manter o time treinador, descansado e concentrado na finalíssima da Libertadores.

Ninguém sabe como será este Palmeiras x Corinthians.

 

Fonte: https://globoesporte.globo.com

O Corinthians vai para cima do América-MG nesta quarta-feira, às 21h30, na Neo Química Arena, na primeira partida das oitavas de final da Copa do Brasil. Pelo menos é o que espera o técnico Vagner Mancini, que prometeu uma equipe agressiva e "buscando a vitória a todo instante".

Em entrevista coletiva nesta terça-feira, véspera do jogo, Mancini disse ter dúvidas na escalação, mas que a forma de atuar já está definida:

– Não tenho algumas peças como Gustavo (Mosquito), Otero e Fábio Santos (que já disputaram a Copa do Brasil por outros clubes), além do Mantuan, na seleção de base. Tenho dúvidas sobre Piton e Jô. Podemos ver um time formado de forma diferente, mas um time que vai buscar o gol desde o início. O Corinthians tem de jogar de forma agressiva, é importante que o torcedor veja isso e que haja uma identificação – comentou o treinador.

– Para um jogo eliminatório de 180 minutos, temos que iniciar buscando a vitória a todo instante. Poderia esconder escalação, mas não posso esconder que o Corinthians vai partir para cima do América, que será agressivo, é minha maneira de trabalhar. Eles vão tentar jogar no erro. Temos de fazer um jogo consistente e competitivo – acrescentou Mancini.

Mesmo com o Corinthians longe dos primeiros lugares no Campeonato Brasileiro e tendo na Copa do Brasil praticamente a única chance de título, o treinador negou dar prioridade ao torneio:

– Lógico que é um caminho mais curto, eu estaria mentindo se não enxergasse desta forma, agora no momento em que estamos, não conseguimos priorizar nada. Prioridade é voltar a jogar um bom futebol, organizar a equipe, eu só poupo jogadores quando percebo que o atleta está caindo fisicamente em performance ou perto de lesão, que podemos saber através da ciência. Mas fazer rodízio de jogadores é importante quando você está encontrando a equipe. Quando encontrou, com Brasileiro e Copa do Brasil, não consigo dizer qual é mais importante. A Copa talvez seja mais curta, mas as duas são importantes. Diferente quando você tem um Estadual, que dá para mesclar time – opinou.

Uma provável escalação do Corinthians para enfrentar o América-MG é: Cássio, Fagner, Marllon, Gil e Lucas Piton; Xavier, Ramiro, Éderson e Matheus Vital; Cazares e Jô.

Importância da Copa do Brasil

– Sempre que você tem dentro da temporada a oportunidade virar a chave e disputar outro campeonato, tem a chance de iniciar um novo ciclo. É importante que se apresente bem, será um adversário difícil, mas é uma oportunidade de tornar um ciclo vencedor no clube nesta competição.

Ausência da torcida

– Não tenha dúvida que repercute e muito. O Corinthians está acostumado com o apoio do seu torcedor, tem força extra que é o torcedor que não desanima, que joga junto. Mas vivemos um período que temos de passar por cima e entender que a torcida está passando energia positiva de suas casas. E não podemos deixar que isso nos abata. Eles estão lá, não presentes, mas com uma energia muito boa.

Lisca

– Um cara que vem realizando ótimos trabalhos, muito dedicado, arma bem as equipes, América tem forma interessante de jogar, vem bem na Série B, vai brigar pelo acesso, um jogo complicado, mas que nossa equipe precisa fazer de forma significante fazer valer o fator casa. Lisca é um amigo, acompanho há alguns anos e vem a cada ano melhorando s sua performance. Por isso, precisamos ter cuidado.

Fonte: Por Bruno Cassucci e Marcelo Braga — São Paulo

Tiago Nunes repetiu por várias vezes o termo "caminho certo" após o empate por 1 a 1 contra o Fortaleza, na Arena Corinthians, pela quinta rodada do Brasileirão.

O técnico gostou do desempenho do Timão em Itaquera, apesar de o resultado não ter sido o esperado.

– As avaliações são feitas no resultado final, então foi justo o empate. Finalizamos mais, tivemos mais a bola, mas isso não teve resultado no placar final. Os jogadores mostraram entrega, tentaram jogar contra um adversário que joga fechado buscando os contra-ataques. Você acaba jogando em um espaço pequeno de campo, poderíamos ter feito no primeiro gol e aí mudaria o jogo. Mas o que fica é a entrega dos jogadores. É um campeonato duro, vão haver empates, derrotas, mas estamos no caminho certo – disse o treinador em entrevista coletiva gravada pela Corinthians TV com perguntas enviadas pelos jornalistas.

– Na minha ótica a equipe jogou bem, ficou exposta em algum momento que tirei um volante e coloquei mais um atacante. Se tivéssemos vencido hoje a equipe teria encaixado, como não venceu, não encaixou. (...) Acho que é um processo normal, a cada jogo a equipe cresce um pouco mais. A equipe teve um volume de grande hoje. Estamos tentando melhorar a cada jogo, mas pela luta dos jogadores eu continuo satisfeito e acreditando que estamos no caminho certo – completou.

Tiago Nunes foi questionado também sobre Otero, meia venezuelano que ficou à disposição do técnico pela primeira vez, mas não saiu do banco de reservas – entraram Luan, Mateus Vital, Gustavo Mosquito e Boselli. Ele citou a hierarquia do elenco para justificar a não utilização do reforço.

– Primeiro que o Otero é um atleta que tem o atributo do chute, mas não é um kicker do futebol americano, que entra para chutar. É um cara que tem que ter movimento para receber a bola e ir para frente. (...) O Otero chegou há pouco tempo, está se ambientando. Tivemos atuações boas de quem entrou. Então a gente tem uma escala de hierarquia em relação aos jogadores que estavam já jogando. O Vital tinha preferência para entrar hoje, até pelas características. Aos poucos ele vai entrando, buscando seu espaço e brigando pela posição – explicou o técnico.

 
 
Fonte: Por Ana Canhedo — São Paulo

A partida entre Atlético-MG e Corinthians, às 19h15 (de Brasília) desta quarta-feira, no Mineirão, marcará o reencontro dos técnicos Jorge Sampaoli e Tiago Nunes pela primeira vez desde que eles travaram um acalorado bate-boca no ano passado, quando defendiam outros clubes.

Em 8 de setembro de 2019, quando Sampaoli comandava o Santos e Tiago Nunes dirigia o Athletico-PR, eles se desentenderam após o empate em 1 a 1 entre os clubes na Vila Belmiro.

O clima que já era quente nos minutos finais do jogo ficou ainda mais tenso depois do apito final. No caminho para o vestiário, Sampaoli passou em frente ao banco do Furacão e se queixou de simulações de faltas dos jogadores adversários. Tiago Nunes reagiu e eles começaram a discutir.

Irritado, Sampaoli chegou a ir em direção ao treinador rival, e ambos foram contidos pelo trio de arbitragem e por jogadores que estavam próximos.

Na sequência, Tiago Nunes deixou o campo bradando:

– No grito, não. Aqui não! – exclamou, batendo com a mão no pescoço e no braço.

Minutos depois, porém, a dupla tratou de colocar panos quentes no episódio. Sampaoli tratou o bate-boca como uma situação normal:

– São coisas do jogo. Foi uma partida muito tensa. Respeito muito o trabalho do treinador nessa equipe (Tiago Nunes). A partida foi muito tensa, extremadamente paralisada. A responsabilidade também é dos que conduzem a partida. Dos nossos jogos foi a mais grosseira nesse aspecto. O time toda hora paralisava o jogo. Foi grosseiro e isso gerou tensão. Mas não há rancor por nada – disse, em entrevista coletiva após a partida.

Tiago Nunes adotou postura semelhante:

– É coisa do jogo, não aconteceu nada. É um teste mental entre as comissões para deixar o adversário fora de seu eixo. Acontece, faz parte e não teve nada de errado.

Sampaoli deixou o Santos ao final do Campeonato Brasileiro e fechou com o Galo em março deste ano. Já Tiago Nunes trocou o Athletico-PR pelo Timão em novembro do ano passado.

A partida entre Atlético-MG e Corinthians marca a estreia do Timão no Campeonato Brasileiro. Já os mineiros vêm embalados após vitória sobre o Flamengo, no Maracanã, por 1 a 0, no último domingo.

 

Fonte: Por Redação do ge — São Paulo

O Palmeiras começa a decidir o Campeonato Paulista de 2020 nesta quarta-feira, às 21h30, contra o Corinthians, em Itaquera. Para ficar com o título, o Verdão terá de interromper um retrospecto que tem sido favorável ao rival. De 2018 para cá, o Dérbi foi disputado nove vezes. Foram duas vitórias palmeirenses, dois empates e cinco derrotas no período.

Mas o que o Palmeiras precisa fazer em campo para vencer e acabar com o histórico recente do Dérbi? Veja abaixo:

Dono da melhor campanha, o time de Vanderlei Luxemburgo terá a vantagem de decidir o torneio em casa no próximo sábado, às 16h30.

Atenção com a bola parada

O Corinthians tem levado a vantagem e até decidido alguns Dérbis recentes nas disputas pelo alto. Foi assim que o time alvinegro venceu o clássico nesta temporada e também no ano passado.

Foi por meio de lances de bola parada que o time corintiano marcou o único gol da vitória alvinegra no dia 22 de julho, com Gil, e no empate em 1 a 1 no Brasileirão de 2019, com Manoel, e também na vitória por 1 a 0 na primeira fase do Paulistão da temporada passada, com Danilo Avelar aproveitando rebote dentro da área palmeirense depois de cabeçada de Gustavo.

Para esta quarta-feira, Vanderlei Luxemburgo não terá Felipe Melo, machucado. O zagueiro tem bom aproveitamento pelo alto e até marcou contra o Corinthians no empate em 1 a 1 no Brasileiro de 2019.

Sem o camisa 30, o Verdão deve ter uma zaga com Luan e Gustavo Gómez. O lateral-esquerdo Matías Viña também pode voltar ao time.

Furar a boa defesa do Corinthians

Tem sido comum um Dérbi ter um goleiro corintiano como destaque. Cássio e até Walter foram decisivos pelo lado alvinegro em partidas recentes contra o Palmeiras.

O Verdão, por exemplo, finalizou mais do que o rival nos últimos quatro jogos (um de 2020 e três de 2019) e também teve mais posse de bola. O aproveitamento, porém, ficou longe de ser satisfatório: foram dois empates e duas derrotas.

De 2018 para cá, o Verdão tem média de 14 finalizações por jogo contra o Corinthians, com quase 30% de acerto. Os alvinegros têm média de oito chutes ao gol, com 50% de acerto no fundamento.

O Corinthians abriu o placar antes dos 15 minutos em quatro dos últimos nove clássicos contra o Palmeiras: no Paulistão de 2020, no primeiro turno do Brasileirão de 2019, na primeira fase do Paulistão de 2019 e na segunda final do Paulistão de 2018.

Isso também tem feito o Verdão sair mais para o jogo, e também encontrar mais dificuldade diante de um bom sistema defensivo. Os palmeirenses têm trabalhado para encontrar alternativas contra adversários mais fechados.

Mais tranquilidade

O Palmeiras teve um atleta expulso em três dos últimos nove clássicos contra o Corinthians: Jailson (2018), Felipe Melo (2018) e Deyverson (2019). No total, o time alviverde recebeu 26 cartões amarelos. O rival recebeu 23 amarelos e teve apenas um atleta com vermelho (Clayson, em 2018).

Quatro destes clássicos foram marcados por confusões. Na primeira fase do Paulistão de 2018, os palmeirenses reclamaram da marcação de um pênalti e expulsão do goleiro Jailson.

Na primeira decisão do torneio estadual, uma briga generalizada pouco antes do intervalo resultou na expulsão de um atleta de cada time.

No Paulistão do ano passado, Deyverson foi expulso após cuspir em direção ao volante Richard. Um ano antes, na vitória do Verdão pelo segundo turno do Brasileirão, o atacante palmeirense provocou os corintianos ao piscar em direção aos reservas alvinegros quando foi substituído.

Encontrar um fator de desequilíbrio

As duas vitórias do Palmeiras contra o Corinthians nos últimos nove clássicos tiveram dois centroavantes como destaque: Borja, na primeira final do Paulistão de 2018, e Deyverson, no segundo turno do Brasileirão do mesmo ano.

Os dois jogadores ainda têm contrato com o Verdão, mas nenhum deles está sendo aproveitado. Borja está emprestado para o Junior Barranquilla, da Colômbia, até o fim do ano, e Deyverson está treinando em horários alternativos na Academia depois de atuar pelo Getafe, da Espanha.

Sem Dudu, negociado com o Al Duhail, do Catar, o Palmeiras perdeu sua principal referência ofensiva e tem sofrido para concluir. Desde a retomada do calendário, o time marcou cinco gols em quatro jogos: Ramires, Luiz Adriano, Felipe Melo, Marcos Rocha e Patrick de Paula. O atacante Willian é o maior goleador do elenco, com oito gols em 2020.

 

Fonte: Por Felipe Zito — São Paulo

O Corinthians encerrou na tarde desta terça-feira a preparação para o clássico contra o Palmeiras, que acontece às 21h30 desta quarta, em Itaquera, pelo Paulistão. Em treino fechado no CT Joaquim Grava, o técnico Tiago Nunes fez um trabalho tático e definiu a escalação alvinegra, que vai apresentar novidades em relação aos últimos jogos antes da paralisação do futebol.

O clássico entre Corinthians e Palmeiras marca o retorno do Campeonato Paulista após mais de quatro meses e terá transmissão da Globo, SporTV e Premiere.

O Timão irá a campo no Dérbi sem o seu principal reforço para o segundo semestre. O atacante Jô não foi inscrito a tempo no Paulistão e está fora da partida.

Outra baixa é o volante Victor Cantillo, que foi diagnosticado com Covid-19.

Na zaga, o técnico Tiago Nunes deve promover a entrada de Danilo Avelar no lugar de Pedro Henrique, vendido ao Athletico-PR. Desta forma, Gil jogará pelo lado direito. A tendência é que o uruguaio Bruno Méndez comece o Dérbi na reserva.

Já na lateral-esquerda, o comandante alvinegro pode manter Carlos Augusto como titular. Ele enfrenta a concorrência de Sidcley, mas agradou nas partidas que disputou antes da quarentena e tem chance de ser mantido.

Recuperado de lesão no joelho direito, Ramiro volta ao time. Ele não joga desde o fim de janeiro.

Desta forma, o Corinthians deve ir a campo com: Cássio, Fagner, Gil, Danilo Avelar e Carlos Augusto (Sidcley); Gabriel, Camacho e Luan; Ramiro, Everaldo e Boselli.

Faltando duas rodadas para o fim da primeira fase do Paulistão, o Corinthians tem chances remotas de se classificar. A equipe ocupa o terceiro lugar do Grupo D com 11 pontos, cinco a menos do que o Guarani e seis a menos do que o Bragantino. Para avançar, o Timão precisa ganhar de Palmeiras e Oeste e torcer para o Bugre não vencer nenhum de seus jogos.

O Dérbi marcará o jogo de número 350 de Fagner pelo Corinthians:

– Toda criança que entra no Corinthians tem o sonho de ser profissional aqui. Eu pude representar isso. Cheguei criança e agora posso completar 350 jogos. Sinto orgulho em poder fazer uma história tão grande – comentou o lateral.

 

Fonte: Por GloboEsporte.com — São Paulo

Jô está muito perto de selar seu retorno ao Corinthians. O atacante de 33 anos acertou nesta terça-feira os últimos detalhes do contrato até o final de 2023. Com o acordo apalavrado, a assinatura do vínculo deve ocorrer nos próximos dias.

Será a terceira passagem de Jô pelo Corinthians, clube no qual foi revelado no início deste século.

O atacante tinha um acordo encaminhado com o clube há quase duas semanas, mas ainda restava acertar algumas condições. Além disso, Jô aguardava propostas de clubes dos Emirados Árabes, o que não aconteceu.

Nesta terça-feira, o presidente corintiano Andrés Sanchez falou com o jogador e seus representantes e fechou os últimos detalhes do acordo.

O atacante está livre no mercado depois de rescindir contrato com o Nagoya Grampus. Ele defendeu o clube japonês nas últimas duas temporadas, logo depois de deixar o Timão como campeão brasileiro em 2017.

Jô chegará dias depois do Corinthians a saída de Vagner Love. Ele estava próximo de voltar ao CSKA, da Rússia, e rompeu amigavelmente o vínculo que tinha com o Timão. Porém, agora tem o futuro incerto.

O provável novo reforço corintiano disputará espaço com Mauro Boselli. O argentino foi o titular absoluto de Tiago Nunes nos primeiros 14 jogos disputados em 2020.

Desde o começo da temporada, quando ficou mais evidente que Jô não teria espaço com o técnico italiano Massimo Ficcadenti, o Corinthians passou a acompanhá-lo de perto. O fato de já contar com Mauro Boselli e Vagner Love (até então) no elenco não impediu a diretoria alvinegra de tentar a contratação de mais um atacante.

Formado nas categorias de base do Timão, Jô ficou até 2005 na equipe, sendo campeão paulista em 2003 e brasileiro em 2005. Em 2017, ele voltou e também foi campeão dos dois torneios.

O jogador foi contratado pelo Nagoya Grampus em 2017 por 10 milhões de dólares e teve bom início pelo clube, sendo artilheiro do Campeonato Japonês em 2018, com 24 gols.

Fonte: Por Ana Canhedo, Bruno Cassucci e Marcelo Hazan — São Paulo

Sul e Sudeste do Pará

Loading
https://carajasojornal.com.br/modules/mod_image_show_gk4/cache/Publicidade.2018.Sophos_2019gk-is-100.jpglink
https://carajasojornal.com.br/modules/mod_image_show_gk4/cache/Publicidade.galpogk-is-100.jpglink

Vídeos

FAMAP, a escolha inteligente
08 Julho 2019
Em parauaebas, aluno chamou a atenção dos vereadores, no momento em que fazia uso da tribuna. de Carajás O Jornal
18 Abril 2017
Alunos da Rede Estadual de Ensino, assistem aula no meio da rua em Parauapebas
13 Abril 2017
Novo Ministro do STF3
11 Fevereiro 2017
Tiroteio em Redenção deixa população assustada
01 Dezembro 2016
Nesse domingo os paraenses vivenciam o #CIRIO2016, a maior festividade Religiosa do Brasil
09 Outubro 2016
Dr. Hélio Rubens fala sobre o caso de corrupção na Câmara Municipal de Parauapebas
08 Outubro 2016
MARCHA PARA JESUS: Milhares de jovens nas ruas de Parauapebas
08 Outubro 2016
Corrupção é um problema de todos, você também pode combater!
06 Outubro 2016
Joelma agradece pela presença e participação em seu show na FAP 2016
12 Setembro 2016
Jake Trevisan agradecendo toda população de Parauapebas no Carajás O Jornal
06 Setembro 2016
Cantor Açaí no evento da Imprensa na FAP a pedido de Marola Show, canta para a Rainha, primeira e segunda princesa da FAP 2016.
01 Setembro 2016