A Polícia Federal (PF) e a Receita Federal deflagraram hoje (9) a operação Modo Avião. É para desmantelar, no Paraná, uma organização criminosa suspeita de ter feito lavagem de dinheiro e importação irregular de produtos eletrônicos.

Segundo a PF, 240 policiais federais e 60 servidores da Receita Federal cumprem, nesta manhã, 56 mandados de busca e apreensão e de prisão preventiva nos estados do Paraná, São Paulo e Ceará. Mais de R$ 428 milhões estão sendo bloqueados em contas bancárias usadas por integrantes do grupo e por empresas envolvidas no esquema de lavagem de dinheiro.

“Durante as investigações foram apreendidas dezenas de carregamentos de produtos eletrônicos importados ilegalmente”, informou a PF ao estimar prejuízos superiores a R$ 420 milhões em decorrência das irregularidades.

Caso sejam condenados, os suspeitos poderão responder pelos crimes de descaminho, lavagem de dinheiro e formação de organização criminosa. As penas máximas somadas podem chegar a 22 anos de reclusão.

 

Edição: Kleber Sampaio

A Polícia Federal deflagrou hoje (20) nas cidades de São Luís, Dom Pedro, Codó, Santo Antônio dos Lopes e Barreirinhas, no Maranhão, uma operação para desarticular uma associação criminosa que promove fraudes, desvios de recursos públicos e lavagem de dinheiro, envolvendo verbas federais da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf).

Batizada de Odoacro, a investigação constatou a existência de um esquema de lavagem de dinheiro a partir do desvio de dinheiro de licitações fraudadas. Estão sendo cumpridos um mandado de prisão e 16 de busca e apreensão.

O esquema funcionava com a criação de empresas de fachada ligadas aos integrantes da associação criminosa que simulavam disputar entre si licitações da Codevasf. Ao final do procedimento, a empresa principal do grupo ganhava a licitação e fechava os contratos com a Codevasf.

Verbas federais

“As diligências apontaram para a utilização do mesmo modus operandi [modo de operação], inclusive com as mesmas pessoas interpostas e empresas de fachada, de condutas realizadas em 2015, quando a Polícia Civil conseguiu identificar uma associação criminosa instituída para desviar recursos públicos do município de Dom Pedro/MA”, informou a Polícia Federal.

Acrescentou que o esquema criminoso veio crescendo nos anos seguintes, passando a desviar verbas federais.

“O líder desse grupo criminoso, além de colocar as suas empresas e bens em nome de terceiros, ainda possui contas bancárias vinculadas a CPFs [Cadastro de Pessoas  Físicas] falsos, utilizando-se desse instrumento para perpetrar fraudes e dificultar a atuação dos órgãos de controle”, disse a PF.

Ela não informou o nome do líder do grupo. Ao todo, participam da operação 80 policiais federais. Se confirmadas as suspeitas, os investigados poderão responder por fraude à licitação, lavagem de capitais e associação criminosa. Somadas, as penas podem chegar a 16 anos de prisão.

Como a associação criminosa é liderada por um investigado apelidado de Imperador, a operação foi chamada de  Odoacro, em referência ao sobrenome do soldado italiano que capitaneou uma revolta que colocou fim ao Império Romano.

 

Fonte: Agência Brasil

A Polícia Federal deflagrou na manhã de quinta-feira, 30/06, a operação Custo Maior, com objetivo de aprofundar investigações sobre irregularidades na concessão de benefícios e estrutura de consultoria de atendimento por atravessadores a segurados do INSS.

As investigações são resultado de um esforço conjunto da Polícia Federal, Ministério Público Federal e da Coordenação-Geral de Inteligência Previdenciária e Trabalhista (CGINT) do Ministério do Trabalho e Previdência (MTP), em conjunto com o INSS. O trabalho teve como base análises de materiais apreendidos na operação Custo Previdenciário (deflagrada em 2018, em Campinas).

A apuração demonstrou que havia mais pessoas envolvidas e não identificadas na operação anterior, que se relacionavam diretamente com servidor do INSS que já foi demitido e condenado pela Justiça Federal.

As irregularidades e infrações legais constatadas foram: atendimento privilegiado com dispensa de senha ou de comparecimento pessoal quando exigido; reunião externa (em restaurante, lanchonete e posto de abastecimento em rodovia) inclusive em finais de semana e períodos noturnos; coleta ou entrega de documentos fora da agência do INSS; retenção e armazenamento de documento em locais não autorizados; manipulação da agenda (postergando ou antecipando data); cálculos em desconformidade com a legislação e inserção de informações falsas no sistema da Previdência Social.

No total, durante a investigação, foram identificados 13 novos benefícios com ações destes atravessadores, e que já foram pagos pelo INSS, somando o valor aproximado de R$ 2.180.000,00 de prejuízo à União.

Na data de hoje, foram cumpridos 2 mandados de busca e apreensão, expedidos pela 9ª Vara Federal em Campinas, nas residências dos investigados que, atualmente, são residentes no município de São Paulo/SP.

Estima-se que a investigação e a cessação dos 13 benefícios identificados evitaram o prejuízo à União próximo a R$ 9.160.000,00.

O nome da operação (Custo Maior) faz alusão ao acréscimo do impacto das fraudes à Previdência Social em relação à fase anterior denominada Custo Previdenciário, que já havia evitado mais de R$ 4.200.000,00 em fraudes.

Os investigados responderão, na medida de suas condutas, pelos delitos de inserção de dados falsos no banco de dados e de associação criminosa, cujas penas podem chegar a 15 anos de prisão.

 

Comunicação Social

Delegacia de Polícia Federal em Campinas

Telefone (19) 3345-2260

No fim de semana, Parauapebas recebeu a ação social Federal Kids, que foca na prevenção dos crimes sexuais contra crianças e adolescentes. No sábado, 25, profissionais das redes de Saúde, Educação, Assistência Social e de ONG’s participaram de capacitação ministrada pelo delegado da Polícia Federal, Clayton Bezerra, idealizador da ação e no domingo, 26, foi realizada uma corrida com dezenas de famílias.  

“A corrida serve para chamar as famílias a entender esse tema que é tão difícil. Em mais de 90% dos casos o abusador conhece a vítima, é alguém muito próximo da família, ou da própria família e que tem ascendência sobre a criança e as pessoas não se atentam a isso”, explicou Clayton Bezerra.  

A técnica de segurança, Mártila Nascimento, é estudante de psicologia e fez questão de levar os três filhos para a corrida, ela também participou da capacitação realizada no sábado, “o conteúdo da capacitação foi muito esclarecedor e reforçou o nosso papel de protetores das nossas crianças”, disse.

A ação foi realizada em parceria com o Departamento de Relações com a Comunidade (DRC). “Desde o ano passado a gente vem desenvolvendo um papel fundamental dentro da comunidade, como conferências, fóruns e agora Federal Kids, que lida com a comunidade em todo o contexto e a criança faz parte dessa comunidade”, destacou Andrew Silva, diretor do DRC.

 

 

Texto: Karine Gomes

Fotos: Elienai Araújo

A Polícia Federal (PF) prendeu um italiano transportando, ilegalmente, ripas de madeira originárias da espécie pau-brasil, no Aeroporto Internacional do Galeão, no Rio de Janeiro.

De acordo com a PF, ele foi preso na noite de ontem (16), quando tentava embarcar para Milão, na Itália, com conexão em Portugal.

Ainda segundo a PF, em uma fiscalização de rotina, foram encontradas 70 peças de madeira, que estavam dentro de uma bagagem despachada pelo passageiro, de 54 anos.

Ele foi preso em flagrante e encaminhado à Superintendência da PF no Rio. O estrangeiro responderá por crime contra o meio ambiente.

 

Fonte: Agência Brasil

Policiais federais fazem hoje (15) uma operação contra a exploração ilegal de um areal em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, no estado do Rio de Janeiro. A Operação Mineralis, da Polícia Federal (PF), cumpre dois mandados de busca e apreensão em Caxias e Belford Roxo, também na Baixada.

As investigações começaram em março de 2021 depois da prisão em flagrante do administrador do areal, de um transportador da areia extraída e de um vigia, que informava sobre a aproximação de policiais, anunciou a PF.

No andamento das investigações, constatou-se que havia pagamento de propinas a policiais para que não combatessem a prática ilegal.

De acordo com a Polícia Federal, explorar ilegalmente areia é considerado crime de usurpação contra a União, além de causar danos ambientais. Os investigados, cujos nomes não foram divulgados, responderão por associação criminosa, usurpação, crime ambiental e corrupção ativa.

 

Fonte: Agência Brasil

O serviço de inteligência do 23° Batalhão de Policiamento Militar (BPM), de Parauapebas, prendeu em flagrante na tarde de terça-feira 07, os nacionais Abraão Lincoln Barros Silva de 19 anos e João Vitor Trindade dos Santos de 21, os mesmos foram pegos quando deixavam a agência dos Correios do Cidade Nova, com um pacote contendo cerca de 20 notas de 50 reais falsas.

Segundo informações a polícia chegou até os mesmos após um delegado da Polícia Federal, pedir apoio ao 23° (BPM) por volta das 15h20, informando que dois indivíduos estariam na agência dos correios, na Cidade Nova em Parauapebas, tentando fazer a retirada de um envelope identificada pelos funcionários da agência como suspeito de conter dinheiro falso.

Foram encontradas em um envelope o dinheiro falso

Em ato continuo os PMs se dirigiram para o local, e quando um dos suspeitos recebeu a encomenda os policiais realizaram a abordagem, ao abrirem o envelope se depararam com as 20 cédulas falsas. Mediante o flagrante, os dois receberam voz de prisão em flagrante, em seguida ambos foram encaminhados para a Delegacia de Polícia Federal em Marabá, para os procedimentos cabíveis.

 

Fonte: Neide Folha

A Polícia Federal cumpre, na tarde de quinta-feira (07/10), um mandado de busca e apreensão expedido pelo Ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, no âmbito do Inquérito nº 4781-STF (Fake News).

O procedimento tem como objetivo investigar crimes praticados mediante a propagação de notícias falsas, denunciações caluniosas, ameaças e infrações que podem configurar calúnia, difamação e injúria contra os membros do Supremo e seus familiares.

Além das buscas, o STF determinou a oitiva de uma ex-colaboradora da própria corte suspeita de envolvimento nos fatos investigados.

 

Coordenação-Geral de Comunicação Social da Polícia Federal

A Polícia Federal, em conjunto com a Receita Federal e o Ministério Público Federal, deflagrou a Operação Acurácia, 14ª fase da Operação Descarte. O objetivo é apurar um esquema de lavagem de dinheiro e corrupção de agentes políticos em troca de apoio na contratação de empresas pertencentes aos investigados por empresas públicas do Governo Federal.

Cerca de 50 policiais federais e servidores da Receita Federal cumprem oito mandados de busca e apreensão na Grande São Paulo e na cidade de Passos/MG. As ordens judiciais foram expedidas pela 2ª Vara Criminal Federal de São Paulo/SP

A PF verificou que o grupo investigado simulou várias operações comerciais e financeiras inexistentes com a finalidade de desviar dinheiro de empresas que atuam na área de medicamentos para empresas de fachada. O intuito dessas operações fictícias era gerar dinheiro em espécie, utilizado como propina a agentes políticos como pagamento em troca de favorecimento na contratação das empresas por estatais.

A participação dos executivos, funcionários e sócios das empresas envolvidas nas operações simuladas é investigada.

Os envolvidos poderão responder, na medida de sua participação nos fatos, pelos crimes de associação criminosa, corrupção ativa e passiva, sonegação fiscal, lavagem de dinheiro, evasão de divisas e operação de instituição financeira sem autorização.

O nome da operação faz referência ao nome de uma das empresas envolvidas, em cuja sede está sendo cumprido mandado de busca e apreensão.

 

 

Superintendência da Polícia Federal em São Paulo

A Polícia Federal, em trabalho conjunto com o Ministério Público Federal e Receita Federal, deflagrou nesta terça-feira (28/9) a Operação Blindagem Metálica, visando desarticular estrutura de empresas voltadas para a prática dos crimes de sonegação fiscal, falsidade ideológica e outras fraudes tributárias.

Participam da deflagração 280 policiais federais, que cumprem 55 mandados de busca e apreensão, expedidos pela Justiça Federal em Taubaté/SP. Os trabalhos estão sendo executados em endereços de São Paulo/SP, Pindamonhangaba/SP, cidades da região metropolitana de Sorocaba/SP, Mogi Mirim/SP, São José dos Campos/SP, além de outros Estados da Federação, como Rio de Janeiro, Paraná, Mato Grosso do Sul, Distrito Federal, Santa Catarina e Minas Gerais.

As investigações apontam que empresas, conhecidas como “noteiras” e “blindadoras”, emitiam notas fiscais inidôneas, simulando compra e venda de sucata de alumínio e alumínio bruto, com a finalidade de gerar créditos fiscais fictícios às empresas do grupo principal investigado.

Mediante subterfúgios contábeis e comerciais, há indícios de que, mensalmente, as empresas envolvidas ajustavam fluxo de quantidade de produtos de interesse, notas fiscais, pagamentos e até simulação de transporte de mercadorias inexistentes, objetivando confundir os órgãos de fiscalização, em especial quanto às operações fictícias de compra e venda de sucata de alumínio ou de alumínio bruto, descritas em notas fiscais.

Até o momento, em decorrência das fraudes tributárias investigadas, foram identificadas sonegações fiscais que atingiram a soma de, aproximadamente, R$ 678 milhões.

As investigações continuam e os envolvidos poderão, em tese, ser responsabilizados pelos crimes de organização criminosa, sonegação fiscal, falsidade ideológica, uso de documento falso e fraude tributária.

 

 

Comunicação Social da Polícia Federal em São Paulo

Página 1 de 6

Sul e Sudeste do Pará

Loading
https://carajasojornal.com.br/modules/mod_image_show_gk4/cache/Publicidade.2018.Sophos_2019gk-is-100.jpglink
https://carajasojornal.com.br/modules/mod_image_show_gk4/cache/Novo_Projeto_-_2021-07-05T111350990gk-is-100.jpglink

Vídeos

FAMAP, a escolha inteligente
08 Julho 2019
Em parauaebas, aluno chamou a atenção dos vereadores, no momento em que fazia uso da tribuna. de Carajás O Jornal
18 Abril 2017
Alunos da Rede Estadual de Ensino, assistem aula no meio da rua em Parauapebas
13 Abril 2017
Novo Ministro do STF3
11 Fevereiro 2017
Tiroteio em Redenção deixa população assustada
01 Dezembro 2016
Nesse domingo os paraenses vivenciam o #CIRIO2016, a maior festividade Religiosa do Brasil
09 Outubro 2016
Dr. Hélio Rubens fala sobre o caso de corrupção na Câmara Municipal de Parauapebas
08 Outubro 2016
MARCHA PARA JESUS: Milhares de jovens nas ruas de Parauapebas
08 Outubro 2016
Corrupção é um problema de todos, você também pode combater!
06 Outubro 2016
Joelma agradece pela presença e participação em seu show na FAP 2016
12 Setembro 2016
Jake Trevisan agradecendo toda população de Parauapebas no Carajás O Jornal
06 Setembro 2016
Cantor Açaí no evento da Imprensa na FAP a pedido de Marola Show, canta para a Rainha, primeira e segunda princesa da FAP 2016.
01 Setembro 2016